Notícias

Banca de DEFESA: PRISCILA SOUZA DE SENA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PRISCILA SOUZA DE SENA
DATA: 27/02/2013
HORA: 14:00
LOCAL: sala o1 prodema
TÍTULO:

 

Avaliação do efeito da pulegona em modelo de
amnésia induzida por escopolamina no teste da esquiva passiva em Danio
rerio (zebrafish) adulto.

Avaliação do efeito da pulegona em modelo deamnésia induzida por escopolamina no teste da esquiva passiva em Danio rerio (zebrafish) adulto.


PALAVRAS-CHAVES:

Memória, Zebrafish, Pulegona


PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

 

A memória é um processo dinâmico que pode ser analisada em diferentes níveis de
organização biológica através da associação a modificações na morfologia, bioquímica e
fisiologia do Sistema Nervoso Central (SNC). O aprendizado é similar entre homens e
animais, como os peixes da espécie Danio rerio que evocam o aprendizado por experiências,
perpassando os processos de consolidação e retenção. Tal relação faz destes animais
excelentes modelos para estudo da memória. Face a inversão na pirâmide populacional e a
expectativa do aumento da prevalência de doenças caracterizadas por perda insidiosa, lenta e/
ou progressiva de memória é necessário caracterizar os mecanismos bioquímicos para
desenvolvimento de drogas que auxiliem nos distúrbios da memória. Tratamentos mais
recentes têm utilizado da biodiversidade da flora brasileira. Plantas vêm sendo utilizadas para
melhorar a função cognitiva e aliviar sintomas associados a quadros de demência. Neste
contexto, os terpenos, a exemplo da pulegona, é relatado devido a sua ação colinesterásica.
Mediante, o objetivo da pesquisa foi avaliar o efeito da pulegona em modelo de amnésia
induzida por escopolamina no teste da esquiva passiva em zebrafish adulto. Para estes
experimentos os peixes foram criados em condições ideais e expostos aos veículos e drogas,
avaliando através do teste da esquiva passiva a ação destes agentes. Inicialmente foi testado
se a escopolamina prejudicava a retenção da memória, posteriormente, determinou-se se a
neostigmina antagonizava os efeitos da escopolamina sobre a aquisição e consolidação desta
resposta, assim como foram avaliados os efeitos da pulegona. Posteriormente analisou-se a
relação da neostigmina e da pulegona no tempo de retenção da resposta de aquisição
aprendida individualmente, com vistas ao desenvolvimento de novos fármacos para o
tratamento dos sintomas cognitivos da demência. Os resultados do presente estudo
apontaram que a pulegona permitiu a aquisição e consolidação de memória e demonstrou
resultados satisfatórios quanto à reversão da amnésia induzida por escopolamina. Os
experimentos ex vivo foram realizados para verificação da inibição da acetilcolinesterase
(AChE), onde observara que, a pulegona, nas concentrações 20 nM e 20 µM apresentaram
inibição de 15,05% e 48,06% respectivamente, ressaltando o potencial desta substância para
desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento de déficits de memória.

A memória é um processo dinâmico que pode ser analisada em diferentes níveis de
organização biológica através da associação a modificações na morfologia, bioquímica e
fisiologia do Sistema Nervoso Central (SNC). O aprendizado é similar entre homens e
animais, como os peixes da espécie Danio rerio que evocam o aprendizado por experiências,
perpassando os processos de consolidação e retenção. Tal relação faz destes animais
excelentes modelos para estudo da memória. Face a inversão na pirâmide populacional e a
expectativa do aumento da prevalência de doenças caracterizadas por perda insidiosa, lenta e/
ou progressiva de memória é necessário caracterizar os mecanismos bioquímicos para
desenvolvimento de drogas que auxiliem nos distúrbios da memória. Tratamentos mais
recentes têm utilizado da biodiversidade da flora brasileira. Plantas vêm sendo utilizadas para
melhorar a função cognitiva e aliviar sintomas associados a quadros de demência. Neste
contexto, os terpenos, a exemplo da pulegona, é relatado devido a sua ação colinesterásica.
Mediante, o objetivo da pesquisa foi avaliar o efeito da pulegona em modelo de amnésia
induzida por escopolamina no teste da esquiva passiva em zebrafish adulto. Para estes
experimentos os peixes foram criados em condições ideais e expostos aos veículos e drogas,
avaliando através do teste da esquiva passiva a ação destes agentes. Inicialmente foi testado
se a escopolamina prejudicava a retenção da memória, posteriormente, determinou-se se a
neostigmina antagonizava os efeitos da escopolamina sobre a aquisição e consolidação desta
resposta, assim como foram avaliados os efeitos da pulegona. Posteriormente analisou-se a
relação da neostigmina e da pulegona no tempo de retenção da resposta de aquisição
aprendida individualmente, com vistas ao desenvolvimento de novos fármacos para o
tratamento dos sintomas cognitivos da demência. Os resultados do presente estudo
apontaram que a pulegona permitiu a aquisição e consolidação de memória e demonstrou
resultados satisfatórios quanto à reversão da amnésia induzida por escopolamina. Os
experimentos ex vivo foram realizados para verificação da inibição da acetilcolinesterase
(AChE), onde observara que, a pulegona, nas concentrações 20 nM e 20 µM apresentaram
inibição de 15,05% e 48,06% respectivamente, ressaltando o potencial desta substância para
desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento de déficits de memória.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2379377 - ROSILENE MORETTI MARCAL
Interno - 1334092 - FRANCILENE AMARAL DA SILVA
Externo à Instituição - ALINI TINOCO FRICKS
Notícia cadastrada em: 26/02/2013 09:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10787-147c949b3