A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: GUSTAVO FLORIANO DOS SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GUSTAVO FLORIANO DOS SANTOS
DATA: 24/08/2022
HORA: 18:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO CCSA
TÍTULO: “MESTRE CHEIROSO CHEGOU”: A FORMAÇÃO ARTÍSTICA E PEDAGÓGICA DO BRINCANTE AUGUSTO BARRETO – REFLEXOS PARA A CARPINTARIA TEATRAL DO MAMULENGO DE CHEIROSO.
PALAVRAS-CHAVES: PROCESSOS FORMATIVOS; CARPINTARIA TEATRAL; MAMULENGO DE CHEIROSO.
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Artes
RESUMO:

O Mamulengo de Cheiroso é um grupo de teatro sergipano que resiste aos desafios do tempo e permanece atuante na contemporaneidade. Afirmando sua trajetória artística há quarenta e quatro anos o grupo tem no boneco seu porta-voz de uma poética e uma estética próprias, inspiradas pelo universo das danças, folguedos e artesania, assim como nos dramas populares circenses. Na construção dessa trajetória, entre tantos atores, diretores e dramaturgos que passaram pelo grupo, há uma presença fundamental que é a de Augusto Barreto: mestre, artesão, bonequeiro e gestor cultural do Mamulengo de Cheiroso. A questão norteadora dessa pesquisa interroga: como se deu a formação artística e pedagógica do brincante Augusto Barreto e como essa se refletiu na construção da carpintaria teatral do Mamulengo de Cheiroso. Como objetivo geral a pesquisa busca compreender de que maneira ocorreu a formação artística e pedagógica de Augusto Barreto e como esta formação se reflete na carpintaria teatral Mamulengo de Cheiroso. Já com os objetivos específicos procuro identificar possibilidades de formações artísticas e pedagógicas de um brincante, investigo a formação cultural, artística e pedagógica do brincante de Augusto Barreto e por fim descrevo a carpintaria teatral do Mamulengo de Cheiroso, seus processos artísticos e a produção dos seus espetáculos cênicos. A respeito da Fundamentação teórica, trago a luz a teoria de Bernard Charlot (2000, 2014, 2021) sobre a relação com o saber, bem como a relação com espaços formativos como casa, escola e outros ambientes formadores sob a perspectiva da educação informal, formal e não formal de Maria Glória Ghon (200, 2007), além da construção da performance artística e sua relação com o cotidiano e o extracotidiano através da Etnocenologia de Armindo Bião (2009). Outros autores como: (SILVA, ABREU, 2005), (KISHIMOTO,1997), (CUNHA, 2016), (REIS, 2010), (FILHO, 1966), discutem as questões sobre o ato de brincar, as culturas populares, o teatro de bonecos, a palhaçaria. Na fundamentação metodológica, trago como lastro da pesquisa a Trajetória de Vida de Marco Antonio Couto Marinho (2017), tendo como procedimento metodológico e técnica de entrevista, respectivamente, a História Oral de Verena Alberti (2005) e Entrevista Narrativa (JOVCHELOVITCH e BAUER, 2003).


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1821173 - DENIO SANTOS AZEVEDO
Presidente - 249.721.695-91 - LOURDISNETE SILVA BENEVIDES
Externo à Instituição - MAGDA SARAT OLIVEIRA

Notícia cadastrada em: 03/08/2022 13:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e