A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MIRTES DE MENEZES ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MIRTES DE MENEZES ALMEIDA
DATA: 06/08/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Plataforma Google Meet
TÍTULO: “Isso tudo é louvor, isso tudo é louvar”: A construção dialógica entre dois mundos culturais, o entre-lugar e as fronteiras, das culturas populares.
PALAVRAS-CHAVES: Taieira. Nagô. Estudos Culturais. Decolonialidade. “Entre-lugar” e “Fronteiras”.
PÁGINAS: 84
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Antropologia
SUBÁREA: Antropologia das Populações Afro-Brasileiras
RESUMO:

A Taieira é um grupo cultural de origem afro-brasileiro, considerado como “dança-cortejo, reconhecido pela comunidade de Laranjeiras e pelo Estado de Sergipe como Patrimônio Imaterial. Grupo de louvação a São Benedito das Flores e a Nossa Senhora do Rosário, cuja liderança feminina ocupa lugares distintos nas relações dialógicasentre o Catolicismo Popular, as Culturas Populares e o Culto Nagô, cujo discurso de manutenção dos costumes se fundamenta na “pureza nagô” e na “promessa” devocional Católica. O objetivo desse trabalho é analisar os entre-lugares ocupados por essas lideranças, entendendo-os também enquanto lugares de resistência, compreendendo as encruzilhadas do discurso original nagô e as suas relações com o catoliocismo popular e as práticas culturais populares para além do dualismoprofano/sagrado, mas compreendendo as suas lógicas como condição de fortalecimento da liderança e do poder feminino criadas a partir do próprio culto nagô como mecanismo de existência enquanto patrimônio afro-diaspórico religioso e cultural.A pesquisa será desenvolvida numa perspectiva teórico-metodólógico pós-colonial, pautada nas epistemologias transgressoras - teorias pós-coloniais com ênfase na decolonialidade nos estudos culturais. Assim, utilizaremos os conceitos de entre-lugar trabalhado e proposto por Cláudio Ferraz (FERRAZ, 2010), dialogando com o conceito postulado por Homi Bhabha (BHABHA). No trato metodológico, recorremos ao método etnográfico (ANGROSINO, 2009) dialogando com pesquisas documentais e bibliográficas e os usos de imagens em estudos culturais empreendendo suas análises através da dimensão imagética como documento (FELDMAN-BIANCO, 1998). Como forma de registro e garantias do lugar de fala dos atores sociais envolvidos,recorreremos à produção de documentários asseverando-lhes não só o lugar de fala e de escuta (RIBEIRO, 2017; SPIVAK, 2010), seguindo as recomendações e exigências do Comitê de Ética da Pesquisa (CEP/UFS/Plataforma Brasil).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 4205099 - FERNANDO JOSÉ FERREIRA AGUIAR
Interno - 2247903 - RAPHAELA SCHIASSI HERNANDES
Interno - 1623728 - NEILA DOURADO GONCALVES MACIEL
Externo à Instituição - JAIRO JOSÉ CAMPOS DA COSTA

Notícia cadastrada em: 26/07/2021 12:50
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e