A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: EVERTON SANTANA FREIRE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EVERTON SANTANA FREIRE
DATA: 23/02/2023
HORA: 09:30
LOCAL: http://meet.google.com/whp-cjnj-pmp
TÍTULO: Propriedades Biofarmacológicas, Fitoquímica e toxicidade da Eryhtrina mulungu: uma revisão sistemática
PALAVRAS-CHAVES: Erythrina mulungu, planta medicinal, biotecnologia, bioativos, antimicrobiana, citotoxidade.
PÁGINAS: 76
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A medicina mundial evoluiu bastante, nos últimos anos, com o surgimento de novos equipamentos bem como a realização de pesquisas diversas sobre os usos farmacológicos de vegetais. Desde a antiguidade, as populações sempre fizeram uso de muitos tipos de plantas para o tratamento e cura de doenças. Muitas das plantas usadas atualmente dizem respeito a uma herança que é passada de geração para geração, sendo que os estudos científicos em cima desses vegetais fazem com que o saber popular possa ser comprovado. Ainda que haja amplo uso de plantas com propriedades medicinais, sobretudo no consumo a partir de chás e outras preparações, há muito o que se pesquisar sobre essas plantas e os compostos farmacologicamente ativos presentes nas mesmas. Nesse contexto, é preciso fazer com que as pessoas compreendam o fato de que, mesmo se mostrando benéficas e naturais, a automedicação com plantas medicinais é uma questão a se preocupar porque pode trazer prejuízos ao corpo humano. O principal objetivo deste trabalho foi estudar e compreender as características fitoquímicas e farmacológicas da espécie Erythrina mulungu, comprovando seus benefícios através de uma análise minuciosa em artigos científicos que detalhem sua importância para a saúde humana. A literatura registra que a E. mulungu é usada popularmente para o tratamento de quadros de ansiedade, insônia, convulsões, menopausa, doenças sexualmente transmissíveis, gengivite, hepatite, doenças cardiorespiratórias e em quadros inflamatórios, entre outros. A revisão sistemática da literatura analisou documentos publicados entre 2002 e 2022 nas bases de dados Web Of Science, PubMed, Scopus, Science Direct e Scielo. Foram usadas as palavras-chaves “Erythrina mulungu”, “plant extracts” e “mulungu”, enquanto os operadores OR e AND foram usados para ampliar e restringir a busca. A partir desta metodologia, observou-se que a literatura relata a distribuição geográfica nos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Foram encontrados 331 artigos nas bases PubMed (27 artigos), ScienceDirect (108 artigos), SciELO (35 artigos), Scopus (76 artigos) e Web Of Science (85 artigos), dos quais 30 atenderam os requisitos para participar deste levantamento bibliográfico. Os artigos relatavam o uso de extratos e frações de diversas partes da planta (casca do caule, casca da raiz, inflorescências, flores e folhas) e também do óleo essencial das folhas. Foram observadas as comprovações das atividades antibacteriana, nematicida, antinociceptiva, antiinflamatória, ansiolítica, anticonvulsiva, antiacetilcolinesterase, antiasmática, sedativa nervosa e febrífuga. A composição química foi representada pela presença de compostos como os alcalóides 11-hidroxieritridinona, 3-desmetoxieritratidinona, eritratidinona, di-hidroerisotrina, eritravina, (+)-11α-hidroxieritravina, erisotrina, eritrartina, hipaforina, erisotrina-N-óxido e eritrartina-N-óxido. Quanto a toxicidade, foram observados valores variando de 1,37 a 2,50 g/kg para a DL50 dependendo do teste utilizado. Assim, o presente trabalho demonstra que as atividades farmacológicas da E. mulungu estão relacionadas a diferentes partes da planta, sendo que as mesmas parecem estar relacionadas com a presença de diversos alcalóides. Considerando a baixa toxicidade observada, a E. mulungu constitui-se como uma alternativa para o tratamento de doenças e também para estudos futuros com vistas a estabelecer se há outros fármacos ativos e outras atividades farmacológicas na planta.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3553547 - BRANCILENE SANTOS DE ARAUJO
Interno - 1199629 - CARLA MARIA LINS DE VASCONCELOS
Externo à Instituição - SAMUEL BRUNO DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 14/02/2023 14:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7