A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ROSALIN SANTANA BARRETO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROSALIN SANTANA BARRETO
DATA: 21/01/2022
HORA: 16:00
LOCAL: Online
TÍTULO: Tabebuia rosea: uma revisão sistemática de suas propriedades farmacológicas e uso na medicina tradicional
PALAVRAS-CHAVES: Tabebuia rosea; atividade farmacológica; medicina tradicional
PÁGINAS: 56
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Biologia Geral
RESUMO:

A T. rosea é uma planta nativa do sul do México, América Central e parte da América Latina, e é usada tradicionalmente no tratamento de picadas de cobra, úlceras, câncer, diabetes e afecções da pele. Os extratos obtidos de diferentes partes dessa planta têm evidenciado variadas atividades farmacológicas na literatura. Esta revisão sistemática objetivou descrever e estruturar as principais ações farmacológicas e o seu uso na medicina tradicional através de busca nos bancos de dados PubMed, Scopus, Science Direct, Scielo e Lilacs, utilizando as palavras-chave ‘Tabebuia’; ‘Plant Extracts’ e ‘Medicine Traditional. Foram totalizados 234 documentos científicos, dos quais 9 artigos atenderam aos critérios de inclusão estabelecidos. Os resultados mostraram que extratos obtidos de T. rosea apresentaram atividades farmacológicas tais como anti-hemorrágica, antiofídica, ansiolítica e antiúlcera, além disso, ficou evidenciada a presença de atividade anti-inflamatória por inibição do óxido nítrico, prostaglandina 2 e TNF‑α, e uma potente atividade antioxidante semelhante a quercetina, associado a diminuição dos níveis de Nrf2 (fator eritróide nuclear 2) no citoplasma e aumento no núcleo, assim como, aumento na expressão de NQO1 (NADPH quinona oxidoredutase). Também foi evidenciada atividade antiproliferativa em diferentes linhagens de células tumorais e ausência de atividade antifúngica. O uso tradicional, além dos já conhecidos, foi evidenciado em disfunções ginecológicas, respiratórias, hepáticas e em crises epilépticas. A utilização recorrente da T. rosea nas pesquisas em países da América Latina dá crédito à importância dos estudos. Sendo assim, a continuidade das pesquisas de suas propriedades, bem como a descoberta de novas atividades é de suma importância como estratégia inovadora na prevenção e tratamento de várias doenças.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1079226 - ALEXANDRE LUNA CANDIDO
Interno - 3553547 - BRANCILENE SANTOS DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1278645 - MARIA GORETTI FERNANDES

Notícia cadastrada em: 22/12/2021 08:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7