A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: PIETRA ALEXIA LIMA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PIETRA ALEXIA LIMA DOS SANTOS
DATA: 27/08/2020
HORA: 14:30
LOCAL: Online
TÍTULO: Perfil Químico e Atividade Biológica de Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J. W. Grimes
PALAVRAS-CHAVES: Abarema cochliacarpos, folhas, atividade antioxidante, atividade biológica, compostos fenólicos.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Bioquímica
RESUMO:

Abarema cochliacarpos é uma espécie endêmica do Brasil, pertence à família Fabaceae e é conhecidapopularmente como barbatimão, estando presente na caatinga e cerrado brasileiro. Em Sergipe, seu uso é em forma de cháspara atividades anti-inflamatória e cicatrizante. Como objetos deste estudo foram utilizadas as folhas do vegetal a fim deconhecer qualitativamente os constituintes químicos das frações obtidas a partir do extrato bruto: fração clorofórmica(FCL), fração hexânica (FHX), fração acetato de etila (FAE) e fração hidrometanólica (FHM) através da prospecçãofitoquímica por ensaios colorimétricos, sendo detectada a presença de metabólitos secundários como fenóis, taninos,flavonóis, catequinas, esteroides, triterpenóides e saponinas. A determinação quantitativa do teor de fenóis, flavonoides eflavonóis das frações foi realizada em triplicata e três repetições sendo os dados expressos como média ± desvio padrão e asdiferenças determinadas por ANOVA seguida de pós teste de Tukey. O maior teor de fenóis foi de 369,40 ± 20,29 mg deEAG.g-1 na FAE, seguido da FCL com 271,16 ± 9,38 mg de EAG.g-1. Na análise de flavonoides, a FCL apresentou o maiorteor com 64,60 ± 0,41 mg de EQ.g-1, seguido da FHM com 56,37 ± 3,06 mg de EQ.g-1; enquanto na determinação deflavonóis a FHX apresentou um teor de 138,63 ± 7,16 mg de ER.g-1 e a FAE 94,71 ± 4,01 mg de ER.g-1. Para adeterminação da atividade antioxidante, foi usado o método do radical livre DPPH, no qual a FAE, FHM e FCL reduziram oradical e apresentaram valores de CE50 de 3,95 ± 0,281 µg.mL-1; 6,22 ± 0,383 µg.mL-1 e 21,12 ± 0,542 µg.mL-1,respectivamente. Na análise antimicrobiana apenas duas frações apresentaram halos de inibição. A FAE para as cepas deStaphylococcus aureus (19,3 mm), Enterococcus durans hirae (10 mm), Escherichia coli derivada (9,6 mm) e Pseudomonasaeruginosa derivada (15 mm), e a FCL para a cepa E. durans hirae (9 mm). Na concentração inibitória mínima (MIC) a FAEsobressaiu-se com 12,5 µg.mL-1 para a S. aureus e E. durans, enquanto a FCL obteve 25 µg.mL-1 para E. durans. Quanto àanálise citotóxica, a FAE nas concentrações testadas não favoreceu a viabilidade celular em 75%, apresentando capacidadeantiproliferativa, exceto a FLC a 20 µg.mL-1. A FAE e FCL apresentaram propriedades antioxidantes e obtiveram efeitoantimicrobiano, além de possuírem metabólitos que corroboram com essas funções.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2335200 - CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
Interno - 1079226 - ALEXANDRE LUNA CANDIDO
Externo à Instituição - SAMUEL BRUNO DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 13/08/2020 15:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c