A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Aceito
Notícias

Banca de DEFESA: ERICA DA SILVA MENDONÇA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ERICA DA SILVA MENDONÇA
DATA: 27/10/2021
HORA: 10:00
LOCAL: Ambiente Remoto
TÍTULO: INTERNAÇÕES PSIQUIÁTRICAS NO NORDESTE BRASILEIRO E O DESMONTE DA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL
PALAVRAS-CHAVES: Reforma psiquiátrica. Internações psiquiátricas. Serviços Substitutivos.
PÁGINAS: 134
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Serviço Social
SUBÁREA: Serviço Social Aplicado
ESPECIALIDADE: Serviço Social da Saúde
RESUMO:

O modelo hospitalocêntrico, baseado na exclusão social da pessoa em sofrimento psíquico, foi histórico e amplamente utilizado por diferentes países, inclusive no Brasil. Contudo, a partir das experiências, principalmente com a Segunda Guerra Mundial, em que o sofrimento dos prisioneiros em campos de concentração e dos soldados em guerra foi comparado ao sofrimento das pessoas que viviam trancadas nos manicômios, percebeu-se a necessidade de um tratamento mais humano para com essas pessoas, daí surge o movimento pela Reforma Psiquiátrica, que começou a pensar o tratamento da loucura a partir da ótica dos direitos. Esse movimento teve início no Brasil na década de 1970 e adquiriu consistência na década seguinte junto ao movimento de redemocratização pelo qual passava o país. Em 2001 foi aprovada a Lei 10.216, conhecida como Lei Paulo Delgado, a qual redirecionou o modelo assistencial em saúde mental e regulamentou os serviços de atenção à saúde mental, dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas em sofrimento psíquico. Os hospitais psiquiátricos seriam utilizados apenas em situações de crise, como último recurso, depois de esgotados os dispositivos da rede de atenção psicossocial. A pesquisa teve como objeto de estudo as internações psiquiátricas no Nordeste brasileiro no período de 2010 a 2020. Como objetivo geral: analisar as internações psiquiátricas na região Nordeste do Brasil nesse período. A coleta de dados foi realizada por meio de dados disponíveis no Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) do Ministério da Saúde. A pesquisa foi exploratória de caráter qualitativo; teve como método de análise o materialismo histórico-dialético, o qual possibilitou a análise dos dados a partir da aparência à essência. Dentre os resultados destacamos a redução do percentual total de internações psiquiátricas no Brasil em 34,9% no período de 2010 a 2020. Entre as regiões do país a que apresentou maior redução foi o Nordeste, que reduziu as taxas de internações em 42,2%, e também apresentou maior taxa de cobertura de CAPS por habitantes (1,84). No ano de 2020 houve redução do número de internações psiquiátricas em relação ao ano anterior, fato que pode estar relacionado ao início da pandemia de covid-19 que enfrentamos durante esse ano e que perdura ainda hoje. No que diz respeito aos tipos de transtornos dos quais derivam as internações 43,7% deles são de esquizofrenia e 27,2% do uso de álcool e outras substâncias psicoativas. Com relação a faixa etária 46,9% das internações aconteceram com pessoas com idade entre 20 e 39 anos; 55,4% correspondem ao sexo masculino e no quesito raça/cor 55,2% são pretos/as e pardos/as, 9,6% brancos/as e 31% sem registro. Constatamos que a luta antimanicomial deve ser permanente, mesmo em um cenário de conquistas e avanços em direção ao ideal de cuidado em saúde mental que almejamos, pois convivemos e ainda poderemos conviver com inúmeros retrocessos e perdas de direitos, de acordo com cada conjuntura e relações de poder que se estabeleçam na sociedade. Para mais, as tantas bandeiras de luta que conhecemos são aqui também evidenciadas, pois as lutas são transversais e, por isso, questões como o racismo, o machismo e o preconceito de classe acabam reverberando nos indicadores de saúde mental, evidenciando que a luta por uma sociedade livre de manicômios perpassa também pela luta contra as diversas opressões que encontramos na sociabilidade capitalista.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2178437 - VANIA CARVALHO SANTOS
Interno - 426483 - NOEMIA LIMA SILVA
Interno - 3307484 - NELMIRES FERREIRA DA SILVA
Externo à Instituição - LUCIA CRISTINA DOS SANTOS ROSA

Notícia cadastrada em: 22/10/2021 15:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r16418-219d26904e