A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: CARLA CORREIA DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLA CORREIA DE ALMEIDA
DATA: 07/06/2024
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/vsi-digy-skp
TÍTULO: : O IMAGINÁRIO SOCIAL DO PROFESSOR NA MÍDIA: uma perspectiva discursiva da identidade do professor
PALAVRAS-CHAVES: Formações Imaginárias. Formações Discursivas. Identidade. Sujeito-professor.
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Teoria e Análise Lingüística
RESUMO:

O discurso é atravessado por formações imaginárias que funcionam nos processos discursivos, representando os lugares sociais e ideológicos do sujeito. Sob esse contexto, este trabalho se propõe ao estudo discursivo do imaginário construído do professor pela mídia, por meio de instituições educacionais, observando as representações que são perpetuadas na sociedade. Pautando-se nos pressupostos teóricos da Análise de Discurso Francesa (AD), bem como em seu dispositivo teórico-metodológico de análise, pretende-se apresentar uma análise que reflita sobre as formações discursivas (FDs) que atravessam a sociedade, sendo reproduzidas e perpetuadas pelas diversas mídias, reforçando formações ideológicas (FIs) que vão reatualizando e influenciando as representações sobre a posição do sujeito enquanto professor, produzindo efeitos de sentido na formação dessa identidade. Como objetivos, intenta-se analisar que efeitos são produzidos a partir da similaridade das materialidades analisadas, como a memória discursiva materializa essas imagens construídas, e que se cristalizam nas práticas e representações dessas identidades, e como a evidência da identidade vai se inscrevendo na memória, nos processos de identificação e (des)identificação do sujeito professor, enquanto bom ou mau sujeito. Refletindo as formas de representação que constituem e atravessam as identidades, o questionamento central consiste em: Quais sentidos são produzidos e atravessam as discursivizações de enunciados contemporâneos, por meio de formações ideológicas, formulando a imagem do professor na mídia, em sites de instituições educacionais, e como essas imagens provocam a identificação e a (des)identificação do professor? Assim, está fundamentada nos estudos de Michel Pêcheux (1993; 1994; 1995; 2015), Orlandi (2005; 2007; 2011; 2012), numa interface com os Estudos Culturais, respaldados em Stuart Hall (2001), e Zygmunt Bauman (2005), Claude Dubar (1997; 2009) que abordam as questões relacionadas às identidades culturais. Também foi utilizado como referência os estudos na área de Psicologia social sobre Identidade de Antônio Carlos Ciampa (1987; 1989; 2002), Serge Moscovici (1961, 1978, 2005, 2007) além de outros textos que tratavam dessa temática. Por conseguinte, tal estudo corrobora para vislumbrar as relações simbólicas e de poder que constituem as formações discursivas e que se estabelecem como verdade na posição sujeito professor, possibilitando um deslocamento no olhar desse sujeito, o professor, bem como no olhar social acerca desta questão.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1305011 - FABIO ELIAS VERDIANI TFOUNI
Interno - 2422200 - TAYSA MERCIA DOS SANTOS SOUZA DAMACENO
Interno - 1308591 - JOCENILSON RIBEIRO DOS SANTOS
Externo à Instituição - SÔNIA PINTO DE ALBUQUERQUE MELO
Externo à Instituição - ANDERSON DE CARVALHO PEREIRA

Notícia cadastrada em: 10/05/2024 15:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c