A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JEFERSON RODRIGUES DOS SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JEFERSON RODRIGUES DOS SANTOS
DATA: 26/04/2024
HORA: 10:00
LOCAL: Sala 01 de Departamento de Letras Libras
TÍTULO: Faces do romance pepeteliano: encruzilhada, sensível e efabulação
PALAVRAS-CHAVES: Romance africano, Autoria africana, Encruzilhada, Sensibilidades descoloni zadas, Pepetela.
PÁGINAS: 130
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

Uma pesquisa cujas premissas são a rasura de uma compreensão generalizante sobre literatura, a responsabilidade literária e a cosmopercepção africana em torno do modelo narrativo. Há, aqui, a possibilidade de devolver tudo de maneira transformada, pois, como a escrita de “feiti ços” se presentifica em diferentes tempos e espaços por meio de estratégias de guerrilha e es crita, afirma-se uma escrita-feitiço. A imagem do feitiço gira e baixa a força vital desta tese: encruzilhada. Neste terreno fértil, incorpora-se o chamando vindo da atividade romanesca de Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, Pepetela, autor angolano. Sua escrita carrega efeitos de encante e de sutura e amarração de pertenças, sabedorias e memórias ancestrais, abrindo-se ao caminho do objetivo central: riscar e atar os aspectos da composição romanesca de Pepetela. Por serem Muana Puó (1978), Mayombe (1980), e As Aventuras de Ngunga (1973), as obras estabelecedoras dos paradigmas literários, busca-se três pontos: i) a ideia de romance, ii) a po sição das vozes narrantes e iii) a inscrição de subjetividades no bojo das experiências sociais. Por isso, em expansão, Yaka (1985) e Se o passado não tivesse asas (2016) atam-se ao primeiro eixo, enquanto Lueji (1989) e Sua excelência, de corpo presente (2018) amarram-se ao segundo, e, por fim, A Geração da Utopia (1995) e Predadores (2005) unem-se ao terceiro. Ao colocar os romances no balaio, entende-se que cada um é um ponto que se amplia da obra maior: o projeto literário pepeteliano. Assim, como modo de sustentar esta proposta de trabalho, gira-se em torno de sensibilidades descolonizadas, no sentido do encruzilhamento de epistemologias, saberes, autorias, teorias e áreas do conhecimento oriundas das experiências africanas, negro brasileiras e latino-americanas. Com essa gira, estica-se a roda não apenas acerca da narrativa de Pepetela, mas também sobre os estudos relacionados ao romance africano de língua portu guesa, propondo, dessa maneira, um modo de pensar a sua composição.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 95283 - CARLOS MAGNO SANTOS GOMES
Interno - 515.625.109-91 - CLAUDIO JOSE DE ALMEIDA MELLO
Externo ao Programa - 1687732 - JEANE DE CASSIA NASCIMENTO SANTOS

Notícia cadastrada em: 11/04/2024 13:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c