A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIANA AUGUSTA CONCEIÇÃO DE SANTANA FONSECA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA AUGUSTA CONCEIÇÃO DE SANTANA FONSECA
DATA: 18/03/2024
HORA: 10:00
LOCAL: meet.google.com/yjn-qbrg-ovz
TÍTULO: Borderlands/La frontera, la nueva mestiza: as colonialidades nas representações da mulher chicana
PALAVRAS-CHAVES: Linguística Aplicada. Chicanas. Fronteira. Colonialidade.
PÁGINAS: 97
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Aplicada
RESUMO:

Situada na área da Linguística Aplicada, esta pesquisa dedica-se à análise de elementos textuais presentes em Borderlands/La Frontera: la Nueva Mestiza, de Gloria Anzaldúa. Publicada em 1987, a obra narra a realidade de muitas chicanas e indígenas como forma de denúncia a todo um histórico de opressão, através do pensamento fronteiriço e decolonial da autora. O arcabouço teórico utilizado por Anzaldúa, intitulado por ela mesma de auto-história, permite refletir, analisar e questionar acerca dos problemas sociais enfrentados por chicanas e chicanos que lutam pela autodefinição e autodeterminação nos territórios que compreendem a fronteira do México e Estados Unidos. A análise está baseada nos conceitos das colonialidades, tais como a do ser (Maldonado-Torres, 2007); do saber (Lander, 2005); de gênero (Lugones, 2014); da linguagem (Veronelli, 2015); cosmogônica ou da mãe-natureza (Walsh, 2009), que são interfaces da colonialidade do poder (Quijano, 2005). O propósito desta análise é demonstrar como as questões étnico-raciais, de língua, de gênero e de natureza permeiam na obra de Anzaldúa, por meio das concepções das colonialidades supracitadas. Este estudo visa ampliar as discussões sobre linguagem, identidade, feminismo e racialidade, enquanto promove uma abordagem crítica, decolonial e suleada a respeito de aspectos relacionados às práticas coloniais tratadas na obra. Para isso, exploro a Conciencia de la Nueva Mestiza de Anzaldúa ao discutir sobre os motivos e os efeitos dessa opressão contra os povos chicanos. Nesse contexto, a Linguística Aplicada possibilita uma extensão dos estudos em direção a um compromisso sociopolítico de grande relevância. Através da LA, torna-se possível uma compreensão mais profunda da realidade, bem como dos complexos problemas socioculturais, históricos e políticos enfrentados por Anzaldúa e por diversas mulheres chicanas da fronteira.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1654781 - DORIS CRISTINA VICENTE DA SILVA MATOS
Interno - 95283 - CARLOS MAGNO SANTOS GOMES
Externo à Instituição - LÍVIA MÁRCIA TIBA RÁDIS BAPTISTA

Notícia cadastrada em: 05/03/2024 11:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7