A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JONAS JANDSON ALVES OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JONAS JANDSON ALVES OLIVEIRA
DATA: 27/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Sessão remota: https://conferenciaweb.rnp.br/conference/rooms/vanderlei- jose-zacchi/
TÍTULO: ESTUDANDO O BREGAFUNK: a vanguarda pós-mangue é o beat
PALAVRAS-CHAVES: Bregafunk; Vanguarda; Pernambucanidade; Beat; Passinho dos malocas.
PÁGINAS: 212
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Aplicada
RESUMO:

O Bregafunk surge em Pernambuco como um gênero musical que resulta da hibridização das outras duas vertentes que compõem sua nomenclatura. Atualmente é considerado pela lei n° 16.044 uma expressão cultural do estado em que surgiu e, em 2021, um Projeto de Lei proposto e aprovado pela câmara municipal de Recife reivindicou a sua elevação ao status de patrimônio imaterial cultural da cidade de Recife. No entanto, apesar desse reconhecimento por parte do aparato estatal, o gênero em questão ainda está envolto em discussões controversas atreladas ao meio acadêmico, à intelectualidade vinculada à tradição inventada da pernambucanidade e a sociedade em geral, principalmente, porque seus membros frequentemente recorrem a letras que objetificam o público feminino e disseminam discursos com conotações sexuais. As experiências vivenciadas pelo autor da tese enquanto professor de Língua Inglesa no Ensino Médio de uma instituição pública federal, por outro lado, trouxeram à tona algumas questões em torno da temática ao ponto de despertar o interesse por uma investigação mais profunda sobre o tema. Nesse ínterim, alguns questionamentos surgiram: não estaria o Bregafunk entre as inovações que surgem no terreno das relações sociais, mais especificamente nas manifestações artísticas por meio da música, e ganham tamanha dimensão que passam a assumir o status de movimento social? Seriam as letras de suas canções o único objeto de estudo do campo linguístico a ser levado em consideração ao tentar traçar um perfil desse fenômeno? A negação da corporeidade potencializada pela sua dança não seria apenas mais uma forma velada de negar as epistemologias que emergem do sul em detrimento do saber positivista? As indagações dispostas anteriormente encaminharam este trabalho para a defesa da tese de que o Bregafunk é uma vanguarda que surge como consequência do esgotamento das possibilidades de ineditismo e ruptura com a tradição no contexto do Manguebeat ao passo que passa a ser interessante ao Estado abraçá-lo como forma de suplantar as vozes do movimento que o precede. Uma vez que as suas letras são ainda um ponto crítico e controverso, o Beat (a produção sonora do Bregafunk em si), assim como o seu estilo próprio de dançar, chamado de “passinho dos malocas”, passam a ser os principais elementos de difusão do gênero como produto de exportação de uma “nova” pernambucanidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2329868 - ANA KARINA DE OLIVEIRA NASCIMENTO
Interno - 1324306 - JOSALBA FABIANA DOS SANTOS
Interno - 1654781 - DORIS CRISTINA VICENTE DA SILVA MATOS
Externo à Instituição - ROBERTO BEZERRA DA SILVA
Externo à Instituição - LUCIANE SOARES DA SILVA

Notícia cadastrada em: 23/02/2024 17:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c