A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: IASMIM SANTOS FERREIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IASMIM SANTOS FERREIRA
DATA: 21/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: sala 402 did 7
TÍTULO: Aos parasitas as batatas
PALAVRAS-CHAVES: Machado de Assis. Parasitismo. Personagens. Aquarelas. Quincas Borba.
PÁGINAS: 180
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
RESUMO:

Desde as primeiras letras na imprensa até os romances, Machado de Assis demonstra um interesse pelo parasitismo. Certamente pela leitura de Luciano de Samósata e de seu diálogo O Parasita. Não só se interessa pelo tema, mas também pelos recursos literários da tradição luciânica. Dessa soma de interesses surgem as “Aquarelas” (1859), conjunto de crônicas que apresenta os principais tipos parasitários no país. De Ressurreição (1872) a Memorial de Aires (1908), Machado não perde de vista os parasitas, os que se aproveitam das batatas ou benesses alheias. Por isso, nossa tese tem por objetivo apresentar panoramicamente os ecos do tema, os parasitas do corpo e os do espírito e da consciência nos romances; bem como analisar esse tipo social em Quincas Borba (1891). Para isso, valemo-nos de estudos acerca da personagem, da tradição luciânica e da crítica machadiana. Respectivamente, os principais são: Bakhtin (2002; 2010; 2011), Bergson (2007), Braith (2017), Candido (1970; 2014), Rosenfeld (2014), Segolin (1978), Brandão (2001), Frye (2013), Merquior (1972), Sá Rego (1989), Bosi (2002; 2006), Brayner (1979), Barboza (2022), Dixon (2020), Faoro (2001), Gledson (1991; 2003; 2006), Santiago (2006; 2015), Schwarz (1991, 2012). Em suma, as “Aquarelas” funcionam como uma bússola para a construção das personagens parasitas nos romances e estes são a mostra da expansão desse tipo social, sobre o qual o Bruxo do Cosme Velho não perdeu o interesse ao longo dos anos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2251636 - ALEXANDRE DE MELO ANDRADE
Interno - 1324306 - JOSALBA FABIANA DOS SANTOS
Externo ao Programa - 1564244 - LUCIENE LAGES SILVA
Externo à Instituição - JACYNTHO JOSÉ LINS BRANDÃO
Externo à Instituição - ALBERTO ROIPHE BRUNO

Notícia cadastrada em: 22/02/2024 07:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua1.bigua1 v3.5.16 -r19110-7eaa891a10