A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: EMILY MARIA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EMILY MARIA DOS SANTOS
DATA: 16/02/2024
HORA: 15:00
LOCAL: Didática VII - Sala 202
TÍTULO: Clorose ou doença das Virgens? Edição e glossário onomástico da tese médica do sergipano Antonio Garcia Rosa (1870)
PALAVRAS-CHAVES: Clorose; Teses médicas sergipanas; Crítica Textual; Terminografia sócio-histórica; Terminologia Sociocognitiva
PÁGINAS: 144
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Histórica
RESUMO:

A enfermidade Clorose foi registrada pela primeira vez em 1554 como “doença das virgens” pelo médico alemão Johanes Lange. Essa doença afetava principalmente mulheres na faixa dos 16 aos 24 anos e seus sintomas manifestavam-se pela ausência de menstruação, distúrbios alimentares e coloração esverdeada da pele, o que lhe designou popularmente outros termos como “doença verde” e “febre do amor” (King, 2005). O objeto de estudo dessa dissertação de Mestrado é a tese médica intitulada Chlorose, defendida em 1870 pelo sergipano Antonio Garcia Rosa (Japaratuba,1943-1977) para obtenção do título de médico pela Faculdade de Medicina da Bahia. Esse documento é uma das primeiras teses escritas no Brasil sobre a Clorose, em um período em que as publicações sobre a doença cresciam de forma significativa na europa, tornando-se referência para as faculdades de medicina no mundo (Carrilo, Bernal, Linares, 2010). Nosso primeiro objetivo consistiu na elaboração, no rigor da Crítica Textual (Cambraia, 2005; Spina, 1990), de uma edição diplomática. A partir da preparação filológica do texto, fundamentamo-nos na Teoria Sociocognitiva da Terminologia (Temmerman, 2000), que postula que os antropônimos científicos podem ser classificados como entidades, atividades e/ou guarda-chuvas, e reconhecendo que esses termos onomásticos não derivam apenas de uma natureza ontológica, mas também de uma perspectiva enciclopédica. Nosso segundo objetivo foi elaborar um glossário antroponímico para descrever categoricamente o conjunto de termos associados à produção científica da Clorose e estabelecer, de maneira intercategorial, as informações contidas nos módulos informativos das unidades terminológicas. Optamos por uma abordagem metodológica que consistiu na elaboração de um glossário seletivo, conforme proposto por Mateus (1995), apoiado em fichas terminográficas sócio-históricas (Teixeira, 2021; Teixeira, Marengo, Finatto, 2022; Santos, 2023). Para aprimorar nosso trabalho, utilizamos ferramentas computacionais, nomeadamente AntConc (Anthony, 2014) e TEXTQUIM (Finatto, 2010). Os desdobramentos, análises e conclusões finais da nossa pesquisa indicaram a necessidade de procedimentos descritivos visando adequar os termos às categorias cognitivas delineadas por Temmerman (2000).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1490267 - SANDRO MARCIO DRUMOND ALVES MARENGO
Interno - 013.173.275-78 - CEZAR ALEXANDRE NERI SANTOS
Externo à Instituição - LUIZ ALVES ARAÚJO NETO

Notícia cadastrada em: 07/02/2024 15:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7