A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ELANE DA SILVA PLACIDO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELANE DA SILVA PLACIDO
DATA: 22/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Via Google Meet: https://meet.google.com/ssx-hdeh-eeo
TÍTULO: A REVISÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ROMANCE HISTÓRICO DE ANA MIRANDA E MARIA JOSÉ SILVEIRA
PALAVRAS-CHAVES: Romance histórico. Literatura Brasileira. Autoria feminina. Pós-colonial.
PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Brasileira
RESUMO:

Esta tese analisa as obras Desmundo (1996), de Ana Miranda, e A mãe da mãe da sua mãe e suas filhas (2002), de Maria José Silveira, ressaltando as estratégias narrativas do romance histórico exploradas para a revisão da violência contra a mulher no período colonial. Defendemos o ponto de vista de que essa revisão se desdobra como um exercício de reescrita do passado, proporcionado uma versão de empoderamento da mulher, presente nas ações das personagens femininas que transgridem a violência naturalizada pelos colonizadores. Na análise dos romances, daremos destaques para as estratégias narrativas de incorporação do discurso histórico e do posicionamento feminista das narradoras, que problematizam a construção desse gênero ao explorar técnicas pós-modernas de ficcionalização da história a partir da visibilidade do lugar de fala da mulher e do reconhecimento da importância da força do trabalho feminino para colonização do Brasil. Metodologicamente, propomos um debate acerca da relação entre literatura e a história, levando em conta os aportes Peter Burke (2005), Hayden White (1994), Linda Hutcheon (1991), Marilene Weinhardt (2011), Mary Del Priore (2016), entre outros/as; Quanto à análise das diferentes estratégias de controle do corpo da mulher, seguiremos as abordagens da crítica feminista de Simone Pereira Schmidt (2007), María Lugones (2019) e Heloísa Buarque de Hollanda (2018). Além disso, articulamos as reflexões sobre a decolonialidade e a necropolítica para identificar as ações de aniquilamento dos/as colonizados/as seguindo as proposições interpretativas de Aníbal Quijano (2005), Walter Mignolo (2017) e Achille Mbembe (2017), entre outros/as. Este trabalho está dividido em três seções. Na primeira, nossa meta é compreender as peculiaridades estruturais do romance histórico e como ele tem sido explorado pelas escritoras contemporâneas. Na segunda, analisamos o processo de criação a partir das intertextualidades de documentos oficiais e de textos literários do período colonial no entrelaçamento entre história e literatura. Na terceira, identificaremos as marcas feministas do processo de criação das duas narradoras, investigando como elas exploram a necropolítica para denunciar os diferentes tipos de silenciamentos impostos à mulher pelo colonizador como assédios moral e psicológico, cárcere privado, espancamentos, estupro e feminicídios a fim de controlar a família e o povoamento do país. Como resultado, esperamos identificar as particularidades do processo de criação de Ana Miranda e Maria José Silveira, contestando a naturalização da violência contra a mulher na história do Brasil para reforçar o espaço literário como um local de revisão histórica.




MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 95283 - CARLOS MAGNO SANTOS GOMES
Interno - 1966998 - VALTER CESAR PINHEIRO
Interno - 741.061.555-91 - DANIEL SERRAVALLE DE SÁ
Externo à Instituição - TIAGO BARBOSA DA SILVA
Externo à Instituição - Anélia Montechiari Pietrani

Notícia cadastrada em: 02/02/2024 07:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c