A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: RAQUEL FERREIRA DA SILVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAQUEL FERREIRA DA SILVEIRA
DATA: 21/02/2024
HORA: 09:00
LOCAL: Via Google Meet: https://meet.google.com/tqs-wabh-axs
TÍTULO: AS ADAPTAÇÕES DA CINDERELA SURDA E O VISUOLEITOR
PALAVRAS-CHAVES: Cinderela Surda. Libras. Literatura Surda. Adaptações.
PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

A presente pesquisa tem como objetivo propor reflexões acerca das adaptações do conto de fadas Cinderela e Cinderela Surda a partir do debate sobre intermedialidade e visuoleitor, a fim de atualizar os sentidos dessas transcrições. A Cinderela Surda significa uma representação de empoderamento da identidade surda e reforça a visibilidade da Língua Brasileira de Sinais – Libras e a sua cultura surda. Nas versões clássicas, as cinderelas são ouvintes e perdem um dos seus sapatinhos. Mas, na versão surda, ela esquece uma das luvas, que é encontrada pelo príncipe surdo, construindo um novo referencial identitário para os leitores surdos. Usou-se como embasamento teórico abordagens relacionadas à literatura surda desenvolvida por surdos e ouvintes. Entre eles, destaca-se a proposta de Claudio Mourão sobre o poder das mãos na construção da literatura surda e a especificidade do visuoleitor; as discussões metodológicas de Rachel Sutton-Spencer sobre a importância da intermidialidade na produção da literatura surda atual; as sugestões pedagógicas de Lodenir Karnopp sobre os processos de adaptações para o ensino de literatura surda. Quanto à questão da adaptação e da transcriação, serão retomados os debates propostos por Linda Hutcheon e Haroldo de Campos, respectivamente. Cada versão é sempre um diálogo entre autores, leitores e visuoleitores, uma vez que em todos eles ficam vestígios concretos na própria criação e adaptação. Por fim, pretende-se transcriar uma nova Cinderela Surda Contemporânea a partir da intermidialidade para privilegiar o imaginário do visuoleitor nesta nova versão.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 95283 - CARLOS MAGNO SANTOS GOMES
Interno - 1263773 - FERNANDO DE MENDONCA
Externo à Instituição - FABIANO SOUTO ROSA

Notícia cadastrada em: 02/02/2024 07:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c