A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: CLAUDIANA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLAUDIANA DOS SANTOS
DATA: 25/01/2024
HORA: 09:00
LOCAL: sala 302 - didática VII
TÍTULO: A INTERDISCURSIVIDADE NA AUTOAJUDA: IMBRICAÇÕES E DESDOBRAMENTOS NA COMPREENSÃO DO ETHOS LEITOR
PALAVRAS-CHAVES: Interdiscursividade. Ethos. Argumentação. Autoajuda. Leitura.
PÁGINAS: 211
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Teoria e Análise Lingüística
RESUMO:

Esta tese fundamenta-se nos campos dos estudos retóricos, discursivos e argumentativos. O ponto de partida desta investigação é o seguinte problema: em meio à relevância epistemológica da temática leitura, como compreender as imagens discursivas da leitura e o ethos de leitores investidos por valores historicamente associados às (inter)discursividades dos livros de autoajuda? Nessa direção, o objetivo geral do estudo é analisar como a interdiscursividade, na autoajuda, atua como estratégia discursiva e quais são os desdobramentos no ethos do leitor de livros do gênero. Para o dispositivo analítico selecionaram-se categorias fornecidas pelo arsenal teórico da Nova Retórica e da Análise de Discurso. Ademais, deu-se ênfase aos constructos de Perelman e Olbrechts-Tyteca (2005), Amossy (2016, 2020, 2022), Maingueneau (2008a, 2008b, 2011, 2016, 2018), Galinari (2009), Meyer (1993, 2007) e Paveau (2017). Para o tratamento das práticas de leitura, o método buscou suporte em Alves e Rojo (2020), Orlandi (2003, 2008), Curcino (2020) e Rouxel (2012). A pesquisa caracteriza-se pela abordagem qualitativa. O arquétipo metodológico é constituído por três etapas. Realizou-se, inicialmente, a catalogação de títulos de livros com maiores índices de vendas entre os anos de 2010 a 2022. Em seguida, elaborou-se um modelo analítico de avaliação de leitores, com base na categorização de comentários digitais (Paveau, 2017). Na terceira etapa, implementou-se a coleta de experiências de leitura via questionário on-line. Nessas circunstâncias, perquiriram-se as análises de dois livros: Mais esperto que o diabo (Hill, 2014) e Nunca desista de seus sonhos (Cury, 2014). Com o apoio do software WebQDA efetuou-se a triangulação das fontes de dados (livros, comentários e questionários). Os resultados obtidos mostraram como as obras de autoajuda se sustentam nos campos discursivos que aludem aos espaços: religioso, pedagógico, medicinal (saúde), capitalista (neoliberal), psicológico e publicitário, logo, encontra-se respaldo para se afirmar que a interdiscursividade é uma estratégia discursiva fundante da arquitetura multissêmica do discurso de autoajuda e essa estratégia repercute no desdobramento de um ethos leitor dicotômico (orgulhoso/vergonhoso). Após a triangulação dos dados, constatou-se como as tópicas ligadas ao pathos (processos patêmicos) foram cruciais para a compreensão do ethos leitor orgulhoso, vergonhoso e flutuante, identificados a partir de espaços e lugares que apontam para a edificação moral e aperfeiçoamentos múltiplos. Esta pesquisa mobilizou análises que atestam a relevância dialogal entre disciplinas como a Análise de Discurso e os estudos retórico-argumentativos, além disso, foi possível contribuir com a enunciabilidade leitora e com a problematização de estereótipos, como o de que o “bom leitor” é aquele de obras relacionadas à “alta literatura”. Por intermédio dos valores encontrados nos discursos analisados, entendemos que há a apresentação de uma identidade dupla resultante da diferença relativa ao outro e uma identidade grupal. Observando a dimensão experiencial em Maingueneau (2018), entende-se que o ethos paradoxal da autoajuda gera confronto entre a imagem engendrada para esse leitor nas obras e a produzida pelo leitor real, assim, considera-se que o ethos leitor perpassa por uma intercorrência sêmica (efeitos de sentido inesperados) em virtude das estratégias interdiscursivas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2865742 - MARCIA REGINA CURADO PEREIRA MARIANO
Interno - 1308591 - JOCENILSON RIBEIRO DOS SANTOS
Externo ao Programa - 1543268 - CHRISTINA BIELINSKI RAMALHO
Externo à Instituição - LUANA FERRAZ
Externo à Instituição - AIDIL SOARES NAVARRO

Notícia cadastrada em: 23/01/2024 10:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c