A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JOÃO PAULO SANTOS ANDRADE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOÃO PAULO SANTOS ANDRADE
DATA: 05/02/2024
HORA: 15:00
LOCAL: Did VII sala 302
TÍTULO: COLONIALIDADES NOS DICIONÁRIOS: QUANDO AS MARCAS DE USO NÃO SINALIZAM AS MARCAS DA COLONIZAÇÃO
PALAVRAS-CHAVES: Colonialidade, dicionários, marcas de uso, população negra
PÁGINAS: 104
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Aplicada
RESUMO:

As colonialidades perpassam pelos povos negros desde quando os europeus invadiram as terras da América e junto com eles, trouxeram diversas etnias africanas para que fossem escravizadas. Porém, as colonialidades não somente perpassam os negros, os brancos também são tocados por essas colonialidades, vide a branquitude que os prioriza. Os europeus foram os responsáveis por caracterizar e dividir as pessoas de acordo com seu fenótipo (QUIJANO, 2005), além da nomenclatura “negro” para diversas etnias, esses povos negros eram vistos como animais e inferiores a eles (FANON,2008). Entendendo esse contexto histórico, essa pesquisa se dispõe a analisar de qual maneira os dicionários monolíngues de língua espanhola de variação mexicana contribuem para a manutenção das colonialidades, principalmente a colonialidade da linguagem (VERONELLI, 2015). Três dicionários foram escolhidos para este trabalho: o dicionário da Real Academia Española em parceria com outras academias da língua de países que falam espanhol oficialmente (DLE), o Diccionario de Español de México (DEM), ambos dicionários online – e um terceiro dicionário impresso, o Diccionario de Mexicanismos (2014). Nestes dicionários, analiso as marcas de uso de 17 verbetes que tenham ligação com a população negra – estes verbetes foram retirados de sites mexicanos que tratam da temática. O dicionário tem muita importância para qualquer sociedade, e na obra lexicográfica estarão as experiências desse povo (LARA, 1990), levando em conta esse status que o dicionário tem na sociedade, como as marcas de uso são empregadas nos termos relacionados à população negra. De acordo com Vilarinho (2017), as marcas de uso vão condicionar o emprego de lexemas levando em conta a intencionalidade, logo elas são importantes para o consulente se inteirar se determinada palavra pode ser ofensiva. As análises foram dispostas em tabelas baseadas no modelo de Lafuente (2017) e estão relacionadas com textos teóricos sobre as colonialidades (QUIJANO, 2005; VERONELLI, 2015; CASTRO-GOMEZ, 2007), questões de linguagem e racismo (NASCIMENTO, 2019, SILVIO ALMEIDA, 2018). Os resultados apontam que as marcas de uso não estão alertando o consulente sobre o racismo presente nos verbetes de maneira eficaz, e que dessa maneira a falta delas auxilia na manutenção de colonialidades.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1654781 - DORIS CRISTINA VICENTE DA SILVA MATOS
Interno - 3043502 - ROANA RODRIGUES
Interno - 2522010 - ELAINE MARIA SANTOS
Externo à Instituição - CRISTIANE MARIA CAMPELO LOPES LANDULFO DE SOUSA

Notícia cadastrada em: 22/01/2024 13:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r19279-bcba364a3c