A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: THATIANE OLIVEIRA SANTANA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THATIANE OLIVEIRA SANTANA
DATA: 30/08/2024
HORA: 15:00
LOCAL: https://meet.google.com/mdv-jona-nqz
TÍTULO: Arquitetura do indizível: uma análise comparativa entre as obras Les Armoires Vides, La Honte e L'Événement de Annie Ernaux
PALAVRAS-CHAVES: Literatura Francesa; Annie Ernaux; Escritas de si; Discurso da narrativa.
PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Literatura Comparada
RESUMO:

Nas escritas de si de Annie Ernaux, percebe-se uma evolução em sua trajetória como escritora desse gênero. Les Armoires Vides (1974) foi o seu primeiro romance publicado. Inicialmente considerado como romance ficcional, anos após foi assumido pela própria autora como romance autobiográfico. A vergonha social e o aborto são os temas, dentre outros, abordados nessa obra, assuntos retomados em La Honte (1997) e L’Événement (2000), reconhecidos pelos epitextos como autobiografias. Com isso, visualiza-se em Les Armoires Vides uma escrita de si inicialmente protegida pela ficção, principalmente por causa dos temas sensíveis abordados, tanto pelo âmbito social, pois o aborto apenas foi legalizado na França em 1975, como pessoal, pois o romance foi publicado antes da morte de sua mãe. Por isso, a presente pesquisa faz um estudo comparativo entre essas três obras, com o objetivo de investigar se o romance autobiográfico possui estruturas e marcas estéticas semelhantes às das autobiografias. Como aporte teórico inicial, traremos os conceitos de autobiografia, romance autobiográfico, autoficção e pacto autobiográfico, a partir dos estudos de Lejeune (2008), Doubrovsky (2014), Figueiredo (2013), Colonna (2014), Vilain (2014) e Gasparini (2014). Em seguida, Les Armoires Vides, La Honte e L’Événement são analisados a partir dos aspectos do discurso narrativo, de acordo, principalmente, com as teorias de Genette (1972), com apoio também nos estudos de Friedman (1967), Todorov (1970), Barthes (1972) e as teorias atuais de Mieke Bal (2009). Pretende-se, assim, relacionar os distanciamentos e as aproximações estruturais entre as obras autobiográficas, primeiro com a análise do romance autobiográfico e, em seguida, das autobiografias. Para isso, faz-se a análise de seus processos temporais, a partir da identificação e comparação da ordem, da duração e da frequência dos acontecimentos narrados. Além disso, propõe-se o exame do modo como as narrativas são reguladas por meio de determinado ponto de vista, bem como da indicação dos elementos que dão voz às narrativas. Por fim, estabelecida a interlocução estética e estrutural entre as três obras, contribui-se para o estudo do discurso narrativo presente nas obras de Annie Ernaux, tendo em vista que são frequentemente analisadas quanto as suas temáticas. Por isso, busca-se trazer um olhar para como essas narrativas são estruturadas em um estilo próprio, desassociadas do modo clássico das autobiografias, demarcando uma nova estética narrativa que influencia novos autores das escritas de si.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1966998 - VALTER CESAR PINHEIRO
Externo ao Programa - 1309866 - ROSALIA RITA EVALDT PIROLLI
Externo à Instituição - JOSILENE PINHEIRO MARIZ

Notícia cadastrada em: 13/05/2024 09:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7