A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de DEFESA: THAÍS PACHECO SANTANA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAÍS PACHECO SANTANA
DATA: 22/07/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 2 do DZO/UFS
TÍTULO: MEMÓRIA INTERGERACIONAL: EFEITO DO AMBIENTE MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO E METABOLISMO OXIDATIVO DA PROGÊNIE DE CODORNAS DE POSTURA SUBMETIDAS AO ESTRESSE TÉRMICO
PALAVRAS-CHAVES: ambiente materno; desafio ambiental; epigenética transgeracional; metionina
PÁGINAS: 81
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Produção Animal
RESUMO:

Pesquisas mostram que o efeito do ambiente materno pode ser alterado para produzir efeitos benéficos na progênie através de mecanismos epigenéticos transgeracionais. Dessa forma, este trabalho tem como objetivo geral avaliar o efeito do ambiente materno sobre as respostas da progênie frente ao seu próprio ambiente na fase de crescimento de codornas de postura. Para tanto, dois trabalhos foram conduzidos: Experimento 1: Dieta materna sobre a resposta ao estresse térmico da progênie durante a fase de crescimento (conduzido em esquema fatorial 3 x 2: três dietas para as matrizes, e pra cada tratamento das mães, duas temperaturas para seus filhos) e Experimento 2: Efeito da temperatura no período pré-natal sobre o desempenho e metabolismo oxidativo de codornas de postura expostas ao estresse térmico na fase de crescimento (conduzido em esquema fatorial 2 x 2: duas temperaturas para as matrizes, e pra cada tratamento das mães, duas temperaturas para seus filhos). No experimento 1, matrizes que receberam dietas Met1 e Met2 apresentaram maior produção de ovos, melhor eficiência alimentar, maior taxa de eclosão, maior taxa de eclosão de ovos férteis e produziram pintainhos mais pesados (P<0.05). Matrizes alimentadas com dietas Met1 e Met2 também apresentaram maior expressão de glutationa sintetase (GSS) e metionina sulfóxido redutase A (MSRA), maior capacidade antioxidante e menor conteúdo de TBARS. A progênie de matrizes alimentadas com dieta Met2 apresentaram maior peso aos 15 dias, maior ganho de peso e melhor conversão alimentar (1-15 dias de idade) que a progênie de matrizes alimentados com dieta SM. Durante o período de crescimento, para progênie criada em condição de estresse térmico, a progênie de aves alimentadas com dietas com suplementação de metionina apresentaram maior peso aos 35 dias, maior ganho, maior expressão de GSS, MSRA e de proteína do choque térmico 70 (HSP70), maior capacidade antioxidante e menor relação heterofilo:linfócito que a progênie de matrizes alimentadas com dietas SM. Correlação positiva foi observada entre a expressão de GPx e MSRA nas matrizes e em sua progênie (P<0,05). No experimento 2, menor taxa de postura, menor massa de ovo, menor expressão de metionina sulfoxido redutase A (MSRA), menor capacidade antioxidante e maior taxa de mortalidade da progênie na fase inicial (1-15 dias de idade) foi observada em matrizes criadas em condição de estresse térmico (P<0.05). Na fase de crescimento da progenie, não houve efeito da temperatura ambiental sobre o desempenho ou metabolismo oxidativo da progênie de matrizes criadas em condição de conforto. Entretanto, quando a matriz foi submetida ao estresse, menor ganho de peso, menor expressão de MSRA, maior expressão de HSP70, maior conteúdo de proteínas carboniladas e menor relação H:L foi observada nas progênies também criadas em condição de estresse térmico. Os nossos resultados sugerem que o ambiente materno pode influenciar no desempenho e no sistema oxidativo da matriz beneficiando ou não o seu filho futuramente: sob condições de estresse térmico durante a fase de crescimento, progênie de matrizes alimentadas com dietas suplementadas com metionina respondem melhor ao ambiente do que progênie de matrizes alimentadas com dieta sem suplementação de metionina; já o estresse térmico vivenciado pela matriz, apesar de não apresentar efeitos negativos sobre o desenvolvimento e desempenho da progênie criada em conforto térmico, está associado com menor desempenho e maior nível de oxidação proteica quando a progênie também é submetida à condição de estresse.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2229398 - ANA PAULA DEL VESCO
Externo à Instituição - ELIANE GASPARINO
Externo ao Programa - 2208516 - ROBERTA PEREIRA MIRANDA FERNANDES
Externo ao Programa - 1412570 - VITTOR TUZZI ZANCANELA

Notícia cadastrada em: 19/07/2019 11:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r17747-27307b9759