A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA DO SOCORRO ALMEIDA ARNALDO SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA DO SOCORRO ALMEIDA ARNALDO SANTOS
DATA: 04/07/2018
HORA: 08:00
LOCAL: Mini-auditório do PROZOOTEC no primeiro piso do Departamento de Zootecnia/UFS
TÍTULO: Perfil Fermentativo de Plantas Nativas da Caatinga
PALAVRAS-CHAVES: Forrageiras, Bovinos, Produção de Gás, Semi-árido.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Produção Animal
RESUMO:

Objetivou-se avaliar a digestibilidade, produção de gás e os parâmetros ruminais in vitro de bovinos de forragens nativas da caatinga. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado com três repetições. Foram coletadas, no período de setembro a novembro de 2017, cinco espécies de plantas forrageiras: catingueira (Poincianella pyramidalis (Tul.)); maniçoba (Manihot dichotoma), marmeleiro (Croton sonderianus), faveleira (Cnidoscolusphylla canthus) quixabeira (Sideroxylon obtusifolium), de três regiões distintas do Nordeste obedecendo o método de simulação de pastejo. As análises experimentais foram conduzidas no Laboratório de Fermentação Ruminal da Universidade Federal de Sergipe (UFS), localizado no Município de São Cristovão/SE, onde os parâmetro avaliados foram: Perfil bromatológico, matéria seca (MS), proteína bruta (PB), matéria orgânica (MO), fibra solúvel em detergente neutro (FDN), fibra insolúvel em detergente ácido (FDA) e lignina (LDA); Fracionamento de proteína; Digestibilidade da matéria seca, da matéria orgânica (DGIVMS, DGIVMO), degradação da matéria seca e da matéria orgânica (DesMS e DesMO) e a produção de gás in vitro (PGIV). Dentre as forragens analisadas, a faveleira destacou-se por apresentar maior DesMS e DesMO (89,49; 80,13 %); DGIVMS, DGIVMO (89,70; 77,57%), corroborando com maior PGIV (390,46 ml/Gms) durante 96hs, podendo ser explicado pelo seu baixo teor de lignina e FDA (4,41; 35,14%), além de apresentar teor médio de PB de 19,95%. Posteriormente, a catingueira; DesMS e DesMO (53,3; 54,42%); DGIVMS, DGIVMO (65,36; 63,30%), PGIV (332,386 ml/Gms); maniçoba DesMS e DesMO (56,37; 55,41%); DGIVMS, DGIVMO (65,25;62,89%) PGIV (321,37 ml/Gms); quixabeira DesMS e DesMO ( 59,68; 52,32%); DGIVMS, DGIVMO (44,90; 59,68%) PGIV (290,69 ml/Gms); marmeleiro DesMS e DesMO (31,66; 24,237 %); DGIVMS, DGIVMO (41,07; 37,69%) PGIV (187,80 ml/Gms). O marmemeleiro apesar do bom índice de PB (18,4%), boa parte dela está na forma indigestível, podendo ser justificado pela elevada porcentagem de FDA (60,08%) e lignina (19%). As plantas faveleira, catingueira, maniçoba e quixabeira podem ser indicadas para utilização de dietas de bovinos desde que sejam bem manejadas, otimizando assim os seus recursos forrageiros.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1366651 - GLADSTON RAFAEL DE ARRUDA SANTOS
Externo ao Programa - 1686732 - JUCILEIA APARECIDA DA SILVA MORAIS
Externo à Instituição - VINICIUS DA SILVA OLIVEIRA

Notícia cadastrada em: 28/06/2018 13:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r17747-27307b9759