A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de DEFESA: REBECA SANTOS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: REBECA SANTOS DA SILVA
DATA: 25/02/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 29 - Auditório 1 da Embrapa Tabuleiros Costeiros
TÍTULO: O polimorfismo FecgE em carneiros Santa Inês
PALAVRAS-CHAVES: andrológico, GDF-9, mutação, ovis aries, sêmen.
PÁGINAS: 46
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
RESUMO:

SILVA, Rebeca. O Polimorfismo FecGE em Carneiros Santa Inês. Sergipe: UFS, 2015. 46p. (Dissertação – Mestrado em Zootecnia)

O fator de crescimento e diferenciação – 9 (GDF9) é produzido por um gene de mesmo nome e é membro da superfamília do fator de crescimento transformante –β (TGF-β). Um alelo do GDF9, o polimorfismo FecGE, tem sido estudado e relaciona-se à fisiologia reprodutiva da fêmea aumentando a taxa de ovulação em ovelhas homozigotas, cujos efeitos resultam em fenótipos prolíficos contribuindo com o aumento no número de crias. O GDF9 também atua em células relacionadas à reprodução dos machos, no entanto são escassos ou inexistentes os relatos sobre sua ação assim como do FecGE sobre as características andrológicas de carneiros. Como os machos podem deixar um maior número de descendentes em sua vida reprodutiva quando comparado às fêmeas, torna-se importante seu papel na disseminação de material genético. O objetivo deste trabalho foi traçar o perfil clínico-andrológico, seminal e espermático e possíveis do efeito do polimorfismo FecGE do gene GDF9 sobre o potencial reprodutivo de carneiros Santa Inês. O experimento foi desenvolvido na região do Agreste Sergipano, nos meses de junho, agosto e outubro de 2014, que corresponderam três diferentes ciclos de espermatogênese. Trinta e cinco machos, maduros sexualmente, genotipados para o FecGE foram distribuídos em grupos de acordo com seu genótipo: WW – selvagens (sem o FecGE), EW – heterozigotos e EE – homozigotos (portadores do FecGE). Realizaram-se avaliações andrológicas quanto à: biometria testicular; volume seminal; concentração, morfologia e viabilidade espermática e; cinética computadorizada, integridade de membrana plasmática associada ao potencial de membrana mitocondrial (IMP+PMM), capacitação e reação acrossomal dos espermatozoides. As médias das características testiculares e epididimárias apresentaram-se maiores para o genótipo WW (P < 0,05), já para entre os EW e EE as mesmas variáveis foram semelhantes. Para a maioria dos parâmetros seminais os genótipos não apresentaram diferenças significativas (P > 0,05). Somente a frequência do batimento flagelar dos espermatozoides (BCF) teve média superior (P<0,05) nos animais homozigotos. As demais características espermáticas como mitocondrial IMP+PMM e a capacitação e reação acrossomal não diferiram entre os genótipos (P > 0,05). Conclui-se que os carneiros portadores da mutação FecGE possuem medições testiculares e epididimárias inferiores aos selvagens, porém as qualidade seminal e espermática não foi influenciada pelo polimorfismo sendo os carneiros FecGE considerados aptos à reprodução.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 481.176.765-91 - HYMERSON COSTA AZEVEDO
Interno - 1645905 - ANSELMO DOMINGOS FERREIRA SANTOS
Externo à Instituição - MARIA MADALENA PESSOA GUERRA

Notícia cadastrada em: 23/02/2015 15:25
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema1.ema1 v3.5.16 -r17747-27307b9759