A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de DEFESA: VINICIUS AUGUSTO DIAS FILHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VINICIUS AUGUSTO DIAS FILHO
DATA: 26/02/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 29 (Auditório 1) da Embrapa Tabuleiros Costeiros.
TÍTULO: CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN DE TAMBAQUI EM MACROPALHETAS
PALAVRAS-CHAVES: Avaliação espermática, Descongelamento, Larga escala, Meio diluidor, Tempo de equilíbrio.
PÁGINAS: 35
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
RESUMO:

O tambaqui é um peixe dulcícola migrador de grande porte, nativo da bacia amazônica que realiza o processo de migração reprodutiva (peixes reofílicos) com desova total, apresentando uma elevada produção de gametas e uma alta fecundidade. Na atualidade, há pouca informação a respeito de metodologias para criopreservação de sêmen da espécie visando a fertilização em larga escala, com isso, o objetivo deste estudo foi determinar metodologias de criopreservação de grandes volumes de sêmen que sejam eficientes para a aplicação em escala comercial. Para isso macropalhetas de 4,0 mL e criotubos de 5,0 mL foram utilizados nos experimentos. O sêmen coletado foi envasado e posteriormente congelado em vapor de nitrogênio líquido no botijão dry-shipper e armazenadas em botijão criogênico a -196°C, nos dois recipientes supracitados utilizando-se uma solução de congelamento 10% de metilglicol, 5% de gema de ovo, 75% de solução de glicose 5% e 10 % de sêmen) e tempo de equilíbrio de 20 minutos de acordo com protocolo já consolidado para palhetas de 0,5 mL para esta espécie. No primeiro experimento foram testadas diferentes velocidades de descongelamento do sêmen em banho-maria para as macropalhetas (30ºC por 50 e 80 s e 60ºC por 25 e 40 s) e para os criotubos (30ºC por 240 e 360s e 60ºC, por 90 e 140s). Com base nos parâmetros de cinética espermática (Motilidade Total-MT, Motilidade Progressiva - MP, Velocidade Curvilinear - VCL, Velocidade em Linha Reta - VSL e Velocidade da Trajetória Média - VAP) identificou-se que as melhores velocidades de descongelamento foram 60ºC por 25s para as macropalhetas e 60ºC por 140s para os criotubos. No segundo experimento foram testados diferentes concentrações de crioprotetores externos e internos no meio diluidor e tempos de equilíbrio (5% de metilglicol; 5% de metilglicol + 5% de gema de ovo; 10% de metilglicol; 10% de metilglicol + 5% de gema de ovo; 15% de metilglicol; 15% de metilglicol + 5% de gema de ovo e três tempos de equilíbrio: 4, 20 e 40 minutos). Os procedimentos utilizados para o congelamento foram os mesmos do experimento anterior. Para o descongelamento, foram utilizadas as velocidades determinadas no experimento 1. Após análise da cinética espermática, concluiu-se que para o envase de sêmen de tambaqui em macropalhetas e criotubos o melhor meio diluidor é constituído de 5% de metilglicol + 5% de gema de ovo, com o tempo de exposição do sêmen a este meio por um período de 4 minutos antes do processo de congelamento.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 035.828.296-93 - ALEXANDRE NIZIO MARIA
Interno - 481.176.765-91 - HYMERSON COSTA AZEVEDO
Externo à Instituição - RODRIGO YUDI FUJIMOTO

Notícia cadastrada em: 23/02/2015 14:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r17722-925b7210d0