A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Noticias

Banca de DEFESA: LARISSA DE OLIVEIRA QUEIROZ

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LARISSA DE OLIVEIRA QUEIROZ
DATA: 16/01/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Polo de Gestão
TÍTULO: Desempenho produtivo, econômico e características quantitativas das carcaças de cordeiros Santa Inês abatidos com diferentes espessuras de gordura subcutânea.
PALAVRAS-CHAVES: confinamento, custos, ovino, rendimento de carcaça, ultrassom
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Nutrição e Alimentação Animal
ESPECIALIDADE: Avaliação de Alimentos para Animais
RESUMO:

Objetivou-se avaliar o desempenho produtivo e econômico e características quantitativas das carcaças de cordeiros da raça Santa Inês em confinamento, abatidos com espessuras de gordura subcutânea (EGS) de 2,0; 3,0; e 4,0 mm, obtidas por ultrassonografia no Longissimus dorsi. O experimento foi realizado na Fazenda Experimental de Iguatemi da Universidade Estadual de Maringá (UEM), região Noroeste do Estado do Paraná, de março a julho de 2013. Foram utilizados 24 cordeiros, machos não castrados da raça Santa Inês, com aproximadamente 100 dias de idade e peso médio de 22,7±3,75 kg. Os cordeiros foram confinados e receberam, uma vez ao dia, ração completa peletizada, com disponibilidade de 5% do Peso Vivo, calculada para ganho de peso diário de 0,300 kg. Foi realizada a pesagem da oferta e da sobra da dieta e ajustada diariamente de maneira a proporcionar sobras de aproximadamente 10%. A cada 14 dias foram realizadas as pesagens e as avaliações da gordura subcutânea por ultrassonografia no Longissimus dorsi. Os animais foram abatidos à medida que atingiam as EGS pré-determinadas. Foram considerados em nível de produtividade o peso vivo final, a ingestão de matéria seca, os ganhos de peso diário e total e conversão alimentar. Já para determinação da espessura de gordura economicamente viável para abate, foram considerados apenas os custos diretos de produção, como a aquisição dos cordeiros, os gastos com ração e as despesas com mão de obra e analisados receitas, despesas e lucros. Para as características quantitativas das carcaças foram avaliados: pesos corporais e das carcaças, os rendimentos de carcaça, os índices de compacidade da carcaça e da perna, os rendimentos dos componentes do peso vivo, medidas A, B, C e área de olho de lombo no Longissimus dorsi e os rendimentos de músculo, osso e gordura no lombo. Na avaliação produtiva, somente as variáveis peso final e ganho de peso total apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos. Os cordeiros abatidos com 4,0 mm de espessura de gordura subcutânea apresentaram maior ganho de peso total. Entretanto, os abatidos com 3,0 mm apresentaram melhores resultados econômicos. Os rendimentos de carcaça na origem, no frigorifico, comercial e verdadeiro, sofreram interferência das EGS (p< 0,05), seguindo o mesmo comportamento dos pesos corporais e pesos das carcaças, em que os cordeiros abatidos com 4,00 mm de EGS apresentaram resultados superiores aos abatidos com 2,00 mm. A condição corporal e a medida C se elevaram com o aumento da EGS. Com o aumento da EGS foi observado no lombo que as proporções dos tecidos apresentaram o seguinte comportamento, aumento da gordura, diminuição do osso e não alteração do músculo. Recomenda-se o abate de cordeiros Santa Inês com 3,0 mm de EGS, pois foram os que proporcionaram melhor desempenho produtivo, maior lucro por quilograma de carcaça e melhores resultados para as características quantitativas da carcaça, apresentando viabilidade econômica superior para a produção de animais nessas condições.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 627.399.990-20 - EVANDRO NEVES MUNIZ
Presidente - 1366651 - GLADSTON RAFAEL DE ARRUDA SANTOS
Externo à Instituição - GREICY MITZI BEZERRA MORENO

Notícia cadastrada em: 18/12/2014 16:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r17722-925b7210d0