A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2024
Descrição
  • CAMILA GOMES DANTAS MENESES
  • CARACTERIZAÇÃO DA MEMBRANA DA CASCA DO OVO DE GALINHA PARA PRODUÇÃO DE MICROCÁPSULAS DE HIDROGEL PELA TÉCNICA DE GELIFICAÇÃO IÔNICA
  • Orientador : ALESSANDRA ALMEIDA CASTRO PAGANI
  • Data: 30/01/2024
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O ovo é uma fonte de proteína acessível e sua produção vêm crescendo ao decorrer dosanos. Esse aumento resulta na ampliação de resíduos gerados pela indústria, visto que acasca corresponde a 11% do peso total do ovo. Junto às cascas, as membranas possuemvalor nutricional por serem fontes de proteínas, dentre elas o colágeno, proteína fibrosaformada pelos aminoácidos glicina, prolina e hidroxiprolina. A suplementação docolágeno é altamente indicada em razão da diminuição da sua produção natural peloorganismo ao iniciar a fase adulta. A membrana da casca do ovo pode ser utilizadacomo uma estratégia para essa reposição, uma vez que os colágenos do tipo I, V e Xestão presentes na sua composição. Nesse contexto, esse estudo teve como objetivomicroencapsular a membrana da casca do ovo empregando a técnica de gelificaçãoiônica, alternativa simples e de baixo custo que irá preservar o colágeno existente namembrana. As membranas e microcápsulas foram caracterizadas empregando asanálises físicas: rendimento, tamanho, peso, atividade de água e cor, físico-químicas:umidade, cinzas, pH, proteínas totais, colágeno, hidroxiprolina, prolina, glicina eEspectroscopia de Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR) e análisesmicrobiológicas quanto a contagem de coliformes termotolerantes e salmonela sp. Osresultados comprovam a potencialidade de reaproveitamento da membrana para odesenvolvimento de novos produtos com valor agregado.

  • ISABELA GOMES CANUTO
  • MAPEAMENTO DE BOAS PRÁTICAS E ASSOCIAÇÃO COM INDICADORES SOCIOECONÔMICOS NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE SERGIPE
  • Data: 23/01/2024
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Programa Nacional de Alimentação Escolar é uma ferramenta de grande importânciana garantia da Segurança Alimentar e Nutricional dos brasileiros, constituindo uma dasformas de assegurar o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável para apopulação. Considerando a indissociabilidade deste direito, uma possível associaçãoentre a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos ofertados e o perfil socioeconômicode onde as unidades de alimentação e nutrição escolares pertencem caracterizaria umaviolação desse direito humano. Portanto, o estudo objetiva associar o cumprimento deBoas Práticas em escolas públicas do estado de Sergipe com os respectivos indicadoressocioeconômicos, sendo pioneiro em diagnosticar o Programa Nacional de AlimentaçãoEscolar a nível estadual e utilizar o mapeamento geográfico para representar osresultados. Para isto, foram fornecidos dados secundários do preenchimento da Lista de
    Verificação de Boas Práticas na Alimentação Escolar de todas as 314 escolas públicasdo estado pela Secretaria de Educação e Cultura de Sergipe. Os dados socioeconômicosforam obtidos através das bases de dados do Instituto Brasileiro de Geografia eEstatística e do Atlas de Vulnerabilidade Social. A análise de clusters foi aplicada paraverificar associação entre os indicadores socioeconômicos e as Boas Práticas nasescolas. Para confecção dos mapas foi utilizado o programa GeoDa. Além disso, otrabalho contou com financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa e InovaçõesTecnológicas do estado de Sergipe. Com a aplicação destes métodos, foram encontradosdois clusters bem definidos, com níveis de significância (p<0,05) para a maioria dasvariáveis analisadas. Estes resultados indicam o comprometimento da qualidade dosalimentos ofertados pelas escolas de acordo com o perfil socioeconômico de sualocalidade, o que caracteriza uma violação do Direito Humano à Alimentação Adequadae Saudável no Programa Nacional de Alimentação Escolar do estado de Sergipe.

2023
Descrição
  • JÉSSYCA TELES BARRETO
  • Validação de questionário para mapeamento de estratégias nutricionais no cuidado do diabetes tipo 2 e a percepção dos indivíduos sobre ações de educação alimentar baseadas no processamento dos alimentos no controle glicêmico
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 27/11/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O desenvolvimento e validação de questionários que avaliem as estratégias utilizadas no âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS) para o cuidado do diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é fundamental para avaliar como a promoção da saúde e o cuidado desse público se alinham com as diretrizes de alimentação saudável. Nesse sentido, a ações de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) que promovam maior conhecimento sobre a extensão e processamentos dos alimentos pode favorecer melhor controle glicêmico de indivíduos com DM2. Assim, este estudo teve como objetivos desenvolver e validar um questionário para mapeamento de estratégias para o cuidado do DM2 e conhecimentos sobre o grau de processamento dos alimentos entre os profissionais de saúde da APS, bem como sua aplicação para o diagnóstico na APS, e avaliar a percepção dos indivíduos com DM2 quanto às ações de EAN baseadas no grau de processamento dos alimentos e sua repercussão no controle glicêmico. Para isso, o estudo foi realizado em três etapas: (1) estudo metodológico de elaboração, validação de conteúdo e aparência do questionário para mapear o cuidado do público com DM2 na APS, com especialistas na área do questionário elaborado e profissionais de saúde da APS, respectivamente. O índice de validação de conteúdo (IVC) foi utilizado para avaliar a concordância entre os especialistas, e o índice de validação de face (IVF) para avaliação do questionário pelos profissionais de saúde; (2) estudo observacional, descritivo, realizado com profissionais de saúde da APS em Sergipe, Brasil, para mapear as estratégias nutricionais, conhecimento do Guia Alimentar e classificação NOVA dos alimentos, a partir do questionário validado; (3) Estudo quali-quantitativo, a partir da metodologia do grupo focal (GF), realizado com 12 indivíduos com DM2, idade entre 20 e 70 anos, incluídos em um ensaio clínico com intervenção de ações de EAN durante 16 semanas. Para isso, perguntas sobre a motivação para participar das ações, tema que mais gostaram e percepção de mudanças no dia-a-dia após as ações de EAN nortearam a obtenção dos discursos, os quais foram gravados e extraídos de forma literal para análise de conteúdo. Dados do peso corporal, IMC, glicose de jejum e hemoglobina glicada foram comparados, antes e após as ações de EAN, por meio do teste T-Student, considerando p<0,05 como significante. Quanto aos resultados, o questionário desenvolvido teve seu conteúdo validado (IVC: 0,92) por sete especialistas nas áreas de nutrição e epidemiologia. A validação de aparência foi realizada com 14 profissionais da saúde com IVF total de 0,98. O questionário final consistiu em 26 itens, com tempo médio de preenchimento de 15,5 min. O mapeamento incluiu 104 profissionais atuantes na APS, sendo 58,7% enfermeiros, 37,5% médicos e 3,8% nutricionistas. Os materiais do Ministério da Saúde (66,4%) e recomendações de redução de carboidratos simples (84,60%), desestímulo ao consumo de ultraprocessados (76,9%) e estímulo ao consumo de alimentos in natura/minimamente processados (69,2%) foram as condutas mais relatadas. Ademais, 51,6% dos profissionais tiveram contato com o Guia. Entretanto, 68,3% não conhece a classificação NOVA e 88,5% desconhece a quantidade de grupos dessa classificação. A percepção quanto às ações de EAN envolveu 12 participantes, distribuídos em dois GF. O “Conhecimento” foi a categoria mais reproduzida para motivação em participar das ações (GF1: 72,7%; GF2: 50%). As temáticas mais apreciadas foram "otimização do tempo na cozinha" e "aproveitamento integral dos alimentos" (GF1: 35,3%), e "sentidos do comer" (GF2: 41,6%). Quanto a percepção de mudanças cotidianas, emergiram categorias como "Segurança sobre escolhas alimentares” (23,53%) e “Conhecimento” (23,53%) no GF1, e “Mudança no consumo alimentar” (25,7%) no GF2. Não foram observadas diferenças significativas na redução de peso, IMC, glicose e hemoglobina glicada. Conclui-se baixo conhecimento da classificação NOVA entre os profissionais, o que reflete em sua reduzida utilização nas orientações/estratégias nutricionais. Ademais, a percepção dos participantes sobre a autogestão do diabetes, potencialidades e efeitos na saúde foi atribuído à participação nas ações de EAN.

  • JORDANA NUNES DE OLIVEIRA
  • POTENCIAL PREBIÓTICO DA FARINHA DO SUB-PRODUTO DE UMBU-CAJÁ (SPONDIAS SPP).
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 16/10/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O umbu-cajá (Spondias spp.) é um fruto tropical endêmico da região nordeste brasileiro, considerado um híbrido natural entre o umbuzeiro (Spondias tuberosa) e a cajazeira (Spondias lutea). Além do consumo in natura, é amplamente utilizado na indústria processadora de frutas, para produção de polpas, doces, geleias, sucos, picolés, néctares, sorvetes, gerando subproduto residual em quantidades elevadas, representando um passivo ambiental. O subproduto contém quantidades apreciáveis de compostos bioativos e fruto oligossacarídeos, se apresentando como matéria prima para desenvolvimento de farinha. Neste contexto, objetivou-se avaliar o potencial prebiótico da farinha de subproduto do umbu-cajá, através de um sistema de fermentação in vitro, utilizando a técnica de hibridização fluorescente in situ acoplada à citometria de fluxo multiparamétrica. A farinha foi submetida à fermentação durante 48 horas e exposta a diferentes grupos de bactérias que são comuns no cólon humano. Finalmente, os índices prebióticos e atividade metabólica da farinha foram medidas ao longo do tempo. Os resultados comprovam a potencialidade de reaproveitamento do subproduto para a produção de uma farinha com significativo índice prebiótico.

  • BEATRIZ DA CRUZ SANTOS
  • Avaliação da efetividade de uma intervenção nutricional baseada no grau de processamento dos alimentos para o controle metabólico de indivíduos com diabetes mellitus tipo 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 29/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Estratégias nutricionais que envolvem a abordagem de ações de Educação Alimentar e Nutricional (EAN), individual ou em grupo, podem promover maior conhecimento das consequências das escolhas alimentares para o controle metabólico no diabetes mellitus tipo 2 (DM2), favorecendo uma alimentação com melhor qualidade. Nessa perspectiva, o conhecimento sobre grau de processamento dos alimentos pode dar autonomia para os indivíduos com DM2 nas escolhas de alimentos que promovam maior controle metabólico. Dessa forma, os objetivos deste estudo foram discutir as evidências da relação da qualidade da dieta na melhora do controle glicêmico de indivíduos com DM2, a partir de intervenções em saúde, ao mesmo tempo avaliar a efetividade de uma estratégia nutricional baseada no grau de processamento dos alimentos para o controle metabólico de indivíduos DM2 a partir de dados preliminares. Inicialmente, realizou-se uma revisão sistemática (PROSPERO nº CRD42023430036). As buscas dos estudos foram realizadas em seis bases de dados (Web of Science, Medline (via PubMed), Embase, Bireme, Scopus e CINAHL) e na literatura cinzenta (google acadêmico), incluindo ensaios clínicos randomizados (ECR) que avaliaram a efetividade de intervenções em saúde em indivíduos adultos e idosos com DM2 e que apresentaram dados da qualidade da dieta, avaliada por meio de índices dietéticos, e do percentual de hemoglobina glicada (%HbA1c). Em paralelo, realizou-se um ensaio clínico, aleatorizado e controlado, com avaliador cegado. Participaram indivíduos com DM2 assistidos pela Atenção Primária à Saúde (APS) do Estado de Sergipe, de ambos os sexos, com idade entre 20 e 70 anos, os quais foram randomizados para o grupo controle que recebeu os cuidados usuais da APS ou para o grupo intervenção que também recebeu os cuidados da APS mais as ações de EAN, com duração de 16 semanas de acompanhamento. A intervenção incluiu oito ações de EAN baseadas no grau de processamentos dos alimentos e nas orientações do Guia Alimentar para população brasileira, realizadas em grupo, por UBS, a cada 15 dias. Marcadores do controle glicêmico e lipídico e avaliação antropométrica e da pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) foram avaliados antes e após a intervenção. Quatro ECR foram incluídos na revisão sistemática, sendo que a avaliação da qualidade foi realizada pelos índices AHEI, HEI-2010, DQI-I e DQI-R. As intervenções em saúde promoveram a redução do %HbA1c em dois estudos, e esses resultados foram correlacionados com a melhora da qualidade da alimentação (pontuações do AHEI e DQI-I) nos grupos intervenção. O uso de rótulos alimentares para melhorar a qualidade da dieta reduziu em 0,08% o %HbA1c no grupo intervenção em comparação com o controle. Apenas um estudo não observou associações significativas entre a qualidade da alimentação e o %HbA1c. O ECR incluiu 130 indivíduos com DM2, 68 no grupo intervenção e 62 no grupo controle, sendo que 39 e 24 indivíduos completaram o estudo, respectivamente A maioria era do sexo masculino (51,5%) e apresentavam sobrepeso ou obesidade (89,3%). As análises de intenção de tratar mostraram que PAS (p=0,019), PAD (p=0,045), insulina (p=0,006), colesterol total (p=0,025), HDL-c (p=0,032), não-HDL-c (p=0,027) e LDL-C (p=0,026) reduziram no grupo intervenção quando comparado ao momento inicial. Enquanto, nas análises per protocolo somente a concentração de insulina no grupo intervenção reduziu após as ações, e as diferenças nas mudanças mostraram que a redução no %HbA1c (p=0,037) e PAS (p=0,017) do grupo intervenção foi maior do que o controle. Assim, intervenções em saúde promoveram melhora da qualidade da alimentação e do controle glicêmico em indivíduos com DM2 observadas pela revisão sistemática. Enquanto, a intervenção de EAN baseada no grau de processamento dos alimentou parece melhorar os marcadores metabólicos, sendo necessário ampliar o número de participante para aumentar o poder estatístico.

  • CATILÚCIA ARAUJO SANTANA
  • Desenvolvimento e validação de conteúdo de uma ferramenta de avaliação da qualidade da alimentação baseada na classificação NOVA para a população com diabetes mellitus tipo 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 29/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Não disponibilizado.

  • ELIS REJANE ARAUJO SANTANA
  • FATORES ASSOCIADOS AO RISCO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR EM UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR: PRIMEIRA AVALIAÇÃO NACIONAL
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 25/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Programa Nacional de Alimentação Escolar é destaque nacional e internacional por abranger a alimentação como Direito Humano à Alimentação Adequada e a Segurança Alimentar e Nutricional, objetivando contribuir para o desenvolvimento biopsicossocial, o rendimento escolar e a formação de hábitos alimentares saudáveis. Um dos principais marcos do programa foi a promulgação da Lei nº 11.947/2009, pois por meio dela foi garantida uma alimentação saudável e diversificada, a valorização da agricultura familiar e o emprego das Boas Práticas promovendo condições higiênico-sanitárias adequadas. A avaliação de risco determina o risco e estima o potencial de efeitos adversos à saúde quando um indivíduo ou população é exposto a um perigo. O presente estudo objetivou avaliar as Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar de escolas públicas brasileiras quanto ao grau de risco de Doença de Transmissão Hídrica e Alimentar e seus fatores associados. Trata-se de um estudo transversal, que utilizou dados obtidos de dois Questionários (identificados como: QA - Caracterização da unidade amostrada (escola) e QF - Avaliação da unidade de alimentação escolar) da Pesquisa Nacional do Consumo Alimentar e Perfil Nutricional de Escolares, Modelos de Gestão e de Controle Social do Programa Nacional de Alimentação Escolar, conduzida pela Associação Brasileira de Nutrição em 2007. A amostra foi representativa das escolas públicas de ensino fundamental do Brasil. A avaliação das escolas ocorreu por meio do cálculo e categorização de risco (variável dependente), de acordo com a metodologia desenvolvida e validade por Viera et al. (2022), dicotomizada para Médio/Alto Risco (sim/não). Os fatores preditores do risco (variáveis independentes), tais como adequação às boas práticas de manipulação, localização da escola, presença de serviços de saneamento básico e vinculação administrativa, foram analisados por Regressão Logística Múltipla. As análises foram realizadas em programa estatístico SPSS versão 28 e Stata versão 9 considerando nível de significância de 5%. Aplicaram-se análises descritivas, teste de Qui-quadrado de Pearson e Regressão Logística Múltipla. A pesquisa de base foi submetida e aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da União Social Camiliana - Centro Universitário São Camilo, com número de Parecer 022/07. Das 937 Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar (UANE) brasileiras analisadas, 31,1% concentravam-se na região Nordeste e 24,5% no Norte, estando a maioria localizada na zona urbana (85,3%) e com gestão própria (92,8%). Observou-se que para as boas práticas 42,8% das UANE estavam entre 51 e 75% de conformidade (Grupo 2). Na avaliação do grau de risco 44,8% (n=420) das UANE apresentaram Médio/Alto Risco de desenvolver surto de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA), havendo relação estatística significativa (p<0,05) com as boas práticas, região brasileira, tipo de gestão, rede de esgoto, destino do lixo e localidade (rural e urbana). Concluo, portanto, que a probabilidade de as UANE de escolas públicas brasileiras terem Médio/Alto Risco de DTHA está relacionada à apresentação de 51 a 75% de conformidade para as Boas Práticas, não ter coleta de lixo e ser da região Norte ou Nordeste, enquanto que estar ligada à rede de esgoto reduz a probabilidade de Médio/Alto Risco de DTHA.

  • CAROLINE DOS SANTOS MELO
  • EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE VITAMINAS NA MELHORA DA RESISTÊNCIA À INSULINA EM MULHERES COM SÍNDROME DE OVÁRIOS POLICÍSTICO (SOP): UMA REVISÃO SISTEMÁTICA E META ANÁLISE DE ENSAIOS CLÍNICOS RANDOMIZADOS
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 01/08/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma condição endócrino e metabólico que afeta mulheres em idade reprodutiva em todo o mundo. A SOP é frequentemente associada a diversas comorbidades como a obesidade, inflamação crônica de baixo grau, risco aumentado para doenças cardiovasculares e resistência à insulina (RI). A RI é uma condição comum em mulheres com SOP e está relacionada com a ocorrência de outras comorbidades uma vez que a hiperisulinemia aumenta a produção de hormônios andrógenos das células ovarianas. A RI tornou-se alvo terapêutico no manejo da SOP e a suplementação de micronutrientes como vitaminas ajudam no controle dessa condição, uma vez que, atuam melhorando a captação periférica de glicose. Objetivo: Elaborar uma revisão sistemática e uma meta-análise visando discutir os efeitos da suplementação de vitaminas na resistência à insulina na SOP. Metodologia: A revisão sistemática foi desenvolvida seguindo as instruções do Preferred Reporting Items for Reviews and Meta-Analysis (PRISMA). A pergunta de pesquisa foi definida de acordo com o anagrama PICOS. A estratégia foi desenvolvida usando os termos controlados (em inglês), MeSH (Medical Subject Headings) nas bases de dados: PubMed/MEDLINE, EMBASE, Web of Science, SCOPUS e no Google Acadêmico. A seleção dos estudos foi realizada de forma independente por dois autores. Foram incluídos estudos realizados com mulheres adultas com diagnóstico de SOP, que receberam suplementação oral de vitaminas isoladas ou a suplementação oral de vitamina D associada ao cálcio. Foram excluídos estudos que não apresentassem valor de HOMA-IR no início e após a intervenção, que suplementaram polivitamínicos e que não apresentaram resultados referentes ao placebo. Os dados foram extraídos seguindo o Checklist Consolidated Standards of Reporting Trials (CONSORT). O risco de viés dos estudos foi avaliado usando a ferramenta Cochrane Collaboration tool for bias risk assessment RoB 2.0. O tamanho de efeito da suplementação com vitaminas no HOMA-IR foi testado em modelo de efeito randômico e um 2-tailed, sendo utilizados os deltas do HOMA-IR. O tamanho de efeito foi reportado em diferença de médias com e intervalo de confiança (IC) de 95%. A heterogeneidade foi avaliada usando o teste Cochran Q e quantificado usando o I2 index. Resultados: Foram identificados 776 registros. Após a aplicação dos critérios de inclusão nas duas etapas de seleção 17 estudos foram incluídos na revisão sistemática. As vitaminas K e folato foram ofertadas em 1estudo cada e contribuíram para a redução do valor de HOMA-IR. A meta-análise mostrou que suplementação com vitamina D foi associada à redução nos valores de HOMA-IR (-0,55 IC 95%: -0,82, -0,27), doses de vitamina D menores que 50.000 UI reduziu os valores de HOMA-IR em -0,59 enquanto que doses iguais a 50.000 UI não contribuíram para a redução dos valores de HOMA-IR(0,39). Conclusão: A suplementação com vitamina D contribuiu para a redução do HOMA-IR quando ofertada doses diárias menores que 50.000 UI (40UI – 6000UI). Apesar de serem avaliados em poucos estudos a vitamina K e o folato também reduziram os valores de HOMA IR.

  • FRANCISMAYNE BATISTA SANTANA
  • IMPACTO DE PROTOCOLOS DE TELENUTRIÇÃO EM UM PROGRAMA DE ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL ON-LINE NAS PRÁTICAS ALIMENTARES DE ADULTOS
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 07/07/2023
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Introdução: A telessaúde ascendeu em meio à pandemia de Covid-19. Destaca-se a telenutrição, modalidade que permite promover a melhoria da alimentação à distância. O objetivo este estudo foi analisar a efetividade de dois diferentes protocolos de telenutrição sobre as práticas alimentares de adultos. Métodos: Estudo clínico, randomizado e controlado, de 12 semanas, com aplicação de protocolos distintos de telenutrição com aconselhamento nutricional on-line. Foram conduzidos dois protocolos, o multicomponente (MT), composto por estratégias múltiplas combinadas, de forma síncrona e assíncrona e o tradicional (TD), com apenas estratégia síncrona, além do grupo controle (CT). O desfecho primário foi avaliado pelo escore das práticas alimentares. Além disso, destaca-se a realização de ações de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) em telessaúde para o grupo MT. Resultados: Participaram 86 indivíduos, 35 no grupo MT, 30 no TD e 21 no CT. Após 12 semanas, os grupos MT e TD apresentaram aumento significativo do escore de pontuação das práticas alimentares (p=0,049), e ambos foram diferentes do controle (MT x CT: p< 0,001; η2: 0,21); (TD x CT: p=0,002; η2: 0,21). O MT apresentou mudanças significativas em quatro itens de avaliação: no consumo de frutas e castanhas, modo de comer e ingestão de doces e refrigerantes (p=0,004; p=0,049; p=0,006 e p=0,025). Já o TD apresentou resultados significativos em dois itens: no consumo de frutas no café da manhã e o hábito de “beliscar”, também comparado ao CT (p=0,028; p=0,042). Com relação às ações de EAN, destaca-se que estas possibilitaram maior conscientização dos indivíduos acerca dos hábitos alimentares, com compartilhamento de experiências sobre as escolhas alimentares e o modo de comer. Além disso, favoreceu o fortalecimento de vínculos e a continuidade da mudança da alimentação. Conclusão: A metodologia multicomponente e tradicional foram efetivas na melhoria de práticas alimentares, tendo destaque para o uso de métodos combinados em telenutrição. Ademais, destaca-se que as ações de EAN representaram uma proposta efetiva visando a promoção de hábitos alimentares saudáveis no âmbito da telessaúde.

  • KARLA GABRIELLE SALES FERNANDES
  • POLIMORFISMOS DE NUCLEOTÍDEO ÚNICO BMSI E TAQI NO GENE DO VDR E EXCESSO DE PESO GESTACIONAL
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 06/07/2023
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Introdução: O excesso de peso gestacional está relacionado ao aumento do risco para complicações perinatais adversas e doenças metabólicas. Somado aos fatores inerentes à gravidez e ao ambiente, 20% da variabilidade no ganho de peso gestacional pode ser explicada por variantes genéticas. Objetivo: Investigar a relação do SNP BmsI (rs1544410) e TaqI (rs731236) do gene do VDR com o excesso de peso gestacional. Métodos: Estudo transversal realizado com 121 gestantes maiores de 18 anos, em diferentes trimestres gestacionais, assistidas pela rede pública de saúde do município de Aracaju, Sergipe. As informações sociodemográficas, econômicas e obstétricas foram obtidas por meio de entrevistas com aplicação de questionários semiestruturado, e os dados antropométricos foram coletados a partir dos registros da caderneta da gestante. As concentrações de 25-hidroxyvitamina D [25(OH)D] foram analisadas pelo método de quimioluminescência e para genotipagem dos SNPs utilizamos o sistema TaqMan. O excesso de peso gestacional foi avaliado pelo ganho de peso (GP) semanal e o IMC gestacional. As participantes foram classificadas de acordo com o ganho de peso (GP) semanal e o IMC gestacional em excessivo e não excessivo. O status de vitamina D foi classificado em insuficiência/deficiência e suficiência. Os genótipos dos SNPs foram classificados como: SNP BsmI: B/B (genótipo de referência), B/b (genótipo heterozigoto) e b/b (polimórfico); SNP TaqI: T/T (genótipo de referência), T/t (genótipo heterozigoto) e t/t (polimórfico), os genótipos foram classificados ainda em grupos dominantes (BmsI: BB vs bb + Bb; TaqI: TT vs tt + Tt) e recessivos (BmsI: BB + Bb vs bb; TaqI: TT + Tt vs tt). Para análise estatística foi realizado qui-quadrado e modelos de regressão multivariada logística para avaliar as diferenças na distribuição de genótipos e associações com GP semanal excessivo e IMC gestacional de excesso de peso. Os dados foram controlados por variáveis de confusão. Resultados: As frequências dos genótipos recessivos dos SNPs BmsI e TaqI foram 21,5% e 6,6%, respectivamente. As frequências de genótipos de referência foram 28,9% para o SNP BmsI e 43,8% para o TaqI, e de genótipo heterozigoto 49,6% para ambos os SNPs. Não foram encontradas associações entre os alelos polimórficos b do SNP BmsI com ganho peso excessivo (p= 0,100) e com excesso de peso gestacional (p= 0,451). Também não houveram associações entre o alelo polimórfico t do SNP TaqI com o ganho de peso excessivo (p= 0,578) e o excesso de peso gestacional (p= 0,352). Não houveram diferenças significativas entre os genótipos bb do SNPs BmsI com as categorias de ganho de peso excessivo (p= 0,084) e excesso de peso gestacional (p= 0,887); não foi encontrada associação entre o genótipo tt do SNP TaqI com as categorias de ganho de peso excessivo (p= 0,955) e excesso de peso gestacional (p= 0,072). Conclusão: Nossos achados indicam que não existe associação entre a frequência alélica, genotípica, modelos dominantes e recessivos, dos SNPs BmsI e TaqI com o excesso de peso gestacional.

  • ÍNGRIDE RAMOS DE CARVALHO OLIVEIRA
  • PRÁTICAS ALIMENTARES E SEUS DESFECHOS NA QUALIDADE DO SONO DE UMA COMUNIDADE ACADÊMICA
  • Orientador : KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
  • Data: 27/06/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Estima-se que cerca de 76% da população adulta tenha algum problema de sono no Brasil. Na comunidade acadêmica, fatores como estresse, competição no ambiente de trabalho e estudo, demandas cognitivas excessivas, consumo de cafeína e de drogas como álcool e tabaco podem prejudicar a qualidade do sono, enquanto alguns padrões alimentares mostraram potencialidade de melhorá-lo. Objetivo: relacionar práticas e consumo alimentares com a qualidade subjetiva do sono em uma comunidade acadêmica do Nordeste do Brasil. Métodos: Estudo quantitativo observacional, transversal e exploratório realizado com discentes e docentes de graduação e de pós-graduação de instituições de ensino superior públicas e privadas na região Nordeste do Brasil. Foi feita aplicação remota de questionários de Caracterização, Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI-BR), Escala de Práticas Alimentares (EPA) e um questionário de Frequência de Consumo de Alimentos inflamatórios. A análise estatística foi realizada a partir do software IBM SPSS Statistics 25 (2017). Resultados: 798 discentes e docentes participaram do estudo, maioria classificada como maus dormidores (73,3%), com práticas alimentares regulares ou ruins e alto consumo de alimentos com potencial pró-inflamatório. Melhores pontuações na escala de práticas alimentares tiveram 91% (p<0,001) mais chance de ter um sono de melhor qualidade, enquanto o consumo de alimentos não esteve relacionado com a qualidade do sono. Conclusão: As práticas alimentares inadequadas, além da alta frequência de consumo de alimentos com potencial pró-inflamatório, estiveram associados à pior qualidade de sono.

  • CLARA CECÍLIA RIBEIRO DE SÁ
  • Vigilância Alimentar e Nutricional para a Atenção Primária à Saúde: desenvolvimento e validação de um curso autoinstrucional a distância
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 16/06/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Vigilância Alimentar e Nutricional consiste na ação de descrever e monitorar as condições de alimentação e nutrição de uma população e é executada pelos profissionais na Atenção Primária à Saúde. Para o desenvolvimento dessa ação, os profissionais e gestores precisam estar qualificados. Uma das principais formas de qualificação são os cursos e a modalidade de ensino a distância tem se destacado como alternativa para a execução dos cursos por permitir flexibilidade de horário, já que os profissionais trabalham o dia todo, e tem contribuído por abranger um maior contingente de interessados de diferentes localidades. Desse modo, buscou-se desenvolver e validar um curso autoinstrucional para plataforma Educação a Distância sobre Vigilância Alimentar e Nutricional voltado para a qualificação dos profissionais e gestores da Atenção Primária à Saúde. Trata-se de uma Pesquisa-Ação, organizada em duas fases. A primeira fase foi de abordagem transversal e descritiva, realizada com profissionais de saúde, gestores da Atenção Primária à Saúde e especialistas em Vigilância Alimentar e Nutricional, com aplicação de questionários para conhecer o interesse e a indicação dos atores sobre um curso para essa finalidade. A segunda fase foi desenvolvida em duas etapas, subsidiada pela primeira: a elaboração do curso a partir do plano de aprendizagem descritivo, dos conteúdos e da diagramação e o processo de validação de aparência e de conteúdo do curso com juízes na temática. Os dados foram analisados no programa SPSS® versão 20.0, para o cálculo das estatísticas descritivas e do Índice de Validade de Conteúdo (IVC) e no software R para o cálculo do coeficiente de confiabilidade Kappa. Participaram da primeira fase deste estudo 632 profissionais, 371 gestores e 30 especialistas, os quais, em sua maioria, demonstraram-se favoráveis - quanto a intenção de participação ou indicação - à execução de um curso de curta duração ou aperfeiçoamento na temática da Vigilância Alimentar e Nutricional. O curso foi desenvolvimento em cinco módulo, com materiais para a qualificação e, foi validado por 15 juízes na temática de Vigilância Alimentar e Nutricional, com o IVC geral de 0,95 e o Kappa de 0,83, tornando o curso adequado para disponibilização aos profissionais e gestores de saúde.

  • THABATA ZELICE DA CRUZ DE MORAES
  • PADRÕES ALIMENTARES SEGUNDO GRAU DE PROCESSAMENTO ENTRE PUERPÉRAS USUÁRIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 28/02/2023
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O crescente consumo de alimentos ultraprocessados em substituição aos alimentos in natura e minimamente processados, tem afetado diversas populações de todo o mundo. O puerpério, fase de adaptação da mulher com as novas demandas familiares advindas da chegada do bebê, pode impactar negativamente nas escolhas alimentares. Embora, pouco se conhece sobre padrões alimentares considerando o grau de processamento alimentar no puerpério em países em desenvolvimento como o Brasil. Objetivos: Identificar padrões alimentares segundo o grau de processamento entre puérperas usuárias da atenção básica de saúde e seus fatores associados. Métodos: Estudo transversal com 299 mulheres do primeiro mês ao sexto mês pós-parto, atendidas em unidades básicas de saúde do município de Aracaju, Sergipe. Foi realizada entrevista telefônica com questionário semiestruturado incluindo informações sobre identificação e elegibilidade; dados obstétricos, parto, aleitamento, alimentação materna, sono, estado nutricional e condições socioeconômicas. Aplicou-se dois Recordatórios Alimentares de 24hs não consecutivos no intervalo de até 15 dias. A análise de componentes principais foi utilizada para identificar os itens alimentares segundo a classificação NOVA. A associação dos tercis dos padrões alimentares com as demais variáveis investigadas foi avaliada pela regressão logística ordinal. Resultados: Foram identificados três padrões alimentares: Tradicional, Ultraprocessado 1 e Ultraprocessado 2. Puérperas com menor adesão ao padrão tradicional apresentaram menor ingestão de vitamina A, C, E, folato, ferro, sódio, fibras, proteínas, colesterol e gorduras totais e saturada, em relação ao tercil de maior adesão. Ao passo que as com maior adesão aos padrões Ultraprocessados 1 ou 2 apresentaram maior ingestão de gordura total, saturada, trans, sódio e ferro, que aquelas com menor adesão. A maior adesão ao padrão tradicional esteve associada a maior idade (OR: 1,08; IC95%: 1,02;1,14) e ao parto normal (OR: 1,87; IC95%: 1,01;3,46). A maior de adesão ao padrão Ultraprocessado 1 esteve associada a prática de aleitamento materno exclusivo (OR: 2,01; IC95%: 1,18;3,43) e a ausência de orientação nutricional na gestação/puerpério (OR: 0,54; IC95%: 0,30;0,98). Conclusão: Puérperas mais velhas e com parto normal tinham mais chances de aderir mais ao padrão tradicional, ao passo que as orientações dietéticas diminuíam mais da metade a chance de maiores adesão a um padrão ultraprocessado. Amamentar exclusivamente possuía mais chance de adesão ao padrão menos saudável.

2022
Descrição
  • BEATRIZ GOUVEIA MOURA
  • Interfaces entre a Saúde e a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional: potencialidades e desafios da Vigilância Alimentar e Nutricional do Sistema Único de Saúde
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 16/11/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Política Nacional de Alimentação e Nutrição no campo da Saúde, articulada com a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, tem a Vigilância Alimentar e Nutricional como uma de suas diretrizes. Ao considerar o desafiador panorama político e social atual e a necessidade de qualificar o monitoramento de tais políticas, buscou-se identificar a percepção acerca do papel da Vigilância Alimentar e Nutricional presente no Sistema Único de Saúde no contexto da Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional dentre seus atores envolvidos. Realizou-se um estudo transversal qualitativo e quantitativo com a aplicação de questionários autopreenchidos disponibilizados no Google Forms em duas etapas. A primeira foi feita com gestores, profissionais e especialistas atuantes com a Vigilância Alimentar e Nutricional na Atenção Primária à Saúde. A segunda foi realizada com gestores, profissionais e pesquisadores das áreas da Soberania Alimentar, Segurança Alimentar e Nutricional e/ou Vigilância Alimentar e Nutricional. Em ambas as fases, as respostas foram sistematizadas a partir do Microsoft Excel® e do software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). As perguntas objetivas foram analisadas por meio de frequências relativas e absolutas e medidas de tendência central. As subjetivas passaram pela análise de conteúdo temática de Bardin. Participaram 1.032 atores na fase inicial e 142 respondentes na etapa final, sendo a maioria feminina com formação na nutrição e/ou enfermagem e atuação em nível local. A Vigilância Alimentar e Nutricional foi considerada uma potencialidade para a gestão, para a saúde alimentar e nutricional da população. A coleta antropométrica e de consumo alimentar foi considerada fácil por parte das respondentes. No entanto, a execução completa do trabalho realizado por gestoras e profissionais envolveu entraves como desconhecimento sobre o financiamento, ausência de capacitação e da compreensão dos usuários. Especialistas recomendaram a utilização dos dados, a atualização dos instrumentos e o fortalecimento da formação no sentido de ampliar a interface entre as políticas, mas há elementos trazidos pelas profissionais que estão na ponta que indicam barreiras para estes percursos, tais como limitações na atuação profissional, ausência de articulação, enfraquecimento da participação social e de sensibilização dos atores políticos envolvidos com a Vigilância. Na etapa final, aproximadamente metade dos participantes declararam conhecer muito ou muito pouco sobre as temáticas centrais da pesquisa e a maioria considerou a utilização dos dados relevante para os diversos setores, territórios e sistemas alimentares. Apesar disso, desafios políticos, de formação, sensibilização e operacionalização foram apontados assim como possibilidades de estratégias para uma maior aproximação entre as áreas. É necessário pensar em capacitações, promover a utilização dos dados e a formação dos diferentes atores que atuam na Vigilância Alimentar e Nutricional, considerando também a capilaridade e a articulação das estratégias planejadas. Por fim, a investigação das razões que tornam recorrentes os desafios de operacionalização e financiamento, e a ampliação de evidências que abordem as disputas políticas que atuam na contramão do direito à alimentação, transformando a comida e a saúde em mercadorias, são recomendadas.

  • WANESSA MONTEIRO PASSOS
  • Cobertura do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional e a percepção dos profissionais que o executa: o caso de Sergipe.
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 11/11/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Para que o funcionamento do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional seja efetivo no que se propõe, é necessária uma cobertura significativa da população com acompanhamento do estado nutricional e do consumo alimentar, e que os profissionais de saúde e gestores que atuam diretamente com essa ação tenham uma percepção positiva sobre os resultados. Esse estudo buscou realizar o diagnóstico da cobertura do Sistema de Vigilância Alimentar Nutricional no estado de Sergipe e investigar a sua relação com a percepção dos atores envolvidos na operacionalização desse sistema. Para tanto, foi realizado um estudo analítico por um segmento transversal e outro ecológico. Na pesquisa transversal foram utilizados questionários eletrônicos, autoaplicáveis junto a profissionais e gestores de saúde, entre junho e agosto de 2021. Na análise, a associação entre as variáveis foi calculada por meio do teste Qui-quadrado de Pearson e Exato de Fisher. No segmento ecológico os dados secundários foram oriundos dos relatórios públicos do Sisvan-Web, do período de 2011 a 2021, e de dados oficiais de contagem populacional, com análise das séries temporais por meio da regressão de Prais-Winsten. Participaram da pesquisa 104 atores que trabalhavam com a Vigilância Alimentar e Nutricional. Verificou-se relação significativa entre a falta de apoio técnico e financeiro das secretarias e do Ministério da Saúde e a cobertura do sistema. A maioria dos municípios apresentaram tendência de estabilidade (61,3%), sendo que 36% apresentaram tendência de crescimento e apenas 2,7%, coberturas decrescentes. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional em Sergipe apresentou uma tendência de crescimento em algumas das suas regiões de saúde, mas ainda detém coberturas insuficientes na maioria das regiões e municípios. Apesar da percepção positiva dos seus atores, o estado de Sergipe ainda encontra dificuldades inerentes ao apoio técnico e financeiro para que a Vigilância Alimentar e Nutricional seja consolidada.

  • ALINE ROCHA REIS
  • VITAMINA D E ENVELHECIMENTO: DA SAÚDE ÓSSEA AO COMPROMETIMENTO COGNITIVO
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 31/10/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A vitamina D atua em diversos sistemas e seu papel mais conhecido é na saúde óssea.Entretanto, suas funções tem sido ampliadas devido a presença de seus receptores em váriostecidos, favorecendo a homeostase metabólica. Os sistemas ósseo, nervoso e endócrino são osmais estudados em relação à vitamina D, sendo que a sua deficiência pode comprometer aadequada homeostase desses sistemas, favorecendo o desenvolvimento de doenças crônicas nãocomunicáveis. Assim, esse estudo teve como objetivo reunir evidências do efeito dasuplementação de vitamina D, isolada ou associada ao cálcio, no risco de fraturas em mulheresna menopausa; da associação da deficiência de vitamina D e o risco de doenças cognitivasrelacionadas ao envelhecimento em adultos de meia idade e idosos; e da tripla relação entrevitamina D, declínio cognitivo e hiperglicemia no diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Para isso,foram conduzidas duas revisões sistemáticas e uma narrativa. As bases de dados pesquisadasforam PubMed/Medline, Scopus, Embase, Web of Science e também foram feitas buscas naliteratura cinzenta. Em todas as revisões não houve restrição de idioma ou ano de publicação.Todas as etapas metodológicas foram realizadas por dois avaliadores e o teste de Kappa deCohen foi aplicado nas etapas de seleção para verificar a concordância entre os avaliadores.Para avaliar os estudos sobre o efeito da suplementação de vitamina D no risco de fraturasforam incluídos nove ensaios clínicos randomizados com mulheres na menopausa e semosteoporose e que apresentavam dados da concentração de 25(OH)D ou 1.25(OH)2D3,paratormônio (PTH) e marcadores da remodelação óssea (reabsorção: CTX e formação: P1NP).Em outra revisão sistemática foi incluída 34 estudos prospectivos que investigaram a associaçãoentre a deficiência de vitamina D e o desenvolvimento de doenças relacionadas à cognição noenvelhecimento. A revisão narrativa foi construída a partir de buscas não sistematizadas nasprincipais bases de dados para estudos das ciências da saúde para reunir mecanismos da triplarelação entre vitamina D, declínio cognitivo e hiperglicemia. A suplementação de 300 a 1000UI/dia de vitamina D3 ou D2 ou 15.000 UI/semana de D2, com ou sem cálcio, aumentou empelo menos 10 ng/mL a concentração de 25(OH)D e essa última dose melhorou a densidademineral óssea (DMO) nas mulheres na menopausa com reduzida DMO. A dose de 1000 UI devitamina D associada a 1200 mg de cálcio/dia durante um ano reduziu PTH, CTX e P1NP, etambém a velocidade de perda óssea. Outras concentrações não apresentaram resultadosexpressivos. Quanto a associação da deficiência de vitamina D e os desfechos da cognição, foievidenciado que a deficiência de vitamina D é uma exposição que favorece a incidência dedoenças relacionadas à cognição, sendo o comprometimento cognitivo o desfecho maisobservado, seguido de demência e/ou doença de Alzheimer. Os domínios cognitivos que serelacionam com a deficiência de vitamina D foram memória, velocidade de processamento,função executiva, percepção e atenção. A localização do estudo também foi uma variável que serelacionou com os desfechos associados à deficiência de vitamina D. No entanto, a variável raçanão mostrou diferenças nos resultados dos estudos incluídos. Considerando esses achados e queo envelhecimento também está relacionado a maior prevalência de doenças crônicas, a revisão narrativa mostrou que o declínio na cognição pode ser potencializado em indivíduos com DM2 devido a relação entre inflamação, resistência à insulina e hiperinsulinemia no desenvolvimento das doenças cognitivas. Assim, conclui-se que a vitamina D tem papel importante no envelhecimento pelas suas ações no metabolismo ósseo e por participar de mecanismos que favorecem a saúde dos sistemas nervoso e endócrino.

  • VITÓRIA BARBOSA DOS SANTOS
  • EFEITOS DA DIETA DO MEDITERRÂNEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE INDIVÍDUOS COM EXCESSO DE PESO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 31/10/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dieta é um fator capaz de modular a microbiota intestinal alterada em indivíduos com excesso de peso, na qual, destaca-se o padrão dietético tradicional do Mediterrâneo, cujos constituintes (nutrientes e compostos bioativos) dos alimentos presentes ativam vias metabólicas que favorecem à saúde intestinal e reduzem a permeabilidade intestinal. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi sumarizar as evidências sobre os efeitos da dieta mediterrânea na microbiota intestinal em indivíduos com excesso de peso. Apesar da dieta mediterrânea interagir com a microbiota intestinal de indivíduos com excesso de peso, as evidências disponíveis até o momento ainda apresentam alguns resultados discrepantes.

  • MILENA SILVA GENTIL
  • CIRURGIA BARIÁTRICA PARA O TRATAMENTO DA OBESIDADE E SUA ASSOCIAÇÃO COM O RISCO DE DISBIOSE INTESTINAL
  • Orientador : KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
  • Data: 26/10/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A disbiose da microbiota intestinal tem sido relacionada ao desenvolvimento de inúmeras doenças, em especial, a obesidade. A cirurgia bariátrica é uma opção eficaz para o tratamento de obesos graves que não alcançaram êxito no tratamento conservador. Por intervir no trato digestivo, a cirurgia causa alterações na microbiota intestinal e, consequentemente, na simbiose estabelecida com o hospedeiro. Pesquisas sugerem que a disbiose intestinal após a cirurgia favorece a menor perda ponderal, reganho de peso e descontrole de comorbidades. O objetivo da pesquisa foi analisar a associação entre cirurgia bariátrica para o tratamento da obesidade e o risco de disbiose intestinal. Trata-se de um estudo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa, realizado com indivíduos em períodos diversos do pós-operatório de cirurgia bariátrica. O risco de disbiose e as condições de vida foram avaliados de forma remota, por meio de questionários. Foram coletados dados antropométricos e parâmetros laboratoriais a partir de registros em prontuários. Foram aplicados o Teste Qui-quadrado para avaliar a associação entre as variáveis e o de Pearson para as correlações. Modelos de regressão linear múltipla e logística foram conduzidos para analisar os efeitos das variáveis relativas à cirurgia bariátrica sobre o risco de disbiose. Adotou-se o nível de significância de 5% e intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi aprovada por meio do parecer nº 4.858.116, do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe. Os resultados mostraram que a qualidade de vida e a composição corporal estiveram, diretamente, relacionadas ao risco de disbiose intestinal em indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica. A disbiose relacionou-se positivamente: ao Índice de Massa Corporal, circunferência da cintura e Relação Cintura-Estatura e à ao nível sérico da glicemia de jejum e, inversamente, ao percentual de perda de peso. O risco elevado de disbiose intestinal esteve relacionado ao excesso de peso, deposição de gordura abdominal e maiores valores de glicemia de jejum, enquanto o maior tempo pós-operatório e melhores níveis de qualidade de vida estiveram relacionados à um baixo risco de disbiose intestinal.

  • CRYSTIANNE SANTANA FRANCA
  • EFEITO DO EXTRATO ETANÓLICO DA CASCA DO RAMBUTAM (Nephelium lappaceum) SOBRE MARCADORES DE ESTRESSE OXIDATIVO E DANO MUSCULAR DE RATOS SUBMETIDOS AO TREINAMENTO RESISTIDO
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 31/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da prática do exercício resistido estar associada a inúmeros benefícios à saúde, a depender da intensidade e da duração, também pode impulsionar a inflamação,aumentar a produção de espécies reativas de oxigênio (EROs) e causar prejuízo aossistemas de defesa antioxidante do músculo esquelético e do sangue. O uso desuplementos alimentares antioxidantes tem sido estudados como estratégia para atenuaro estresse oxidativo e dano muscular ocasionados pelo exercício. A casca do rambutan (Nephelium lappaceum) apresenta uma variedade de fitoquímicos, destacando-se oscompostos fenólicos, como a geranina, corilagina e ácido elágico, que têm demonstradopotencial efeito antioxidante, antidiabetogênico e antihipertensivo. Sendo assim, opresente trabalho teve como objetivo realizar a análise fitoquímica das cascas do fruto,bem como avaliar o seu potencial de ação no estresse oxidativo e dano muscular deratos submetidos ao treinamento resistido. Foi realizada a análise fitoquímica (Fenólicostotais, Flavonóides totais, Identificação e quantificação dos compostos presentes nacasca), bem como avaliação da capacidade antioxidante in vitro (Varredura dos radicaisDPPH e ABTS, Avaliação da capacidade redutora do ferro – FRAP) das cascas dorambutan. Para avaliação do efeito do extrato etanólico da casca do rambutan sobreestresse oxidativo e dano muscular frente ao exercício foram utilizadas ratas fêmeas(N=26), jovens adultas, da linhagem Wistar, distribuidos em 4 grupos, sendoGrupo C- Controle sedentário; Grupo R- Controle rambutan; Grupo T- Treinado; GrupoTR - Treinado + rambutan Exercício + Extrato. O extrato foi administrado na dose de100mg/Kg de peso corporal por gavage antes do treinamento, 3x/semana durante 4semanas. O protocolo de exercício foi realizado em aparato de agachamento. Osprincipais achados consistem na confirmação de alto teor de fenólicos e flavonoidestotais no EER, bem como da presença do ácido elágico no EER; atividade antioxidantein vitro confirmada por 3 distintos mecanismos; aumento da força relativa nos grupostreinados após as quatro semanas de treinamento; redução significativa da CK eTBARS sericos no grupo TR; maior capacidade redutora relativa ao ferro no grupo TRque foi acompanhada por maior peroxidação lipídica; e possível hipertrofia dos grupostreinados em relação aos controles. Os resultados obtidos nos permitem concluir queEER reduz dano muscular e marcador de oxidação lipídica no soro em animaissubmetidos ao treinamento resistido de intensidade moderada. Associado aesses achados, o EER modula o estresse oxidativo no tecido muscular epossivelmente contribui com o quadro de hipertrofia muscular associado aotreinamento resistido de intensidade moderada.

  • CAROLINE SANTOS DE JESUS
  • PADRÕES ALIMENTARES DE ADOLESCENTES FORA DO PERÍODO ESCOLAR E SUA ASSOCIAÇÃO COM ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS, DEMOGRÁFICOS E ESTADO NUTRICIONAL
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 30/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A adolescência é uma fase de transição para a vida adulta, marcada por intensas mudanças biológicas e psicossociais. Inquéritos nacionais apontam que o consumo alimentar de adolescentes escolares passou a ser caracterizado pelo consumo de alimentos ricos em gorduras, açúcares e sódio, associado ao baixo consumo de alimentos ricos em fibras, vitaminas e minerais. Considerando que os hábitos alimentares nessa fase exercem grande influência sobre crescimento e desenvolvimento da obesidade e doenças crônicas na vida adulta, o monitoramento da qualidade da alimentação na adolescência é de fundamental importância. O presente estudo buscou analisar padrões alimentares de escolares da rede pública de ensino no Brasil, no período em que se encontram fora da escola, com relação a aspectos sociodemográficos e estado nutricional. Trata-se de um estudo transversal, realizado a partir de dados secundários da Pesquisa Nacional do Consumo Alimentar e Perfil Nutricional de Escolares, realizada no período de 2007, pela Associação Brasileira de Nutrição. O consumo alimentar foi avaliado através de Recordatório 24h. Utilizou-se Análise fatorial por Componentes Principais para gerar os padrões alimentares. Por fim, foram utilizados Modelos Lineares Generalizados para analisar as associações múltiplas entre os padrões e as variáveis sociodemográficas e perfil nutricional. Foram identificados seis padrões alimentares, referentes aos alimentos consumidos fora do período escolar. No geral, as adolescentes do sexo feminino apresentaram maior adesão a padrões alimentares menos saudáveis e com presença de alimentos ultraprocessados. Tais padrões igualmente se associam a escolares de zona urbana e que possuem maior acesso a alimentos fora da escola. Já em relação aos padrões com características regionais a adesão é maior nas regiões norte, nordeste e centro-oeste. Os resultados deste estudo corroboram com os achados dos inquéritos nacionais de consumo alimentar, demonstrando a manutenção de hábitos alimentares regionais e a tendência no consumo de alimentos ultraprocessados em adolescentes, evidenciando a necessidade de ações de promoção de alimentação saudável junto à população jovem, dentro e fora da escola, visando a redução do consumo de ultraprocessados, manutenção de hábitos saudáveis na vida adulta e redução de risco de doenças crônicas e obesidade.

  • CYNTHIA BATISTA SANTOS
  • Consumo de seafood e suplementação de ácidos graxos de cadeia longa n-3 no declínio cognitivo associado ao genótipo APOE4 em adultos e idosos
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 29/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O consumo de seafood e a suplementação com os ácidos graxos docosahexaenoico (DHA) e eicosapentaenoico (EPA) têm sido usados como estratégias para reduzir o risco e melhorar os desfechos das doenças associadas à cognição. Embora, a influência do genótipo da Apolipoproteína E4 (APOEε4) nessas relações não ser clara. Objetivo: Sumarizar as evidências da associação do consumo de seafood e do efeito da suplementação de DHA e EPA nas variáveis do declínio cognitivo e relacionar com a presença do genótipo da APOEε4 em adultos de meia idade e idosos. Métodos: A busca dos estudos foi conduzida nas bases de dados Pubmed, Scopus, Web of Science e Bireme/Lilacs em 12 de agosto de 2021. Nós incluímos estudos observacionais de coorte que investigaram a associação entre o consumo de seafood e o desenvolvimento de declínio cognitivo e ensaios clínicos randomizados (ECR) que avaliaram o efeito da suplementação de EPA e DHA nas variáveis da cognição. As etapas de seleção dos estudos, extração dos dados e avaliação da qualidade e do risco de viés dos estudos foram realizadas por dois avaliadores independentes. Resultados: A busca inicial retomou 1863 estudos nas bases de dados, sendo incluídos seis estudos prospectivos e dois ECR. O consumo de seafood pelo menos uma vez por semana reduziu a velocidade de evolução do declínio cognitivo em indivíduos não portadores da APOEε4 de dois estudos e nos indivíduos portadores de APOEε4 em um estudo. Uma das coortes mostrou redução de 60% no risco de doença de Alzheimer nos consumidores de pelo menos uma vez por semana de seafood, sendo este resultado ajustado pelo genótipo da APOEε4. As outras duas coortes não verificaram associação com os desfechos estudados. Os resultados dos ECR não são congruentes, pois indivíduos não portadores da APOEε4 do grupo suplementado com 1720 mg de DHA plus 660 mg de EPA/dia tiveram pior performance no domínio cognitivo do tempo de reação de escolhas rápidas, enquanto os portadores melhoraram o domínio de raciocínio. O aumento da concentração de DHA no grupo suplementado com 2 g de DHA/dia foi menor nos indivíduos com o genótipo da APOEε4 em comparação com outros genótipos da APOE. Além disso, o menor declínio no volume hipocampal direito do cérebro foi correlacionado com maior concentração de EPA após a suplementação nos indivíduos não portadores de APOEε4. A dosagem e o tempo de suplementação (18 meses) foram similares nos dois estudos. Conclusão: O consumo de seafood em pelo menos uma vez por semana parece reduzir o risco de declínio cognitivo, no entanto, a influência do genótipo da APOEε4 precisa ser mais estudada, enquanto a suplementação de DHA e EPA não mostrou resultados pragmáticos sobre as variáveis cognitivas considerando a presença do alelo da APOEε4.

  • MARCOS DA SILVA BRANDÃO
  • Tradução e adaptação cultural do questionário sobre motivo das escolhas alimentares de atletas (Athlete Food Choice Questionaire – AFCQ) para a língua portuguesa do Brasil
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 05/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As pesquisas que buscam analisar a fundo os hábitos alimentares dos atletas, especificamente, os determinantes das escolhas alimentares, não utilizam instrumentos padronizados e validados, visto isso, torna-se importante discutir sobre a necessidade de abordagens metodológicas utilizando instrumentos que sejam possíveis de compreender os motivos que levam aos atletas fazerem suas escolhas. O Athlete Food Choice Questionnaire (AFCQ) tem como objetivo identificar os principais fatores que influenciam as escolhas alimentares dos atletas. Considerando isso e, pelo fato de os motivos de escolhas influenciarem na ingestão de nutrientes e poder afetar no desempenho físico, o presente artigo teve como objetivo descrever o processo de tradução e adaptação cultural do AFCQ para a língua portuguesa para poder ser utilizado na população de atletas brasileiros. Foram utilizadas as etapas metodológicas de: 1) tradução; 2) síntese das traduções; 3) Avaliação por um comitê de especialistas (experts); 4) Avaliação do instrumento pelo público alvo; 5) Tradução reversa (back-translation); 6) Estudo-piloto. O questionário traduzido e adaptado foi aplicado em 30 atletas, de ambos os sexos, com média de idade de 30,7 ± 7,4 anos. Algumas diferenças entre as versões foram observadas, e houve a inclusão de mais um fator de influência de escolha alimentar, o preço dos alimentos. Após as modificações nos processos de tradução, o comitê de especialistas considerou que a versão para o português apresentou equivalência semântica, idiomática, cultural e conceitual e após o feedback dos atletas, discreta modificação foi feita em um item, demonstrando fácil compreensão pelo público e após retro tradução, as autoras originais do instrumento relataram que o questionário traduzido mantinha a equivalência semântica. O instrumento apresentou alto grau de consistência interna (α= 0,89) e o estudo foi a primeira etapa do processo de validação do instrumento, que é a validade de face e de conteúdo. Novas etapas são necessárias antes de sua utilização por outros pesquisadores, a fim de buscar outras evidências de validade do AFCQ, através de análises fatoriais exploratória e confirmatória.

  • ANDRÉA COSTA GOÉS
  • Depressão pós-parto: relação com o consumo de ultraprocessados e outros fatores
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 27/05/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Introdução: A depressão é o distúrbio psiquiátrico mais prevalente no pós-parto. Demandas no puerpério podem favorecer o consumo de alimentos ultraprocessados em substituição aos alimentos in natura e minimamente processados. Uma alimentação de melhor qualidade, rica em frutas, hortaliças, peixes e grãos integrais, parece ter efeito neuro-protetor para depressão pós-parto. No entanto, não se conhece os riscos associados ao consumo de alimentos ultraprocessados no puerpério. Objetivo: Investigar a relação do consumo de alimentos ultraprocessados e outros fatores com sintomas depressivos no pós-parto. Métodos: Estudo transversal com 299 mulheres adultas, no primeiro semestre de pós-parto, usuárias da atenção primária em saúde do município de Aracaju, Sergipe. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista por telefone. Foi aplicado questionário semiestruturado com questões sobre antecedentes obstétricos, gestação atual, parto e pós-parto, satisfação com o atendimento hospitalar/maternidade, aleitamento, Covid-19, qualidade do sono, consumo de fumo e/ou álcool, dados antropométricos e condições socioeconômicas. Para a triagem de sintomas depressivos foi aplicado a versão validada da Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS). Calculou-se o percentual de contribuição energética do consumo dos alimentos ultraprocessados a partir de dois Recordatórios Alimentares de 24 horas adaptados para classificação NOVA, aplicado conforme Multiple Pass Method. A análise de regressão logística múltipla com modelo hierarquizado foi utilizada para avaliar os fatores associados aos sintomas depressivos (≥ 10 pontos EPDS). Nas análises estatísticas considerou-se o nível de significância de 5%.

  • KARLA PRISCILLA ALVES SOARES
  • PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE EM UNIDADES PRODUTORAS DE REFEIÇÕES NO ESTADO DE SERGIPE
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 29/04/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A sustentabilidade desponta como um assunto atual e importante nas Unidades Produtoras de Refeições (UPR), inclusive para o nutricionista, para a condução de ações que contribuam com o meio ambiente e a sociedade. As UPRs são responsáveis pela produção de refeições balanceadas e equilibradas do ponto de vista nutricional, com adequados padrões higiênico-sanitários para consumo fora do lar. É uma das grandes fontes de geração de resíduos e por isso, é imprescindível a tomada de decisões que preservem os recursos naturais e minimizem os impactos gerados por este setor, sem alterar a qualidade do alimento. O objetivo da pesquisa foi avaliar as práticas de sustentabilidade em todas as etapas da produção de refeições das UPRs do estado de Sergipe. Trata-se de um estudo descritivo, baseado na aplicação de uma lista de verificação elaborada por Tasca (2020), aplicado de forma eletrônica com os nutricionistas das UPRs. A análise de dados foi realizada por meio de estatística descritiva. Nesta pesquisa foram avaliadas 22 UPRs, 77,3% dos cardápios são elaborados pelo nutricionista, metade possui e utiliza fichas técnicas, incluem produtos sazonais (81,8%), alimentos regionais (95,5%), alimentos industrializados (90,9%) em seus cardápios e 86,4% utilizam equipamentos e utensílios para diminuir o desperdício de alimentos. Em 68,2% das empresas, evita-se oferecer preparações elaboradas com fritura por imersão e o quando óleo é utilizado, é destinado para reciclagem. 63,6% informaram realizar o controle das sobras limpa, 45,5% das sobras suja, 31,8% não realiza o monitoramento de sobras e 50% do resto-ingesta. Quanto os resíduos, 63,6% não separam os resíduos orgânicos e 54,5% os resíduos recicláveis. A relevância desta pesquisa se deu no sentido de sensibilizar os profissionais envolvidos na área, bem como seu importante papel na implantação de práticas sustentáveis nas UPRs com o intuito da redução do desperdício e preservação do meio ambiente.

  • LUCAS DE ANDRADE SANTOS
  • PADRÕES ALIMENTARES DE CARDÁPIOS EXECUTADOS NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SEUS DETERMINANTES: PRIMEIRO DIAGNÓSTICO NACIONAL ANTERIOR À LEI 11.947
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 28/04/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O Programa Nacional de Alimentação Escolar consolida-se como umas das mais duradoras políticas públicas do campo da alimentação e nutrição do país. Com caráter universal e gratuito contribui para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada de milhões de estudantes brasileiros. Nesse contexto, o cardápio escolar constitui uma importante ferramenta de operacionalização do programa, visto que incorpora todos os princípios e normativas que norteiam o mesmo. Desse modo, identificar o padrão alimentar presente nesses cardápios e seus determinantes torna-se importante, devido à escassez de estudos em âmbito nacional, principalmente aqueles que identificam os padrões por meio da análise de componentes principais e anteriormente à implementação da Lei 11.947/09. Diante desse contexto, o objetivo desse trabalho é analisar os padrões alimentares de cardápios executados em unidades escolares assistidas pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar e os aspectos relacionados. Para tal, serão utilizados dados secundários inéditos de um estudo observacional de caráter transversal e abordagem quantitativa intitulado “Pesquisa Nacional do Consumo Alimentar e Perfil Nutricional de Escolares, Modelo de Gestão e Controle Social do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE”, realizada no período de 2006 a 2008, no qual foram avaliadas 1.112 escolas localizadas em 694 municípios brasileiros. Os padrões alimentares foram identificados de acordo com alimentos presentes nos cardápios executados, por meio da análise fatorial com extração por componentes principais. Os cardápios foram avaliados por meio da pesagem direta de todos os alimentos oferecidos no dia de coleta de dados na escola, em todas as refeições. As variáveis independentes foram provenientes de outros questionários aplicados nas escolas sorteadas na pesquisa. Para a análise múltipla, foi utilizado o Modelo Linear Generalizado para avaliar a associação dos padrões alimentares com os determinantes socioeconômicos, de localização, gestão e infraestrutura das unidades escolares. As análises consideraram nível de significância de 0.05. Por esse estudo usar dados secundários, não se fez necessária a submissão ao Comitê de Ética e Pesquisa. Quatro padrões do consumo alimentar foram identificados: “leite com achocolatado e biscoito” e “bebidas adoçadas e lanches”; ambos marcadores de um consumo alimentar não saudável; e os padrões “verduras e legumes regionais, carnes e feijão”; e “arroz, cuscuz e mingaus”. Concluo que padrões com características menos saudáveis e com maior presença de alimentos ultraprocessados (“leite e biscoitos” e “bebidas adoçadas e sanduíches”) estão associados às regiões brasileiras que não a Sudeste, aos tipos de gestão mista ou escolarizada em relação ao repasse de recursos e à existência de capacitação das merendeiras. Ter energia elétrica na escola, acesso à água, agentes de alimentação escolar concursados e ser gestão terceirizada são aspectos que reduzem a adesão ao padrão “leite com biscoitos”. O padrão “verduras e legumes regionais, carnes e feijão” se associa à rede municipal e à gestão por empresa terceirizada. Por fim, concluo que o padrão de “arroz, cuscuz e mingaus” se associa a cardápios planejados por nutricionista, enquanto que são menos prevalentes em escolas da rede municipal de ensino, especialmente no Nordeste, e em escolas cujas merendeiras recebem capacitações.

  • LARISSA SANTOS MARTINS
  • SATISFAÇÃO COM A AMAMENTAÇÃO ENTRE PUÉRPERAS DA REDE PÚBLICA DE SAÚDE
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 01/04/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A avaliação da satisfação materna com a amamentação é uma das formas de avaliar o sucesso da amamentação, considerando a percepção da mulher e o atendimento das necessidades mútuas da mãe e do bebê. Contudo, pouco se conhece sobre a satisfação com amamentação de mães de baixa renda e seus fatores associados.

    Objetivos: Avaliar o nível de satisfação materna com a amamentação e seus fatores associados.

    Métodos: Trata-se de estudo transversal e observacional, com mães maiores de 19 anos de idade, com 30 a 180 dias pós-parto, atendidas nas Unidades Básicas de Saúde de Aracaju, Sergipe. A amostragem foi por conveniência, a partir dos contatos disponíveis na listagem do teste do pezinho. A coleta de dados ocorreu por ligação telefônica, sendo aplicado o Maternal Breastfeeding Evaluation Scale - MBES, para avaliar a satisfação materna com a amamentação e um questionário semiestruturado com dados socioeconômicos, da gestação, parto e puerpério. A maior satisfação foi considerada para aquelas com pontuação igual ou acima da mediana MBES. Calculou-se a Odds Ratio e intervalos de confiança de 95% (IC95%), para avaliar a associação da maior satisfação com as variáveis de interesse. Na análise multivariada, foi construído um modelo de regressão logística, com análise intra-bloco.

  • JULIANA RAMOS DA MOTA
  • PADRÕES ALIMENTARES ADOTADOS POR ADOLESCENTES DE ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS E FATORES ASSOCIADOS: UM RECORTE DO QUE É CONSUMIDO DURANTE O HORÁRIO ESCOLAR
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 30/03/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Mudanças no padrão alimentar da população jovem, com substituição de alimentos in natura por alimentos ultraprocessados, consumidos inclusive em ambiente escolar, têm ocasionado o aumento de doenças crônicas nesse público. O presente trabalho, de delineamento transversal, teve como objetivo analisar os padrões alimentares dos adolescentes do ensino público fundamental no Brasil e seus fatores associados, durante o horário em que estão na escola. Foram analisados 13 grupos de alimentos resultantes dos itens presentes no recordatório de 24 horas de 1898 adolescentes de ambos os sexos, com média de idade de 14 anos, participantes da Pesquisa Nacional do Consumo Alimentar e Perfil Nutricional de Escolares, Modelo de Gestão e Controle Social do PNAE, conduzida no período de 2006 a 2008 pela Associação Brasileira de Nutrição. Os padrões alimentares foram obtidos por análise de componentes principais, com rotação ortogonal Varimax e foram analisados segundo aspectos sociodemográficos e de participação no PNAE utilizando-se teste de Kruskal Wallis, teste U de Mann Whitney e Modelos lineares generalizados (α = 0,05). Seis padrões alimentares foram identificados com eigenvalues acima de 1,0. Grupos alimentares com cargas fatoriais acima de 0,30 foram considerados para a nomenclatura dos padrões: padrão “alimentação escolar saudável” (leguminosas, hortaliças, carnes e cereais), “alimentação escolar do tipo lanche” (panificados, massas, óleos e gorduras), “lanchonete” (pastelarias, bebidas, fast food), “salgadinhos” (snacks), “leite e sobremesas” e “frutas e tubérculos”. Após a análise múltipla observou-se que o padrão “alimentação escolar saudável” esteve associado àqueles alunos que consomem a alimentação escolar, e estudam em escolas que o PNAE não possui gestão descentralizada. O fato de o aluno estudar em escola que não tem lanchonete diminuiu o score do padrão. O padrão “alimentação escolar do tipo lanche” se associou ao consumo da alimentação escolar e à localização urbana da escola; o padrão “lanchonete” esteve relacionado ao fato de a escola ser urbana, possuir lanchonete e ao não consumo da alimentação escolar por parte dos estudantes. O padrão “salgadinhos” apresentou associação com o costume de o aluno trazer alimento de casa para comer na escola. Os demais padrões não apresentaram relações significantes com os aspectos analisados. Concluo que, se por um lado há a preservação da cultura alimentar brasileira nas escolas por meio da ingestão de alimentos como arroz, feijão, leguminosas, tubérculos, associada à presença do PNAE, como foi visto no padrão “alimentação escolar saudável”, por outro lado há uma parcela da população estudada que consome alimentos de baixo valor nutricional associados à compra de alimentos em lanchonetes/ambulantes/entorno das escola, ou até mesmo daqueles trazidos de casa, como foi visto respectivamente no padrão “lanchonete” e “salgadinhos”. Nesse sentido, o PNAE cumpre papel importante na garantia do direito humano à alimentação adequada e saudável no ambiente escolar, sendo necessárias ações para regulamentar o comércio de alimentos dentro da escola e ações de educação alimentar e nutricional junto aos responsáveis pelos escolares para fazer da instituição escolar um ambiente coerente.

  • MARCELA LARISSA COSTA
  • COMPORTAMENTO ALIMENTAR DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19: EXPLORANDO OS FATORES ASSOCIADOS E O FATOR PROTETOR DA ATIVIDADE FÍSICA
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 08/03/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Com a pandemia da COVID-19 houve uma mudança na rotina e o distanciamento social passou a fazer parte do novo cotidiano da população. Se por um lado esta é a melhor maneira para interromper o rápido avanço do vírus, por outro lado implica em uma mudança radical do estilo de vida da população, que afeta outras dimensões da saúde. No geral, grandes crises sociais como a atual pandemia tem o potencial de influenciar e levar a um aumento no estresse e comportamentos prejudiciais em saúde, incluindo alteração no comportamento alimentar. O objetivo deste estudo foi analisar os fatores associados à Restrição Cognitiva, Alimentação Emocional e Descontrole Alimentar com percepções de hábitos de vida, imagem corporal, hábitos e consumo alimentares durante a pandemia da COVID-19. Foram coletados dados sociodemográficos, de comportamento alimentar, percepções sobre hábitos de vida, imagem corporal e consumo de alimentos. Fatores associados aos comportamentos alimentares foram analisados através de regressões lineares múltiplas controladas para idade, sexo, IMC e renda mensal. A restrição cognitiva foi associada à atividade física durante a pandemia (β=5,85), tentativa de perda de peso (β=11,89), percepção de excesso de peso (β=9,10), melhores hábitos alimentares (β=6,55) e diminuição do consumo de cereais refinados (β=5,60) e fast foods (β=8,23). A alimentação emocional foi associada ao aumento do estresse durante a pandemia (β=7,10), pior sono (β=4,74), insatisfação corporal (β=4,85), percepção de excesso de peso (β=7,45), tentativa de perda de peso (β=4. 19), aumento na quantidade de comida consumida (β=9,34), aumento na compra de alimentos (β=5,13), aumento no consumo de doces e sobremesas (β=7,17) e redução no consumo de legumes (β=-5,26). Os descontrole alimentar foi associado a trabalhar mais de 8 horas/dia (β=4,04), aumento do estresse durante a pandemia (β=3,65), insatisfação corporal (β=6,59), piores hábitos alimentares (β=5,21) e aumento da quantidade de comida consumida (β=8,73). O comportamento de restrição cognitiva esteve associado a variáveis de hábitos de vida saudáveis e imagem corporal negativa, enquanto a alimentação emocional e a descontrole alimentar estavam associados à imagem corporal negativa e a hábitos alimentares não saudáveis.

  • ULHIANA MENEZES BARBOSA
  • TÉCNICAS DIETÉTICAS NA REDUÇÃO DE POTÁSSIO EM ALIMENTOS PARA TERAPIA NUTRICIONAL DA DOENÇA RENAL CRÔNICA
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 25/02/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A lixiviação do potássio em alimentos através de técnicas dietéticas é considerada uma opção valorosa no manejo nutricional da doença renal crônica (DRC). No entanto, este ainda apresenta fragilidades no que se concerne à aceitabilidade, aplicabilidade e adesão, uma vez que as diretrizes e guidilines nacionais e internacionais priorizam condutas restritivas e pontuais para o consumo de macro e micronutrientes, com pouca menção à qualidade da dieta em um contexto mais integrativo. Este estudo tem como objetivo reunir evidências sobre a efetividade das técnicas dietéticas na redução de potássio em alimentos ricos/fontes; analisar o efeito de diferentes processos culinários, como remolho e cozimento, na redução dos níveis de potássio na abóbora e no inhame e avaliar o uso de técnicas dietéticas e as perspectivas sensoriais do paciente renal. aplicado, laboratorial, longitudinal, explicativo, de natureza experimental e observacional, quali-quantitativo. Foram realizadas buscas nas plataformas Pubmed, Science Direct, Science.gov, e Current Contets. Os alimentos analisados foram submetidos a técnicas de remolho, cozimento por ebulição e trituração com posterior análise de macro e micronutrientes para avaliar o processo de lixivia. Foi aplicado um questionário com pacientes renais visando avaliar o emprego de técnicas dietéticas e perspectivas sensoriais do alimento. Os dados foram compilados em tabelas de Excel® e submetidos, em primeira instância, a analises estatísticas descritiva, seguido por teste de Shapiro-Wilk, teste de média (Tukey) (p < 0,05), estatística multivariada de análise de componentes principais (ACP) para os dados quantitativos e teste de qui-quadrado e hipótese de independência para os dados qualitativos. As técnicas apresentaram divergências nos desfechos conforme o protocolo utilizado. Fatores como grupo alimentar, características nutricionais, estruturais dos alimentos e variações metodológicas foram associados com maior lixiviação de potássio. Apesar da heterogeneidade, estes aspectos permitem reformulações e possíveis validações de novas técnicas e condutas. Referente a percepção sensorial, foi demostrado que a aplicação de técnicas dietéticas padronizadas influenciam diretamente no consumo e aceitabilidade do alimento pelo paciente renal (p < 0,05). As técnicas dietéticas de remolho e cozimento por ebulição são efetivas para redução dos íons de potássio em alimentos ricos ou fontes desse mineral, promovendo maior variabilidade e segurança no consumo alimentar. No entanto, faz-se necessário maiores investigações e aprimoramentos e validações de técnicas que sejam efetivas na lixivia mas que preservem as características organolépticas e nutricionais dos alimentos submetidos.

  • THAYNÁ BRUNELLE SOUZA CARVALHO
  • EFEITOS DA SUPLEMENTAÇÃO COM ÓLEO DE LINHAÇA (Linum usitatissimum) NAS ALTERAÇÕES METABÓLICAS ASSOCIADAS A SÍNDROME DO OVÁRIO POLICÍSTICO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 23/02/2022
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A síndrome do ovário policístico (SOP) é uma condição metabólica que acomete mulheres em todo o mundo, principalmente em idade reprodutiva. Algumas das manifestações clínicas observadas na SOP são os distúrbios menstruais como oligomenorreia ou amenorreia, hirsutismo, ovários policísticos, hiperandrogenismo (clínico e/ou bioquímico) e características metabólicas associadas como dislipidemia, resistência à insulina e diabetes melitus tipo 2. Antiandrogênicos, hipoglicemiantes, contraceptivos orais combinados e estatinas fazem parte do tratamento medicamentoso na SOP, no entanto, podem apresentar efeitos colaterais como náuseas, indigestão e distensão abdominal, por isso, mudanças no estilo de vida, nos hábitos alimentares e a utilização de suplementos dietéticos podem ser considerados no manejo da SOP. A linhaça (Linum usitatissimum) é um alimento com propriedades funcionais, sendo uma das principais fontes de origem vegetal de ácidos graxos ômega 3 bastante interessante. Uma vez presente na dieta contribui com quantidade expressiva de ácidos graxos poliinsaturados, os quais exibem propriedades antiinflamatórias e podem auxiliar na redução do risco de doenças cardiovasculares. Portanto, o presente estudo teve como objetivo reunir e discutir os efeitos da suplementação do óleo da semente de linhaça (Linum usitatissimum) nas alterações metabólicas em mulheres adultas diagnosticadas com SOP. Para a construção da revisão sistemática, utilizou-se o proposto pela Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta‐analyses (PRISMA) guidelines. A busca foi realizada nas bases de dados Pubmed, Embase, Cochrane Library, Scopus, Medline, Web of science, Science Direct e na literatura cinzenta (google scholar), conforme termos Medical Subject Headings (MeSHs) combinados com os marcadores booleanos OR e AND usando termos relacionados à suplementação de óleo de linhaça (Linum usitatissimum) em mulheres com SOP. De Foram incluídos estudos de intervenção realizados com mulheres adultas, que apresentassem dados antropométricos, marcadores glicêmicos, lipídicos, inflamatórios e hormonais. Foram excluídos relatos de casos, monografias, relatórios científicos, capítulos de livros, editoriais, resumos, estudos de revisão, estudos experimentais (in vivo e in vitro), bem como aqueles estudos desenvolvidos com mulheres gestantes e lactantes. A suplementação com óleo de linhaça (Linum usitatissimum) reduz as concentrações séricas de triglicerídeos, independentemente da dose e duração da suplementação. Quando ofertado por 12 semanas reduz CT e LDL-c em mulheres com sobrepeso e SOP. Redução nos marcadores de metabolismo glicêmico em mulheres com sobrepeso também foi observada, sendo este resultado dependente do tempo de suplementação e não associada à dose ofertada. Embora a suplementação com óleo de linhaça não tenha melhorado marcadores hormonais e antropométricos, esta apresenta-se como potencial terapêutico para melhora de marcadores lipídicos e glicêmicos em mulheres com SOP. Isto reforça a importância das intervenções no estilo de vida e nos hábitos dietéticos na SOP.

2021
Descrição
  • ISABELLA NASCIMENTO MENESES DE ALMEIDA
  • Programa de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) voltado à Assistência Social em Sergipe.
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 17/12/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Ações e programas de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) têm sido propostos para auxiliar nas modificações dos hábitos alimentares da população, a partir de metodologias educativas que contribuam para mudanças autônomas e voluntárias do comportamento alimentar. Devido à escassez de ações de EAN nos serviços da Assistência Social, o presente trabalho visa elaborar uma proposta de programa de EAN para ser desenvolvido nos equipamentos sociais que compõem a assistência social do estado de Sergipe. Para tal, será realizado um estudo transversal de abordagem quali-quantititativa, contemplando: a) diagnóstico situacional relativo à EAN dos oito territórios de planejamento do estado de Sergipe, com base na coleta de dados secundários e primários; b) elaboração de recomendações para implantação de um programa de EAN na rede socioassistencial. Os dados qualitativos serão analisados pela técnica da análise de conteúdo e os dados quantitativos por meio da estatística descritiva (frequência, medidas de tendência central e dispersão), de acordo com a natureza de cada variável. O levantamento destas informações direcionará a proposição de um programa de EAN voltado à população em vulnerabilidade social, atendida pela rede de assistência social, nos territórios de Sergipe, a fim de promover saúde.

  • FERNANDA OLIVEIRA SOUZA
  • "HIDRADENITE SUPURATIVA: CARACTERIZAÇÃO DOS HÁBITOS DE VIDA, CONDIÇÕES DE SAÚDE E ALIMENTAÇÃO NO MANEJO COM A DOENÇA"
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 09/12/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Hidradenite Supurativa (HS) é uma doença crônica de pele, que provoca uma resposta inflamatória exagerada em algumas áreas do corpo como axilas, região das mamas, virilha, e regiões genital e glútea. Essa doença parece estar fortemente associada à obesidade e à síndrome metabólica e impacta negativamente a qualidade de vida desses pacientes em decorrência das graves lesões. Pouco se sabe sobre portadores de HS bem como o papel dos alimentos como parte do tratamento da doença. O objetivo do estudo é caracterizar os hábitos de vida, condições de saúde e alimentação desses pacientes, visando fornecer informações no manejo da doença e orientações acerca dos alimentos para prevenção dos sintomas e condução dos pacientes à remissão. Trata-se de um estudo descritivo transversal, com abordagem quantitativa, realizado por meio de aplicação de questionário estruturado, on-line, pacientes com HS de todas as regiões do Brasil. Foram coletadas informações socioeconômicas, demográficas, ambientais e de saúde, bem como sobre alimentos responsáveis por melhorar ou piorar o curso da doença. Os dados foram analisados e descritos em frequência absoluta e relativa percentual e em medidas de tendência central (média) e dispersão (desvio padrão). A normalidade da distribuição foi avaliada pelo teste de Shapiro-Wilk. O teste Qui-Quadrado e o teste Exato de Fisher foram utilizados para avaliar a hipótese de dependência entre as variáveis categóricas. O nível de significância adotado em todo o estudo foi de 5%. O estudo contou com 281 participantes, com média de idade de 30,9 (± 9,34) anos, predominantemente do sexo feminino (90,4%), com excesso de peso (69%). Os estágios II (54,8%) e III (28,1%) da classificação de Hurley foram os mais prevalentes. A dor intensa foi reportada por 75,8% dos participantes, e 67,3% obtiveram uma pontuação maior que 10 pontos no DLQI (Dermatology Life Quality Index). Na perspectiva dos participantes, os alimentos in natura são os responsáveis pela melhora no quadro inflamatório, como frutas e verduras (42%) e carnes brancas (28,1%). Os alimentos mais reportados como os que costumam piorar ou desencadear a inflamação foram laticínios (65,8%), doces (61,6%) e fast foods (58,7%). A remissão da doença foi atribuída a modificações na alimentação (p < 0,001), sendo a exclusão de glúten e/ou laticínios e a manutenção de um diário alimentar os fatores associados à remissão (p=0,001 e p=0,016, respectivamente). A HS causa um grande impacto na qualidade de vida e parece haver uma associação entre algumas práticas alimentares e a remissão da doença. A realização de mais estudos de intervenção nessa temática é essencial para melhor definição do verdadeiro papel da nutrição no curso da patologia, pensando no alívio dos sintomas e na melhora da qualidade de vida desses pacientes.

  • ERIK MICHEL RODRIGUES DE SOUZA
  • Análise da Cobertura do Sistema de Vilgilância Alimentar e Nutricional de Crianças Quilombolas do Brasil: Uma análise temporal de 2008 a 2019
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 08/12/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As comunidades quilombolas representam a resistência negra no Brasil, diante das opressões históricas sofridas e, lamentavelmente, vivem em condições de elevada vulnerabilidade socioeconômica, baixo acesso ao saneamento básico e aos serviços governamentais essenciais. Essas vulnerabilidades tornam-se preocupantes quanto a promoção do estado nutricional adequado e saudável das crianças quilombolas, uma vez que as más condições de vida repercutem negativamente no estado nutricional, culminando em déficit estatural, baixo peso e/ou excesso de peso. Logo, o objetivo deste estudo é analisar o perfil nutricional e socioeconômico de crianças pertencentes às comunidades quilombolas no Brasil. Metodologia: Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo e retrospectivo sobre o estado nutricional e condições socioeconômicas de crianças menores de cinco anos de comunidades de remanescentes de quilombos do Brasil, no período de 2014 a 2019, utilizando as bases de dados do Sistema de Vigilância alimentar e Nutricional (SISVAN), do Ministério da Saúde, e do Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), do Ministério da Cidadania. Resultados Esperados: Reconhecendo, portanto, que o estado nutricional retrata o nível das condições de qualidade de vida das crianças esse estudo irá contribuir, por meio da publicação do artigo científico e submissão/apresentação de resumos em eventos científicos, para reforçar e estimular as entidades envolvidas com a saúde de crianças quilombolas acessarem, interpretarem e analisarem essas informações, de modo permanente e contínuo, buscando o acompanhamento, a revisão e/ou a criação de programas e ações que objetivam a melhoria do estado nutricional de crianças quilombolas.

  • NILAINE LIMA RODRIGUES
  • CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS E BIOLÓGICAS DO FRUTO DE Spondias tuberosa (UMBU)
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 30/11/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A fruticultura brasileira destaca-se mundialmente, atualmente o Brasil é o 3° maiorprodutor de frutas, o país possui uma ampla variedade de árvores frutíferaras nativas eexóticas. A Região Nordeste destaca-se nesse cenário pela produção de frutas diversasentre elas as frutíferas da família Anacardiaceae de importância socioeconômica,cultural e ambiental para a região. Algumas frutas dessa família destacam-seregionalmenpte, tais como Anacardium ocidentale (caju), e alguns frutos go gêneroSpondias., como Spondias mombin L (cajazeira), a Spondias purpurea L (ciriguela) e aSpondias tuberosa (umbu). Spondias tuberosa é uma árvore frutífera nativa do biomabrasileiro caatinga, seu fruto é bastante perecível, consumido in natura e usado nafabricação de sucos, sorvetes, doces e polpa congelada, o fruto destaca-se entre os frutosdo semiárido devido a sua importância sociocultural. O Presente estudo teve comoobjetivo realizar uma revisão sistemática da literatura sobre as propriedades nutricionaise biológicas nos frutos do umbuzeiro. As diretrizes PRISMA foram utilizadas e ométodo de revisão sistemática da literatura em bancos de dados eletrônicos, foramutilizadas as bases de dados CABI, Pubmed, Scopus e Web of Science, a pesquisa foidividida em duas partes, a primeira com enfoque nas propriedades nutricionais e asegunda nas propriedades nutracêuticas dos frutos. A pesquisa inicial gerou 1839resultados, dos quais apenas 21 preencheram os critérios de inclusão e foram utilizadosno estudo. Entre os resultados encontrados o umbu exibiu baixas quantidades decarboidratos, a composição varia de acordo com o estágio de maturação ou a parte dofruto, o mesmo foi observado em relação as proteínas. Os frutos apresentam baixaquantidade de lipídios, os quais se concentram na semente, a maior quantidade de fibrastambém está nas sementes. Os frutos contém vitamina C, minerais, compostosbioativos, entre os quais compostos fenólicos e carotenoides, os quais concentraram-seprincipalmente na casca. Alguns estudos demonstraram propriedade antioxidante,atividade anti-acetilcolinesterase e ação quimiopreventiva. O umbu e suas fraçõesexibiram achados promissores, e reforçam a importância de considerar o consumodesses frutos com potenciais benefícios para a saúde.

  • LILIANE OLIVEIRA DOS SANTOS
  • AZEITE DE OLIVA PARA O TRATAMENTO DAS DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS EM MODELOS ANIMAIS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 26/11/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O azeite de oliva (Olea europaea), comumente usado na dieta mediterrânea, apresenta propriedades atribuídas aos seus fitoquímicos como atividades antioxidantes, anti-inflamatório e anticancerígeno. Em razão dessas características, o azeite de oliva pode ser alternativa para o tratamento das doenças inflamatórias intestinais (DII), compreendendo, principalmente, doença de Crohn (DC) e a colite ulcerativa (UC). O tratamento medicamentoso atual é feito com aminossalicilatos e corticoides, estes apresentam muitos efeitos colaterais o que impulsiona a procura por outras terapias. Assim sendo, o objetivo desta pesquisa foi realizar uma revisão sistemática sobre o potencial do azeite de oliva para o tratamento das DII em modelos de colite experimental em animais. De acordo com os trabalhos analisados, o azeite de oliva apresenta efeito potencialmente benéfico no tratamento da colite experimental, em virtude de suas atividades antioxidante e anti-inflamatória, o que melhora os parâmetros clínicos, dano histológico, aumenta o sistema de defesa antioxidante e modula a expressão de mediadores inflamatórios.

  • DAMARES DE JESUS ALMEIDA
  • Associação do consumo de ultraprocessados e marcadores cardiometabólicos em gestantes
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 27/08/2021
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Introdução: Como parte das alterações fisiológicas típicas da gestação ocorre a elevação de lipídios séricos e o aumento da resistência à insulina. No entanto, tais alterações em excesso podem estar associadas a desfechos prejudiciais para a saúde materna e fetal. O alto consumo de alimentos ultraprocessados e a baixa qualidade da dieta comumente são tidos como fatores de risco para o aumento de marcadores cardiometabólicos, contudo, estas relações tem sido poucas estudadas na gestação. Objetivo: Avaliar a associação do consumo de alimentos ultraprocessados com marcadores cardiometabólicos entre gestantes. Métodos: Estudo transversal, analítico, desenvolvido com 115 gestantes usuárias da rede pública de saúde de Aracaju, Sergipe. Foram coletadas informações socioeconômicas, demográficas, ambientais e de saúde, por meio de entrevista com questionário semiestruturado informatizado. Para avaliação do consumo alimentar foram aplicados dois Recordatórios Alimentares de 24 horas adaptados para classificação NOVA, em dias não consecutivos, seguindo a técnica dos Múltiplos Passos e com auxílio de um álbum fotográfico. Foram dosados colesterol total, lipoproteínas de alta densidade (HDL) e de baixa densidade (LDL), triglicerídeos, glicemia de jejum, insulina de jejum e HOMA-IR (homeostasis model assessment). Foram elaborados modelos de regressão linear multipla para testar a associação do consumo de ultraprocessados como preditores dos marcadores cardiometabólicos. Nível de significância estatística adotado foi de 5%.

  • BEATRIZ PASSOS DE BRITO
  • Desempenho cognitivo em adultos mais velhos e seus fatores associados
  • Orientador : KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
  • Data: 30/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O aumento da população de idosos no Brasil institui importantes desafios de saúde, pois o avanço da idade representa um fator de risco para inúmeras doenças, incluindo doenças demenciais. O declínio da cognição está relacionado a fatores de risco modicáveis e não modificáveis, e leva a redução da capacidade funcional dos indivíduos comprometendo sua qualidade de vida. Assim, torna-se importante compreender quais fatores podem estar associados com as alterações no desempenho cognitivo durante o envelhecimento. O objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho cognitivo de adultos mais velhos e seus fatores associados. Trata-se de um estudo observacional de delineamento transversal, com amostra composta por 80 participantes, com idade ≥ 45 anos a < 60 anos, de ambos os sexos, residentes em Aracaju-SE e cidades circunvizinhas. Os instrumentos utilizados foram o Mini Exame de Estado Mental versão telefônica (BRAZTEL-MEEM) para avaliar o desempenho cognitivo; a Versão Brasileira do Questionário Medical Outcomes Study 36- Item Short- Form Health Survey (SF-36; um questionário semiestruturado para coletar informações sobre dados pessoais, sociodemográficos, condições de estresse no trabalho e de saúde, comportamento alimentar e antropometria. A associação entre as classes de desempenho cognitivo e as variáveis de interesse foi verificada por meio teste estatístico de Qui-quadrado de Pearson, enquanto o teste U de Mann Whitney foi realizado para comparar os grupos de desempenho cognitivo com as variáveis de interesse. O nível de significância adotado foi de 5%. No presente estudo, o desempenho cognitivo esteve significativamente associado ao estado civil (p < 0,044), a renda (p < 0,031), as categorias da escala de Bristol (p < 0,034) e a manutenção de uma rotina alimentar com o estabelecimento de horários (p < 0,02). Observou-se diferença estatisticamente significativa ao comparar os grupos de desempenho cognitivo inadequado e adequado, considerando o aspecto emocional do teste de qualidade de vida (p< 0,007) e o Índice de Massa Corporal (p < 0,02).Os resultados sugerem que fatores comportamentais, socioeconômicos, antropométricos, de saúde e qualidade de vida podem estar associados com o desempenho cognitivo de adultos de meia idade.

  • JULIANA DE SOUZA OLIVEIRA
  • ESTUDO DE POLIMORFISMOS NOS GENES BMSI E TAQI DO RECEPTOR DE VITAMINA D E SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE EM INDIVIDUOS COM DIABETES TIPO 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 29/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A deficiência de vitamina D tem sido relacionada ao surgimento de doenças endocrinometábolicas, como obesidade e diabetes mellitus tipo 2 (DM2). A presença de polimosfirmos de nucleotídeo único no gene do receptor da vitamina D (VDR) também está relacionado ao aumento do tecido adiposo e complicações relacionadas ao excesso de peso corporal. Assim, o objetivo desse estudo é avaliar a associação dos SNPs BsmI e TaqI no gene do VDR, marcadores antropométricos e bioquímicos do risco cardiovascular e status de status de vitamina D em indivíduos com DM2 residentes em região com alta incidência solar (Latitude 10º Sul). Para isso, realizou-se um estudo observacional, transversal, com 122 indivíduos com DM2, ambos o sexo, idade entre 19 e 59 anos, residentes em Sergipe/Brasil. Foram realizadas avaliações antropométricas, cor da pele, hábito de exposição solar, presença dos SNPs BmsI (rs1544410) e TaqI (rs731236) no gene VDR, marcadores bioquímicos do status de vitamina D e do metabolismo glicídico e lipídico. Os indivíduos foram classificados de acordo com o fenótipo da cintura hipertrigliceridêmica (FCH). Modelos de regressão logística e linear foram aplicados para verificar a associação das concentrações de 25(OH)D e os SNPs (variável independente) com a FCH, índice de massa corporal, %gordura corporal, frações lipídicas e glicemia de jejum (dependentes). Adotou-se p-valor < 0,05 como significativo. Os genótipos A/G e G/G para BsmI estiveram associados aos triglicerídeos (OR = 0,283, IC 95%: 0,121-0,663, p = 0,004) e glicose sérica de jejum (OR = 3,624, IC 95% = 1,072-12,254, p = 0,038). Os genótipos TC ou CC para o SNP TaqI foram associados à glicose sérica (OR = 3,297, IC 95% = 1,053-12,254, p = 0,040) e ao percentual de hemoglobina glicada (OR = 0,255; IC 95% =0,090-0,722; p = 0,010). Concentração de triglicerídeos (p=0,013) e %gordura corporal (p=0,011) foram maiores nas mulheres com insuficiência/deficiência do que naquelas com adequado status de vitamina D. Indivíduos com insuficiência/deficiência de vitamina D apresentaram 2,595 vezes mais chances de apresentar o FCH quando comparado aos indivíduos com statusadequado dessa vitamina (p=0,021). Ademais, observou-se associação negativa entre a concentração de 25(OH)D e colesterol total (beta= -1,043, p=0,049). Conclui-se que os genótipos A/G e G/G do SNP BsmI foram relacionados ao controle lipídico e glicemia, enquanto os genótipos T/C e C/C do SNP TaqI foram relacionados apenas as variáveis de controle glicêmico. A presença de insuficiência/deficiência de vitamina D em indivíduos com DM2 aumenta as chances de desenvolver o FCH.

  • CINTHIA FONTES DA SILVA SANTOS
  • Padrão alimentar e estado nutricional relativo ao magnésio e suas relações com o controle glicêmico de indivíduos com diabetes mellitus tipo 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 28/07/2021
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Padrões alimentares não saudáveis e hipomagnesemia se associam ao deficiente controle glicêmico e lipídico deficiente nas diversas doença crônicas. O magnésio faz parte da composição de diversos alimentos que compõe os padrões alimentares saudáveis e que se associam ao melhor controle glicêmico no diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Nesse sentido, este estudo tem como objetivo associar padrões alimentares e o estado nutricional relativo ao magnésio com o controle glicêmico e lipídico em indivíduos com DM2. Estudo do tipo transversal e observacional, no qual foram avaliados 147 indivíduos com DM2, com idade entre 18 a 59 anos, de ambos os sexos, residentes em Sergipe/Brasil. Avaliações antropométricas (peso e estatura para o cálculo do índice de massa corporal; circunferência da cintura) e de composição corporal (percentual de gordura corporal), concentração de magnésio no plasma e do metabolismo glicídico (hemoglobina glicada [%HbA1c], glicose sérica, insulina e HOMA-IR) e lipídico (triglicerídeos, colesterol total, LDL-c, HDL-c), além da determinação de padrões alimentares. Modelos de regressão logística e linear foram aplicados para verificar a associação dos padrões alimentares e status de magnésio (variáveis independentes) com os marcadores do controle glicêmico (dependentes). Adotou-se p-valor < 0,05 como significativo. Foram identificados três principais padrões alimentares, sendo o primeiro composto pela presença de feijão, arroz, carne de porco, laticínios e mingau, adoçantes, bebidas naturais, bebidas industrializadas, cafés e infusões, pães, torradas e biscoitos e gorduras; o segundo caracterizado pelo consumo de carnes vermelhas, ovos, pratos regionais e salgados e frituras; e o terceiro por vegetais, raízes e tubérculos, arroz, peixes e frutos do mar, ovos e pratos regionais. A deficiência de magnésio aumenta em 5,89 vezes o risco de elevar o %HbA1c acima de 7% (p = 0,041) após ajuste para o sexo, idade, tempo de diagnóstico do DM2 e índice de massa corporal. Ademais, o padrão alimentar 2 também aumenta o risco de elevar o %HbA1c (p = 0,034). Quando os padrões alimentares foram avaliados por quartis, observou-se que a deficiência de magnésio aumenta em 8,312 vezes o %HbA1c, assim como também os indivíduos com DM2 que estão no menor quartil do consumo do padrão alimentar 2 (quartil 1: p = 0,007; quartil 2: p = 0,043) apresentam maiores chances de aumentar o %HbA1c. No entanto, os menores quartis do padrão alimentar 3, composto por alimentos saudáveis, foram associados ao maior risco de alterar o%HbA1c.(quartil 1: p = 0,050; quartil 2: p = 0,044). Conclui-se que o padrão alimentar não saudável e deficiência de magnésio foram associados ao maior risco da falta de controle glicêmico em indivíduos com DM2.

  • JÉSSIKA LARENSE SANTOS MENDONÇA
  • INCLUSÃO DA EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DA REDE DE ENSINO PÚBLICA
  • Orientador : RENATA LOPES DE SIQUEIRA
  • Data: 22/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Educação Alimentar e Nutricional (EAN) foi legalmente incluída como tema transversal da modalidade de educação formal. Evidências científicas apontam algumas limitações no processo de definição do conteúdo de ensino do Livro Didático (LD) como, a participação efetiva dos professores, entre outros. Desta forma, levanta-se hipótese de que há lacunas, incipiência ou inadequação da inserção de temas relacionados EAN. Objetivo: Analisar a presença e adequação do conteúdo de ensino de EAN nos LD do ensino fundamental. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal descritivo. Procedeu-se a análise documental dos LD de ciências, história e geografia adotados no 6º ao 9º. ano da rede pública de ensino fundamental de Aracaju, Sergipe. Por meio de um roteiro estruturado contendo 03 categorias temáticas de EAN e seus respectivos tópicos de ensino, inicialmente observou-se a frequências absolutas e relativas e, sequencialmente, a adequação dos conteúdos de ensino. Esta última, avaliada por meio da observância de informações elementares, técnica e cientificamente corretas, sobre os conteúdos de ensino, sendo considerados adequado aqueles que contemplassem pelo menos 60% dos critérios previamente estabelecidos. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Sergipe, parecer nº 3.698.768. Resultados: Destaca-se que os conteúdos de ensino que compuseram a categoria temática “composição nutricional” não foram contemplados nos LD. As categorias temáticas “Epidemiologia nutricional” e “Outros temas recorrentes em EAN” apresentaram percentual incipiente de inserção, 3,6% e 38,6% respectivamente. Observou-se inserção do tema da cultura alimentar nos LD de História do 6º. e 9º ano e no de geografia do 9º ano, os quais foram abordados de forma adequada nas duas disciplinas, pois apresentaram no mínimo 60% dos aspectos relevantes para devida apropriação do conteúdo de ensino. Discussão: Os LD apesar de constituir uma importante ferramenta de apoio didático no processo de ensino aprendizagem, no que tange aos temas de EAN demandam maior diversidade, frequência e profundidade. O propósito legalmente instituído dos conteúdos transversais curriculares é a compreensão e construção da realidade social, dos direitos e responsabilidades relacionados com a vida pessoal e coletiva do escolar de forma a garantir sua participação política na afirmação nos seus direitos. Especificamente, para que possa colaborar no Direito Humano a Alimentação Adequada faz necessário o aprimoramento dos conteúdos de EAN. Conclusão: Apesar do avanço social que representa o reconhecimento e a inserção da EAN como tema transversal curricular, os resultados deste estudo apontam necessidade de revisão dos conteúdos com maior participação dos profissionais de nutrição e professores no processo de elaboração dos conteúdos relativos a AN.

  • ISABELA REIS DO NASCIMENTO
  • HIPOVITAMINOSE D E FATORES DE RISCO EMGESTANTES USUÁRIAS DA REDE BÁSICA DE SAÚDE DEARACAJU
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 07/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As mulheres grávidas estão entre os grupos de risco para hipovitaminose D, devido à alta demanda necessária para manter suas reservas, e garantir a mineralização óssea, crescimento e desenvolvimento fetal. A deficiência de vitamina D tem sido associada a complicações como pré-eclâmpsia, parto prematuro e baixo peso ao nascer. Objetivo: Avaliar a hipovitaminose D e seus fatores de risco em gestantes usuárias da rede pública de saúde de Aracaju

  • JÚLIA FRANCO MACIEL
  • COMPORTAMENTO ALIMENTAR E FATORES ASSOCIADOS EM PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 26/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: Conhecer e identificar fatores associados ao comportamento alimentar de pacientes com transtorno mental. Métodos: Pacientes adultos, de ambos os sexos e com diagnóstico de transtornos mentais, responderam a um questionário sobre dados pessoais, sociodemográficos, questões relacionadas a doença, histórico sobre peso corporal, comportamento (restrição alimentar, alimentação emocional, descontrole alimentar e desejo intenso de comer) e hábitos alimentares. Foram realizados testes de qui-quadrado de Pearson e Teste Exato de Fisher para variáveis categóricas e foi aplicada regressão logística simples e múltipla para variáveis significativas (p<0,10). O nível de significância adotado foi de 5%. Resultados: 120 indivíduos participaram do estudo, sendo 63,3% deles do sexo masculino, os medicamentos mais utilizados por homens foram os estabilizadores de humor e antipsicóticos, enquanto que para mulheres foram os antidepressivos. Foi encontrada distorção da percepção da autoimagem corporal, 10,8% fez uso de medicação para emagrecer. Observa-se relação entre os hábitos alimentares e comportamentos alimentares disfuncionais dos pacientes. Conclusão: As variáveis estudadas possuem relação com o tratamento psiquiátrico e as características dos hábitos alimentares dos pacientes interferem nas chances de desenvolver determinados comportamentos alimentares.

  • MARIANNE NASCIMENTO ANDRADE
  • INIBIÇÃO DE BIOFILMES BACTERIANOS COMUNS EM INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS UTILIZANDO EXTRATOS DE Zingiber officinale Roscoe
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 24/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • INIBIÇÃO DE BIOFILMES BACTERIANOS COMUNS EM INDÚSTRIAS DE ALIMENTOSUTILIZANDO EXTRATOS DE Zingiber officinale Roscoe

  • RITA DE CÁSSIA LISBOA RIBEIRO
  • COMUNIDADE QUE SUSTENTA A AGRICULTURA: ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CORRESPONSABILIDADE NA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS ORGÂNICOS
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 18/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Soberania Alimentar é compreendida como o direito dos povos de decidir sobre as políticas de produção, distribuição e consumo dos seus alimentos. Contudo, a conformação atual do sistema alimentar mundial tem promovido padrões cada vez mais similares, colocando em risco a soberania dos povos. Diante deste cenário, a Community-Supported Agriculture (Comunidade que Sustenta a Agricultura) (CSA), movimento pautado na agricultura de base ecológica, surge para contribuir com a garantia da Soberania Alimentar e da Segurança Alimentar e Nutricional (SSAN), além da melhoria dos hábitos alimentares dos consumidores e o fortalecimento dos agricultores locais. O objetivo deste estudo é avaliar a viabilidade de implementação da CSA com agricultores familiares, individuais e cooperativados, de base agroecológica do estado de Sergipe. Para tal, será realizada a coleta de dados a partir de: a) levantamento de dados referentes à CSA já implementada em outros locais; b) entrevistas semiestruturadas com os agricultores familiares; c) entrevistas semiestruturadas com a comunidade; e d) percepção dos agricultores e comunidade sobre a viabilidade de implementação da CSA. Foi observado importante potencial de promoção da SSAN, por ser um sistema alimentar sustentável que sofre bastante influência da agroecologia. Apesar desses aspectos positivos, historicamente a CSA tem uma importante limitação no que diz respeito à elitização do movimento, fazendo-se necessário pensar estratégias de adesão de pessoas em maior vulnerabilidade social e em situação de insegurança alimentar ao movimento. Os agricultores enxergam na CSA uma oportunidade de segurança e renda, enquanto os consumidores têm perspectivas mais relacionadas a interesses pessoais de saúde, bem como justiça social e solidariedade com os agricultores. A maioria dos participantes deste trabalho afirmaram ter interesse em participar de uma CSA no estado de Sergipe. Assim, conclui-se que a CSA tem espaço para crescimento em Sergipe, tanto por parte dos agricultores quanto dos consumidores.

  • CASSIA BONFIM DE OLIVEIRA
  • Análise histórica do processo de aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar segundo critérios de priorização.
  • Orientador : RENATA LOPES DE SIQUEIRA
  • Data: 03/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), regido pela Lei nº 11.947/2009, configura-se como uma importante estratégia para a garantia da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) de escolares e comunidades locais, visto que institui a obrigatoriedade de aplicação de 30% dos recursos do programa na aquisição dos gêneros alimentícios provenientes da agricultura familiar (AF). Ainda como uma medida de SAN, a legislação estabelece critérios de prioridade na seleção dos agricultores familiares, que devem ser contratados via Chamada Pública (CP). Estes critérios dizem respeito à procedência, a vulnerabilidade social, ao modo de produção (orgânico e agroecológico) e a modalidade de participação (grupo formal, informal ou individual). O presente estudo teve como objetivo estabelecer uma série histórica das CP em âmbito municipal observando a ocorrência da aquisição de gêneros alimentícios conforme critérios de prioridade estabelecidos na legislação do PNAE. Trata-se de um estudo de caso, no qual, por meio da análise documental, procedeu-se a apreciação das CP e dos contratos de vendas para a aquisição de gêneros alimentícios provenientes da AF, no período de 2010 a 2020 do município de São Cristóvão/SE, observando-se o cumprimento ou não dos critérios de prioridade na seleção dos projetos de venda dos produtores. Contrariando a Lei nº 11947/2009, o presente estudo evidenciou que ao longo da década de estudo, os agricultores familiares residentes no município de São Cristóvão/SE tiveram menor participação nas CP que os demais agricultores familiares fora do território local. Igualmente, observou-se que houve menor participação das comunidades mais vulneráveis no programa, assim como, a falta de acesso de produtores de gêneros orgânicos e agroecológicos. Em concordância com a legislação supracitada, registrou-se maior participação dos grupos formais de agricultores em todos os processos de CP. Quanto aos resultados da revisão bibliográfica sobre o percentual de aplicação dos recursos, observou-se maior prevalência de Entidades Executoras (EEx) da região Sul que aplicaram recursos abaixo, e paradoxalmente, acima do percentual de 30% em alguns anos. Diante dos resultados encontrados, enfatiza-se a necessidade de aprimoramento dos processos de CP, através de mecanismos que facilitem a adequação dos agricultores familiares aos requisitos exigidos no marco legal, assim como, maior articulação entre os diversos setores e atores sociais, a fim de promover e garantir o acesso dos grupos prioritários ao programa, como primeiro lugar, no fornecimento dos produtos.

2020
Descrição
  • LUANA EDLA LIMA
  • PERCEPÇÕES DE PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA PARA PERDA DE PESO SOBRE ADESÃO E MANUTENÇÃO DE DIETA E EXERCÍCIO: UM ESTUDO QUALITATIVO
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 16/12/2020
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Trata-se de um estudo descritivo de natureza qualitativa, a partir da análise de transcrições de áudios obtidos por grupos focais e entrevistas individuais, desenvolvido com participantes de um programa de perda de peso que teve duração de 12 semanas, os quais foram alocados em 4 grupos de tratamento incluindo dieta de adequado e baixo teor de carboidratos, e exercício físico contínuo e intermitente. O objetivo deste estudo é avaliar a percepção dos sujeitos, identificando os aspectos que são facilitadores e barreiras para adesão aos protocolos nutricionais e de exercício físico, e para manutenção da perda de peso. A coleta dos dados aconteceu a partir da realização de 01 grupo focal para cada grupo de tratamento, após 12 semanas do início da intervenção, para coletar informações a respeito da adesão à dieta e ao exercício; e de entrevistas individuais com todos os participantes, que foram realizadas oito semanas após a intervenção, para coletar percepções sobre a manutenção do tratamento proposto no programa de perda de peso. Para análise dos dados dos grupos focais e entrevistas individuais foi utilizado o método de análise de conteúdo descrito por Bardin (2016), sendo utilizada análise manual e o software Iramuteq (versão 0.7 aplha 2) para auxiliar no processamento dos dados. Os resultados mostraram que as principais barreiras para adesão a dieta foram os eventos sociais, ausência de apoio social, mudanças de hábitos e ansiedade e cravings alimentares, sendo esse último evidente nos indivíduos que estavam no grupo com dieta hipoglicídica. Como facilitadores, apresentaram-se o apoio social e profissional, características do plano alimentar, fazer parte de um grupo de emagrecimento e a redução das circunferências corporais. A respeito dos determinantes para manutenção do peso foram encontrados aspectos relacionados ao ambiente alimentar, ausência do apoio profissional e orientações adquiridas no programa de emagrecimento, aspectos motivacionais, manutenção do treinamento físico e eventos sociais. Para a prática clínica, os resultados indicam a necessidade de considerar que a restrição de carboidratos na dieta pode trazer respostas indesejáveis no comportamento dos pacientes e prejudicar o sucesso do tratamento. Além de considerar o apoio social no tratamento da obesidade, bem como utilizar de recursos adicionais que possam não somente favorecer a perda de peso como sua manutenção, para aumentar a adesão e promover a melhoria do cenário obesogênico.

  • MARIANA MELO DE PAULA
  • ADESÃO DOS ESCOLARES AO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SEUS FATORES ASSOCIADOS
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 11/12/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é o mais antigo programa no contexto da alimentação e nutrição no Brasil e passou por diversas modificações em sua legislação. Embora seja referência em estratégias de Segurança Alimentar e Nutricional, gargalos persistem na gestão do PNAE, como por exemplo a adesão efetiva dos escolares ao Programa. O objetivo desse estudo foi verificar a adesão efetiva dos escolares ao PNAE e os fatores a ela associados. Trata-se de um estudo observacional, de caráter transversal que utilizou os dados inéditos da “Pesquisa Nacional do Consumo Alimentar e Perfil Nutricional de Escolares, Modelo de Gestão e Controle Social do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE”, realizada no período de 2006 a 2008. A amostra final analisada foi constituída de 19.748 escolares, de 6 a 19 anos de idade, em 1.112 escolas localizadas em 694 municípios brasileiros. A adesão foi classificada como efetiva quando houve um consumo da alimentação escolar referido de 4 a 5 vezes na semana. Dentre os fatores possivelmente associados foram estudados os padrões alimentares dos cardápios ofertados extraídos por análise de componentes principais, características das escolas e dos alunos tais como localização, comércio de alimentos, refeições fora da escola, sexo etc. Análise de regressão logística foi utilizada para avaliar as associações das variáveis com a adesão efetiva. Foi adotado valor de p<0,05 para significância estatística dos testes e adotados intervalos de 95% de confiança (IC95%). Verificou-se que 74,1% dos alunos aderiam efetivamente ao PNAE. Além disso, a chance de os escolares aderirem efetivamente ao programa foi maior entre os alunos que referiram ir à escola por causa da alimentação escolar (OR= 4,984); quando a execução do programa era terceirizada (OR= 1,042); quando as merendeiras receberam algum tipo de capacitação (OR= 1,193); quando o cardápio ofertado incluiu bebidas, salgados e sanduíches (OR= 1,209) ou panificados (pães, broas, bolos e massas) (OR= 1,003). As variáveis que diminuíram a chance de o estudante aderir ao PNAE foram ser do sexo feminino (OR= 0,712); presença de excesso de peso (OR= 0,881); ter idade maior que 10 anos (OR= 0,836); fazer mais de três refeições por dia fora da escola (OR= 0,808); costumar trazer comida/lanche de casa para o lanche (OR= 0,836); o fato de a escola estar localizada no meio urbano (OR= 0,392) e o fato de a escola possuir cantina/lanchonete ou algum outro tipo de venda de alimentos (OR= 0,647). Concluo, portanto, que características que remetem à maior vulnerabilidade tais como localização rural, menor possibilidade de acesso a refeições fora da escola e características relacionadas a cardápios menos balanceados e com presença de alimentos mais populares na preferência deste grupo etário fazem com que a adesão ao programa seja maior.

  • TIAGO MARCEL SANTOS VILA-NOVA
  • Efeito do Extrato de Alho Envelhecido nos níveis pressóricos de pacientes hipertensos e a sua relação com a ingestão das vitaminas B6, B9 e B12
  • Orientador : KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
  • Data: 29/10/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um fator de risco para doenças cardiovasculares e atuais perspectivas destacam o aumento da sua prevalência no mundo. Pesquisas clínicas destacam o efeito hipotensor do extrato de alho envelhecido (EAE) em pacientes hipertensos. No entanto, a relação desse efeito com a ingestão dietética de vitaminas B6, B9 e B12, co-fatores das enzimas catalisadoras de vias anti-hipertensivas, é inexplorada no cenário científico. Objetivos: O desenho metodológico avaliou o efeito do EAE nos níveis pressóricos e a sua relação com a ingestão das vitaminas B6, B9 e B12 em hipertensos. Casuística e Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado, duplo cego controlado por placebo que incluiu 19 voluntários hipertensos com pressão arterial tratada, mas não controlada. O uso da tabela de números aleatórios auxiliou na formação de grupos que receberam intervenções distintas com duração de três meses, EAE ou placebo. A avaliação periódica da pressão arterial, ingestão dietética e medidas corporais (peso, índice de massa corporal e circunferência da cintura) foi conduzida a cada 4 semanas. A análise de modelo misto foi utilizada para a identificação de possíveis alterações dessas variáveis entre os grupos ao longo do tempo e dos diversos momentos em relação as medidas basais. O delineamento metodológico também incluiu a análise das frações lipídicas (colesterol total, lipoproteína de baixa densidade, lipoproteína de alta densidade, lipoproteína de muito baixa densidade, triglicérides e colesterol não HDL) e marcadores glicêmicos (hemoglobina glicada e glicemia de jejum) que foram coletados antes e após o período experimental. A aplicação de testes paramétricos foi utilizada para a identificação de diferenças significativas desses marcadores biológicos. A análise dos dados categóricos (consistência das fezes, classes de medicamentos, risco cardiovascular, histórico familiar precoce de doenças cardiovascular, sexo, tabagismo e diabetes) foi empregado o teste Exato de Fisher. Além disso, a correlação de Spearman foi utilizada para análise da força da relação entre a ingestão dietética das vitaminas do complexo B e a variação dos níveis pressóricos ao longo do estudo. Resultados: Apenas o grupo experimental apresentou reduções significativas na pressão arterial sistólica de -18,6 (P=0,026) e -18,1mmHg (P=0,025) após a 4 e 12 semanas de tratamento, respectivamente. A variação desse parâmetro pressórico se correlacionou à média da ingestão das vitaminas B6 (r=0,7) e B12 (r=0,767) em voluntários suplementados com EAE. Tendências significativas foram observadas na diminuição da PAS (P=0,071) e diastólica (P=0,07) após 8 e 4 semanas de intervenção, respectivamente. Uma melhora na consistência das fezes foi identificada apenas no grupo experimental. A análise entre grupos não identificou diferenças quanto aos parâmetros dietéticos e antropométricos durante a pesquisa. Reduções modestas dos marcadores bioquímicos foram identificados no grupo experimental, porém a apenas no grupo placebo apresentou diminuição significativa da hemoglobina glicada (P=0,018). Conclusão: O presente estudo destaca o efeito hipotensor do EAE e a sua relação com fatores dietéticos. Embora não apresente diferenças entre os grupos, o presente estudo destaca efetividade do EAE na redução dos níveis pressóricos, sendo comparável a medicamentos de primeira linha que são constantemente associados a sérios efeitos adversos.

  • WASHINGTON SANTOS DA PAIXÃO
  • Efeitos do extrato aquoso de alecrim (Rosmarinus officinalis L.) sobre marcadores metabólicos, composição corporal e histologia ovariana em modelo experimental da síndrome dos ovários policísticos
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 31/08/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) apresenta-se como uma endocrinopatia que acomete mulheres em idade reprodutiva e é caracterizada pela presença de hiperandrogenismo e diversas repercussões metabólicas, como resistência à insulina, dislipidemia, aumento da gordura corporal, exacerbação do quadro inflamatório e de estresse oxidativo. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do extrato aquoso de alecrim (EAA) sobre os aspectos metabólicos e de estresse oxidativo em modelo animal da SOP induzida por letrozol. Foram utilizadas ratas Wistar jovens divididas em 4 grupos: grupo controle (n=9) e outros 3 grupos induzidos à SOP utilizando letrozol (1mg/kg, v.o.) durante 40 dias. Após este período, os animais com SOP seguiram 3 tratamentos distintos: LET + água destilada (n=9); LET + Metformina (n=10) - (20 mg/Kg, v.o); e LET + EAA (n=10) - (50 mg/Kg, v.o) por 30 dias, onde continuaram recebendo LET. O grupo controle sem a SOP foi tratado com água destilada. As ratas com SOP, independente do tratamento, apresentaram ciclos irregulares, maior quantidade de cistos foliculares, redução do peso do útero, maior ganho de peso e consumo de ração. No entanto, as ratas tratadas com o EAA apresentaram folículos primordiais mais evidentes e mais aglomerados, e não apresentaram folículos primários com degradação do oócito, diferindo-se do grupo LET. Além disso, o tecido adiposo retroperitoneal das ratas tratadas com EAA foi semelhante ao do grupo controle, assim como a capacidade antioxidante do soro foi maior no grupo que recebeu EAA. Não foram encontradas diferenças nos marcadores de metabolismo glicídico e lipídico. Os resultados indicam que o tratamento com EAA nas condições avaliadas, apresenta-se como uma estratégia que deve ser melhor investigada no modelo da SOP induzida pelo letrozol.

  • ANELY VIEIRA DE MENEZES
  • Valor nutricional, perfil lipídico e compostos voláteis em amêndoas de licuri (Syagrus coronata) cozidas e secas.
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 28/08/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Licuri (Syagrus coronata) (Martius) Beccari é uma palmeira característica do semiárido nordestino; possui frutos que fornecem amêndoas que são amplamente consumidas pelas comunidades locais onde são recomendadas no combate à fome. Estudos vêm sendo realizados para a elucidação do potencial dessa amêndoa, porém nenhum se detém em investigar as características nutricionais e voláteis em suas principais formas de consumo. Devido a esta lacuna, este estudo teve como objetivo avaliar a composição centesimal, identificar e quantificar ácidos graxos e compostos voláteis das amêndoas de licuri verde cozido e licuri seco. Para isto, foram realizadas as análises de composição centesimal: umidade, cinzas, proteínas e lipídios, carboidratos e valor calórico, a quantificação de ácidos graxos por cromatografia gasosa e a identificação dos compostos voláteis por cromatografia gasosa acoplada a espectrômetro de massa. Os dados obtidos foram expressos em média ± desvio-padrão e analisados estatisticamente através da análise de variância ANOVA e teste t student a um nível de significância de 5 % (p <0,05). Além disso, a análise de componentes principais (PCA) foi utilizada para verificar a relação entre os dois tipos de tratamento das amêndoas e os componentes voláteis. Assim sendo, verificou-se diferença estatística (p <0,05) para as análises de umidade, cinzas, proteínas e lipídios entre as amêndoas do licuri verde cozido e seco. Para o perfil de ácidos graxos, foi observado que as tanto as amêndoas do licuri verde cozido (81,7 %) e licuri seco (80,8 %) possuem ácidos graxos saturados como porção majoritária, sendo os ácidos láurico e mirístico, os que mais influenciam nessa porção. Além disso foi verificada diferença estatística (p <0,05) entre a quantificação dos ácidos láurico, palmítico e oleico entre as duas amostras. Em relação ao conteúdo de compostos voláteis, as duas amostras apresentaram perfis distintos. Para as amêndoas do licuri verde cozido, a principal classe encontrada foi os aldeídos, com sete compostos identificados, sendo o 3-metil-butanal (662,03 µg/Kg) o composto majoritário, seguido do furfural (114,63 µg/Kg), esses compostos possuem notas aromáticas de chocolate/pêssego e doce/amêndoas, respectivamente. Já a amêndoa do licuri seco tem como principal classe de voláteis os álcoois, apresentando oito compostos dessa classe, sendo o álcool isoamílico (618,95 µg/Kg) o principal componente, seguido do 2-heptanol (146,68 µg/Kg), sendo responsáveis pelas notas frutal/alcoólica e fresh/herbal, respectivamente. Em contrapartida, a classe dos terpenos apresentou apenas o limoneno, composto de maior concentração com 780,96 µg/Kg. A análise de componentes principais verificou que entre os compostos voláteis presentes em ambas as amostras, o 1-hexanol e a 2-nonanona estão relacionados ao aroma das amêndoas de licuri verde cozido, já a 2-heptanona, o etanol e o limoneno estão relacionados ao aroma das amêndoas de licuri seco. Com isso, as amêndoas do licuri verde cozido e licuri seco, apresentam características semelhantes quanto ao perfil de ácidos graxos e bastante distintas com relação à composição nutricional e volátil.

  • DANIELE PINTO DE LIMA
  • Compostos Bioativos, Atividade Antioxidante In Vitro e Conteúdo de Minerais de Hortaliças Orgânicas e Convencionais Cultivadas em Sergipe
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 28/08/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos, as publicações científicas verificaram a evolução no padrão de consumo alimentar, com a crescente preocupação com a qualidade e a segurança dos alimentos, bem como mudanças nos sistemas de produção agrícola. Neste cenário, o aumento do interesse pelo consumo de alimentos com menor teor de contaminantes químicos e de melhor valor nutricional, além da busca por hábitos de vida mais saudáveis, têm contribuído para impulsionar o mercado mundial de alimentos orgânicos. Estudos têm demonstrado que os alimentos provenientes do cultivo orgânico, entre eles as hortaliças, têm-se destacado em relação ao seu valor nutritivo e funcional quando comparados aos alimentos do cultivo convencional. O presente estudo objetivou cultivar hortaliças em sistemas controlados orgânico e convencional e avaliar o teor de compostos bioativos, atividade antioxidante in vitro e o conteúdo de minerais. Para os dois sistemas de cultivo foram utilizadas sementes sem tratamento de alface, coentro e tomate, cultivadas em locais adequados para o cultivo orgânico e convencional. Analisou-se a composição centesimal (umidade, cinzas, proteínas e lipídios), os compostos bioativos (compostos fenólicos totais e flavonoides), a atividade antioxidante (DPPH e FRAP) e os teores de minerais. Os resultados foram expressos como média ± desvio-padrão e utilizou-se o teste de média Tukey (p = 0.5) para verificar a diferenças entre as médias do tipo de cultivo e as hortaliças. Os valores padronizados da composição centesimal, de minerais, dos compostos bioativos e da atividade antioxidante foram submetidos a análise de componentes principais (ACP). Em relação aos resultados da composição centesimal as hortaliças orgânicas e convencionais apresentaram elevado teor de umidade. As análises de cinzas, proteínas e lipídios revelaram diferenças estatísticas entre os sistemas de cultivo, sendo que o sistema de cultivo convencional demonstrou superioridade para a maioria das hortaliças. No que diz respeito ao conteúdo de minerais o coentro apresentou os maiores teores de todos os minerais quando comparado às demais hortaliças e foi superior no sistema de cultivo orgânico. Os teores de fenólicos totais e flavonoides foram maiores para o sistema de cultivo orgânico, enquanto que para a atividade antioxidante, no método DPPH alface e coentro foram maiores para o sistema convencional e pelo método FRAP o coentro e o tomate orgânicos foram superiores. Com a ACP foi possível inferir, que a atividade antioxidante detectada pode não ter relação com os CBA avaliados, principalmente entre os flavonoides e o DPPH. Conclui-se que foram reveladas diferenças entre hortaliças orgânicas e convencionais em relação à composição centesimal, teor de minerais, compostos bioativos e atividade antioxidante. Contudo, as diferenças entre os sistemas de cultivo, muitas das vezes, demostraram ser dependentes da hortaliça analisada, e algumas hortaliças apresentaram maior sensibilidade que outras.

    Nos últimos anos, as publicações científicas verificaram a evolução no padrão de
    consumo alimentar, com a crescente preocupação com a qualidade e a segurança dos
    alimentos, bem como mudanças nos sistemas de produção agrícola. Neste cenário, o
    aumento do interesse pelo consumo de alimentos com menor teor de contaminantes
    químicos e de melhor valor nutricional, além da busca por hábitos de vida mais
    saudáveis, têm contribuído para impulsionar o mercado mundial de alimentos orgânicos.
    Estudos têm demonstrado que os alimentos provenientes do cultivo orgânico, entre eles
    as hortaliças, têm-se destacado em relação ao seu valor nutritivo e funcional quando
    comparados aos alimentos do cultivo convencional. O presente estudo objetivou cultivar
    hortaliças em sistemas controlados orgânico e convencional e avaliar o teor de
    compostos bioativos, atividade antioxidante in vitro e o conteúdo de minerais. Para os
    dois sistemas de cultivo foram utilizadas sementes sem tratamento de alface, coentro e
    tomate, cultivadas em locais adequados para o cultivo orgânico e convencional.
    Analisou-se a composição centesimal (umidade, cinzas, proteínas e lipídios), os
    compostos bioativos (compostos fenólicos totais e flavonoides), a atividade antioxidante
    (DPPH e FRAP) e os teores de minerais. Os resultados foram expressos como média ±
    desvio-padrão e utilizou-se o teste de média Tukey (p = 0.5) para verificar a diferenças
    entre as médias do tipo de cultivo e as hortaliças. Os valores padronizados da
    composição centesimal, de minerais, dos compostos bioativos e da atividade
    antioxidante foram submetidos a análise de componentes principais (ACP). Em relação
    aos resultados da composição centesimal as hortaliças orgânicas e convencionais
    apresentaram elevado teor de umidade. As análises de cinzas, proteínas e lipídios
    revelaram diferenças estatísticas entre os sistemas de cultivo, sendo que o sistema de
    cultivo convencional demonstrou superioridade para a maioria das hortaliças. No que
    diz respeito ao conteúdo de minerais o coentro apresentou os maiores teores de todos os
    minerais quando comparado às demais hortaliças e foi superior no sistema de cultivo
    orgânico. Os teores de fenólicos totais e flavonoides foram maiores para o sistema de
    cultivo orgânico, enquanto que para a atividade antioxidante, no método DPPH alface e
    coentro foram maiores para o sistema convencional e pelo método FRAP o coentro e o
    tomate orgânicos foram superiores. Com a ACP foi possível inferir, que a atividade
    antioxidante detectada pode não ter relação com os CBA avaliados, principalmente
    entre os flavonoides e o DPPH. Conclui-se que foram reveladas diferenças entre
    hortaliças orgânicas e convencionais em relação à composição centesimal, teor de
    minerais, compostos bioativos e atividade antioxidante. Contudo, as diferenças entre os
    sistemas de cultivo, muitas das vezes, demostraram ser dependentes da hortaliça
    analisada, e algumas hortaliças apresentaram maior sensibilidade que outras.
    Nos últimos anos, as publicações científicas verificaram a evolução no padrão de
    consumo alimentar, com a crescente preocupação com a qualidade e a segurança dos
    alimentos, bem como mudanças nos sistemas de produção agrícola. Neste cenário, o
    aumento do interesse pelo consumo de alimentos com menor teor de contaminantes
    químicos e de melhor valor nutricional, além da busca por hábitos de vida mais
    saudáveis, têm contribuído para impulsionar o mercado mundial de alimentos orgânicos.
    Estudos têm demonstrado que os alimentos provenientes do cultivo orgânico, entre eles
    as hortaliças, têm-se destacado em relação ao seu valor nutritivo e funcional quando
    comparados aos alimentos do cultivo convencional. O presente estudo objetivou cultivar
    hortaliças em sistemas controlados orgânico e convencional e avaliar o teor de
    compostos bioativos, atividade antioxidante in vitro e o conteúdo de minerais. Para os
    dois sistemas de cultivo foram utilizadas sementes sem tratamento de alface, coentro e
    tomate, cultivadas em locais adequados para o cultivo orgânico e convencional.
    Analisou-se a composição centesimal (umidade, cinzas, proteínas e lipídios), os
    compostos bioativos (compostos fenólicos totais e flavonoides), a atividade antioxidante
    (DPPH e FRAP) e os teores de minerais. Os resultados foram expressos como média ±
    desvio-padrão e utilizou-se o teste de média Tukey (p = 0.5) para verificar a diferenças
    entre as médias do tipo de cultivo e as hortaliças. Os valores padronizados da
    composição centesimal, de minerais, dos compostos bioativos e da atividade
    antioxidante foram submetidos a análise de componentes principais (ACP). Em relação
    aos resultados da composição centesimal as hortaliças orgânicas e convencionais
    apresentaram elevado teor de umidade. As análises de cinzas, proteínas e lipídios
    revelaram diferenças estatísticas entre os sistemas de cultivo, sendo que o sistema de
    cultivo convencional demonstrou superioridade para a maioria das hortaliças. No que
    diz respeito ao conteúdo de minerais o coentro apresentou os maiores teores de todos os
    minerais quando comparado às demais hortaliças e foi superior no sistema de cultivo
    orgânico. Os teores de fenólicos totais e flavonoides foram maiores para o sistema de
    cultivo orgânico, enquanto que para a atividade antioxidante, no método DPPH alface e
    coentro foram maiores para o sistema convencional e pelo método FRAP o coentro e o
    tomate orgânicos foram superiores. Com a ACP foi possível inferir, que a atividade
    antioxidante detectada pode não ter relação com os CBA avaliados, principalmente
    entre os flavonoides e o DPPH. Conclui-se que foram reveladas diferenças entre
    hortaliças orgânicas e convencionais em relação à composição centesimal, teor de
    minerais, compostos bioativos e atividade antioxidante. Contudo, as diferenças entre os
    sistemas de cultivo, muitas das vezes, demostraram ser dependentes da hortaliça
    analisada, e algumas hortaliças apresentaram maior sensibilidade que outras.
    Nos últimos anos, as publicações científicas verificaram a evolução no padrão de
    consumo alimentar, com a crescente preocupação com a qualidade e a segurança dos
    alimentos, bem como mudanças nos sistemas de produção agrícola. Neste cenário, o
    aumento do interesse pelo consumo de alimentos com menor teor de contaminantes
    químicos e de melhor valor nutricional, além da busca por hábitos de vida mais
    saudáveis, têm contribuído para impulsionar o mercado mundial de alimentos orgânicos.
    Estudos têm demonstrado que os alimentos provenientes do cultivo orgânico, entre eles
    as hortaliças, têm-se destacado em relação ao seu valor nutritivo e funcional quando
    comparados aos alimentos do cultivo convencional. O presente estudo objetivou cultivar
    hortaliças em sistemas controlados orgânico e convencional e avaliar o teor de
    compostos bioativos, atividade antioxidante in vitro e o conteúdo de minerais. Para os
    dois sistemas de cultivo foram utilizadas sementes sem tratamento de alface, coentro e
    tomate, cultivadas em locais adequados para o cultivo orgânico e convencional.
    Analisou-se a composição centesimal (umidade, cinzas, proteínas e lipídios), os
    compostos bioativos (compostos fenólicos totais e flavonoides), a atividade antioxidante
    (DPPH e FRAP) e os teores de minerais. Os resultados foram expressos como média ±
    desvio-padrão e utilizou-se o teste de média Tukey (p = 0.5) para verificar a diferenças
    entre as médias do tipo de cultivo e as hortaliças. Os valores padronizados da
    composição centesimal, de minerais, dos compostos bioativos e da atividade
    antioxidante foram submetidos a análise de componentes principais (ACP). Em relação
    aos resultados da composição centesimal as hortaliças orgânicas e convencionais
    apresentaram elevado teor de umidade. As análises de cinzas, proteínas e lipídios
    revelaram diferenças estatísticas entre os sistemas de cultivo, sendo que o sistema de
    cultivo convencional demonstrou superioridade para a maioria das hortaliças. No que
    diz respeito ao conteúdo de minerais o coentro apresentou os maiores teores de todos os
    minerais quando comparado às demais hortaliças e foi superior no sistema de cultivo
    orgânico. Os teores de fenólicos totais e flavonoides foram maiores para o sistema de
    cultivo orgânico, enquanto que para a atividade antioxidante, no método DPPH alface e
    coentro foram maiores para o sistema convencional e pelo método FRAP o coentro e o
    tomate orgânicos foram superiores. Com a ACP foi possível inferir, que a atividade
    antioxidante detectada pode não ter relação com os CBA avaliados, principalmente
    entre os flavonoides e o DPPH. Conclui-se que foram reveladas diferenças entre
    hortaliças orgânicas e convencionais em relação à composição centesimal, teor de
    minerais, compostos bioativos e atividade antioxidante. Contudo, as diferenças entre os
    sistemas de cultivo, muitas das vezes, demostraram ser dependentes da hortaliça
    analisada, e algumas hortaliças apresentaram m
  • ISABELA SOUZA DE GOIS
  • ESTABILIDADE DE COMPOSTOS BIOATIVOS EM SORVETE VEGANO DE MARACUJÁ-AMARELO (PASSIFLORA EDULIS) SUBMETIDO A CONGELAMENTOS ULTRARRÁPIDO (-80ºC) E LENTO (-18°C)
  • Orientador : ALESSANDRA ALMEIDA CASTRO PAGANI
  • Data: 30/04/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Gelados comestíveis são sobremesas atrativas pelo fato de ser um produto pronto para consumo e largamente acessível. Normalmente, eles são feitos à base de leite, o que limita a escolha por esse produto, uma vez que cada vez mais pessoas possuem restrições alimentares. Este fator tem aumentado a necessidade por formulações alternativas, à base de alimentos de origem vegetal. O mercado brasileiro possui uma grande variedade de ingredientes que podem ser usados para enriquecer e diversificar ainda mais esta preparação, como o maracujá. Seus frutos são ricos em minerais, vitaminas, compostos fenólicos e carotenoides. Frente a isto, o estudo teve o objetivo de avaliar o efeito dos métodos de congelamento lento (-18ºC) e ultracongelamento (-80ºC) na estabilidade de compostos bioativos de sorvete vegano de maracujá-amarelo, ponderando as características físico-quimicas e aceitação sensorial. Este trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Sergipe. Para a elaboração do sorvete foi utilizada polpa de maracujá fornecida pela agroindústria de polpa de frutas Nova Descoberta – Boquim/SE. As características físico-químicas foram determinadas por meio de análises de: Overrum, textura, umidade, tempo de derretimento, cinética de congelamento, microscopia, Sólidos solúveis, pH, acidez, cor, vitamina C, carotenoides, compostos fenólicos, FRAP, DPPH, FTIR, cinzas, lipídeos, carboidratos, proteínas e análises microbiológicas. Foi realizado também o teste de aceitação sensorial que avaliou quesitos como: aroma, cor, aparência, sabor e textura, por meio de uma escala hedônica, bem como a intenção de compra do produto. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente através da análise de variância (ANOVA) e Teste de Tukey (nível de significância, p < 0,05) utilizando o software Assistat 7.6.

  • CAMILA DE JESUS SANTOS
  • FUNÇÃO TIREOIDIANA MATERNA E FATORES ASSOCIADOS EM GESTANTES DA REDE PÚBICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE ARACAJU, SERGIPE
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 30/04/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • OBJETIVO: Avaliar a presença de disfunções tireoidianas e a relação dos hormônios tireoidianos com indicadores metabólicos entre gestantes usuárias da rede pública de saúde. MÉTODOS: Estudo transversal com gestantes de diferentes idades gestacionais. A função tireoidiana foi determinada a partir do TSH, tireoglobulina, T4L, T3L e anti-TPO. Foram avaliados os parâmetros como colesterol total, HDL, LDL, triglicérides, glicose de jejum, insulina sérica, além de serem calculados os índices HOMA-IR e QUICKI. O estado nutricional de ferro foi avaliado pela ferritina e hemoglobina e o de vitamina D pela 25-hidroxivitamina D. ANOVA One-way foi utilizada para comparação de médias dos parâmetros bioquímicos entre as gestantes nos diferentes trimestres. O teste de correlação de Pearson ou Spearman foi utilizado para avaliar correlação dos hormônios tireoidianos com os demais parâmetros bioquímicos. Construiu-se um modelo de regressão linear múltipla para avaliar os fatores associados aos níveis de T4L. Para todas as análises usou-se nível de significância de p<0,05.

  • DAYANE FRANCIELY CONCEIÇÃO SANTOS
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE A OFERTA DE POLIFENÓIS E O GRAU DE PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS DE UM CARDÁPIO UNIVERSITÁRIO UTILIZANDO ESTATÍSTICA MULTIVARIADA
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 20/03/2020
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O estudo tem como objetivo analisar a oferta de polifenóis e estabelecer uma associação entre a oferta de polifenóis e o grau de processamento dos alimentos em cardápios planejados de um restaurante universitário. No total, foram analisados 87 dias de cardápio (onívoro e vegetariano) ofertado no restaurante universitário da Universidade Federal de Sergipe em um período letivo. As preparações dos cardápios foram avaliadas quanto ao conteúdo per capita líquido de cada ingrediente e analisado o teor de polifenóis, a partir do banco de dados online Phenol-Explorere, e o grau de processamento, segundo a classificação NOVA. Os dados obtidos foram avaliados pelo coeficiente de correlação de Pearson (p < 0,05). A análise de componentes principais foi utilizada para verificar associação entre os quatro graus de processamento dos alimentos presentes nas preparações e com a oferta de polifenóis. No cardápio onívoro, polifenóis totais e os alimentos in natura e minimamente apresentou coeficiente de correlação positiva (0,5). O cardápio vegetariano apresentou correlação positiva entre os flavonoides e os alimentos ultraprocessados (0,7). A análise de componentes principais verificou que no cardápio onívoro os dias com oferta reduzida de polifenóis são os dias que apresentaram alimentos processado e ultraprocessado. Já os dias com reduzido grau de processamento são os dias com oferta de alimentos in natura e minimamente processados e ingredientes culinários processados. No cardápio vegetariano, os dias com maior oferta de alimentos processados foram ofertadas proteína texturizada de soja, importante fonte de flavonoides. Verificou-se uma associação entre a quantidade de polifenóis totais e flavonoides com o grau de processamento segundo a classificação de alimentos NOVA. Com isso, os cardápios analisados ofertam um conteúdo importante de polifenóis a partir da oferta diária de alimentos in natura e minimamente processados.

  • DANIEL ALVES DE SOUZA
  • PERFIL DE COMPOSTOS VOLÁTEIS E ÁCIDOS GRAXOS DE DISTINTOS AZEITES DE OLIVA PRODUZIDOS EM MINAS GERAIS
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo identificar e quantificar compostos voláteis e ácidos graxos em varietais distintas de azeites de oliva extravirgens produzidos em Minas Gerais. As amostras de azeite foram fornecidas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) da Fazenda Maria da Fé/MG e fez determinado o perfil de aromas em cromatógrafo a gás acoplado a espectrômetro de massa quadripolar e de ácidos graxos por cromatografia de fase gasosa. os azeites de oliva extravirgens produzidos na região sul de Minas Gerais apresentam perfis de compostos voláteis característicos de azeites de excelente qualidade, destacando-se as varietais Mission, Frantoio e Grapollo. Esses azeites apresentam elevada qualidade sensorial, despontando como produtos de grande potencial de comercialização não só no mercado interno, mas também no mercado externo, estimulando o cultivo de oliveiras em regiões propícias.

    Identificar e quantificar compostos voláteis e ácidos graxos em varietais distintas de azeites de oliva extravirgens produzidos em Minas Gerais.

  • JAMILES FRANCISCA DOS SANTOS
  • INVESTIGAÇÃO DO PERFIL BIOATIVO E BIOQUÍMICO DA POLPA DO FRUTO DO MANDACARU (Cereus jamacaru DC)
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O mandacaru (Cereus jamacaru DC) é uma espécie natural da Caatinga, vegetação característica do semiárido, e pertencente à família das cactaceaes. Seus frutos são atraentes em cor e sabor, e diferentemente do cacto, não são comercializados. Porém há literatura científica sobre a composição e os benefícios deste fruto é escassa. Neste contexto, objetivou-se caracterizar os frutos do mandacaru (FM) de três diferentes localidades (lote 1, lote 2 e lote 3) do estado de Sergipe em relação às suas propriedades físico-químicas e físicas, determinar a atividade enzimática da polpa e casca do FM, determinar o perfil fitoquímico, o teor de compostos fenólicos aparentes, atividade antioxidante e o efeito citotóxico in vitro da polpa. A polpa e casca do FM de todos os lotes apresentaram baixo valor calórico, baixo teor de vitamina C e elevado teor de polifenoloxidase e peroxidase responsáveis pelo escurecimento enzimático. Quanto ao teor de compostos fenólicos e atividade antioxidante pela inibição do radical ABTS, a polpa do FM do lote 2 apresentou os valores mais elevados. A polpa do FM de todos os lotes não apresentou citotoxicidade, representando uma opção de consumo de fruta nativa com quantidades relevantes de compostos fenólicos e potencial antioxidanteO mandacaru (Cereus jamacaru DC) é uma espécie natural da Caatinga, vegetação característica do semiárido, e pertencente à família das cactaceaes. Seus frutos são atraentes em cor e sabor, e diferentemente do cacto, não são comercializados. Porém há literatura científica sobre a composição e os benefícios deste fruto é escassa. Neste contexto, objetivou-se caracterizar os frutos do mandacaru (FM) de três diferentes localidades (lote 1, lote 2 e lote 3) do estado de Sergipe em relação às suas propriedades físico-químicas e físicas, determinar a atividade enzimática da polpa e casca do FM, determinar o perfil fitoquímico, o teor de compostos fenólicos aparentes, atividade antioxidante e o efeito citotóxico in vitro da polpa. A polpa e casca do FM de todos os lotes apresentaram baixo valor calórico, baixo teor de vitamina C e elevado teor de polifenoloxidase e peroxidase responsáveis pelo escurecimento enzimático. Quanto ao teor de compostos fenólicos e atividade antioxidante pela inibição do radical ABTS, a polpa do FM do lote 2 apresentou os valores mais elevados. A polpa do FM de todos os lotes não apresentou citotoxicidade, representando uma opção de consumo de fruta nativa com quantidades relevantes de compostos fenólicos e potencial antioxidante.

  • RAMARA KADIJA FONSÊCA SANTOS
  • POLIMORFISMO FOKI RS2228570 NO GENE DO RECEPTOR DA VITAMINA D, ESTADO NUTRICIONAL RELATIVO À ESSA VITAMINA E MAGNÉSIO E SUAS RELAÇÕES COM MARCADORES GLICÊMICOS E LIPÍDICOS EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A deficiência de vitamina D e de magnésio tem sido associada ao pior controle metabólico em indivíduos com diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Além disso, a presença de polimorfismos de nucleotídeo único (SNP) no gene do receptor de vitamina D (VDR), em especial o SNP Fok1 rs2228570, está relacionada com a atividade da vitamina D e controle metabólico. Sendo assim, os objetivos deste estudo foram discutir o papel da vitamina D no controle glicêmico de indivíduos com DM2 por meio de uma revisão sistemática; relacionar a ingestão de vitamina D, magnésio e cálcio com marcadores do controle glicêmico; bem como associar essas variáveis com a presença do SNP FokI rs2228570 no gene do VDR, estado nutricional relativo à vitamina D e magnésio em indivíduos com DM2. Primeiramente, uma revisão sistemática foi desenvolvida com ensaios clínicos randomizados e estudos observacionais, a partir da busca nas bases de dados: Bireme, Lilacs e PUBMED e avaliados quanto aos riscos de viés. Paralelamente, realizou-se um estudo transversal com 160 adultos com DM2. Avaliou-se a presença do SNP Fok1 rs2228570, a concentração da vitamina D (25(OH)D) sérica, magnésio plasmático, paratormônio (PTH), glicemia em jejum, %HbA1c, insulina, peptídeo C, HOMA-B, HOMA-S, HOMA-IR, colesterol total e frações, índice de massa corporal, circunferência da cintura e % gordura corporal. Além disso, avaliou-se também a ingestão alimentar habitual, e a prevalência de inadequação na ingestão foi calculada considerando a necessidade média estimada. Qui-Quadrado, Teste de Man-Whitney, ANOVA com pós teste Tukey ou Kruskal – Wallis, correlações de Pearson ou Spearman e Regressão binária logística foram aplicados, de acordo com a distribuição dos dados. P-valor < 0,05 foi considerado como estatisticamente significativo. Uma relação inversa entre a vitamina D e as variáveis ​​do metabolismo da glicose foi observada pela revisão sistemática. No estudo transversal, a insuficiência/deficiência de vitamina D foi observada em 43% dos participantes. A frequência do genótipo polimórfico foi de 40%, não se associando à concentração de 25(OH)D. A concentração da 25(OH)D correlacionou-se positivamente com sexo (r=0,214, p<0,01) e idade (r=0,181, p=0,036), e negativamente com colesterol total (r=-0,245, p<0,01) e LDL (r=-0,226, p<0,01). No entanto, a ingestão alimentar de vitamina D, magnésio e cálcio não se relacionou com as concentrações de 25(OH)D. Por outro lado, a exposição solar menor que 30 min/dia e glicose de jejum alterada foram preditores de aumento em 6,58 e 1,01 a chance de insuficiência da vitamina, respectivamente. Ao distribuir os participantes conforme o estado nutricional de vitamina D (insuficiente/deficiente e suficiente), observou-se maior valor de HOMA-B no grupo suficiente (p=0,032) e maior glicemia de jejum (p=0,012) e %gordura corporal (p= 0,048) no grupo insuficiente/deficiente. A deficiência de magnésio plasmático foi observada em 92,4% dos participantes, não se associando ao status de vitamina D, no entanto, foi positivamente correlacionado com HOMA-B (r=0,163, p=0,041) e HOMA-S (r=0,220, p<0,01) e negativamente com tempo de diagnóstico do DM2 (=-0,160, p=0,05), glicose sérica, % HbA1c e HOMA-IR (r=-0,220; r=-0,228; r=-0,220, respectivamente, p<0,01). Sendo assim, a presença do SNP Fok1 rs2228570 e o status de magnésio não se associaram as concentrações de 25(OH)D. Ademais, o melhor estado nutricional de vitamina D e magnésio está associado ao controle metabólico de indivíduos com DM2.

  • RODRIGO DO NASCIMENTO LOPES
  • PADRÃO ALIMENTAR DO SERGIPANO: ENFOQUE NO GRAU DE PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS E PRESENÇA DE ALIMENTOS REGIONAIS
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os alimentos ultraprocessados têm tomado cada vez mais espaço na alimentação, em detrimento dos alimentos in natura e minimamente processados, situação que vai de encontro à recomendação do Guia Alimentar acerca do consumo desses alimentos. A identificação de novos hábitos alimentares; reconhecimento e destaque de aspectos culturais da alimentação, verificação de tendências e identificação dessas alterações no consumo dos indivíduos, podem ser analisadas através de padrões alimentares pois expressam a alimentação de forma global, ampliando a visão sobre o consumo alimentar. O presente trabalho teve como objetivo estimar o padrão de consumo alimentar da população do Estado de Sergipe e analisar os principais fatores a ele relacionados, assim como a participação de alimentos ultraprocessados na dieta e a presença de alimentos regionais. Foi realizado com base nos dados secundários do Inquérito Nacional de Alimentação (INA), que se trata do módulo de consumo alimentar individual da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF). A organização do banco de dados para a análise e estimativa do padrão alimentar foi realizada a partir do cadastro de alimentos consumidos na POF. Os 1.971 itens e respectivas preparações referidos foram agrupados em categorias de alimentos de acordo com as características nutricionais e com a forma como os alimentos são comumente registrados/consumidos. Para este agrupamento dos alimentos em categorias foram consideradas as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira e a classificação NOVA. Já para a identificação e classificação dos alimentos regionais, utilizou-se a Tabela de Alimentos Regionais, onde foram consideradas as informações de alimentos regionais para a região Nordeste, acrescido de alimentos reconhecidamente regionais de Sergipe. O consumo alimentar de 1150 indivíduos foi analisado, e os padrões alimentares foram identificados empregando-se a análise fatorial exploratória, utilizando a extração por componentes principais. Três padrões principais foram identificados: o padrão “bebidas”, o padrão “carboidratos” e o padrão “misto”, que foram associados a variáveis sociodemográficas. Para as análises foram aplicados testes não paramétricos de Kruskall-Wallis e de U - de Mann Whitney, além de correlação de Spearman. Quando comparados os scores dos padrões segundo as variáveis sócio demográficas, foi constatado que os homens possuíam maiores valores no padrão misto (p<0,01). Em relação ao nível de instrução, indivíduos que possuíam escolaridade de até ensino fundamental completo expressavam maior aderência ao padrão carboidratos (p<0,01) e ao padrão misto (p<0,01), enquanto que os indivíduos que possuíam pelo menos o nível superior praticavam mais o padrão de bebidas. Os padrões “Carboidratos” e “misto” também se associaram à raça/cor e localização urbana/rural (p<0,01). Neste sentido, concluo que os três padrões alimentares encontrados na população sergipana possuíram uma importante participação de alimentos ultraprocessados. Embora o sergipano ainda possua e expresse um padrão regional, este perdeu espaço devido à invasão de alimentos ultraprocessados no consumo alimentar habitual individual. O padrão das bebidas ultraprocessadas se associa a indivíduos com maior renda e nível de escolaridade, enquanto que indivíduos não brancos, que possuem menor nível de instrução, menor renda e domiciliados na zona rural praticam mais os padrões carboidratos e misto, também marcados pela presença de alimentos ultraprocessados.

  • EVELYN HORANYI SILVA COSTA VASVÁRY
  • PADRONIZAÇÃO DO PROCESSAMENTO DO AMENDOIM VERDE COZIDO EM SERGIPE
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 27/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O amendoim, Arachis hypogaea L. possui grande importância econômica na indústria de alimentos e seu consumo se dá por diferentes formas. Em Sergipe, a forma tradicional e cultural de processamento do amendoim verde, cozido em água e sal, é autêntica, tornando-o um patrimônio imaterial do estado através da Lei Estadual 7.682, de 17 de Julho de 2013. Esse modo de preparo no entanto, por não haver padronização pode gerar consequências desfavoráveis tanto para o alimento, quanto para quem o consome. Partindo dessa premissa, objetivou-se um planejamento experimental fatorial completo com quadruplicata no ponto central para as variáveis quantidade de sal e volume de água no cozimento utilizando como referencial o amendoim cozido comercial. As respostas do planejamento foram textura em sensorial, sabor e teor de compostos bioativos fenólicos. Foi realizado caracterização físico-química e nutricional, compostos fenólicos aparentes pelo método de Folin Ciocalteu, teor de flavonoides e avaliação da atividade antioxidante in vitro pelos métodos de ABTS e DPPH, do grão cru e cozido após otimização do processo. Os experimentos foram realizados em triplicata e os resultados submetidos a análise de variância (ANOVA) e teste de Tukey quando mais de 3 amostras e teste de Student t quando comparadas duas amostras. Foi verificado diferença significativa (p>0,05) em apenas 2 amostras do Planejamento experimental, sugerindo que o teor de sal e volume de água no processo de cocção interferem na quantificação do teor de fenólicos. Não foi observada diferença significativa a nível de 5% para teor de flavonoides e para a avaliação antioxidante pelos métodos de ABTS e FRAP, entre o amendoim cozido otimizado e o cru, sugerindo que o processo de cocção não interfere na perda desses bioativos. Não foi observada diferença (p>0,05) entre o amendoim cozido e o cru para teor de proteínas. O teor de umidade foi significativo a nível de 5% entre as amostras analisadas de amendoim verde cru e cozido otimizado, com valores de 59,22 ± 1,72 e 54,44 ± 1,59 g/100g respectivamente. Para cinzas o aumento era esperado em decorrência da adição de sal no processo de cocção, observando-se diferença significativa (p>0,05) entre o amendoim verde cru e cozido, com valores de e 1,11 ± 0,03 e 2,92 ± 0,03 g/100g respectivamente. O teor de sódio do amendoim otimizado foi de 691 ± 27,62 g/100, visto que a recomendação de uma porção de amendoim é de 30 g pela Food & Drug Administration, este valor de sódio encontrado equivale a 10,36% da ingestão máxima de sódio recomendada em teste sensorial, podendo se estabelecer o ponto ótimo de preparo do amendoim verde no cozimento, assim padronizando o processo de cocção quanto as variáveis teor de sal e volume de água.

  • WILLIANY ISIS SANTOS
  • OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL PARA EFETIVAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 13/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Concebido como um sistema de gestão intersetorial e participativo, o sistema de segurança alimentar e nutricional busca, por meio da formulação e implementação de políticas públicas, programas e ações, assegurar o direito humano à alimentação adequada. Os gestores públicos, como tomadores de decisões, são responsáveis pelo planejamento, implementação, monitoramento e avaliação das ações em segurança alimentar e nutricional, devendo considerar a situação da população para elaboração de diagnósticos, processo fundamental que influencia as demais etapas do ciclo das políticas públicas. Nesse sentido, o propósito do presente estudo é identificar as oportunidades e desafios da gestão pública municipal para implantação do sistema de segurança alimentar e nutricional no estado de Sergipe. O estudo, de caráter observacional e recorte transversal, utilizou análise qualitativa e triangulação de métodos. As entrevistas realizadas com representantes da gestão pública municipal que atuam nas ações de segurança alimentar e nutricional foram analisadas sob a técnica de análise de conteúdo descrita por Bardin, e os dados quantitativos coletados foram cruzados com as interpretações qualitativas. Com a participação de 46 representantes da gestão pública, distribuídos em todos os territórios de planejamento do estado e em secretarias municipais de assistência social e agricultura, o produto final da triangulação dos dados identificou limitações conceituais dos representantes da gestão pública municipal sobre segurança alimentar e nutricional, sobre a participação social e o seu papel enquanto gestor público. A demanda de informações da temática pelos entrevistados permeou pela falta de recursos financeiros e materiais, de capacitação e suporte técnico, o que pode ter influenciado a subutilização de informações pelos gestores do nível municipal. Houve um elevado percentual de municípios que não aderiram ao sistema de segurança alimentar e nutricional, somados ao baixo nível de instituição da câmara intersetorial de segurança alimentar e nutricional, elaboração do plano de segurança alimentar e nutricional e efetivação dos mecanismos de participação social. Na perspectiva dos entrevistados, a implementação do sistema possibilitará o desenvolvimento em nível local pela garantia de recursos, os quais também geram a elaboração de indicadores locais. Entretanto, a ausência de apoio técnico dos níveis estadual e federal para capacitação dos gestores, suporte em recursos financeiros, bem como a fragilidade na articulação das ações entre as esferas de governo e entre os seus setores foram percebidos como dificuldades para implantação do sistema de segurança alimentar e nutricional, aliados à burocracia no processo de adesão e desinteresse dos gestores em aderir ao sistema. Concluo que os desafios para efetivação do sistema de segurança alimentar e nutricional nos municípios foram a ausência de apoio e suporte dos níveis de governo, burocracia no processo de adesão e desinteresse dos gestores em aderir ao sistema, além de limitações conceituais sobre segurança alimentar e nutricional, participação social e o papel do gestor público. Já as oportunidades identificadas foram reflexo, apontando para a necessidade de apoio e suporte dos níveis estadual e federal para garantir recursos, capacitações e sensibilização dos gestores municipais.

2019
Descrição
  • IANNE MORAES LIMA DO AMÔR
  • INFLUÊNCIA DA INCORPORAÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE MANJERICÃO (OCIMUM BASILICUM L.) NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA, CAPACIDADE ANTIOXIDANTE E ACEITABILIDADE DE AZEITES DE DOIS VARIETAIS DISTINTOS
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 27/11/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A composição de ácidos graxos, compostos fenólicos e perfil sensorial são determinantes para identificar azeites de alta qualidade. O objetivo do trabalho foi avaliar a aceitabilidade a partir dos parâmetros sabor, aroma e intenção de compra de azeites aromatizados com óleo essencial de manjericão de diferentes cultivares Cinnamon (EOC), Mrs. Burns (OEMB) e Italian Large leaf (OEI). Os principais constituintes químicos dos óleos essenciais foram Linalol, metil chavicol, metil cinamato, neral, geraneral e eugenol. A incorporação não alterou os parâmetros físico-quimicos e de qualidade do azeite de oliva. A estabilidade oxidativa dos azeites foi maior nos azeites aromatizados com OEC e OEI, e estes foram os preferidos em relação ao sabor e aroma pelos consumidores. O azeite de oliva aromatizado com óleo essencial de manjericão torna-se um produto inovador com potencial mercadológico por proporcionar sabor e aroma diferenciados e substâncias capazes de aumentar a resistência à oxidação e a durabilidade das condições sensoriais, além de associar-se aos benefícios à saúde do consumidor.

  • JAMILLE CARÔSO ANDRADE
  • A PARTICIPAÇÃO CALÓRICA DE ALIMENTOS ULTRAPROCESSADOS EM LANCHEIRAS DE PRÉ-ESCOLARES E A SUA ASSOCIAÇÃO COM ATITUDES PARENTAIS
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 25/09/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presença de alimentos Ultraprocessados (UP) nos hábitos alimentares das crianças tem aumentado e este excesso, segundo a literatura, pode ocasionar aumento de peso, dentre outros prejuízos à saúde, sendo recomendada pelo Guia Alimentar para a População Brasileira a preferência de alimentos in natura ou minimamente processados a alimentos UP. O objetivo desse estudo foi analisar as lancheiras de alunos da educação infantil de uma rede escolar em Sergipe, considerando a classificação NOVA, e investigar os fatores associados à sua qualidade. Foi realizado estudo observacional com delineamento transversal, com técnicas de investigação quantitativa. Foram observados e registrados três dias não consecutivos dos alimentos presentes nas lancheiras dos alunos e, posteriormente, os mesmos foram divididos em 04 grupos, conforme classificação da NOVA: grupo 01: Alimentos In Natura (IN) ou Minimamente Processados (MP); grupo 02: Ingredientes Culinários (IC); grupo 03: Alimentos Processados (AP); grupo 04: Alimentos Ultraprocessados (UP). Além disso, foi realizada avaliação do estado nutricional dos alunos e foi aplicado questionário com seus pais para identificar informações sobre dificuldades em elaborar a lancheira das crianças, obter dados socioeconômicos da família e outros fatores que poderiam interferir na elaboração da lancheira. Para as análises foram aplicados testes de associação de Qui-Quadrado de Pearson e/ou Teste Exato de Fisher, testes T-student para diferença de médias entre grupos e teste de U- de Mann Whitney (para dados sem distribuição normal), correlação de Pearson (ou Spearman, para dados assimétricos). Para a análise multivariada, foi utilizado modelo de regressão Beta, em que as variáveis dependentes foram a participação calórica de UP e a de IN/MP nas lancheiras avaliadas; as variáveis independentes foram as socioeconômicas, demográficas, estado nutricional e dificuldades enfrentadas pelos responsáveis para a elaboração dos lanches escolares. Os resultados mostraram que a participação média de alimentos UP no total de calorias das lancheiras foi de 55%, enquanto a de alimentos IN/MP foi de 30%. Houve associação significativa entre a participação média de calorias de UP na lancheira e os fatores “praticidade” (p=0,01), “enviar na lancheira apenas o que a criança gosta” (p=,005), “escolher os alimentos da lancheira pelos personagens favoritos da criança” (p=0,032) e “comprar todos os alimentos da lancheira no supermercado” (p=0,002). O estudo apontou relação inversa ao que recomenda o Guia Alimentar, quando a participação de UP nas lancheiras foi quase o dobro da participação de IN/MP. Isso reforça a importância de ações de educação alimentar e nutricional nas Escolas junto aos pais das crianças para auxiliar na formação de hábitos alimentares saudáveis, assim como o fortalecimento de políticas públicas que promovam maior acesso a alimentos in natura ou minimamente processados e que regulamentem a publicidade e a oferta de alimentos ultraprocessados dentro e fora da escola.

  • DIANA SANTOS SOUZA
  • QUESTIONÁRIO DE FREQUÊNCIA ALIMENTAR DE ALIMENTOS COM ALTO TEOR DE SÓDIO: USO DO MÉTODO DAS TRÍADES NA SUA VALIDAÇÃO
  • Orientador : KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
  • Data: 23/09/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A utilização do QFA em estudos epidemiológicos para estimar o consumo alimentar habitual populacional requer sua validação. Um QFA validado para estimar consumo de sódio poderá auxiliar na identificação dos indivíduos em risco de desenvolver hipertensão arterial. Assim,o objetivo deste trabalho foi validar instrumento de avaliação do consumo de alimentos com alto teor de sódio de população adulta. Foi realizado estudo transversal, amostragem de 50 indivíduos ≥18 anos, ambos sexos. Foram aplicados 4 R24h, QFA-ATS no início e no fim de um semestre e questionário socioeconômico e de hábitos alimentares. Foram coletadas duas excreções urinárias de 24h para análise de sódio, além de antropometria. Para validação utilizou-se o método das tríades mediante coeficiente de validade (ρ). Para reprodutibilidade empregou-se o ICC e IC 95%, coeficiente Kappa e gráficos de Bland-Altman para concordância. Adotou-se teste Kolmogorov-Smirnov para verificar distribuição dos dados, e coeficientes de correlação de Spearman. Sódio foi ajustado pelo método residual. Os coeficientes de validade para sódio de única urina foram considerados elevado ρRIR (0,85), moderado ρBIR (0,22) e fraco ρQFAIR (0,15). A repetição de excreção urinária apresentou coeficiente elevado para ρRIR (0,85) e moderado para ρQFAIR (0,26) e ρBIR (0,20). ICC para sódio bruto foi 0,686 e 0,541 para sódio ajustado pela energia. Kappa ponderado foi 0,491 (p<0,01) e 0,260 (p=0,024) para sódio bruto e ajustado respectivamente. Embora seja reprodutível, o QFA-ATS não demostrou ser válido para avaliação de ingestão de sódio, não podendo ser utilizado isoladamente para este fim.

  • MILENE DE ABREU SOUZA
  • CARACTERIZAÇÃO E MODELAGEM ESTATÍSTICA DE COMPOSTOS FENÓLICOS EM CARDÁPIOS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SERGIPE
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 30/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo principal verificar a correlação do conteúdo de compostos fenólicos ofertado nos cardápios planejados na alimentação escolar de municípios do estado de Sergipe em função do grau de processamento de alimentos, da ocorrência de alimentos regionais, e da qualidade dos cardápios. Foram avaliados os cardápios para creche e pré-escola, em período parcial e/ou integral, do mês de novembro de 2018. Foram estimados polifenóis totais e flavonóides, e verificadas as possíveis relações entre estes e o grau de processamento dos alimentos, a presença de alimentos regionais e a qualidade das preparações do cardápio escolar (AQPCE). Para analisar o grau de correlação entre as variáveis, foi realizada a estatística descritiva dos dados e posteriormente, a modelagem a partir do Modelo Linear de Regressão Múltipla (MLRM), por meio de análise exploratória, ajustes e validação do modelo. O melhor modelo foi escolhido com base no maior valor de R² e no menor valor do Critério de Informação Bayesiano (BIC). Os coeficientes dos modelos selecionados e a normalidade dos resíduos foram avaliados com uso do teste t de Student a 5% de probabilidade. A acurácia da predição foi avaliada pelo R², RMSE, e RMSE relativo (rRMSE). As análises estatísticas foram realizadas com o auxílio do software R 3.1.0. Dos 75 municípios convidados a participar do estudo, dez disponibilizaram os dados necessários para a realização das análises propostas, totalizando 676 preparações avaliadas. Os alimentos que mais contribuíram para o conteúdo de polifenóis totais foram o orégano e o feijão e, para os flavonóides, a proteína de soja e o feijão. Os valores máximo, mínimo e médio de polifenóis totais (mg) e flavonóides (mg) encontrados foram de 718,41; 37,66 e 234,8 e 11,062; 0,1775 e 6,251, respectivamente. A variável alimentos in natura e minimamente processados possibilitou encontrar o maior valor de coeficiente de correlação, tanto para polifenóis totais (0,74), quanto para flavonóides (0,82). O melhor modelo de regressão ajustado para o polifenóis teve como variáveis explicativas os dados de alimentos in natura e minimamente processados e alimentos ultraprocessados, com valores de R² e BIC de 0,60 e -20,34, respectivamente. O melhor modelo de regressão ajustado para os flavonóides teve como variáveis explicativas os dados de alimentos in natura e minimamente processados e ingredientes culinários, com valores de R² e BIC de 0,78 e -36,53, respectivamente. Os coeficientes dos modelos foram significativos ao menos ao nível de 5% de probabilidade e a análise dos resíduos mostra que os mesmos apresentaram distribuição normal. Os valores de R² e RMSE na etapa de validação foram de 0,56 e 119,4 mg (50%) e 0,73 e 2,7 mg (44%), para o modelo de polifenóis totais e flavonóides. Diante disto, recomenda-se adicionar alimentos in natura e minimamente processados e ingredientes culinários nos cardápios analisados e diminuir a quantidade de alimentos processados e ultraprocessados, para aumentar a oferta de polifenóis totais e flavonóides, podendo assim, contribuir para o desenvolvimento cognitivo, de novos hábitos alimentares e para a redução do risco de doenças crônicas não transmissíveis. Além disso, os modelos de regressão ajustados mostraram bom desempenho, podendo ser utilizados para estimar os valores de polifenóis e flavonóides nos cardápios dos municípios analisados.

  • NAYANE SANTIAGO BARRETO
  • ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM MEDIADA POR METODOLOGIAS ATIVAS NO CONTEXTO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL.
  • Orientador : RENATA LOPES DE SIQUEIRA
  • Data: 29/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Marco de Referência em Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas propõe uma ruptura das práticas de EAN realizadas por meio de metodologias tradicionais. Em oposição, defende-se que as ações de EAN assumam uma perspectiva problematizadora e sejam mediadas por metodologias ativas. Portanto, há necessidade de se refletir se o que está sendo ensinado capacita aos futuros profissionais realizarem uma EAN capaz de gerar a autonomia e a participação ativa dos sujeitos. O objetivo é analisar a experiência de aprendizagem mediada por metodologias ativas na disciplina Educação Nutricional. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, tipo pesquisa-ação, entre outubro de 2018 a março de 2019. Os sujeitos foram 31 discentes matriculados na disciplina. O conteúdo da disciplina foi ministrado por meio da conjugação de uma série de metolodogias ativas, a saber: Dramatização, Vídeo Debate, Jogo Interativo, Árvore de Problemas, Dinâmica dos Bichos, Estudo de Caso e Resenha Científica. Como aula prática, destacou-se o desenvolvimento de projeto de EAN, em cenário real de prática. Para diagnóstico situacional acerca das expectativas discentes em relação a disciplina foi aplicado um questionário aberto. Em consonância com os pressupostos teóricos da teoria da Aprendizagem Significativa no decorrer da disciplina, forma aplicados sete questionários abertos para levantamento do conhecimento prévio discente. Ao final do semestre letivo foi aplicado um questionário estruturado de competências e habilidades adquiridas. No decurso da disciplina foi adotado o Diário de Campo. Com o objetivo da análise subjetiva da experiência da aprendizagem via metodologia ativa, foram realizados dois grupos focais com os discentes, tendo o conteúdo sido analisado por meio de “Análise de Temática” proposta por Bardin. A presente pesquisa resultou na elaboração de dois artigos. O primeiro buscou compreender a percepção da experiência do aprendizado mediado por metodologias ativas na disciplina Educação Nutricional. Dentre às expectativas dos discentes quanto ao conteúdo ministrado estiveram: Aprofundar os conteúdos e interligá-los com outras disciplinas; interligar os conteúdos com os temas das ações e conhecer procedimentos de ensino interativos. Aprender a ser educador e a fazer ações educativas para outros públicos foram as expectativas quanto a habilidades a ser aprendidas. Foram citadas como fragilidades devido aos procedimentos de ensino: Organização curricular; aplicação do conteúdo nas ações de EAN; transição do ensino tradicional para o ativo; natureza transdisciplinar dos textos; leitura em sala e tempo para se dedicar a disciplina. Quanto às potencialidades devido aos procedimentos de ensino destacaram-se: Proporcionam assimilação do conteúdo e a formação para atuação multiprofissional; estimulam a participação, o desenvolvimento cognitivo, a autonomia na busca pelo aprendizado e o uso da reflexão e favorecem o aprendizado colaborativo. O segundo artigo descreve a experiência da aplicação da “Árvore de Problemas” como estratégia problematizadora na disciplina Educação Nutricional. Mediante uma análise coletiva, o problema “Predomínio da aprendizagem mecânica” foi identificado. Os educandos elencaram tanto nas eventuais causas (raízes), quanto nas soluções (frutos) aspectos e natureza macrossociais e microssociais. Nestes últimos, foi destacado a necessidade da inclusão das metodologias ativas como forma de inovação do ensino superior na área da saúde. No entanto, a inserção destas metodologias em uma disciplina de forma isolada foi expressa como insuficiente para superar predominância da aprendizagem mecânica.

  • ANDREZA DE SANTANA SANTOS
  • ATIVIDADE ANTIOXIDANTE, ANTI-INFLAMATÓRIA E PERFIL FÍSICO-QUÍMICO DO RAMBUTAN (Nephelium lappaceum)
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 31/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O rambutan (Nephelium lappaceum), fruto de sabor doce exótico, pertencente à família Sapindaceae, de origem asiática que tem se adaptado em regiões do Brasil, como Bahia e São Paulo. Estudos recentes têm demonstrado alto teor de compostos bioativos, incluindo os flavonoides, principalmente nas cascas, fundamentando suas propriedades biológicas. Contudo ainda não há trabalhos que investiguem sua atividade anti-inflamatória in vivo e são escassos os que avaliam as particularidades dos frutos produzidos no território nacional. Diante disso, o objetivo do presente trabalho foi realizar a análise físico-química, composição centesimal e o teor de vitamina C da polpa in natura, identificar e quantificar os compostos fenólicos e avaliar a capacidade antioxidante in vitro dos extratos aquoso e etanólico da casca, polpa e sementes do rambutan brasileiro e anti-inflamatória do extrato etanólico da casca no modelo de edema de orelha induzido pelo 12-O-tetradecanoilforbol acetato (TPA), além de elaborar artigo de revisão sobre composição e propriedades biológicas do rambutan. Foram obtidos extratos aquoso e etanólico das diferentes partes do fruto para os ensaios de distintos métodos antioxidante in vitro. Foram realizados ensaios de viabilidade celular e produção de NO em células RAW264.7 estimuladas com LPS utilizando o extrato etanólico da casca (1, 10 e 100 µg/ml). Para os ensaios in vivo, camundongos machos (n=6) foram tratados com o extrato anterior (0,3, 1 e 3 mg), dexametasona (0,05 mg/orelha) ou veículo. Foram realizadas mensuração do edema, da atividade da mieloperoxidase e quantificação de marcadores inflamatórios e de estresse oxidativo no homogenato das orelhas dos animais. Para análise estatistica utilizou-se a análise de variância (ANOVA), seguida do teste Tukey, no Prism5.0 (GraphPad), adotando nível de significância de p<0,05.. O rambutan apresentou 77,56%, 44% e 80,87% de umidade, 0,42%, 0,91% e 0,58% de cinzas, 0,10%, 0,60% e 0,57% de proteína, 21,81%, 50,25% e 17,98% de carboidratos e 0,11%, 4,24% e 0,20% de lipidios respectivamente na casca, semente e polpa, além de 16,7 º Brix de sólidos solúveis totais, 54,2 mg de vitamina C em 100g da polpa fresca, e pH 3,54. Os extratos demonstraram alto teor de compostos fenólicos e flavonóides contribuindo para atividade antioxidante in vitro por distintos mecanismos, como doação de elétrons, capacidade redutora, inibição do radical NO e redução na peroxidação lípidica, com destaque para o extrato etanólico da casca. O mesmo foi capaz de diminuir a produção de NO, na concentração de 100 µg/ml, em células RAW264.7 sem alterar a sua viabilidade celular, além de reduzir o edema, o inflitrado de neutrófilos,a peroxidação lípidica e aumentar capacidade redutora do homogenato das orelhas tratadas com 3mg/ml. Portanto conclui-se que o rambutan evidenciou atividade antioxidante e anti-inflamatória principalmente pelos extratos da casca, se mostrando uma alternativa promissora para indústria alimentícia e farmacêutica, gerando menos resíduos, contribuindo assim para a sustentabilidade.

  • VIVIANE MARTINS BARROS
  • INFLUÊNCIA DO PROCESSO DE SECAGEM NOS TEORES DE COMPOSTOS BIOATIVOS E ANTINUTRICIONAIS EM FARINHA DE RESÍDUO DE FRUTAS.
  • Orientador : JANE DE JESUS DA SILVEIRA MOREIRA
  • Data: 26/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A acerola (Malpighia emarginata D.C.), é uma fruta rica em vitamina C, fitonutrientes, como compostos fenólicos, flavonóides, antocianinas e carotenóides. Bastante utilizadas para produção de polpa de frutas congeladas, processo esse que ocorre a geração de resíduos durante o processamento. Algumas alternativas para reutilização desse resíduo é a elaboração de farinhas, uma vez que muitos compostos bioativos e nutrientes podem ser disponibilizados em alimentos desidratados. No entanto, as farinhas possuem fatores antinutricionais, que interferem na digestibilidade, absorção ou utilização de nutrientes e, se ingeridos em altas concentrações, podem acarretar efeitos danosos à saúde, como irritações e lesões da mucosa gastrintestinal. Estes antinutrientes incluem os inibidores de tripsina, oxalato, saponinas, taninos e fitatos, os quais podem ser reduzidos empregando-se os métodos e condições de processamento adequados. Com este propósito o emprego do calor seco se apresenta como um dos métodos mais eficientes, pois une a técnica ideal para obtenção de farinhas, a secagem em estufa com circulação de ar forçado e, possibilita aperfeiçoamentos no binômio tempo versus temperatura. No entanto os compostos bioativos são afetados durante o processamento, representando perdas de qualidade para as farinhas. Neste contexto, o presente estudo visa verificar a influência do processamento de secagem sobre os teores de compostos antinutrientes e compostos bioativos em farinha de resíduo de acerola. Para a otimização do processo de secagem, no intervalo de 45 a 80 ºC, a reposta será o teor de antinutrientes e teor de compostos bioativos. Para o resíduo de fruta selecionado e para a farinha obtida na condição ótima, serão realizadas as caracterizações de perfil físico-químico e físico, compostos fenólicos aparentes, avaliação da atividade antioxidante por DPPH, ABTS e FRAP e perfil de inibidores de tripsina, oxalato, saponinas, taninos e fitatos. Os experimentos serão realizados em quadruplicata e os resultados serão submetidos a análises de variância (ANOVA) e o teste de Tukey.

  • GABRIELLI BARBOSA DE CARVALHO
  • ESTUDO DO SNP A35C NO GENE DA SOD-1 (RS2234694), STATUS DE ZINCO, PADRÃO ALIMENTAR E RISCO CARDIOVASCULAR EM INDIVÍDUOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2
  • Orientador : LILIANE VIANA PIRES
  • Data: 22/07/2019
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho foi avaliar a associação do Índice de Qualidade da Dieta Revisado (IQD-R), presença do polimorfismo de nucleotídeo único (SNP) A35C no gene da SOD1 (rs2234694), atividade enzimática da SOD e GPX, status de zinco e controle metabólico com o risco cardiovascular de indivíduos com DM2, bem como sistematizar uma revisão da literatura com a temática de padrões alimentares e controle glicêmico nessa população. Os resultados da revisão sistemática mostraram que padrões alimentares vegetarianos, veganos, do Mediterrâneo e DASH reduziram em média 0,8% do percentual de hemoglobina glicada, considerando todos os estudos incluídos. Observou-se também redução na glicemia em jejum e melhora no Homeostasis Model Assessment of Insulin Sensitivity. Na avaliação dos indivíduos com DM2 com maiores valores relacionados à composição corporal, o controle glicêmico e status de zinco foram deficientes, a atividade antioxidante da SOD e qualidade da dieta estavam reduzidas e o risco cardiovascular elevado. Quanto à genotipagem, a ausência do alelo variante reduziu à probabilidade de aumentar a glicose sérica em 0,566 vezes (p=0,009). O alto risco cardiovascular relacionou-se ao excesso de peso, pior qualidade da dieta e deficiente controle glicêmico. Além disso, a presença do SNP estudado não apresentou relação com o status de zinco, risco cardiovascular e qualidade da dieta. Assim, a adoção de padrões alimentares foi benéfica para o controle glicêmico de indivíduos com DM2, devido à composição nutricional destes padrões juntamente com fatores externos. Ainda, a ausência do alelo variante (C) do SNP estudado apresentou probabilidade de reduzir as alterações nas concentrações de glicose sérica. Além disso, os indivíduos com pior controle glicêmico foram associados à presença de deficiência de zinco e menor proteção antioxidante pela SOD, baixa qualidade da dieta e alto risco cardiovascular.

  • LAÍS ANDRADE DOS ANJOS
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE NEOFOBIA ALIMENTAR, ESCOLARIDADE MATERNA, PRÁTICAS PARENTAIS E PADRÃO ALIMENTAR DE PRÉ-ESCOLARES DE ARACAJU
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 19/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O comportamento alimentar desenvolvido na infância tem impacto nos hábitos alimentares praticados ao longo da vida. A neofobia alimentar infantil (relutância ou falta de vontade em experimentar alimentos não-familiares) é intensificada na idade pré-escolar, podendo acarretar consequências negativas ao crescimento e desenvolvimento. Diversos fatores podem estar relacionados com o comportamento neofóbico, entre eles, pressão para comer, monitoramento pelos pais, escolaridade materna, fatores genéticos, dentre outros. Há escassez de estudos nacionais avaliando o comportamento alimentar neofóbico de pré-escolares. Objetivo: O presente estudo tem como objetivo investigar a neofobia alimentar entre pré-escolares e seus fatores associados. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, realizado com pais de crianças de 4 a 6 anos de escolas de educação infantil de tempo integral, particulares e filantrópicas, do munícipio de Aracaju/SE, Brasil. A neofobia alimentar foi avaliada pela aplicação da Child Food Neophobia Scale (α de Cronbach >0,86). A partir da aplicação de questionário foram avaliados fatores como dados sociodemográficos, condições de nascimento, amamentação e introdução da alimentação complementar, ambiente familiar, comportamento alimentar e práticas alimentares parentais. O estado nutricional das crianças foi avaliado pelo índice IMC/idade. Na sub-amostra de crianças das escolas filantrópicas (n= 214), foi avaliado o padrão alimentar a partir da análise do Questionário de Frequência Alimentar Semi-Quantitativo, derivados por análise fatorial a partir de 24 grupos alimentares. Construiu-se modelos de regressão logística ordinal para avaliar fatores associados a neofobia alimentar, e modelo de regressão linear múltipla para avaliar a associação entre neofobia alimentar e os padrões alimentares ajustados pelas demais variáveis. ANOVA foi utilizada para comparar o nível de neofobia alimentar entre os tercis dos padrões alimentares e demais variáveis. O nível de significância dos testes foi de p<0,05. Resultados: No total foram avaliados 718 pré-escolares. Níveis superiores de neofobia (médio e alto versus baixo) estiveram associados a menor orientação para uma alimentação saudável (OR – 0,23), monitoramento pelos pais (OR – 1,45), pressão para comer (OR – 1,44) e ambiente familiar estressante no momento da refeição (OR – 1,31). Ao passo que os níveis inferiores de neofobia alimentar (baixo e médio versus alto) se associaram com refeição estressante (OR – 1,82) e monitoramento pelos pais (OR – 1,45). Foram identificados 3 padrões alimentares nas crianças de escolas filantrópicas: ‘’tradicional’’, ‘’snacks’’ e ‘’lanches escolares’’. Crianças com maior adesão ao padrão alimentar tradicional tiveram menores níveis de neofobia alimentar.

  • FELIPE GARCEZ DE CARVALHO
  • ESTRESSE OXIDATIVO E DESEMPENHO FISICO APÓS EXERCÍCIO EXTENUANTE: COMPARAÇÃO ENTRE VEGANOS E ONÍVOROS
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 19/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Ao se exercitar com alta intensidade o consumo total de oxigênio é aumentado assim como a captação do oxigênio pelas células musculares. Essas alterações bioquímicas geram radicais livres ou espécies reativas de oxigênio que trazem malefícios ao corpo humano. Contudo, exercícios regulares de intensidade moderada podem diminuir o estado pró-oxidativo e pró-inflamatório no organismo. Assim, a atividade física melhora a resistência ao estresse oxidativo causado pelo fortalecimento do sistema antioxidante do corpo. Por outro lado, exercícios extenuantes, tanto pela intensidade como pela duração, aumentam os índices de estresse oxidativo pela formação exacerbada de radicais livres, causando danos musculares e redução no desempenho fisico. Pressupõe-se entçao que o ideal é o corpo se adaptar ao treinamente mais adequado a ele. Uma dieta com nutrientes especificos (antioxidantes), de melhor qualidade nutricional, é aliada ao combate a esses radicais livres e ao estresse oxidativo oriundo de exercícios físicos. Entretanto, o sistema de defesa endógeno pode não responder adequadamente aos radicais livres, necessitando, por exemplo, de suplementação alimentar. Dessa forma, este estudo avaliou a resposta aguda ao estresse oxidativo induzido pelo exercicio extenuante entre veganos e onivoros. Ou seja, avaliou de forma comparativa a resposta sobre biomarcadores de estresse oxidativo e o desempenho físico entre os grupos. Foi realizado estudo experimental com 14 pessoas, 9 homens e 5 mulheres, com idades entre 18 e 35 anos, declarantes de hábitos alimentares categorizados como veganos (7 participantes) e onívoros (7 participantes) a pelo menos seis meses, além de serem praticantes assíduos de exercícios resistidos. Em comparativo foi feita análise de dados coletados junto aos participantes com aplicação de questionário de anamnese sobre prática de atividade física e da rotina alimentar, e informações obtidas em procedimentos específicos como amostras de sangue, valores de referência de estresse oxidativo pela prescrição do protocolo Dano Muscular Induzido por Exercício (DMIE); avaliação antropométrica; análise bioquímica das coletas sanguíneas. Como resultado observou-se quanto à recuperação da função muscular uma redução com contra movimento para ambos os grupos, além da quantidade de proteínas totais ingeridas, sendo que esta foi expressivamente maior para onívoros. Consequentemente, a ingestão de aminoácidos totais foi maior para o mesmo grupo pois consumiram mais selênio, Vit A e E em relação aos veganos. Sobre o consumo de Vit C, este foi maior no grupo dos veganos. Os achados deste estudo mostraram que mesmo apresentando diferenças importantes na ingestão de nutrientes, quando veganos e onívoros ativos foram submetidos a uma sessão de exercício resistido extenuante, não foram observadas diferenças na resposta ao estresse oxidativo entre os dois grupos. No entanto, ressalta-se que o grupo vegano reduziu a potência muscular em relação aos valores basais, enquanto os onívoros aumentaram a altura do salto após 72h da indução do dano.

  • ANGELINA CRUZ RODRIGUES
  • ELABORAÇÃO DE UMA CERTIFICAÇÃO PARA CANTINAS ESCOLARES COM VISTAS À PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO ADEQUADA NAS ESCOLAS BRASILEIRAS
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 23/05/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo teve por objetivo elaborar um selo de certificação para incentivar a adoção de ações de Promoção da Alimentação Adequada e Saudável na comercialização de alimentos por parte das cantinas escolares do Brasil. Trata-se de um estudo exploratório, de prospecção, constituído por pesquisas documentais, bibliográficas e pela metodologia Delphi. Foi elaborado um instrumento com 10 orientações que compõe a proposta do “Selo de Certificação Cantina Saudável”, subsidiado pela publicação do Guia Alimentar para a população Brasileira, do Ministério da Saúde. O instrumento foi submetido a um painel de especialistas (nutricionistas) com experiência em alimentação escolar de diferentes estados do país, para análise e consenso por meio da metodologia Delphi. Participaram da primeira rodada do consenso 37 painelistas de diferentes regiões do país e 30 na segunda rodada (81%). A maior parte dos participantes é do sexo feminino e da região Sudeste (35,1%). A avaliação geral da proposta obteve resultados positivos quanto a sua pertinência, com resultados acima de 70% para todas as questões. As sugestões mais expressivas dos painelistas versaram sobre os percentuais de alimentos processados e ultraprocessados permitidos para serem comercializados nas cantinas, a presença de nutricionista no Conselho da Cantina Escolar Saudável, incentivo às ações de Educação Alimentar e Nutricional e contribuíram para aprimorar o instrumento. Espera-se que o Selo de Certificação possa incentivar a adesão das escolas, contribuir para o aumento da Promoção da Alimentação Adequada e Saudável e garantir a Segurança Alimentar e Nutricional de crianças e adolescentes brasileiros, estendendo-se a todo o público escolar.


2018
Descrição
  • BRUNA PINHEIRO ARAGÃO
  • PITAYA (HYLOCEREUS POLYRHIZUS): CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA, ATIVIDADE ANTIOXIDANTE IN VITRO E EFEITO HEPATOPROTETOR EM MODELO ANIMAL
  • Orientador : ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
  • Data: 30/11/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • É de conhecimento notório que frutas estão associadas à redução do risco de morbidade e mortalidade causadas por doenças crônicas não transmissíveis, como câncer, doenças inflamatórias, cardiovasculares, entre outras, visto que tais benefícios podem ser atribuídos principalmente à presença de fitoquímicos com propriedades antioxidantes, dentre os vários se tem os polifenóis. Apesar deste conhecimento várias frutas, ditas nativas, exóticas ou regionais, ainda foram pouco exploradas, a exemplo a pitaya. Tanto a produção quanto o consumo no Brasil ainda é reduzida, e em particular, no Ceará, o cultivo encontra-se em ascensão. Assim, com o intuito de se obter um maior conhecimento de propriedades e dos benefícios desta fruta, este projeto tem por objetivo caracterizar quimicamente compostos bioativos, em especial substâncias fenólicas, e avaliar o potencial antioxidante in vitro e possível efeito hepatoprotetor de extrato da pitaya (Hylocereus polyrhizus) frente ao modelo in vivo de indução da hepatotoxicidade por tetracloreto.

  • NAYARA BISPO MACÊDO
  • PIMENTA ROSA (Schinus terebinthifolius Raddi): COMPOSTOS PRESENTES NOS FRUTOS E SUAS ATIVIDADES ANTIOXIDANTE E ANTI-INFLAMATÓRIA
  • Orientador : ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
  • Data: 10/10/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Schinus terebinthifolius Raddi, popularmente conhecida como pimenta brasileira ou pimenta rosa, é comumente utilizada para fins medicinais e apresenta importante potencial econômico e gastronômico para a população brasileira, além de ser amplamente utilizada na culinária francesa, no Peru e Chile. Estudos recentes demonstram que o consumo de especiarias pode contribuir para a redução do risco de doenças crônicas, e esta proteção está associada principalmente às propriedades antioxidante e anti-inflamatória. Assim, nós hipotetizamos que o fruto da S. terebinthifolius possui compostos bioativos que podem retardar ou suprimir o estresse oxidativo e consequentemente, regular o estado redox de tecidos, além de atenuar a inflamação, que é um processo relacionado a várias doenças. Desse modo, objetivou-se realizar uma revisão bibliográfica acerca dos compostos bioativos encontrado na S. terebinthifolius e seus potenciais benefícios para a saúde, além de identificar e quantificar os compostos presentes no fruto da S. terebinthifolius, nos extratos e óleo essencial, além de avaliar as capacidades antioxidante e anti-inflamatória. A primeira etapa do trabalho consistiu em uma revisão da literatura de estudos da espécie S. terebinthifolius publicadas em Embase, PubMed, Scopus e Web of Science desde o início até julho de 2018. Na segunda etapa foi realizada a determinação do teor de compostos fenólicos e flavonoides totais nos extratos aquoso e etanólico e de terpenos no óleo essencial, por meio de análises colorimétricas e cromatográficas, bem como na avaliação da atividade antioxidante por diferentes métodos in vitro incluindo métodos baseados na captura de radicais orgânicos, capacidade redutora e na inibição da oxidação lipídica. Além disso, foi determinada a atividade anti-inflamatória em modelo de edema de orelha, através da análise da atividade de mieloperoxidase, concentração de IL-1β, FRAP e enzimas catalase e superóxido dismutase. Na revisão da literatura, foram identificados os compostos fenólicos e terpenos de diferentes partes da S. terebinthifolius e foram descritas suas principais atividades biológicas: antimicrobiana, cicatrizante, anti-inflamatória e antioxidante. Em relação à atividade antioxidante, os resultados indicam boa atividade de captura de radicais livres em ambos extratos, sendo que o extrato etanólico mostrou melhor atividade de captura do radical ABTS. Foi observada boa atividade redutora, principalmente do extrato aquoso, e proteção contra oxidação lipídica de ambos extratos. Esta atividade pode estar associada ao conteúdo dos ácidos gálico e cafeico e dos flavonoides naringenina e quercetina. Já no óleo essencial os compostos γ-3-careno, α-felandreno, β-felandreno, α-pineno e elemol representam mais de 80% dos compostos encontrados e foi observada atividade antioxidante pela captura de radicais livres e pelo potencial de redução. Além disso, foi visto que o extrato etanólico diminuiu o edema de orelha via mecanismo anti-inflamatório de redução da atividade da mieloperoxidase. Desse modo, a avaliação dos compostos presentes no fruto de S. terebinthifolius indicam que esta pimenta pode representar uma fonte de compostos com importante atividade biológica e assim, deve ser melhor explorada e compreendida, reforçando o papel que as ervas e especiarias tem na culinária e seus possíveis benefícios à saúde.

  • TATIANA CANUTO SILVA
  • PERCEPÇÃO DE FAMÍLIAS DO AGRESTE BRASILEIRO SOBRE OS EFEITOS DE EQUIPAMENTOS HÍDRICOS EM SUAS VIDAS
  • Orientador : ANDHRESSA ARAUJO FAGUNDES
  • Data: 10/09/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • As condições de Segurança Alimentar e Nutricional de uma população estão intimamente relacionadas com o acesso à água. A região do agreste nordestino é que mais sofre por essa falta de acesso e disponibilidade, interferindo diretamente na produção de alimentos. Pesquisas têm mostrado que políticas promotoras de acessibilidade a esse bem influenciam positivamente as condições de vida das famílias beneficiárias, e que a Insegurança Alimentar e Nutricional é mais presente no meio rural quando comparado ao meio urbano, sendo necessário o uso de diferentes métodos de investigação para uma completa avaliação. Não existem, no entanto, pesquisas sobre a percepção dos beneficiários dos programas sociais. Dessa forma, esse estudo teve como objetivo conhecer a percepção dos agricultores beneficiários das Cisternas Calçadão sobre o impacto desses equipamentos hídricos em suas vidas, com enfoque na situação de Segurança Alimentar e Nutricional do domicílio. Foi realizado um estudo transversal descritivo, de caráter qualiquantitativo, com famílias de dois municípios do semiárido alagoano: Igaci-AL e Craíbas-AL. A amostra dos domicílios foi realizada por conveniência, considerando parâmetros recomendados pela Embrapa, sendo critério de inclusão ser beneficiário da Cisterna Calçadão. Foi critério de exclusão não assinar o termo de consentimento e/ou não ter interesse em participar das duas fases da pesquisa. Na primeira fase foi aplicado um questionário socioeconômico, além de coleta de informações sobre o plantio, o uso das cisternas e avaliação de saúde. O estado nutricional foi avaliado por meio da coleta do peso e da estatura e circunferência da cintura. O diagnóstico foi realizado utilizando os pontos de corte preconizados pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), do Ministério da Saúde. Foram utilizados os formulários de marcadores de consumo alimentar, também parte do protocolo do Sisvan. Na segunda fase, de caráter qualitativo, foram realizados três grupos focais objetivando conhecer a percepção dos chefes de família (informações em análise). Este estudo compõe um estudo mais amplo conduzido pela Embrapa, e foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe. Foram avaliadas 64 pessoas de 29 famílias. O estudo mostrou uma elevada prevalência de sobrepeso e risco elevado para doenças cardiovasculares, além da reduzida ingestão de frutas. Os resultados analisados até o momento revelaram baixa renda das famílias, além de baixa escolaridade dos seus chefes. As cisternas caracterizaram-se como principal fonte de abastecimento de água, com deficiente tratamento e a plantação na roça como principal atividade exercida. Diante da análise das informações foi observado que a Insegurança Alimentar e Nutricional é problema presente nessas famílias. Mesmo diante desse quadro pode-se destacar percepção positiva por parte das famílias sobre aspectos produtivos após a implantação das cisternas que contribuem para a SAN, tal como a diversificação alimentar e a melhoria da alimentação.

  • LAYANNE NASCIMENTO FRAGA
  • COMPOSTOS BIOATIVOS, CAPACIDADE ANTIOXIDANTE, E CITOTOXIDADE DA CASCA E POLPA DA PITOMBA (Talisia esculenta ST. HIL. Radlk).
  • Orientador : IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
  • Data: 31/07/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • A pitomba (Talisia esculenta (St. Hil.) Raldk), pertencente à famíliaSapindaceae, é um fruto nativo do Brasil, de comum ocorrência do norte ao nordeste dopaís, seus frutos são bastante apreciados por sua polpa ter uma sabor ácido e ao mesmotempo doce, mas existe uma grande escassez de estudos que tratem de sua composição ebenefícios a saúde. O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão sistemática daliteratura sobre a pitomba, determinar a composição físico-química, compostosbioativos e atividade antioxidante da casca e polpa da pitomba. Foram determinados orendimento, a caracterização físico-química, o teor de minerais, compostos bioativos(vitamina C, carotenoides, flavonoides e compostos fenólicos), a atividade antioxidantepor seis diferentes métodos e foi feita análise química por Espectrometria de massa(Orbitrap exactive plus) da casca e polpa da pitomba. A casca apresentou elevadorendimento (44,60% do fruto) em relação a polpa. Notou-se na polpa quantidadeconsiderável de vitamina C (200,68±2,93 mg/100g de amostra fresca) e carotenoides(43,56±2,04 µg/ mL do extrato), enquanto a casca apresentou elevado teor de minerais,principalmente o potássio, o cálcio e magnésio. O teor de compostos fenólicos eflavonoides foi superior no extrato etanólico da casca em relação a polpa. Quanto aatividade antioxidante a casca apresentou atividade antioxidante superior a polpa nosmétodos de varredura do radical 2,2-difenil-1-picrilhidrazil (DPPH), inibição do radicalácido 2,2&#39;-azino-bis(3-etilbenzotiazolina-6-sulfónico)(ABTS), capacidade redutora doferro (FRAP), co-oxidação do β-caroteno/ácido linoleico e casca e polpa tiveramatividade semelhantes o método redução do óxido nítrico (NO) e inibição dassubstâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARs), foram identificados pela análisede espectrometria de massa no extrato etanólico da casca de pitomba a rutina e noextrato etanólico da polpa o ácido cítrico. Vê-se que a pitomba é um fruto com potencialnutritivo e antioxidante. O conhecimento desses constituintes agrega valor ao fruto, poispossibilita um melhor aproveitamento deste, tendo em vista que a casca é descartada eapenas a sua polpa é consumida.

  • BRUNA NABUCO FREIRE SIQUEIRA
  • DIFICULDADE ALIMENTAR EM PRÉ-ESCOLARES
  • Orientador : DANIELLE GOES DA SILVA
  • Data: 27/07/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Introdução: A dificuldade alimentar na infância é caracterizada pelo forte desinteresse a determinados alimentos. É um comportamento comumente encontrado em pré-escolares e uma importante causa da monotonia alimentar. Casos de maior gravidade podem persistir além da idade pré-escolar e acarretar em prejuízos ao crescimento e a saúde infantil.

    Objetivo: Investigar a dificuldade alimentar entre pré-escolares e fatores associados.

    Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional de caráter transversal realizado com pais e crianças de 4 a 6 anos matriculadas em escolas de educação infantil privadas e filantrópicas do munícipio de Aracaju-Sergipe. Aplicou-se questionário semiestruturado para avaliar as condições socioeconômicos, clínicas e aspectos relacionados ao comportamento alimentar infantil. A dificuldade alimentar foi avaliada por meio de uma pergunta específica (“Seu filho tem dificuldade para comer certos tipos de alimentos?”) e por um questionário estruturado baseado nas sub escalas de desinteresse pela comida do Child Eating Behaviour Questionnaire (CEBQ): seletividade, resposta a saciedade, ingestão lenta e subingestão emocional. Para avaliar as práticas alimentares parentais aplicou-se 5 sub escalas do Comprehensive Feeding Practices Questionnaire (CFPQ). O estado nutricional das crianças foi avaliado pelo índice IMC para idade. Modelos de regressão logística e linear foram realizados para avaliar as associações dos fatores associados com a dificuldade alimentar.

    Resultados: Participaram do estudo 730 crianças, 50,3% do sexo feminino e média de idade de 62,3 (8,1) meses. A prevalência da dificuldade alimentar pela pergunta específica foi de 34,1%. Essas crianças apresentaram recusa a todos alimentos/grupos alimentares avaliados, exceto pão. Os fatores associados a dificuldade alimentar foram: menores escores z de IMC para idade, pais com história de dificuldade alimentar, maior frequência de exposição repetida à alimentos novos, uso de recompensas pelos pais, maior controle das crianças sobre a alimentação e pouca orientação do pais sobre alimentação saudável. Dentre os diferentes desfechos do desinteresse pela comida, a maior pressão para comer dos pais esteve associada positiva a todos, enquanto que o maior IMC para idade (escore z) da criança teve associação inversa. Crianças que tinham maior controle sob a alimentação apresentaram maior seletividade, resposta à saciedade e subingestão emocional. O perfil socioeconômico representado pela escolaridade materna e o tipo de escola foram associados a maior subingestão emocional e maior seletividade, respectivamente.

    Conclusão: A dificuldade alimentar é uma queixa muito frequente entre pais de pré-escolares brasileiros. Evidencia-se a importância da promoção de um ambiente familiar saudável e adoção de práticas alimentares menos coercitivas como estratégia para enfrentar as dificuldades alimentares na infância.

  • JAMYLLE ARAUJO ALMEIDA
  • EFEITO DA DIETA HIPERPROTEICA ASSOCIADA AO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE MARCADORES INFLAMATÓRIOS EM MULHERES PÓS-MENOPAUSA.
  • Orientador : RAQUEL SIMOES MENDES NETTO
  • Data: 18/07/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Mulheres em pós-menopausa são predispostas às doenças devido as alterações sofridas no climatério e no processo de envelhecimento, dentre elas, o aumento de citocinas pró-inflamatórias, o ganho de gordura e a redução da massa magra. O presente estudo teve por objetivo avaliar os efeitos da dieta hiperproteica associada ao exercício físico sobre os marcadores inflamatórios e na composição corporal de mulheres em pós-menopausa. O estudo é do tipo clínico, randomizado e controlado com duração de 12 semanas. A amostra foi randomizada segundo o tipo de treino a ser realizado (Funcional, Tradicional e Alongamento) e todas receberam um plano alimentar hiperproteico (de 1,3 a 1,6 g-1 • Kg-1 • d-1), através de alimentos fontes de proteína. A ingestão mínima de 1,2 g-1 • Kg-1 • d-1 foi considerada adesão à prescrição dietética. Fatores socioeconômicos e de estilo de vida foram analisados como possíveis fatores associados a adesão dietética. Para análise dietética foram coletados oito recordatórios de 24 horas por participante e tabulados no software NDSR. Através do multiple source method(MSM) foi calculado a ingestão dietética habitual. No início e fim do programa foi aferido medidas antropométricas e coletado o sangue para quantificação de C reativa (CRP), TNF-α, IL-6, IL-10 e IL-18. Foram utilizados os testes T pareado e Wilcoxon, a regressão logística múltipla e a análise de variância ANOVA one-way. Apesar do aumento significativo na ingestão proteica foi identificado que apenas 38,2% atingiram a prescrição proteica desejada, alocadas no grupo hiperproteico. O IMC esteve inversamente associado a chance de adesão (OR=0,039, IC95%= 0,006-0,249). Não houve modificação da composição corporal e dos marcadores da inflamação ao término do programa para ambos os grupos (Normo e hiperproteico). As mulheres que começaram o programa com valores mais baixos de TNF-α mostraram perda significativa de peso (p=0,017), IMC (p= 0,049), gordura total (p=0,049) e do tronco (p=0,037). Houve baixa adesão à prescrição de dieta hiperproteica através de alimentos fontes entre mulheres em pós-menopausa. Considerar a ingestão de nutrientes e não apenas a prescrição em ensaios clínicos na área da nutrição é fundamental para a delimitação fidedigna dos grupos de comparação. A dieta hiperproteica não promoveu modificação diferenciada na composição corporal e nos biomarcadores da inflamação. A maior concentração de TNF-α pode ter dificultado a perda de gordura.

  • ADRIANA CORREIA DOS SANTOS
  • DIAGNÓSTICO SITUACIONAL E PROPOSIÇÃO DE MODELO TEÓRICO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL EM SÃO CRISTÓVÃO, SERGIPE
  • Orientador : SILVIA MARIA VOCI
  • Data: 03/07/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (SISAN) é uma importante ferramenta de articulação intersetorial e participação social, que visa à estruturação de políticas e planos de Segurança Alimentar e Nutricional. O presente estudo tem como objetivo diagnosticar a situação de Segurança Alimentar e Nutricional e as estruturas de participação social e gestão do município de São Cristóvão, Sergipe, para a proposição de um modelo teórico de implementação do Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional. Será realizado um estudo com delineamento transversal, do tipo observacional com técnicas de investigação qualitativa e quantitativa. Serão analisadas informações sociodemográficas, de saúde, de infraestrutura e equipamentos públicos disponíveis para caracterização da segurança alimentar e nutricional da população do município. Também serão levantadas informações sobre a existência das estruturas necessárias à implementação do SISAN, tais como a participação social organizada na forma de conselhos, a realização de conferências de SAN, a câmara intersetorial de SAN, normatividades, ações e programas voltados ao tema. Para o entendimento das potencialidades e dificuldades existentes para a implementação do SISAN, serão entrevistados os gestores municipais e o presidente do Conselho Municipal de SAN. A análise dos dados qualitativos será elaborada por meio da metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo, utilizando o software Quali Quanti Soft. Para análises descritivas utilizando dados para caracterização do município e dos participantes do estudo (frequência, medidas de tendência central e dispersão) será utilizado o software IBM Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, versão 20, 2011, SPSS Inc., Chicago, Illinois EUA). O estudo será submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe e respeitará os preceitos éticos dispostos na resolução nº 510/2016 do Conselho Nacional de Saúde.

  • LAÍS PRISCILA CAVALCANTE FERREIRA
  • MICROENCAPSULAÇÃO DE EXTRATO DE BETERRABA PELO PROCESSO DE GELIFICAÇÃO IÔNICA
  • Orientador : ALESSANDRA ALMEIDA CASTRO PAGANI
  • Data: 01/03/2018
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Na ultima década, a beterraba tem atraído muita atenção como um alimento funcional, com importante efeito promotor de saúde. Estudos recentes têm fornecido evidências convincentes de que a ingestão de beterraba promove melhora de diversas patologias, como hipertensão, aterosclerose, diabetes tipo 2 e demência. A beterraba possui importantes compostos bioativos, destacando as betalaínas, as fibras e o nitrato. Diversos feitos benéficos à saúde humana têm sido associados a esses compostos, incluindo atividade antirradical; quimioprevenção a alguns tipos de câncer; ação anti-inflamatória; proteção contra o estresse oxidativo e doenças correlacionadas, como a obesidade; além de efeito vasoprotetor, redução da pressão arterial aguda e benefícios gastrointestinais. Diversos estudos têm demonstrado que a betalaína, mesmo em baixa concentração, apresenta importante ação antioxidante, inibindo a peroxiração lipídica e promovendo a proteção das células do sangue. Apesar da grande relevância nutricional a beterraba ainda não é popularmente consumida, pois apresenta um odor de terra que confere características indesejáveis e pode limitar seu uso. De fato, o desenvolvimento de produtos de beterraba é um grande desafio à indústria brasileira de alimentos. No entanto, a microencapsulação por gelificação iônica tem se mostrado uma técnica eficaz na obtenção de produtos palatáveis e nutritivos. Trata-se de uma técnica em que um composto bioativo é encapsulado por um biopolímero, formando pequenas cápsulas que podem liberar seu conteúdo em condições específicas e/ou taxas controladas, melhorando sua estabilidade. Alguns de seus objetivos consistem na possibilidade de separar materiais que reagem entre si, mascarar gosto de componentes amargos, proteger contra a luz, água, e calor, além de aumentar a vida útil e proteger compostos de valor nutricional. Dessa forma, torna-se possível ampliar as formas de consumo de frutas e hortaliças mantendo suas características naturais e agregando valor ao produto.

    Palavras-chave: beterraba, betalaína, micoencapsulação.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r18960-cc43e1a90e