A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Aceito
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2021
Descrição
  • JEOVANA OLIVEIRA
  • INFLUÊNCIA DO VALOR RELACIONAL NA COCRIAÇÃO DE VALOR DA REDE ATLANTICA HOTELS REGIÃO NORDESTE, DURANTE A CRISE DA COVID-19.
  • Orientador : ROSANGELA SARMENTO SILVA
  • Data: 29/10/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa verificou como os elementos formadores do valor relacional: compartilhamento, confiança e cooperação influenciam na cocriação de valor da rede Atlantica Hotels, no período da crise da Covid-19. Para isto alcançou-se os seguintes objetivos específicos: i) analisar como os aspectos relacionais influenciam a cocriação de valor na rede Atlantica Hotels, no período da crise da Covid-19; ii) identificar a cocriação de valor na rede Atlantica Hotels, no período da crise da Covid-19 a partir do modelo DART; iii) analisar de que forma os elementos formadores do valor relacional (compartilhamento, confiança e cooperação) influenciam na redução dos custos de transação da rede Atlantica Hotels no período da crise da Covid-19. Esta pesquisa tem abordagem qualitativa de cunho exploratório, do tipo estudo de caso. Para coleta dos resultados foi realizada observação participativa, levantamento de documentos da empresa e aplicado um questionário estruturado com 22 questões sendo 20 objetivas e 2 dissertativas. O questionário foi enviado para 234 gestores entre: diretores, gerentes e coordenadores, com retorno de 85 respondentes. Os dados foram analisados a luz da análise de conteúdo proposta por Bardin (2016), estabelecendo um diálogo com a literatura pertinente. Para validação das respostas, considerou-se o percentual de escolha das perguntas objetivas, cruzando as informações entre perguntas e registros da observação participativa (STAKE, 2005). As respostas dissertativas, foram tabeladas e associadas a ideias principais, com base nos elementos estudados (diálogo, acesso, risco, transparência, compartilhamento, confiança e cooperação). Concluiu-se que há nas ações de compartilhamento da rede a presença dos construtos cooperação e confiança, como também dos elementos do modelo DART: diálogo, acesso, risco e transparência, o que resultou na redução dos custos de transação dos hotéis. Registra-se que o compartilhamento de ideias e recursos foi seguido de atitudes colaborativas entre as unidades, num ambiente de confiança. Esta atuação colabora no estreitamento das relações e contribuem no processo cocriativo, em que benefícios mútuos são percebidos. Através dos resultados foi possível analisar como os aspectos relacionais influenciam na cocriação de valor da rede Atlantica Hotels. Visto que por meio destes aspectos, houve ampliação das informações, ideias em conjunto, ações em equipe e apoio de trabalho diante de um cenário crítico.

  • GLAUCO HENRIQUE CRUZ SANTOS
  • EMPREENDEDORISMO EM CENA: ASSOCIAÇÕES ENTRE NARRATIVAS AUDIOVISUAIS E COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR EM AMBIENTES EDUCACIONAIS
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 26/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O ensino do empreendedorismo é uma crescente em todo país, tendo em vista pesquisas Globais, como o Global Entrepreneurship Monitor (GEM) e Nacionais, como o SEBRAE. Antes e, principalmente, durante a pandemia da COVID-19, ocorreu uma aceleração na procura dos alunos de nível superior por essa disciplina, levando em conta o ensino transversal que agrega o seu uso a outras áreas de ensino. Buscando maneiras práticas de trabalhar os temas em ambientes educacionais, seja EAD, seja em sala de aula presencial, o presente estudo optou por explorar e analisar duas vertentes: o uso de narrativas audiovisuais como ferramenta pedagógica e a escolha pelas Competências Empreendedoras como objeto de estudo. Com isso, a pesquisa tem o objetivo de compreender como associações entre narrativas audiovisuais e as competências do Empreendedor podem contribuir para o ensino e aprendizagem de uma disciplina de Empreendedorismo. Com base numa seleção intencional e intuitiva, foram selecionados cinco produtos audiovisuais com gêneros variados e que possuem o empreendedorismo de maneira objetiva e/ou subjetiva. As análises foram feitas utilizando-se de recursos como analogias, metáforas e alusões, para que criar associações entre a narrativa audiovisual de cada produto e as Competências Empreendedoras estudadas. Fundamentada por critérios tanto para aplicação quanto para o desenvolvimento dessas análises, cada uma das narrativas foi detalhada, inclusive com sugestão de utilização em ambientes educacionais. Foi elaborado um plano de ensino para sugestão de uso de um desses produtos nesses ambientes. Conclui-se que a utilização da ferramenta cinema, embasada no modelo aplicado neste estudo e com a criatividade dos professores para a busca de novas narrativas, pode contribuir para uma solução diferenciada de ensino, diminuindo as resistências em relação à ferramenta, tanto por por parte dos professores quanto dos alunos e prezando pela visão de futuro, pelas dificuldades impostas pelas duas últimas gerações, Z e Alfa, que hoje formam o alicerce não só da educação, mas dos rumos da sociedade. Diante desta realidade, acredita-se que é necessário lançar um novo olhar para a educação/ensino/aprendizagem, por meio de revisões metodológicas que possam cooptar os alunos, captando sua atenção, induzindo suas reflexões e, principalmente, contribuindo para uma aprendizagem experiencial favorável ao seu desenvolvimento mental, social e profissional.

  • GERLIS DE SOUZA BRITO
  • Um Estudo Sobre a Eficiência Organizacional na Rede de Cooperação Formada Pelo Sindicato dos Cabeleireiros e Similares Autônomos do Estado de Sergipe.
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 25/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As mudanças sociais, culturais, tecnológicas, e sobretudo na forma de relacionamentos de trabalho, tem fomentado a construção de novos modos de exercer atividades laborais e criado uma interação dinâmica que surge em forma de redes de cooperação. O significado de trabalhar em redes de conexão traduz a ideia de pessoas se conectando com pessoas, interligando recursos e habilidades para colaborarem em objetivos comuns e obterem por meio da colaboração em rede, resultados satisfatórios para todos. O setor de beleza se integra por meio de conexões em rede de relacionamentos e se traduz em um empreendedorismo que se mostra dinâmico e de escala abrangente, pois permeia todos os estratos sociais. Os empreendedores deste setor associados a um sindicato de classe, buscam o respaldo institucional que permite-lhes desenvolver suas atividades dentro de um ambiente de integração que é proporcionado por uma rede de cooperação. Ao combinar empreendedorismo, associativismo e redes de cooperação, estes empreendedores podem alcançar desempenho econômico e aumento de relações sociais que antes eram limitados ou inexistiam pela falta de recursos estratégicos adequados para associar estes elementos. Com o propósito de contribuir com os estudos na área de redes de cooperação, esta pesquisa objetiva analisar como se comportam as relações sociais e econômicas de organizações de empreendedores do setor de beleza vinculados ao SINDICAB - Sindicato dos Cabeleireiros e Similares Autônomos do Estado de Sergipe, conectados em uma rede de cooperação. A metodologia utilizada neste estudo possui natureza qualitativa e é do tipo exploratória e descritiva. Os dados foram coletados das unidades de análise pertencentes às classes de empreendedores vinculados ao SINDICAB, por intermédio de entrevista semiestruturada e dados secundários coletados em documentos do sindicato, mídias, sites, revistas e redes sociais disponíveis para pesquisa. Para análise criteriosa do material coletado, utilizou-se a técnica de análise de conteúdo com três fases já estabelecidas: pré-análise; a exploração do material; e o tratamento dos resultados, a inferência e a interpretação (BARDIN, 2011). Os dados foram tratados observando-se a classificação definida pelas categorias de análise. As categorias de elementos de análise são: as características dos perfis do empreendedor e da organização; os relacionamentos de cooperação entre os empreendedores vinculados ao sindicato; as relações sociais presentes nas ações conjuntas entre os empreendedores vinculados ao sindicato; a ocorrência dos fatores competitivos indicados na teoria de redes. Como resultados conclusivos pode-se afirmar que os benefícios individuais e coletivos construídos no interior da rede de cooperação sindical, são baseados sobretudo nas relações sociais desenvolvidas e na possibilidade que os seus membros adquirem de manterem-se atualizados nos saberes e práticas que são fundamentais para o exercício das suas profissões e gestão dos seus negócios. A eficiência organizacional da rede pôde ser comprovada pelos ganhos competitivos auferidos por seus participantes em suas ações individuais e conjuntas.

  • FELIPE BORGES DE SANTANA
  • OS IMPACTOS DAS VIRADAS CONTÁBEIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL CONTÁBIL NA UFS/ARACAJU
  • Orientador : MANUELA RAMOS DA SILVA
  • Data: 25/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A contabilidade é uma ciência social aplicada, sendo conceituadamente afetada pelasmudanças ocorridas no ambiente. Dentro dessa conjuntura de transformação, odesenvolvimento da contabilidade sofre com as transformações da sociedade, e deve ter seuensino focado no aspecto mutável que a ciência traz consigo (VASCONCELOS, 2009). Nestapesquisa, objetiva-se avaliar como as mudanças causadas na sociedade impactaram nasdemandas ao profissional contábil e, consequentemente, ao seu processo de formação,buscando auxiliar na robustez formativa de uma ciência tão ampla como a contabilidade. Paratanto, optou-se por avaliar o processo de formação do profissional contábil, a partir das trêsmudanças que impactaram as ciências contábeis, metaforicamente denominadas de “viradas”(MORGAN, 2006). As três viradas avaliadas nesta pesquisa foram: virada linguística, viradahistórica e virada organizacional. Quanto aos procedimentos metodológicos, o estudo tevenatureza qualitativa, paradigma interpretativista, aportando-se no interacionismo simbólicocomo método e nos pressupostos epistemológicos e ontológicos. Os sujeitos que auxiliaramno caminho desta pesquisa foram os discentes do curso de contabilidade da UFS, os docentesdo curso de contabilidade da UFS e a coordenação pedagógica do referido curso, os quaisforam entrevistados por meio da técnica de pesquisa de entrevista qualitativa baseada emroteiro. Como técnica de análise dos dados, foi selecionada a análise temática, por ser ummétodo usado para identificar, analisar e relatar padrões (temas) dentro dos dados, e tambémpor descrever minimamente seu conjunto de dados em detalhes (BRAUN; CLARKE, 2006).Apoiado na análise temática, os temas e subtemas imergiram do campo e foram elencadosconforme as viradas. A virada linguística teve como temas as competências profissionais e arelação teoria e prática; a virada histórica teve como temas as inovações da internacionalidadee a convergência do ensino / aprendizagem; e a virada organizacional teve como temas osimpactos tecnológicos na formação, a contabilidade 4.0 e a inteligência artificial. Com aanálise destes temas, imergiu do campo que em cada virada havia um impacto na formaçãocontábil (a ênfase das competências na formação contábil, a ascensão da formação contábilinterpretativa e a queda do contador mecânico), demonstrando que as três viradas convergemem dois eixos: 1) propensão do contador mais técnico e mecânico para o contador maisinterpretativo e gerencial; e 2) considerar à proporcionalidade dada entre teoria e prática naformação contábil. Contribuindo, por fim, na perspectiva de que a formação contábil apresentou impactos advindos das viradas no curso de ciências contábeis, e que há uma mudança no perfil profissional contábil, de um perfil contábil mais mecânico para um contador gerencial, e que este processo de convergência exige de novas perspectivas no processo de formação do bacharel em ciências contábeis.

  • EÚDE DO AMOR CORNÉLIO
  • O TRABALHO IDENTITÁRIO NA RESILIÊNCIA DO EMPREENDEDOR SOCIAL: UMA ANÁLISE MULTICASOS
  • Orientador : RÚBIA OLIVEIRA CORRÊA
  • Data: 23/04/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Ao passo em que o capitalismo pós-moderno emerge com novas tecnologias de informação, comunicação e inegáveis avanços, também traz consigo graves retrocessos sociais contemporâneos. Assim, a figura do empreendedor social constitui-se como alternativa viável na identificação e enfrentamento dos desequilíbrios resultantes desse processo. Por meio do seu trabalho identitário, exercendo papel central no desempenho das suas organizações, o empreendedor social é motivado e compreende a si próprio, ao tempo que gerencia obstáculos e demandas ambíguas inerentes ao seu ramo de atuação. Nesta pesquisa, objetivou-se compreender como as identidades dos empreendedores sociais se articulam para desenvolver gestores resilientes no contexto caracterizado por adversidades no estado de Sergipe. Assim, este estudo, de forma embrionária, trata o tema Empreendedorismo Social (ES) sob a ótica das identidades pessoal, social e organizacional. Metodologicamente, tem-se aqui uma pesquisa de natureza qualitativa, exploratória e de corte transversal. O Estudo de Casos Múltiplos foi adotado como estratégia de pesquisa e, como fontes de evidências, tem-se: a análise documental, notas de campo e entrevistas semiestruturadas. Os dados foram tratados a partir do método da Análise da Narrativa. Com esse estudo foi possível detectar que a incapacidade do mercado e seus vazios institucionais na formação do tecido social propicia a situação de criação dos empreendimentos sociais, que desafiam os riscos inerentes a atividade social pela resiliência encontrada nos empreendedores sociais. As identidades, por serem parte de uma formação cognitiva, possuem a capacidade de projetar a forma de atuação do indivíduo e possibilita o surgimento de novas soluções criativas, auxiliando os empreendedores sociais na superação do conflito individual destes e desenvolvendo em si mesmos a resiliência necessária para permanecer com o empreendimento em atividade. Como contribuições deste estudo, é possível destacar o fomento da discussão da relação entre identidades e o ES, a explicação de como e por que os empreendedores sociais perseveram em seus esforços e o fornecimento de subsídios que auxiliam a compreensão do comportamento do empreendedor social em situações de criação e manutenção de empreendimentos sociais.

  • DARLANE AMORIM VIEIRA
  • O AUTOEMPREENDEDORISMO INFORMAL E A INSERÇÃO SOCIAL DE JOVENS PELO TRABALHO
  • Orientador : RÚBIA OLIVEIRA CORRÊA
  • Data: 19/04/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As transformações no mundo do trabalho, ocorridas principalmente a partir da década de 90 com a implantação da política neoliberal no Brasil, ocasionaram diversas consequências para os trabalhadores. O discurso da liberdade de mercado, da flexibilização produtiva do trabalho e da redução do Estado, desencadearam um ambiente laboral instável e incerto, marcado pelo desassalariamento, altos níveis de desemprego e desestruturação do mercado de trabalho. Esse cenário foi propício para o fortalecimento do empreendedorismo e da informalidade no país, como solução para o contingente de desempregados. Como consequência do mercado de trabalho formal pouco favorável, surgiu uma forma individual de inserção pelo trabalho,denominada por alguns autores, como Rosenfield (2015), de autoempreendedorismo. Esse modo de inserção no mercado atrai principalmente os jovens que veem nessa alternativa uma forma de obtenção de renda. Nessa perspectiva, a presente pesquisa buscou compreender como ocorre a inserção dos jovens no mercado de trabalho, por meio do autoempreendedorismo informal, na cidade de Aracaju-SE. Quanto aos procedimentos metodológicos, a abordagem foi de natureza qualitativa, descritiva e exploratória. A estratégiade pesquisa utilizada foi o método biográfico, mediante análise da história de vida de cinco jovens cujos dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade, observação não-participante e anotações do diário de campo. A análise de conteúdo foi a técnica escolhida para tratamento e análise dos dados. Os resultados mostram que oautoempreendedorismo informal jovem, aqui analisado, ocorreu em sua maioria por necessidade, devido às condições socioeconômicas, como baixa escolaridade e desemprego, e também pelo desejo de autonomia e independência no trabalho. Os jovens entrevistados demonstram satisfação no trabalho autoempreendedor e otimismo em relação ao futuro, mesmo com as características de precariedade identificadas e dificuldades relatadas. Os entrevistados desconhecem as políticas públicas de formalização de empresas e não demonstram interesse no assunto no momento. No período da pandemia provocada pelo Coronavírus, os jovens sofreram o impacto negativo do isolamento social inicialmente, mas em seguida utilizaram o valor do auxílio emergencial concedido pelo Governo Federal para incrementar o atual negócio ou investir em novos. Nesse sentindo, constatou-se o uso intensivo de redes sociais digitais, como Whastsapp e Instagram, como ferramentas essenciais de comunicação, divulgação e vendas dos produtos e/ou serviços, assim como a entrega das mercadorias pelo serviço de delivery. Esse tipo de inserção no mercado demonstrou que, apesar do autoempreendedorismo ser percebido pelo jovem como um elemento importante para sua autonomia e satisfação, nem sempre significa um fator positivo quanto à posição social, cultural e econômica desses trabalhadores. Como contribuição, os resultados gerados nesta dissertação podem orientar novas pesquisas sobre o autoempreendedorismo jovem, no contexto da informalidade, e direcionar na formulação de políticas públicas para orientação e capacitação desses indivíduos, visando boas condições de trabalho e sustentabilidade dos seus negócios.

  • RODRIGO GARCIA DUARTE
  • BANK AS A PLATFORM (BaaP): PROPOSIÇÃO DE UM FRAMEWORK ANALÍTICO PARA MODELOS DE NEGÓCIOS EM PLATAFORMA NOS BANCOS DIGITAIS BRASILEIROS
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 25/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O panorama de transformação digital revelou modelos de negócios que são fundamentadosnas possibilidades trazidas pela evolução de tecnologias digitais, tal como o modelo denegócios em plataforma que progrediu no contexto de tais transformações (GREER, 2017),sendo utilizado por grandes organizações como Amazon e Uber, além de atingir diferentescampos organizacionais, incluindo os bancos que, ao se constituírem como bancos digitais,passaram a utilizar elementos do modelo de negócio em plataforma. O presente trabalhopropõe um framework com base nos elementos e funcionamento dos modelos de negócio dosbancos digitais no Brasil, fundamentados em Parker, Alstyne e Choudary (2018). Dessemodo, por meio de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva, adotou-se a estratégiado estudo de casos múltiplos, com a seleção de três casos representativos do fenômeno, eposteriores análises individuais e comparativas dos bancos digitais brasileiros. Olevantamento teórico e a pesquisa documental traduziram as ocorrências e revelaram asespecificidades dos casos investigados, encontrando aderência deles aos elementos do modelode negócio em plataforma para - os efeitos de rede, a arquitetura, a disrupção, a monetização ea estratégia de lançamento. Como resultado das análises, o framework contempla osambientes de influência que são drivers do cenário da transformação digital bancária: osambientes tecnológico, financeiro, regulatório e competitivo. Além de fundamentar os novoshábitos de consumo e uso de tecnologia pelos indivíduos, contribuindo para o entendimentodo funcionamento de um modelo que provocou as alterações mais significativas já produzidasno formato dos bancos, na qual impactou a relação de indivíduos e organizações com a ofertae demanda por produtos e serviços financeiros.

  • JÉRSICA FLORINDO DE ARAÚJO BARROS
  •  DIMENSÕES DA QUALIDADE ELETRÔNICA PARA A SATISFAÇÃO: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DE USUÁRIOS DE SERVIÇOS NO SEGMENTO DO ENTRETENIMENTO
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 19/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo teve como objetivo verificar o impacto de dimensões da qualidadeeletrônica (usabilidade, utilidade e hedonicidade) na satisfação de usuários de serviçosde streaming de vídeo online no segmento do entretenimento. Esse intento sefundamentou no fato de que boa parte dos modelos de qualidade eletrônica construídosinferiram maior influência de usabilidade e utilidade da qualidade como estímulo para asatisfação dos clientes, utilizando especialmente situações no contexto de compras emgeral. No entanto, a literatura sobre a temática tem considerado com mais atençãotambém a importância de aspectos relacionados à dimensão hedônica da qualidade,inclusive noutros segmentos de contexto e-service. Diante desse cenário, a manutençãoda qualidade do serviço prestado no ambiente online torna-se uma das preocupaçõesestabelecidas entre os indivíduos e as empresas, pois, para os primeiros proporcionaexperiência mais personalizada e excelente, e para o segundo, proporciona verdadeiravantagem e diferencial competitivo. Assim, a presente pesquisa buscou verificar comoas dimensões da qualidade do serviço eletrônico (e-SQ) impactam a satisfação deusuários de serviços de streaming de vídeo online no segmento do entretenimento.Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa caracterizou-se como descritiva,correlacional e de natureza quantitativa. A estratégia utilizada foi a aplicação dequestionário estruturado para um estudo do tipo survey. E, para o tratamento e análisedos dados, a técnica adotada foi a Modelagem de Equações Estruturais (MEE) via PLS.Os resultados da pesquisa revelaram que a satisfação de usuários de serviços destreaming de vídeo online no segmento do entretenimento é fortemente impactada pelapercepção de qualidade hedônica, seguida, em menor proporção, pela percepção deutilidade.

  • JAILSON RODRIGUES PEREIRA
  • ESTUDO DOS FLUXOS DE CONHECIEMNTOS NA GESTÃO DO CAMPUS DO SERTÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 19/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com a ascensão do conhecimento à condição de ativo mais importante para as organizações no tocante à consecução de seus objetivos, ao enfrentamento e adaptação às transformações trazidas pelos novos tempos, torou-se imprescindível entender como esse ativo intangível flui no ambiente organizacional. Capazes de transmitirem know-how, experiências e habilidades, capitalizando novas oportunidades e inovações, os fluxos de conhecimentos no seio das organizações carecem de análise e entendimento para que possam ser gerenciados a fim proverem tais benefícios. Nesse contexto, esta pesquisa objetivou descrever os fluxos de conhecimentos relativos às atividades administrativas do Campus do Sertão da Universidade Federal de Alagoas, um campus universitário fora de sede localizado na cidade de Delmiro Gouveia. Para o logro desta pesquisa, adotou-se uma metodologia de caráter exploratório e descritivo com abordagem quantitativa. Assumindo-se como um levantamento do tipo censo, este estudo, que pesquisou uma população de 47 servidores, utilizou, como instrumento de coleta de dados, um questionário estruturado autoaplicável online, cujos dados coletados pelos mesmos foram analisados por meio de estatística descritiva, valendo-se de médias aritmética e ponderada e distribuição de frequências relativas. Os resultados constataram que os fluxos de conhecimentos da organização estudada compõem-se majoritariamente por conhecimentos explícitos; fluxos correntes entre membros de departamentos ocorrem sempre, enquanto fluxos entre departamentos e entre esses e suas instâncias superiores, ocasionalmente; o ciclo de vida do conhecimento está atrelado a práticas não baseadas em TI; falhas de comunicação figuram-se como a principal barreira crítica; o clima organizacional favorável às interações pessoais mostraram-se como uma importante facilitador; os processos de Socialização e Internalização ocorrem de forma mais frequente, enquanto os processos de Combinação e Externalização, menos. Concluiu-se haver necessidade de iniciativas em Gestão do Conhecimento sobre determinados fatores para potencializar-se a efetividade dos fluxos, de forma a minimizar suas barreiras, valer-se do ambiente favorável e corrigir determinadas condutas.

  • ESDRAS ANTUNES DO NASCIMENTO
  • REDE DE COOPERAÇÃO: FORMAÇÃO, RELACIONAMENTOS INTERORGANIZACIONAIS E INFLUÊNCIAS NA ADOÇÃO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA (IG)
  • Orientador : ROSANGELA SARMENTO SILVA
  • Data: 18/02/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As redes de empresas constituem-se como novas formas organizacionais caracterizadas por relações de cooperação que possibilitam às empresas desenvolverem de forma rápida novos aprendizados, incrementando o seu poder de competitividade e, consequentemente, suscitando novas oportunidades de negócios. Nesse sentido, as pequenas e médias empresas têm se despertado para as vantagens competitivas oriundas desses novos tipos de configuração, a partir da soma de esforços provenientes das economias externas locais e das ações conjuntas dos atores, observando as situações e tendências verificadas no mercado, como as preferências dos consumidores por alimentos atrelados aos critérios de qualidade diferenciada e confiabilidade em detrimento de aspectos geográficos. A literatura evidencia que a formação de redes de cooperação é um processo que envolve o estabelecimento de relações altamente coordenadas, em um processo que envolve a participação ativa de múltiplos atores por meio das suas interações (socializações e mobilizações). Essas interações reproduzem valor para as relações sociais (parcerias consistentes), bem como estabelece níveis de centralidade (Degree), intermediação (Betweenness) e proximidade (Closeness) dos atores na rede, influenciando na realização de atividades conjuntas por objetivos comuns, como a busca pelo reconhecimento legal da indicação geográfica. Assim, a presente pesquisa teve por objetivo avaliar e caracterizar os aspectos organizacionais e interorganizacionais inerentes à rede de cooperação, evidenciando a influência desses aspectos no reconhecimento legal da indicação geográfica. Para tanto, o estudo fundamentou-se no método qualitativo de investigação ao compreender que as estratégias de cooperação em rede são construídas pela interação dinâmica de múltiplos atores através dos seus relacionamentos. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva sob o viés interpretativista. Quanto à estratégia de pesquisa, adotou-se o estudo de caso, conduzido por meio do protocolo de estudo de caso, com o estabelecimento de regras e procedimentos seguidos no trabalho de campo (critério de confiabilidade). As fontes de evidências foram coletadas por meio de três técnicas, a pesquisa documental, as observações diretas e as entrevistas semiestruturadas e por pauta, verificadas a partir do local onde acontecem as relações sociais, dos atores, dos eventos e dos processos (triangulação de dados). O método de tratamento dos dados foi aplicado a partir da análise de conteúdo (software Atlas.ti®), revelando as descrições, inferências e interpretações das comunicações coletadas, bem como por intermédio da análise descritiva das redes sociais (softwares Ucinet® e Netdraw®), indicando estatisticamente as interações entre atores sociais (nós, vínculos e fluxos) para fins de análise da densidade e centralidade da rede. Como resultado, observa-se que, apesar da percepção sobre a importância da atuação cooperativa, os pequenos negócios se esbarram no entendimento acerca da nova configuração organizacional em rede e no aprimoramento das relações sociais que propiciam o desenvolvimento de laços sociais fortes, tais como a confiança e o comprometimento. O baixo nível de interações entre os atores, restritas às articulações em reuniões e eventos específicos, por exemplo, proporcionam baixa densidade e centralidade na rede de cooperação estudada. Por fim, constata-se, a partir das evidências empíricas, uma reduzida influência dos aspectos da rede de cooperação do biscoito no reconhecimento legal da indicação geográfica pretendido pelos atores.

2020
Descrição
  • LUCAS GABRIEL BEZERRA LIMA
  • Capacidades Dinâmicas para Inovação: um estudo em pequenas indústrias de baixa tecnologia
  • Orientador : GLESSIA SILVA DE LIMA
  • Data: 04/12/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O debate tradicional sobre inovação tem se pautado na realidade de indústrias intensivas em tecnologia, Pesquisa & Desenvolvimento, e que se valem de inovações radicais, dificultando que esse debate seja aplicável à realidade das pequenas indústrias de baixa tecnologia, que são as indústrias que possuem padrões de inovação orientados a práticas incrementais e conhecimento tácito. Todavia, essas indústrias sofrem muitas pressões ambientais para inovar, uma vez que fornecem bens e serviços que são vitais para o funcionamento de uma sociedade, exigindo que elas desenvolvam capacidades dinâmicas para inovação. Assim, a presente pesquisa buscou compreender como as indústrias de baixa tecnologia desenvolvem capacidades dinâmicas que permitem a elas inovar, e para isso, foi adotado o modelo de capacidades dinâmicas de Wang e Ahmed (2007), que considera três capacidades: adaptativa, absortiva e inovadora. Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa foi de natureza qualitativa, e do tipo descritiva. Foi utilizada a estratégia de estudo de casos múltiplos, no qual investigou cinco pequenas indústrias com base em critérios previamente estabelecidos. Como fonte de evidências, foram utilizados documentos e entrevistas semiestruturadas com os gestores dessas indústrias, e para o tratamento e análise das evidências, a técnica adotada foi a de análise de conteúdo. Os resultados mostram que nas indústrias analisadas a absorção de conhecimento não é uma prática estruturada, e acontece como forma de resposta às mudanças/pressões externas atuais, e não como forma de antecipação a futuras mudanças, ocorrendo a partir das relações com clientes e fornecedores. A adaptação ocorre a nível de mudanças em práticas e rotinas, aquisição de novas técnicas e/ou máquinas, e geralmente se baseiam nas experiências anteriores dos funcionários ou do gestor. Ainda que as indústrias estudadas sejam flexíveis em mudar suas rotinas e recursos, a capacidade de inovação nem sempre é alcançada, pois essas mudanças ocorrem para soluções de problemas ad hoc, sem produzir resultados significativos em termos de resultado, ficando evidente que a capacidade de inovação não é plenamente desenvolvida nas empresas estudadas, mas que elas se destacam como pequenas indústrias na localidade em que atuam. Como contribuição, os insights gerados nesta dissertação podem orientar novas pesquisas em inovação e capacidades dinâmicas no contexto das pequenas indústrias de baixa tecnologia, proporcionar alternativas de implementação e gestão de estratégias operacionais com base na compreensão das capacidades organizacionais estudadas, e orientar a formulação de políticas públicas e a seleção e gestão de projetos orientados à competitividade e sustentabilidade desses negócios.

  • EVERTON ANDRADE SOUZA
  • ELEMENTOS DE COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS IDENTIFICADOS NA HISTÓRIA DE UMA INDÚSTRIA FAMILIAR SERGIPANA
  • Orientador : MANUELA RAMOS DA SILVA
  • Data: 26/06/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo geral analisar os elementos de competênciaorganizacional de uma empresa familiar no setor de indústria de alimentos emSergipe à luz da trajetória histórica. Teve como objetivos específicos: a) Identificar osmarcos históricos na trajetória da organização; b) Identificar a relevância daimplementação e utilização das tecnologias como elemento de competênciaorganizacional; c) Identificar a importância das pessoas como elemento decompetência em momentos relevantes da história organizacional; e d) Apresentaranaliticamente a estrutura organizacional ao longo do tempo. Baseou-se naperspectiva de atribuir a definição de competência organizacional sugerida porDrejer (2001), tendo como mecanismo de análise os quatro elementos decompetências: tecnologia, pessoas, estrutura e cultura. No que se refere àmetodologia esta pesquisa identifica-se como exploratória, descritiva de naturezaqualitativa e fundamentada no método de estudo de caso único. Com relação àsfontes de coleta de dados as técnicas utilizadas foram coleta documental,observação participante e realização de entrevistas com roteiro semiestruturado. Osdocumentos foram adquiridos no âmbito da empresa, a observação participanteaconteceu nas dependências das seis indústrias durante o período de 01 de julho de2019 a 31 de março de 2020, observaram-se práticas de gestão e processos nossetores industriais, auxiliares, comerciais e administrativos. As entrevistassemiestruturadas ocorreram individualmente de forma presencial no setor deatividade do entrevistado ou em um espaço reservado do auditório central, porchamada telefônica e online. Os entrevistados selecionados que participaram foram:1 diretor, 3 gerentes, 9 coordenadores, 5 funcionários com posição estratégica e 1ex-funcionário. Conclui-se que as competências organizacionais foram identificadascom base nos quatro elementos de competência ao longo da trajetória da empresaAlfa, desde as características específicas do fundador e da família até nos aspectosfísicos, estruturais e históricos das indústrias. Identificou-se também que não háelemento de competência dominante nas indústrias estudadas, mas sim elementosde competência que se complementam dentro de cada propósito idealizado. Ahistória da organização revela que cada elemento de competência teve seu papelimportante e que a relevância está na combinação entre os elementos.

  • VINÍCIUS BARRETO XAVIER LEITE
  • GESTÃO DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE CRIAÇÃO: CASOS MÚLTIPLOS NO SETOR DE ECONOMIA CRIATIVA
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 29/05/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A frequente necessidade das organizações de se reinventarem diante dos fatores competitivos e o domínio de recursos específicos como capital, recursos naturais e competências tecnológicas, geram vantagens competitivas para as empresas. Nesse cenário, surge o conceito de organizações do conhecimento que, de forma sistêmica, denota a capacidade de adaptação num contexto em que a estrutura de comportamento é flexível e eficaz. Para que as etapas da gestão do conhecimento (socialização, externalização, combinação e internalização aconteçam, a integração do conhecimento necessita de um ambiente que facilite a criação, coleta, sistematização e transferência de conhecimento. A indústria criativa tem a GC como um ativo estratégico organizacional que transforma organizações em entidades competitivas e difíceis de imitar. Sua base no valor subjetivo associado a produtos customizados, soluções especificas guiadas pelo conhecimento e caracterizada pela variedade são atrativos para estudos relacionados ao conhecimento. O setor do audiovisual representa a parte produtiva do processo como um todo, pois ela é responsável pela transformação de ideia em produtos/serviços. Diante de tal cenário, a presente pesquisa buscou entender o processo produtivo das organizações desse setor, analisar como ocorre a GC e quais são os fatores que a influenciam. Para alcançar o objetivo da pesquisa, foi adotada uma abordagem qualitativa com o método de estudo de múltiplos casos com quatro empresas do setor audiovisual pertencente à indústria criativa. As quatro empresas que compuseram a pesquisa de campo foram estudadas por meio de entrevistas com roteiros semiestruturados entre os meses de novembro e dezembro. A partir da análise feita com base na análise qualitativa básica proposta por Merriam (1998) e discussão dos resultados, pode-se constatar que as empresas entrevistadas eram pequenas empresas que trabalhavam com produção de conteúdo para mídias digitais, televisão e tinham clientes no Brasil e no mundo. Sobre o processo criativo, as empresas tem um procedimento padrão composto por três fases principais: a pré-produção que envolve o contato inicial com o cliente, orçamentos, roteiros, esboços e toda a fase de planejamento; a produção que acontece no dia das filmagens ou na execução dos projetos de áudio e é marcada pelo alto número de funcionários terceirizados e; pós-produção, fase do processo que representa a atuação da computação gráfica e design para ajustes finais no projeto. A GC no processo produtivo foi evidenciada pela gestão documental, troca de experiências em reuniões formais e informais e incentivos da liderança para absorção do conhecimento por meio de cursos e livros. Os principais fatores que influenciaram a GC no processo foram o modelo de negócios, liderança, cultura organizacional e tecnologia. A GC tem importante função nas empresas estudadas, porém ainda não é devidamente reconhecida e explorada pelos gestores.

  • ALEX DENJOY PRADO MARQUES
  • DESENVOLVIMENTO DE REDES INTERORGANIZACIONAIS E ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO: UM ESTUDO DE UMA REDE DE FARMÁCIAS EM SERGIPE
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 26/05/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O varejo farmacêutico no Brasil tem passado por mudanças importantes nos últimos anos. As grandes redes desse mercado tem tomado cada vez mais espaço dos pequenos empresários e das farmácias independentes. Apesar do setor apresentar excelentes taxas de crescimento, os pequenos empresários têm fechado suas lojas. Para isso novas estratégias e soluções precisam ser desenvolvidas por eles. O presente estudo teve por objetivo analisar as estratégias de crescimento, segundo a tipologia proposta por Groß (2003) adotadas pela Sergifar, uma rede de farmácias independentes no estado de Sergipe, com vistas a alinhá-las junto às farmácias independentes não associadas a nenhuma rede e aos seus membros já associados. Pelas condições de contorno do problema foi feito um estudo de caso único descritivo, de natureza qualitativa, com coleta de dados por meio de entrevistas e observações. A técnica de análise de dados escolhida foi a análise de conteúdo. Como objetivos, descreveu-se a rede e seu estágio de desenvolvimento por meio de sua trajetória (evolução ao longo do tempo) e de sua estrutura organizacional; identificou-se o perfil dos membros da Rede Sergifar; identificou-se o perfil de potenciais membros para a Rede Sergifar e as características ideais para fazerem parte da rede; descreveu-se as estratégias de crescimento utilizadas pela Sergifar com base no modelo de Groß (2003) nas dimensões rede e ambiente. A Rede Sergifar conta com 42 farmácias conveniadas, sendo a primeira e única rede de cooperação sergipana atuante no segmento de varejo farmacêutico. Foram entrevistados quatro membros da diretoria da rede, um gestor e dois associados à rede, em seis farmácias da rede. Essas entrevistas foram transcritas e o seu conteúdo analisado para melhor compreender o problema. Como resultado conseguiu-se elaborar a evolução da rede ao longo do tempo e as principais ações que a fizeram crescer. As estratégias básicas foram essenciais para o seu desenvolvimento e no sucesso de atrair novos associados. A penetração de mercado mostrou-se mais atrelada ao crescimento da rede em tamanho, por outro lado a eficiência esteve ligada ao desenvolvimento dos membros da rede. Os ganhos de eficiência sozinhos, não foram capazes de atrair novos associados, foram necessários outros ganhos. Mesmo com benefícios, foi descoberto que seriam necessárias outras ações para garantir a expansão da rede. Outro achado foi a fuga dos grandes centros urbanos para chegar a mercados diferentes frente às grandes redes. Além de testar os modelos encontrados na literatura e corrobora as características das redes organizacionais como estudo de caso, concluiu-se que as estratégias básicas da tipologia de Groß (2003) em conjunto com a redução das barreiras de entrada à rede e a contratação de pessoal específico para desenvolvimento foram ações crucial no crescimento e desenvolvimento da rede. As estratégias básicas trouxeram mais benefícios diretos para a rede, sendo a categoria mais importante, dentre as analisadas, durante os primeiros anos de desenvolvimento da rede.
  • ALEXANDRE DE OLIVEIRA SILVA
  • ENTRAVES NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DE SERGIPE
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 20/05/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As metodologias de Gerenciamento de Projetos têm se tornado mais importantes no desenvolvimento econômico e, negócios realizados com tais metodologias, mais relevantes em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) mundial. No Brasil, a realidade não é diferente. A indústria da construção, por exemplo, tende a gerenciar suas operações por meio de projetos que costumam representar entre oito e doze por cento do PIB, sendo a indústria uma impulsionadora do desenvolvimento econômico do país. Considerando tamanha importância do setor, é indispensável que a referida indústria continue buscando inovar e utilizar novas tecnologias e metodologias que a possibilitem executar seus empreendimentos e superar a tripla restrição de tempo, custo e qualidade. Dentre as várias tecnologias disponíveis, destacam-se os Sistemas de Informação de Gerenciamento de Projetos (SIGP), visto que têm o potencial de integrar gerenciamento do escopo, do tempo, dos custos, da qualidade, dos recursos humanos, das comunicações, dos riscos, das aquisições e das partes interessadas (stakeholders). Além disso, registra e dispensa duplicidade de entrada de informações intercambiáveis entre esses módulos e seus submódulos adicionando eficiência, controle de projeto e uma governança mais robusta a projetos dos mais simples aos mais complexos. Entretanto, apesar do seu grande potencial, os SIGPs ainda não têm se mostrado suficiente ou adequadamente presentes para cumprir esse papel na indústria da construção. Posto isto, o objetivo do estudo é avaliar quais são as principais dificuldades para a utilização dos SIGPs em empresas do setor de construção em Sergipe. A pesquisa também apresenta as funcionalidades e benefícios dos SIGPs, identifica sua utilização em empresas de diversos portes da construção civil e, caracteriza a maturidade no Gerenciamento de Projetos dessas empresas e, por fim, investiga as dificuldades associadas à utilização dos SIGPs nas empresas estudadas. Quanto à metodologia, a presente pesquisa é de natureza quantitativa e qualitativa e caracterizada como exploratória e descritiva. Inicialmente, a pesquisa foi realizada por meio de uma revisão da literatura sobre o Gerenciamento de Projetos, os SIGPs e modelos de maturidade. A partir disso foi possível entender que, para a utilização de um sistema de informação complexo como um SIGP, algumas pré-condições devem estar presentes na organização. O indicativo de tais pré-condições e o critério de seleção para as empresas a serem estudadas foi o seu nível de maturidade do gerenciamento de projetos. Dentre vários modelos existentes, o PRADO-MMGP (2015) foi escolhido por possuir dados históricos nacionais e assemelhar-se a modelos internacionalmente aceitos. Assim, foi aplicado um survey de maturidade para trinta e seis (36) empresas. Dentre as empresas escolhidas, segundo Kerzner (2001), somente aquelas com maior nível de maturidade têm alguma condição de implementar SIGPs. Portanto, após a identificação das organizações com maior grau de maturidade, o método utilizado para a análise final acerca dos entraves para a utilização dos SIGPs no setor da construção em Sergipe foi um estudo de múltiplos casos com cinco dessas empresas. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, e triangulação de informações com o survey realizado e a revisão teórica para entender quais são as maiores restrições para a utilização dos SIGPs. Como resultados, a análise do survey demonstrou que somente nove por cento (9%) das empresas respondentes haviam apresentado características adequadas para a utilização adequada e completa dos SIGPs, por serem aderentes principalmente às dimensões metodologias do GP e informatização. Já no estudo de múltiplos casos, foram identificados diversos entraves para a utilização dessas tecnologias, dentre eles: deficiências na padronização e metodologias de PM, falta de uniformidade no entendimento do sistema; resistência na utilização; dificuldades de recursos e estrutura organizacionais; além de problemas de qualidade do sistema; qualidade da informação e qualidade do serviço dos SIGPs, o que compromete frontalmente a difusão e utilização em escala da tecnologia na indústria da construção.

  • ANTONIO DOUGLAS OLIVEIRA CRUZ
  • IMPACTO DAS SUBFUNÇÕES VALORATIVAS NA AÇÃO DO PROFISSIONAL NO PROCESSO DE TRABALHO COM A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 27/04/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A tecnologia da informação modificou e continua a alterar os espaços organizacionais,contribui para a ampliação da competitividade e da inovação, tornando-se um recursoindispensável que influencia a própria sobrevivência das organizações. Além disso, ospróprios lares também são impactados pela magnitude da tecnologia da informação.Nesse sentido, assimilar os efeitos da TI é fundamental, pois o domínio de todos ospotenciais recursos que oferece pode providenciar transformações profundas. Por isso,selecionamos, dentre várias linhas de pesquisa possíveis, um estudo que propõe analisara repercussão dos valores humanos da ação do profissional no processo de trabalho coma TI. Para tanto, utilizou-se do modelo de Torkzadeh e Doll (1999) composto por quatrocritérios: produtividade, controle gerencial, inovação e satisfação do cliente.Considerando esses quatro constructos, os autores levantaram definições dos impactosda tecnologia da informação no trabalho dentro de um contexto empresarial eoperacionalizaram-nos em um instrumento de 12 itens. Adicionalmente, observando quea TI por si só é irrisória, uma vez que necessita de indivíduos habilidosos que possamextrair o máximo de sua potencialidade, o presente trabalho também procurou analisar oelemento humano, componente central nessa relação, ao traçar determinadascaracterísticas subjetivas dos sujeitos tendo como base a teoria funcionalista dos valoreshumanos, instrumentalizada em um questionário de 18 itens, desenvolvida comembasamento teórico que estabelece princípios parcimoniosos e testáveis a priori(GOUVEIA et al., 2009) . Nessa perspectiva, o objetivo central foi analisar arepercussão dos valores humanos (variáveis independentes) na ação do profissional noprocesso de trabalho com a TI a partir da produtividade, controle gerencial, inovação esatisfação do cliente (variáveis dependentes). Tratou-se, portanto, de um estudoempírico, quantitativo, transversal e explicativo, possibilitou o conhecimento do perfildos respondentes, suas correlações por meio da Correlação de Pearson entre asubjetividade dos valores humanos com as variáveis do processo de trabalho e aindamediante análise de regressão múltipla a inferência de quais valores humanos mais oumenos predizem uma determinada ação do colaborador na medida que desempenha asua função diária a partir do uso da TI. Os dados reunidos na pesquisa nortearam-se emcorrelações fracas e com pouca força explicativa, no entanto, alguns valores básicosobtiveram um destaque por estarem presentes em quase todas as correlações e terempresença significativa nas relações explicativas, neste caso, apoio social e tradição.

  • GRAYCEANE BOMFIM SANTOS DE JESUS
  • METODOLOGIA PARA IMPLANTAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICÁVEIS ÀS TECNOLOGIAS SOCIAIS: UMA PROPOSTA COM BASE NO PMD Pro
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 28/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Tecnologia Social (TS) vem sendo considerada como uma tecnologia que não éimposta e que está voltada para gerar soluções para uma determinada problemática, emconjunto com os beneficiários. Essa tecnologia pode ser compreendida como umproduto, técnica ou metodologia que possuem características específicas na suaessência, razão pela qual se torna inadequada a sua construção a partir de metodologiastradicionais de Projetos. O presente estudo tem como objetivo analisar a implementaçãoe gerenciamento dos Projetos de Tecnologia Social das Universidades Públicas.Especificamente, trata-se de identificar se os projetos desenvolvidos nas UniversidadesPúblicas possuem as características atreladas a uma TS e verificar quais as ações eferramentas foram utilizadas em sua implementação, possibilitando a estruturação deuma metodologia que auxilie na implementação de Projetos de Tecnologia Social. Oaporte teórico sobre Tecnologias Sociais fundamentou-se nas suas conceituações,princípios, parâmetros e dimensões, respaldando a validação dos projetos como umaTS. Já o Gerenciamento de Projetos, a partir do guia PMD Pro, possibilitou odesenvolvimento de uma metodologia orientada por uma base teórica comcaracterísticas similares a Tecnologia Social. Quanto aos procedimentos metodológicos,a pesquisa é de natureza qualitativa e caracterizada como exploratória e descritiva. Aestratégia utilizada foi o método de estudo de múltiplos casos, sendo considerada comounidades de análise as Tecnologias Sociais desenvolvidas pelas Universidades Públicasdo Brasil que estão cadastradas no Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da FundaçãoBanco do Brasil (FBB). Para tanto, os dados foram coletados por meio de documentos eentrevista semiestruturada com os gestores e/ou integrantes dos projetos. A análise deconteúdo foi utilizada para o tratamento dos dados. Ademais, foi utilizada a pesquisabibliográfica como complementação de dados para a proposição da metodologia. Osresultados apontam que as Tecnologias Sociais desenvolvidas em ambientesuniversitários fazem parte ou estão ligadas à Extensão Universitária e que foramdesenvolvidas como projetos em suas respectivas áreas de pesquisa sem considerarcomo critério as características de uma TS; ainda assim, os indicadores quecaracterizam um projeto como TS foram expressivamente encontrados em cinco dosseis projetos analisados. Já quanto ao gerenciamento das Tecnologias Sociais foiidentificado uma deficiência por parte da equipe na utilização de ações e ferramentas de
    gestão, corroborando os achados da literatura. Por fim, os achados dos casosfortaleceram o pressuposto teórico da dificuldade de definir e conhecer uma TS, além deapontar a falta de um gerenciamento de projetos de TS, sendo portanto apresentada umametodologia simplificada e abrangente, como colaboração para os diversos atoressociais e institucionais que almejem desenvolver Projetos de Tecnologia Social deforma prática.

  • CAIO BERNARDO SANTOS ALMEIDA
  • MODELO EXPLICATIVO PARA INTENÇÃO DE USO DE FINTECHS: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA DOS CONSUMIDORES BRASILEIROS DAS GERAÇÕES Y E Z
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 21/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O termo fintech, embora já seja conhecido há um certo tempo no exterior, ainda éconsiderado recente no contexto brasileiro, consistindo em startups da área financeira.A presente pesquisa teve como objetivo verificar a influência de atributos do indivíduoreferentes à inovação e de variáveis perceptivas sobre a intenção de uso de fintechs porconsumidores brasileiros das gerações Y e Z, usuários e não usuários dessa plataforma.A pretensão de investigar estas categorias de consumidores justifica-se perante anecessidade de ter uma perspectiva dos que já utilizam esses agentes financeiros, mastambém para compreender os fatores responsáveis pela intenção ou não de uso, pormeio do modelo teórico elaborado pelo autor e testado empiricamente, no qual buscou-se explicar a intenção de uso de fintechs a partir de variáveis relativas a característicasinovadoras (Inovatividade Inata e Domínio da Inovação Específica) e percepções dosconsumidores (Utilidade, Facilidade de uso), incluindo a influência do risco desegurança percebido. Trata-se de um estudo correlacional, com finalidades descritiva eexplicativa, de natureza quantitativa mediante um survey online com usuários e nãousuários de serviços de fintechs, totalizando 297 indivíduos das gerações Y e Z. Oinstrumento de Chauhan, Yadav e Choudhary (2019), utilizado originalmente empesquisa na Índia, foi adaptado com o acréscimo de alguns itens. Antes da aplicação doinstrumento de pesquisa na amostra, foram conduzidos procedimentos para verificaçãoda adequação teórica do instrumento ao contexto brasileiro (back translation, análisesemântica e análise de juízes), para a adequação e validação do instrumento napopulação do estudo. Os dados obtidos passaram por procedimentos exploratórios e deajuste por meio do programa software IBM SPSS Statistics v.20, além da análise dospressupostos básicos para a verificação da adequação ao modelo geral paramétrico(TABACHNICK; FIDELL, 2007). Foi testado o modelo teórico elaborado durante apesquisa, inspirado no modelo de Chauhan, Yadav e Choudhary (2019), por meio datécnica Path Analysis (Análise de Caminhos) no software AMOS v.22. O modelo finalapresentou um poder explicativo de 62% da intenção de uso de fintechs, após passar porajustes como a exclusão da variável Inovatividade Inata e a introdução de covariânciaentre as variáveis Utilidade Percebida e Facilidade de Uso Percebida. Concluiu-se queDomínio da Inovação Específica influencia consideravelmente a percepção de utilidadee de facilidade de uso de fintechs (β = 0,51, para ambos). Por sua vez, estes doisindicadores de percepção são os que mais influenciam na intenção de uso de fintechs,prevalecendo a contribuição explicativa de Utilidade Percebida (β = 0,35). Embora oRisco de Segurança Percebido quase não afete a intenção de uso desta ferramenta deinovação (β = -0,06), ele acusou uma relação inversa, conforme previsão do modeloteórico desta pesquisa.

  • KAREN BATISTA SANTOS
  • DA INTERAÇÃO VIRTUAL À INFLUÊNCIA SOCIAL: UM ESTUDO COM SEGUIDORAS DE UMA INFLUENCIADORA DIGITAL
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 20/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os influenciadores digitais são indivíduos que possuem a capacidade de influenciar decisõesde consumo e estilo de vida dos que fazem parte da sua rede social. Buscando investigar comoacontece essa influência no ambiente online das mídias sociais, esta pesquisa teve porobjetivo analisar o processo de influência social, a partir da interação social virtual entreinfluenciador digital e seus seguidores. Para tanto, adotamos, neste estudo, teorias difundidasno campo da sociologia e psicologia social, como o interacionismo simbólico e influênciasocial, como suporte teórico para realizar a análise de um comportamento psicossocial,utilizando uma abordagem interpretativista. A partir da observação exploratória realizada emperfis de influenciadores digitais, foi possível unir a teoria à prática, criando um frameworkteórico, que foi utilizado para analisar como ocorre a influência social no Instagram. Destemodo, foi realizada uma netnografia no Instagram, com observação participante no perfil dainfluenciadora digital de moda e beleza Rica de Marré de das suas seguidoras. Também foramrealizadas entrevistas abertas com seguidoras da influenciadora. Além disso, foram analisadosdocumentos, como posts no blog da influenciadora e matérias em sites sobre a mesma. Aanálise dos dados foi feita por meio da análise de narrativa. As categorias analisadas queseguiram o framework proposto foram: discurso do influenciador digital; interação virtualcom o influenciador digital; sensação de intimidade com o influenciador digital; sentimentode pertencimento ao grupo; identificação com o influenciador digital; influenciador digitalcomo referência; reprodução do discurso/comportamento do influenciador digital; ereconstrução do self do seguidor. Os principais resultados demonstraram que a constanteinteração com a influenciadora digital provoca nas seguidoras uma sensação de intimidade, eque a influenciadora se torna uma referência para as seguidoras, exercendo assim, umainfluência no comportamento destas. Essa influência acontece tanto no âmbito do consumo,quanto em comportamentos, como a reprodução de gírias e jargões que a influenciadorautiliza em seu discurso. As seguidoras entrevistadas afirmaram não sentir pertencer a umgrupo, o que foi observado apenas quando ocorre uma interação presencial, como nosencontrinhos com a influenciadora. Algumas das entrevistadas também indicaram em suasfalas que ocorreu uma reconstrução do self, o que demonstra que a influência social queacontece nas mídias sociais vai além da influência no consumo.

  • MARGARETH DE SOUZA COSTA
  • SUSTENTABILIDADE EM PEQUENAS EMPRESAS INOVADORAS: UM ESTUDO COM OS CASOS DE SUCESSO DO PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 19/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Inseridas em mercados competitivos, as pequenas empresas tradicionais dependem cadavez mais de inovação para garantir a sua sobrevivência e seu sucesso. Assim, comoforma de estímulo ao desenvolvimento das pequenas empresas, foi criado o ProgramaAgentes Locais de Inovação (ALI) promovido pelo SEBRAE. Dessa forma, o SEBRAE(2010) estabeleceu, como uma das diretrizes estratégicas do programa ALI, desenvolverprojetos que promovam a inovação na empresa de pequeno porte. Vale destacar que aferramenta do programa ALI se chama Radar da Inovação, sendo fundamental paramensurar a inovação nas empresas participantes do programa, como também foi defundamental importância para a presente pesquisa. Ao observar o problema de pesquisa,foram formulados os objetivos que a priori foi verificar, com base nas relações entre oRadar da Inovação; a inovação e a sustentabilidade, a inovação sustentável naspequenas empresas do programa ALI em Sergipe. Para tanto, a fundamentação dopresente estudo se baseou em: sustentabilidade; inovação; pequena empresa e nasrelações realizadas entre o Radar da Inovação; bem como a inovação proposta pelo
    Manual de Oslo e a sustentabilidade, conforme o triple botton line. No tocante aosprocedimentos metodológicos, em especial à caracterização do estudo, a presentepesquisa se caracterizou como quantitativa e qualitativa. Com relação à análise dosresultados, a parte quantitativa do estudo foi elaborado com base na relação estabelecidado Radar da Inovação e a sustentabilidade. Já a parte qualitativa da pesquisa foielaborada com base na relação entre o Radar da Inovação e a inovação proposta peloManual de Oslo. Vale ressaltar que na parte qualitativa também foram realizadasentrevistas com 7 empresas casos de sucesso do programa ALI em Sergipe, sendo que abase dos questionamentos das entrevistas semiestruturadas foi feita de acordo com oCubo de Inovação Sustentável (CIS), proposto por Hansen, Grosse-Druker e Reichwald(2009). Além disso, as informações das entrevistas foram inseridas e interpretadas como auxílio do software Iramuteq, que é um software de análises textuais. Com relação aosoftware, foram feitas as análises de similitude e com o intuito de complementar oestudo realizou-se também nuvem de palavras. Por fim, relacionadas às conclusões,observou-se que as empresas que fizeram parte da pesquisa realizaram, de acordo comas relações explicitadas na pesquisa, a inovação sustentável.

  • INGRID DE MATOS MARTINS
  • ANÁLISE DOS ELEMENTOS DO ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR DE SERGIPE: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 14/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com o objetivo de criar um ambiente favorável ao empreendedorismo e incentivar a inovação em um dado território, os ecossistemas empreendedores têm surgido como ambientes propícios para a criação de novas empresas,principalmente startups, dando espaço para novos negócios e integrandodiversos atores em relações cooperativas e flexíveis. Estes atores podem seruniversidades, mentores, organizações de apoio ao empreendedorismo,aceleradoras, incubadoras, parques tecnológicos, investidores, dentre outros. Os ecossistemas empreendedores são entendidos como o conjunto de atoresinterconectados que se unem com o objetivo de mediar e gerir o desempenhodentro do ambiente empresarial local. Entretanto, existe um conjunto deelementos necessários para que os ecossistemas empreendedores obtenhamsucesso, sendo eles agrupados em três tipos: elementos culturais, elementossociais e elementos materiais. Nos últimos dois anos, diversos esforços têmsido realizados por um conjunto de atores para o desenvolvimento doecossistema empreendedor no estado de Sergipe, Brasil. No entanto, para quehaja um entendimento sobre a estrutura do sistema, é necessária uma análisedo cenário atual do estado quanto ao empreendedorismo. Em conformidadecom o exposto, a presente pesquisa tem como objetivo analisar o EcossistemaEmpreendedor de Sergipe, de acordo com a presença ou ausência dos elementos críticos de sucesso indicados na literatura, a fim de identificaroportunidades e desafios sob a ótica dos atores mapeados no atual ecossistema empreendedor do estado. Quanto aos procedimentos metodológicos, a pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo exploratório edescritivo. A estratégia usada é o método de estudo de caso único incorporado.Para a coleta de dados foram utilizadas como fontes de evidência aobservação direta de eventos relacionados à temática; a análise dedocumentos, permitindo a identificação dos atores presentes no ecossistema; eentrevistas semiestruturadas. Assim, foram aplicados dois tipos diferentes deroteiros de entrevistas semiestruturados, totalizando 15 entrevistas (5 com osgestores de startups e 10 com atores), selecionados a partir da técnica deamostragem snowball sampling (bola de neve). Para o tratamento e análise dos
    dados, a técnica adotada foi análise de conteúdo, com o auxílio do softwareNVivo 12 Pro®. A partir da análise das entrevistas, foi possível perceber que: i)os elementos Histórias de sucesso e Atitudes culturais (elementos culturais)foram avaliados negativamente, devido à falta de divulgação dos casos desucesso sergipanos e à tímida cultura orientada para o empreendedorismo; ii) oelemento mais bem avaliado foi Capital Financeiro, sendo considerada acaptação de recursos como uma atividade relativamente fácil; iii) o elementoUniversidades foi avaliado positivamente, enquanto o Capital Humano não teveuma boa avaliação, porque as ações empreendedoras nas universidades aindaestão na fase inicial, mas objetivam que no futuro próximo o elemento CapitalHumano (mão-de-obra treinada para o empreendedorismo) tenha umaavaliação positiva; iv) os elementos Liderança e Redes foram avaliados demaneira diferente entre os pesquisados – startups e atores – devido àdesativação da Rede Caju Valley. Além disso, os outros elementos – Ambienteregulatório, Infraestrutura de apoio e facilitadores, Mercados foram avaliadosnegativamente. Portanto, conclui-se que o Ecossistema Empreendedor deSergipe está em estágio inicial (Nascimento ou Embrionário), pois a maior partedos elementos foi avaliada negativamente. Entretanto, destaca-se que asações que apoiam o desenvolvimento do referido ecossistema são recentes eos atores têm perspectivas otimistas em relação à evolução positiva do ecossistema.

  • FABIANA DE CÁSSIA DE ARAÚJO SILVA
  • COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS PARA SUSTENTABILIDADE SOCIOAMBIENTAL EM EMPRESAS HOTELEIRAS
  • Orientador : MANUELA RAMOS DA SILVA
  • Data: 14/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo, atribui as competências organizacionais para sustentabilidadesocioambiental como um diferencial no mercado, capaz de influenciar na vantagemcompetitiva das organizações, tendo como objetivo, analisar as competências organizacionaispara a sustentabilidade socioambiental de empresas hoteleiras da cidade de Arapiraca-AL.Para a pesquisa foi adotado o Framework desenvolvido por Kaehler (2013), com um métodode identificação; análise do Desempenho, Sustentabilidade e Organização (D.S.O), e;classificação da competência. A investigação foi realizada com cinco Gerentes das empresashoteleiras, através de um estudo descritivo e exploratório, de abordagem qualitativa, com oprocedimento de estudo de casos múltiplos, em que as evidências foram coletadas através deentrevistas estruturadas, observação não participante e documentos, sendo utilizada a técnicade análise de conteúdo de Bardin (2016) para a análise dos dados. Como resultados,identifica-se competências organizacionais entre os hotéis, tanto para sustentabilidadeambiental como social, sendo a ambiental desenvolvida com mais afinco, e a social ainda rara,com pouca ênfase para seu desenvolvimento. Para a sustentabilidade ambiental identificou-seas competências, 1) a gestão dos recursos hídricos e elétricos (quatro hotéis), 2) a gestão dosrecursos hídricos, elétricos e dos resíduos sólidos (um hotel); enquanto para a sustentabilidadesocial indica, 3) o compartilhamento dos valores da organização por colaboradores noatendimento ao cliente (dois hotéis). Constata-se ainda que as competências 1 e 3 sãoclassificadas como básicas, pois contribuem indiscutivelmente para a sobrevivência dosestabelecimentos, no entanto, a gestão dos recursos hídricos, elétricos e dos resíduos sólidos,classifica-se como diferenciada no mercado competitivo, por possuir uma elevada e distintaentrega de valor pelo hotel, com possibilidades para um potencial competitivo, capaz decontribuir para uma posição de liderança, mas que ainda é considerada incipiente comoestratégia para influenciar a vantagem competitiva nas empresas hoteleiras. Verificou-se que acompetência é imprescindível e contribui decisivamente, quando se une a outros serviços einfraestrutura do hotel, para alcançar uma vantagem competitiva no mercado. O estudoampliou o conhecimento das pesquisas direcionadas as competências organizacionais parasustentabilidade socioambiental.

  • RENAN MOREIRA PINTO
  • Inovação Frugal: Uma Análise do Comportamento do Consumidor em Aracaju
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 12/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com a maior ênfase na produtividade e nas inovações tecnológicas nos últimos anos, além da crise econômica global que afetou nações desenvolvidas e em desenvolvimento de todo o planeta, o interesse mundial nas práticas frugais acabou se elevando. Diversos tipos de inovações frugais começaram a surgir, principalmente para suprir as necessidades de pessoas que não possuem tantos recursos financeiros e muitas vezes acabavam sem ter opções de consumo que se adequassem às suas realidades. Uma dessas lacunas se encontra justamente no setor de saúde, onde existe um grande abismo entre as pessoas que possuem condições de pagar planos de saúde particulares e outras que só enxergavam o Sistema Único de Saúde como opção. Para suprir essa necessidade, um novo tipo de negócio começou a surgir nos últimos anos, as Clínicas Médicas Populares, que se encaixam no conceito de inovações frugais. Desta forma, este estudo se justifica por colaborar ainda mais para o desenvolvimento da temática da inovação frugal, dos serviços médicos, com foco nas clínicas médicas populares e no comportamento do consumidor, especialmente com relação ao processo de decisão de compra e as etapas que o compõem. Além disso, também pretende trazer contribuições gerenciais para as empresas que atuam nesta área e para a sociedade em geral, principalmente os consumidores de baixa renda que são os principais usuários desses serviços frugais. Para que isso seja possível, o referencial teórico abrangeu a temática da inovação frugal, das clínicas médicas populares e também do comportamento do consumidor, dando ênfase ao processo de decisão de compra, utilizando o modelo proposto por Blackwell, Miniard e Engel (2011). De modo que os objetivos pudessem ser alcançados, definiu-se que esta pesquisa é do tipo qualitativo e de caráter exploratório, para que novos insights pudessem ser gerados sobre o tema, envolvendo estudos de casos múltiplos com os consumidores das clínicas médicas populares de Aracaju. A partir da análise dos resultados pode-se afirmar que as inovações frugais se manifestam através dos serviços oferecidos pelas clínicas médicas populares, onde também foi encontrada que a economia de escala é uma característica comum das clínicas. Além disso, pode-se afirmar também que os processos de decisão de compra das clínicas médicas populares possuem um percurso geral, com alguns pontos semelhantes em todas as clínicas estudadas, em cada uma das etapas do processo de decisão de compra.

  • MARCUS VINÍCIUS OLIVEIRA ARAUJO
  • A IDENTIDADE E A IMAGEM ORGANIZACIONAL DO MERCADO MUNICIPAL ANTÔNIO FRANCO EM ARACAJU – SE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA VISÃO DOS STAKEHOLDERS.
  • Orientador : MANUELA RAMOS DA SILVA
  • Data: 10/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo versou sobre o universo organizacional que envolve o mercado municipalAntônio Franco considerando aspectos históricos e culturais, operacionalizado pelas teorias daidentidade organizacional e da imagem organizacional. A presente pesquisa tem o objetivogeral de compreender os elementos que constituem a identidade e a imagem organizacional doMercado Municipal Antônio Franco de Aracaju/SE a partir da ótica dos stakeholders internose externos. No que diz respeito aos objetivos específicos, são os seguintes: Identificar oelemento histórico na construção da identidade organizacional do mercado municipal AntônioFranco; Detectar a missão e os valores, bem como as características centrais e que diferenciao mercado municipal Antônio Franco de outras organizações; Identificar as práticasindividuais e coletivas dos comerciantes de artesanato do mercado municipal Antônio Francona busca pelo desenvolvimento econômico e cultural; Compreender como ocorre a formaçãodo imaginário em relação à atividade turística presente no Mercado Municipal AntônioFranco e Investigar o processo de construção da imagem organizacional no mercadomunicipal Antônio Franco na visão dos stakeholders externos. No que se refere àmetodologia, o estudo classifica-se como exploratório e descritivo, com uma abordagemqualitativa, que tem a finalidade de compreender o fenômeno estudado por meio do métodode pesquisa estudo de caso. A coleta de dados contou com a realização de 28 entrevistassemiestruturadas, dentre estas 10 são comerciantes, 16 turistas e 2 guias que proporcionaramsaturação teórica. A observação participante foi aplicada em duas lojas a fim de identificar ocomportamento, a condução do seu negócio e a relação dos comerciantes entre si e noatendimento ao consumidor. Os dados foram analisados com o uso da técnica de análise deconteúdo. A pesquisa considerou também a análise de documentos secundários que estãodisponíveis em bibliotecas, livrarias e sites. Concluiu-se que, a identidade do mercadomunicipal Antônio Franco é dinâmica e flexível, sendo considerada a partir de três momentosdistintos: Um formigueiro concentrado e desorganizado desde a inauguração até areestruturação entre os anos 1926 a 1998, uma decepção afetiva durante a fase de transição noperíodo de 1998 a 1999 e como o nascer do sol após os anos 2000 com a entrega de umempreendimento renovado. Atualmente, a identidade da organização é composta peladiversidade cultural, tradições, exposição do artesanato e pela representação da cidade deAracaju. Os principais valores são a autenticidade com a cultura sergipana e do Nordeste,além da preservação da história e da cultura. A imagem do mercado municipal AntônioFranco é compreendida pelos stakeholders externos e disseminada pelo stakeholders internoscomo um ambiente de compras que transmite a cultura do Nordeste, sendo notado tambémcomo um patrimônio histórico da cidade de Aracaju.

  • GRACE KETHELLEN LINHARES SANTOS PORTO
  • EMPREENDEDORISMO SOCIAL: Análise dos investimentos de impacto no Brasil
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 07/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Diante dos graves problemas sociais e ambientais em destaque, desperta-se ointeresse não só no mundo dos negócios, como também no mundo acadêmicopela temática do empreendedorismo social. Para esta pesquisa, oempreendedorismo social é visto como uma atividade que visa não só resolverum problema social, mas também gerar lucro a partir da venda de produtos ouda prestação de serviços e da possibilidade de distribuição de seus dividendospara sócios, acionistas e demais stakeholders. Estas características, portanto,dão origem aos chamados Negócios de Impacto Social. Em conformidade como exposto, a presente pesquisa teve como objetivo analisar o processo decaptação de investimento de impacto por parte dos empreendedores sociaisdas principais áreas de negócios de impacto no Brasil. Quanto à metodologia, oestudo classifica-se como descritivo, com uma abordagem mista, sendo, emum primeiro momento, quantitativa e, posteriormente, qualitativa, cujo métodode pesquisa adotado é o estudo de casos múltiplos. Para a etapa quantitativa,foi disponibilizado um questionário na plataforma Pipe.Social a fim de fazer umlevantamento das informações, características e tendências para o setor comoum todo. Para a etapa qualitativa, foram realizadas entrevistas com roteirosemiestruturado, via e-mail, com seis representantes de negócios dasprincipais áreas de impacto socioambiental, de acordo com o levantamentofeito pelo 2º Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental (2019). Utilizou-setambém como fonte de evidência a análise de documentos. Para a análise dosdados, foi adotada a técnica da análise de conteúdo para os dados qualitativose a estatística descritiva simples para os quantitativos. Em síntese, osresultados da pesquisa evidenciaram que os negócios de impacto surgem, emsua maioria, por uma necessidade pessoal, e no desenvolvimento dasatividades, geram recursos a partir da venda de licenças ou produtos. Opúblico-alvo está voltado para a Classe C, D e E e suas necessidades maisurgentes são expansão do negócio e aumento das vendas. Os principaisrequisitos para receber investimento são considerados os tradicionais como,por exemplo, o tipo de modelo de negócio, dados do balanço patrimonial,análise positiva da viabilidade e sustentabilidade. As etapas para captaçãoforam compiladas em sete passos, que vão desde o conhecimento do setor de
    impacto até a realização de um feedback de todo o processo. Editais defomento são as fontes responsáveis pelo maior fornecimento de recursos.Quanto aos desafios, profissionalização do setor e do negócio foram as maiscitadas.

  • DAVID NUNES DA CUNHA
  • A ECOINOVAÇÃO EM EMPREENDIMENTOS DE TURISMO SUSTENTÁVEL: ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS NO ENTORNO DO RIACHO DO TALHADO
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 07/02/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As inovações permitem a sobrevivência e a reinvenção das práticas e condutas dasempresas, fazendo com que elas atendam às demandas apresentadas por seus clientes ouusuários de serviços. A ecoinovação se constitui como uma modalidade de inovação quetem como objetivo trazer um novo patamar na busca de soluções que interfiram demaneira positiva na relação com o meio ambiente, sendo um dos caminhos que podemconduzir à sustentabilidade ambiental. Nessa perspectiva, os empreendimentos queoperam o turismo sustentável começam a enxergar na ecoinovação uma oportunidade deagregar valor e atrair novos clientes. O estudo objetivou apontar os principaisdeterminantes de ecoinovação nos empreendimentos que desenvolvem o turismosustentável no entorno do Riacho do Talhado, na Cidade de Delmiro Gouveia, Alagoas.Para o alcance desse objetivo, foram realizados estudos de múltiplos casos em trêsempreendimentos de turismo sustentável, considerando-se a localização geográfica e arelevância do turismo quanto à geração de emprego, renda e suas diversas interações eos impactos sociais. Inicialmente, foram verificadas as tipologias de turismo que erampraticadas e foi realizado o enquadramento dos empreendimentos como operadores deturismo sustentável, utilizando-se os princípios técnicos propostos pelo ConselhoBrasileiro de Turismo Sustentável – CBTS; posteriormente, foram apontadas as práticasde ecoinovação, com a adaptação de um modelo de checklist utilizado para identificar apresença de ecoinovações, proposto por Cândido e Brito (2019), e também foramidentificadas as dimensões, as tipologias e os tipos de agentes de ecoinovação, para sóentão diagnosticar, a partir de um modelo proposto por Aloise (2015), os principaisdeterminantes de ecoinovações nos empreendimentos pesquisados. A coleta de dadosocorreu por meio de visitação aos empreendimentos e realização de entrevistassemiestruturadas com os proprietários, sendo utilizada abordagem qualitativa; o estudo
    foi classificado como descritivo e exploratório, e o método foi dedutivo, com análise deconteúdo e observação participante. Houve emprego de evidências, e não foramdispensados dados secundários e documentais, com a busca de informações em sites eredes sociais dos empreendimentos. Os resultados apontaram para o fato de que asorganizações pesquisadas operam o turismo sustentável, são ecoinovadores e seusfatores determinantes são similares, apesar de trabalharem com tipos de turismodiferentes.

2019
Descrição
  • RAFAEL CHIARADIA ALMEIDA
  • INTERNET DAS COISAS E AS AGTECHS NO BRASIL
  • Orientador : IRACEMA MACHADO DE ARAGAO
  • Data: 09/12/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Internet e as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) estão transformando aeconomia mundial. Dentre estas tecnologias, destaca-se a Internet das Coisas (IoT), que englobauma rede de máquinas e dispositivos capazes de interagir entre si e que vem sendo objeto dediversos estudos recentes. Estima-se que a sua evolução causará um impacto comparado comaquele que teve a Internet na década de 1990 e a computação em nuvem alguns anos atrás. Noâmbito do agronegócio, a IoT pode contribuir com uma agricultura mais precisa, otimizando ouso de recursos como fertilizantes e água e aumentando a produtividade. Embora o Brasilpossua fortes e significativas vantagens competitivas no agronegócio, ele ainda possui desafiosa enfrentar, e a IoT é uma grande oportunidade para que o país consolide sua liderança mundial.Em um estudo realizado em janeiro de 2018 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovaçãoe Comunicações (MCTIC), foram definidos 8 eixos onde a aplicação da IoT seria importantepara o país atingir seu objetivo de se tornar o maior exportador de soluções de IoT para aagropecuária tropical. Para analisar como se encontra o cenário brasileiro de IoT no âmbito doagronegócio, este estudo primeiramente mapeou as startups do agronegócio que possuemprodutos e/ou serviços de IoT desenvolvidos, chegando-se ao número final de 23 Agtechs atéagosto de 2019. Em seguida, por meio de uma análise documental nos sites destas empresas e
    em reportagens de revistas eletrônicas, as soluções dessas Agtechs foram descritas e constatou-se que, com base nos eixos prioritários do Plano Nacional de IoT, apenas o Uso Eficiente de
    Recursos Naturais e Insumos possui um número significativo de empresas atuantes (12).Notou-se também que este segmento se encontra em fase de crescimento, mas com uma forteconcentração na Região Sudeste, sendo o estado de São Paulo o principal polo. Com relação àscamadas da arquitetura de IoT contempladas nas soluções dessas Agtechs, apenas as dedispositivos e de suporte a serviços e aplicações apresentaram um número relevante deempresas (15 e 19). Para confirmar estes dados e obter informações adicionais, um estudo decasos múltiplos foi feito por meio de entrevistas com os fundadores de 4 agtechs, e verificou-
    4se que a conectividade no campo é o maior problema enfrentado pelas empresas. Mesmo assim,apenas 3 startups estão atuando na camada de rede. As entrevistas mostraram ainda que, metadedas empresas estudadas se preocupam com a camada de segurança da informação, o que nãohavia sido possível de se afirmar apenas pela análise documental.

  • RICARDO TADEU SOARES SANTOS
  • SMART CITIES E EMPREENDEDORISMO: DIAGNÓSTICO DA CIDADE DE ARACAJU E PROPOSTA DE INICIATIVAS INTELIGENTES
  • Orientador : IRACEMA MACHADO DE ARAGAO
  • Data: 30/10/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As questões de sustentabilidade global e o atual modelo de urbanização vêm ganhando cada vezmais espaço em conferencias de relevância mundial. (UN-HABITAT, 2016). As Smart Cities(Cidades Inteligentes) têm sido um tema recorrente e atrelado às duas questões anteriores, horano âmbito dos poderes públicos municipais por meio de projetos em parceria público/privadacom empreendedores, e no meio acadêmico através de publicações científicas (ALVAREZ;SALZANI, 2019). Nesse sentido, este estudo teve por objetivo descrever e analisar a cidade deAracaju segundo as dimensões do modelo de Smart Cities de Giffinger e Gudrun (2010),especificamente em seus Fatores Serviços Públicos e Sociais; Governança Transparente eQualidade de Vida, de acordo com as três dimensões do desenvolvimento humano: longevidade,educação e renda. A partir deste modelo investigou quais iniciativas/projetos inteligentespropostas e/ou aplicadas em Smart Cities ao redor do mundo são vistas como prioridade pelosstakeholders (população da cidade) para aplicação em Aracaju. Quanto à metodologia, o estudoclassifica-se como descritivo fundamentado na abordagem de métodos mistos proposta porCreswell (2012), em desenvolver em uma pesquisa teórica, com vistas à formulação de umaproposta prática, com base nos conceitos de cidade inteligente e a partir de experimentosprévios implementados ao redor do globo, compilados em uma ferramenta multidimensionalque foi submetida à análise dos stakeholders em forma de questionário. A análise dosquestionários respondidos por munícipes de todos os bairros da cidade de Aracaju foi feita pormeio de estatística inferencial a partir do software IBM SPSS free versão 2016. Os resultadosindicaram convergência entre as propostas presentes no questionário analisadas pelosstakeholders e lacunas existentes na prestação de serviços públicos oferecidos na capital.Permitindo também a identificação de problemas nos setores da educação, saúde e mobilidadeurbana, muitas vezes não evidenciados pelo não escrutínio dos dados necessários para tal.

  • CARLA MILENA LORDÊLO CHAVES
  • UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM PROCESSOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO COM CONSULTORIAS DE GESTÃO DE PESSOAS SITUADAS EM SERGIPE
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 16/04/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A área de gestão de pessoas, ao longo do tempo, foi se transformando e se adaptando a um modelo de gestão mais estratégico, assumindo um novo papel dentro das organizações mediante o uso de tecnologias da informação e comunicação (TICs), pois, as empresas constataram a importância da internet como ferramenta para flexibilizar o processo de recrutamento e seleção, tornando-o mais digitalizado. Diante desse cenário, esta pesquisa tem o objetivo de averiguar como os recursos das TICs colaboram com os processos de recrutamento e seleção realizados por empresas de consultoria de gestão de pessoas situadas no Estado de Sergipe, sob a ótica da Teoria Institucional. Para atingimento deste objetivo, foi realizado um estudo qualitativo, de abordagem descritiva, adotando-se o estudo de casos múltiplos como estratégia de pesquisa. Foram entrevistados seis proprietários de consultorias e os dados foram analisados por meio da estratégia de análise comparativa dos casos. Entre os resultados da pesquisa, observou-se que as principais TICs utilizadas são os sites de divulgação de vagas e as redes sociais, especialmente o Instagram e o WhatsApp, para a etapa de recrutamento. Sobre a etapa de seleção, as empresas ainda utilizam formas mais manuais para triagem de currículos, aplicação de provas, e, sobre as entrevistas finais, as consultorias sempre preferem que aconteçam de forma presencial. Os principais motivadores ao uso de TICs em processos de recrutamento e seleção foram velocidade e assertividade nos processos, alcance de um maior número de candidatos e otimização dos processos seletivos e o principal fator inibidor foi a dificuldade dos candidatos no manuseio da tecnologia. Sobre os benefícios informados pelos entrevistados, encontram-se diminuição de processos operacionais, melhores oportunidades de conhecer o perfil do candidato e baixo investimento, no caso do uso das redes sociais. Adicionalmente, foi percebido que existem práticas de isomorfismo entre as consultorias e, no que se refere ao enquadramento do nível de institucionalização em que se encontram as consultorias, com base nas informações coletadas e no modelo de institucionalização de Tolbert e Zucker (1999), percebeu-se que a maioria das consultorias se encontra na fase de objetificação.

  • JOÃO RICARDO CORREIA ANDRADE
  • ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE DIMENSÕES DE QUALIDADE PERCEBIDAS POR CLIENTES NAS ORGANIZAÇÕES DE VAREJO ONLINE.
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O varejo online é categorizado como um e-commerce, do tipo business-to-consumer e diz respeito ao processo de transações comerciais ente empresas e consumidores. O varejo online apresentou um grande crescimento nos últimos anos, destacando-se também a elevada concorrência no setor. Nesse sentido, a percepção de qualidade por parte dos clientes nesse tipo de serviço eletrônico é fundamental para manutenção do negócio, de modo que diversos estudos propuseram dimensões que pudessem auxiliar na mensuração dessa qualidade percebida pelo consumidor. Atrelado a isso, a interatividade promovida pela Web 2.0 é responsável por influenciar o entendimento do papel do usuário no ambiente online, na medida em que promove o social commerce, que é resultado da difusão do uso das redes sociais para compras e vendas. Nesse sentido, empresas de varejo online passam a aderir a ferramentas do social commerce para se manterem competitivas. Em paralelo, emergem estudos que passam a destacar a importância de aspectos que não são puramente objetivos para percepção de qualidade no varejo online. Admitindo-se que as ferramentas provenientes do social commerce além de influenciar nas estruturas do varejo online, também influenciam na percepção de qualidade que os clientes têm em relação a ele e com isso, aspectos mais hedônicos da percepção de qualidade passam a ter uma relevância maior. Dessa forma, a presente pesquisa objetiva identificar quais são e em que medida os aspectos objetivos e hedônicos influenciam na mensuração da percepção de qualidade no varejo online. A presente proposta de pesquisa caracteriza-se como um estudo de natureza quantitativa e exploratória, em que serão realizadas proposições das hipóteses, baseadas no referencial teórico e o instrumento de coleta de dados a ser utilizado será um questionário, para ser aplicado a pessoas que já tenham vivenciado a experiência de compras no varejo online. Métodos estatísticos como a análise fatorial exploratória e confirmatória deverão ser utilizados para análise dos dados.

  • CANTIDIANO NOVAIS DANTAS
  • Mecanismos de Boas Práticas de Tecnologia da Informação nas Auditorias Tributárias das Fazendas Públicas Estaduais após a Inserção do Sistema Público de Escrituração Digital.
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 28/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Tecnologia da Informação (TI) é importante instrumento estratégico em qualquer organização: pública ou privada. Com o progresso da TI no setor público, especificamente nas atividades de capitações de receitas pelos órgãos fazendários públicos de controle, fiscalização e auditoria tributária, a infraestrutura de TI é parte integrante nas efetivações desses processos. Na toada do avanço tecnológico, o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) foi idealizado, construído e implantado na infraestrutura tributária brasileira, impactando nos mecanismos operacionais dos contribuintes, da contabilidade e do Fisco. Neste cenário, o objetivo da pesquisa é analisar a percepção de auditores de tributos quanto aos mecanismos de boas práticas da TI utilizada nas execuções de auditoria tributária na Secretaria de Estado da Fazenda de Sergipe (SEFAZ/SE), após a implantação do SPED. Considerando que a auditoria atua no contexto da governança corporativa como mecanismo para reduzir os problemas de agência, baseia-se a pesquisa nos pressupostos da teoria da agência, porquanto versa sobre os problemas de agência. As análises produzidas na pesquisa têm parâmetros no framework ISO/IEC 38500 e seus mecanismos de boas práticas de TI. A metodologia da pesquisa é de natureza exploratória, de abordagem qualitativa e com pesquisa de campo do tipo estudo de caso. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, aplicadas em Auditores de Tributos Estaduais de Sergipe, que atuam com desenvolvimento de auditorias tributárias segmentadas conforme a atividade econômica das empresas cadastradas como contribuintes de tributos estaduais. Os dados foram examinados à luz da análise da narrativa, planeando evidenciar as percepções dos auditores de tributos quanto aos mecanismos de boas práticas de TI da auditoria tributária utilizada por eles, em relação aos mecanismos de boas práticas de TI apontados no framework ISO/IEC 38500. Foram examinadas as relações dos mecanismos de boas práticas da TI utilizada na auditoria tributária com as respectivas identificações de fatores, evidências, consequências, influências e implicações nos problemas de agência. Os resultados da pesquisa apontam que, na percepção dos auditores, a gestão, o monitoramento, as avaliações de resultados e as adequações da TI utilizada na auditoria tributária estão em parte presentes no órgão e em evolução para melhorias. Entretanto, os auditores enfatizam que há deficiências na visibilidade, disseminação, inovação e treinamento das possibilidades de aplicações da referida TI. Concluiu-se pela necessidade de aprimoramento dos mecanismos de boas práticas de TI no órgão e que as percepções dos auditores permitem inferir sobre a existência de relações diretas entre os mecanismos de boas práticas da TI utilizada na auditoria tributária com os problemas de agência, presentes no órgão. A pesquisa contribui para ampliar a produção acadêmica nas áreas sobre mecanismos de boas práticas da TI aplicada em auditorias tributárias. A pesquisa limitou-se a único órgão público estadual do nordeste brasileiro, selecionado pelo critério da acessibilidade. Não obstante, evidencia-se que a ampliação da pesquisa para mais órgãos fazendários dos entes federativos proporcionaria maior aprofundamento no tema e, consequentemente, a demonstração de resultados mais próximos da realidade.

  • JOHN LENNON ANDRADE DE OLIVEIRA
  • PRÁTICAS DE GESTÃO DA QUALIDADE, INOVAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA: um estudo empírico das relações em empresas de manufatura certificadas com a ISO 9001 no Brasil
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 27/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • É comum dentre as organizações a busca de estratégias com as quais possam melhorar os seus respectivos desempenhos, bem como obter vantagem competitiva frente aos seus concorrentes. Dentre estas estratégias encontram-se os esforços em termos de melhoria da qualidade e desenvolvimento de inovações que, historicamente, foram creditadas como aspectos capazes de trazer vantagem competitiva para as organizações. A busca pelo melhor desempenho em qualidade proporcionou o surgimento de várias práticas de gestão, no esforço de criar formas eficazes de alcançar tal objetivo, como as práticas da gestão da qualidade total, que também estão presentes em certificações de sistemas da qualidade ISO 9001. No entanto, quais as relações entre práticas de gestão da qualidade, inovação e vantagem competitiva em firmas de manufatura certificadas com a ISO 9001 no Brasil? Argumentos sustentam que a utilização de práticas de gestão da qualidade é nociva ao desempenho inovador (MANGIOROTTI; RIILO, 2014), assim como também há aqueles que defendem uma influência positiva, ou seja, de que práticas de gestão da qualidade são capazes de potencializar o surgimento de inovações (FLYNN, 1994; PERDOMO-ORTIZ; GONZÁLEZ-BENITO; GALENDE, 2006). Dessa forma, o objetivo deste trabalho é investigar as relações entre práticas de gestão da qualidade, inovação e vantagem competitiva, por meio da realização de um estudo empírico em empresas de manufatura certificadas com a ISO 9001 no Brasil. Para isso, procedeu-se a replicação do questionário e do modelo teórico utilizados no artigo de Kafetzopoulos, Gotzamani e Gkana (2015), único estudo encontrado pelo pesquisador que investigou empiricamente as relações entre práticas de gestão da qualidade, inovações de produto e processo e vantagem competitiva. A presente pesquisa pode ser classificada como descritiva, adotando uma abordagem quantitativa, com coleta de dados feita por levantamento (survey). A análise quantitativa dos dados foi realizada por meio técnicas de estatística descritiva e multivariada, como distribuições de frequência, modelagem de equações estruturais e outros testes estatísticos, com o auxílio dos softwares Microsoft Excel®, G*Power, IBM SPSS® e SmartPLS©. Os resultados mostraram que o modelo adotado possui qualidade para medir as relações propostas, além de sustentar as hipóteses previamente definidas. O estudo conclui indicando que os resultados contribuem na direção da maioria dos estudos na temática, ou seja, de que práticas de gestão da qualidade possuem relações positivas e significantes com os dois tipos de inovação investigados, assim como os respectivos construtos de inovação possuem relações positivas e significantes com a vantagem competitiva. Além disso, também destaca algumas limitações da presente pesquisa, como a composição do modelo, o tempo de coleta de dados, dentre outros, indicando algumas propostas para estudos futuros, como a realização de estudos qualitativos e o incremento de outras variáveis e arranjos de relações no modelo testado.

  • LARISSA SOARES DE QUEIROZ RIOS
  • INTENÇÃO DE COMPRA NO SOCIAL COMMERCE: UM ESTUDO SOBRE A PERSPECTIVA DOS CONSUMIDORES BRASILEIROS
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 27/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A aderência dos usuários de Internet as plataformas de mídias sociais para interação com pares, geração e compartilhamento de conteúdo tem modificado as formas de comunicação, trabalho, relacionamento e entretenimento dos indivíduos, de modo que essas ferramentas são cada vez mais utilizadas para fins diferenciados, inclusive fins comerciais. Nesse sentido, o emprego das mídias sociais nas relações comerciais funciona como um veículo para o surgimento do fenômeno denominado social commerce (comércio social). O social commerce associa atividades online comerciais e sociais para apoiar consumidores no processo de decisão de compra e consumo de bens e serviços, sendo reconhecido como uma segunda geração de comércio eletrônico em que a relação empresa-consumidor é mais interativa. No cenário nacional, o comércio social é uma perspectiva emergente passível de investigação quanto as possibilidades de adoção por parte dos consumidores online. Na esteira desses fatos, este estudo propõe-se a verificar de que modo os componentes do social commerce, relacionados ao apoio social, presença social e fluxo, influenciam a confiança e, consequentemente, a intenção de compra online por parte dos consumidores. Para tanto, utiliza-se como modelo de pesquisa uma adaptação das propostas teóricas de Hajli (2015) e Dzahaban e Shihab (2016). No intuito de verificar as relações causais do modelo proposto, o estudo assumiu, em termos de procedimentos metodológicos, uma natureza quantitativa, uma abordagem descritiva e correlacional, optando pelo survey como estratégia de pesquisa. Utilizou-se portanto na coleta de dados um questionário online com 31 indicadores referentes ao modelo teórico proposto, dentre outros itens. Foi alcançada uma amostra não probabilística, por auto seleção, de 232 respondentes brasileiros, usuários do Facebook, que buscam informações sobre produtos em mídias sociais e são consumidores online. Os dados foram submetidos a análise por meio de estatística descritiva e modelagem de equações estruturais. Os achados indicam a viabilidade das relações entre os construtos, de modo que cada um contribui para a composição do modelo de pesquisa e da Intenção de Compra. Das nove hipóteses testadas, oito foram estatisticamente suportadas e evidenciou-se caminhos estruturais e sociais no modelo final pelos quais o consumidor online brasileiro pode ter a intenção de comprar no Facebook. Dentre as contribuições dos resultados da pesquisa, percebeu-se que a influência da Confiança sobre a Intenção de Compra é potencializada pela experiência do consumidor online e o Apoio Social é uma das variáveis mais relevantes para os usuários brasileiros do Facebook na adoção de comércio social. Por fim, confirma-se a possibilidade de compras em mídias sociais, como o Facebook, por meio das ferramentas que permitem a interação dos usuários, uma experiência positiva e a geração de confiança em compromissos transacionais estabelecidos entre as partes em uma rede social virtual.

  • JESSICA SAMARA CRUZ SANTOS
  • COLABORAÇÃO NA GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS: PROPOSTA DE UM FRAMEWORK PARA IMPLANTAÇÃO DO SOCIAL BPM
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 25/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As organizações, constituídas de processos de negócios, cada vez mais estão reconhecendo a colaboração como um importante meio para alcançar benefícios como produtividade, qualidade, inovação, desempenho financeiro, e atendimento às necessidades do cliente, e estão investindo em medidas que propiciem ambientes colaborativos. O crescente interesse acerca da colaboração se traduz com a evolução das ferramentas tecnológicas que apoiam práticas colaborativas, a exemplo do softwaresocial. Tal contexto fez emergir uma nova abordagem conhecida como Social Business Process Management(Social BPM) que insere os preceitos de colaboração e softwaresocial à Gestão de Processos de Negócios ou Business Process Management (BPM). Por se tratar de um tema recente, ainda com poucos relatos sobre seu uso na prática, brota a importância da realização de mais estudos sobre a abordagem. Como forma de buscar a melhoria de processos por uma abordagem centrada na colaboração, a presentedissertaçãose propôs a desenvolverum frameworkpara implantação do Social BPM que possa contribuir para a melhoria das atividades desenvolvidas nas organizações. A pesquisa apoia-se em uma perspectiva interpretativista, de natureza aplicada e abordagem qualitativa, do tipo exploratório-descritiva. A estratégia utilizada foi a pesquisa-ação. Com esse método, o frameworkde Social BPM proposto foi aplicado na práticana Divisão de Controle e Registro Acadêmico da Pós-Graduação (DCRA) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), que se configura como um setor que busca a melhoria dos seus processos internos.Os dados foram coletados a partir de fontes documentais e bibliográficas, observação participante e entrevistas semiestruturadas e, na sequência, foram analisados por meio de análise de conteúdo qualitativa e temática. Dentre as principais conclusões decorrentes da pesquisa, pôde-se perceber que o Social BPM trouxe, com a aplicação das fases e etapas propostas no framework, a inserção da colaboração no ambiente de trabalho durante o ciclo de vida da gestão de processos. A colaboração pôde auxiliar, por meio de diferentes percepções, na otimização de um processo de negócio, tendo como fatores determinantes o relacionamento interpessoal e o envolvimento das pessoas, evidenciando-se a importância da sensibilização e da capacitação para o sucesso na implantação do Social BPM.

  • RODRIGO TELES DANTAS DE OLIVEIRA
  • STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL: PROCESSOS AMBIENTAIS E CONDICIONANTES À SOBREVIVÊNCIA DE ORGANIZAÇÕES
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 25/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A modalidade de ensino Stricto Sensu em Administração, surgida no Brasil no final da década de 1960, passou por diversas mutações na forma como seus programas de pós-graduação (PPGs) surgem, se mantêm e, por vezes, fenecem. Apesar da importante expansão da área, observada nas duas últimas décadas, a mais recente avaliação quadrienal da CAPES (2017) demonstrou uma inflexão nesse campo, expressa pelo aumento do número de programas acadêmicos mal avaliados pela entidade, ou seja, cursos que tiveram suas notas rebaixadas. Considerando o ambiente organizacional uma importante variável de análise, a Ecologia Organizacional busca explicar como se dão os fenômenos de fundação e fracasso de organizações (HANNAN; FREEMAN, 1977), dentre outras formas, por meio do estudo dos processos ecológicos, demográficos e ambientais. Explorando esse cenário, esta pesquisa objetiva compreender como os processos ambientais de cunho institucional, quais sejam a regulação, oscilações políticas e ligações institucionais, influenciam no declínio de PPGs em Administração. Para tanto, executou-se um estudo de natureza explicativa e abordagem qualitativa, baseada na triangulação dos dados por meio de entrevistas semiestruturadas com o corpo diretivo dos PPGs abordados, pesquisa documental aos relatórios, pareceres, avaliações e outros concernentes à queda de nota dos PPGs e observação não-participante como ferramentas de coleta de dados. Para o exame desses dados, foram realizadas as análises de narrativa e documental, relacionando-as com as impressões emergidas na observação, intentando evidenciar as relações que as variáveis regulação, oscilações políticas e ligações institucionais nutrem com o declínio dos programas. Os resultados confirmam as premissas da Ecologia Organizacional, que afirma que os processos ambientais condicionam o fracasso organizacional, sendo os elementos mais significativos: as alterações dos critérios de avaliação, o peso da produção qualificada, a atuação da coordenação de área e as determinações das Instituições de Ensino (regulação); reorientações das políticas públicas da pós-graduação, retração de recursos e atuação dos governos (oscilações políticas); desequilíbrio na distribuição de recursos e poder e fragilidade na internacionalização e nas relações com agências de fomento, empresas, redes de pesquisa e CAPES (ligações institucionais). Adicionalmente, propõe-se uma nova categoria de análise, de caráter intraorganizacional, que se apresentou como importante elemento a ser considerado pelos estudos ecológicos organizacionais, tendo em vista a emersão de aspectos internos, a exemplo da estruturação do corpo docente, o planejamento da produção qualificada, a redação do relatório de avaliação e aspectos comportamentais dos integrantes dos PPGs.

  • OBDERAN BISPO DOS SANTOS
  • COOPETIÇÃO EM AGLOMERAÇÕES COMERCIAIS LOJISTAS: ANÁLISE CONFIRMATÓRIA NO MUNICÍPIO DE LAGARTO – SERGIPE.
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 20/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A cooperação entre empresas é uma estratégia tão irreversível quanto à globalização. Neste sentido, entende-se que as relações entre as organizações que cooperam, ao mesmo tempo que competem, proporcionam vantagens capazes de influenciar positivamente seus resultados, promovendo assim, um ganho competitivo em cadeia. É neste cenário que, a pesquisa aborda o intrigante e atual fenômeno da coopetição em aglomerações comerciais. Confere ponderar que, coopetição é entendida por comportamentos de cooperação competitiva entre empresas, ou seja, concorrentes que cooperam para gerar valor coletivo, ao tempo que, competem por benefícios individuais. Deste modo, esta pesquisa tem por objetivo principal, analisar a influência da cooperação, competição na coopetição entre os comerciantes associados à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Lagarto/SE, proporcionando a compreensão, de forma geral, do fenômeno da coopetição em um aglomerado comercial. A pesquisa tem caráter exploratório e descritivo com natureza quantitativa, cuja coleta de dados, deu-se por meio da aplicação de um questionário estruturado, no qual, foram incluídas as variáveis que formam o modelo de análise da coopetição desenvolvido por Silva (2016). Os resultados apresentaram uma distribuição anormal com aplicação de técnicas de análises estatísticas não-paramétricas para os dados coletados. Neste sentido, resultados encontrados, apesar de menos generalistas, proporcionaram o aprofundamento do estudo do fenômeno da coopetição obtendo, por conclusão, que não foi possível confirmar, estatisticamente, as hipóteses desta pesquisa, de que, quanto maior a competição, menor é coopetição e, quanto maior a cooperação, maior também é a coopetição.

  • SHIRLEY ANDRADE SOUZA
  • CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DOS SINAIS CAPTURADOS DO AMBIENTE PARA INOVAÇÃO: Um estudo de casos em empresas industriais sergipanas do segmento de confecções têxtil
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 20/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A profunda transformação econômica, social e tecnológica que vem ocorrendo ao longo dos anos, juntamente com a abertura comercial do país, tem trazido mudanças estruturais para a indústria brasileira. Essas mudanças têm sido ainda mais significativas para as empresas brasileiras do segmento de confecção têxtil, por estarem inseridas em um mercado que se apresenta altamente dinâmico, competitivo, mutável e com forte presença de produtos asiáticos, o que tem exigido dessas empresas o desenvolvimento de capacidades para absorver as mudanças do ambiente e gerar inovação. Ademais, essas transformações fizeram com que as empresas ampliassem a demanda e a necessidade de utilizar suas capacidades internas para monitorar, capturar e aplicar os sinais que o ambiente emite sobre tendências ou mudanças de mercado. Nesse sentido, partindo dos pressupostos de que a capacidade de sobrevivência de uma organização depende da sua habilidade para antecipar-se às mudanças de seu ambiente e de que a captura de sinais no mercado fornece informações que possibilitam as empresas a tomarem decisões para inovar e, consequentemente, obter maior sobrevivência do seu negócio, este estudo tem por objetivo descrever a capacidade absortiva (CA) de empresas industriais sergipanas, do segmento de confecção têxtil, para os sinais capturados do ambiente que indicam necessidade de inovação em resposta às mudanças do mercado. O desenvolvimento da pesquisa ampara-se em um modelo de mensuração multidimensional da CA apoiado na proposta desenvolvida por Camisón e Fóres (2011). Para a realização da pesquisa foi construído um instrumento de coleta qualitativo, que fora aplicado em sete empresas com características inovadoras comparadas à concorrência local. As empresas são de micro a médio porte e desenvolve inovações em processo e marketing. O resultado mostra que as indústrias analisadas buscam renovação do conhecimento existente e assimilam as informações externas para se adaptar e transformar suas estratégias organizacionais. A exploração do conhecimento ocorre a partir das relações com clientes e fornecedores, do conhecimento prévio das lideranças e da estrutura existente na organização. As empresas que melhor apresentaram a CA foram as que enfrentaram concorrência direta, pois a sua presença criou estímulos para a realização da busca por informações para se diferenciarem e se tornarem competitiva.

  • ANALU NEVES DE MENDONÇA CAVALCANTE
  • IES PRIVADAS DO ESTADO DE SERGIPE E SEUS PROCESSOS DE INSTITUCIONALIZAÇÃO FRENTE ÀS DETERMINAÇÕES DO MEC
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 18/02/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A abertura dos mercados e a possibilidade de explorar a educação por entidades privadas proporcionou o crescimento do número de Instituições de Ensino Superior (IES) particulares em todo o Brasil. Mais de 85% do total de universidades e faculdades brasileiras são privadas (INEP, 2017). Neste contexto, regulamentações e critérios pré-estabelecidos foram criados pelo Ministério da Educação (MEC) para garantir que um padrão mínimo de qualidade seja atendido na prestação de serviços educacionais. Contudo, apesar de as regulamentações serem as mesmas em todo território nacional, interpretações e ações são diferenciadas de IES para IES em virtude da capacidade de tradução desenvolvida e praticada pelo gestor da organização. Esta individualidade e subjetividade que envolve a tradução de normas administrativas em ações práticas favoreceu a relação de teorias como a Teoria Institucional e a teoria das Capacidades Dinâmicas na busca do entendimento de como ocorre esse processo. Diante do exposto, o objetivo desta pesquisa é compreender a institucionalização de práticas estratégicas em IES privadas de Sergipe por meio da tradução e adaptação dos padrões regulatórios do MEC. O estudo possui natureza qualitativa, a estratégia de pesquisa foi um estudo de casos comparativos, com natureza exploratória e descritiva. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas com gestores de IES privadas sergipanas, e a análise de resultados se deu por análise de conteúdo. Pretendeu-se com este trabalho contribuir com as crescentes pesquisas que envolvem a Teoria Institucional e a teoria das Capacidades Dinâmicas, além de compreender as ações realizadas por IES na busca de atendimento às normas e prestação de serviços de qualidade. Os dados obtidos pelas entrevistas em três instituições de ensino privadas, com profissionais-chave, sendo participantes do Núcleo Docente Estruturante (NDE), Coordenadores de Curso e Membros da Comissão Própria de Avaliação (CPA), foram complementados pela percepção e visão da pesquisadora tanto no ambiente ao qual os encontros eram realizados, quanto nos meios de comunicação e divulgação usados pelas IES. Comparativos foram realizados em busca de verificar a existência de isomorfismo institucional no tocante à forma com que as decisões são tomadas a partir de regulamentações do MEC. Concluiu-se que, apesar de obedecerem a legislações idênticas, as IES se comportam de maneira distinta, observando um movimento comum participativo nas IES de portes menores. Relacionando as respostas dos entrevistados com as capacidades dinâmicas, foi percebido que em IES de porte e experiência de mercado menores, os docentes possuem mais voz participativa sendo possível idenficar capacidades dinâmicas no processo decisório. Diferente da realidade da IES de porte e experiência maiores, na qual os colaboradores não fazem parte de reuniões participativas sendo suas contribuições apenas na execução do que lhes foi imposto, ou seja, visualização de capacidades ordinárias. A pesquisa limitou-se à IES privadas sergipanas selecionadas por acessibilidade, contudo, uma expansão na pesquisa de comportamento de IES privadas no tocante a esse processo, envolvendo mais instituições, geraria um melhor aprofundamento no tema, além de demonstrar resultados mais próximos da realidade.

2018
Descrição
  • RAISA TEIXEIRA SANTANA
  • EMPREENDEDORISMO INFORMAL DIGITAL E SOCIAL COMMERCE: Um Modelo de Negócios no Instagram
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 19/10/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O empreendedorismo informal é um fenômeno presente em todo o mundo e que tem como característica a heterogeneidade de suas atividades, não ser regulada pelo governo e, consequentemente, não pagando os encargos tributários devidos. Já o empreendedorismo digital surgiu há pouco tempo em virtude das inúmeras transformações tecnológicas e do advento de ferramentas relacionadas à Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC), caracterizando-se por transações mais rápidas e pelo alcance global. Esses avanços também possibilitaram o surgimento do social commerce que é um modelo de negócio que tem como base a junção das características das redes sociais virtuais e dos sites de comércio eletrônico para o compartilhamento, a compra e a venda de produtos e serviços. Ao combinar ambos os tipos de empreendedorismo, tem-se o empreendedorismo informal digital que abrange atividades econômicas no ambiente virtual como, por exemplo, redes sociais virtuais, e que não são reguladas pelas autoridades públicas. Com a intenção de contribuir com uma exploração dessa temática, esta pesquisa objetiva analisar como ocorre o empreendedorismo informal digital por meio do Instagram no Nordeste. A investigação tem natureza qualitativa e é do tipo exploratória e descritiva. Os dados de 15 empresas de vestuário foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e observação não-participante. Posteriormente, esses dados foram analisados por meio da análise de conteúdo o auxílio do software MAXQDA®.Os resultados da investigação indicam que os perfis dos donos de negócio que utilizam o Instagram como canal para empreender não são tão distintos, já que grande parte são mulheres, com no mínimo o Ensino Médio Completo, sem experiência anterior com negócios on-line. Motivações como facilidade para acesso de novos mercados, aumento da exposição dos produtos e oportunidade estão entre as mais citadas para iniciar o empreendimento. Já as dificuldades mais abordadas foram conseguir seguidores, somente visão e audição (som) podem ser utilizados, funcionalidades ruins e competição por preços, ou seja, todas ligadas especificamente ao ambiente virtual. O relacionamento com clientes e fornecedores se dá de forma presencial e virtual, sendo esta última a mais utilizada. Apesar do empreendimento existir no Instagram, essa rede social virtual não é a ferramenta mais utilizada quando se trata de interação, nesse caso, o WhatsApp é a preferência tanto de clientes quanto de fornecedores. Com relação ao volume médio de vendas, só foi possível realizar estimativas relacionadas a períodos de alta e baixa demanda, visto que grande parte dos respondentes desta pesquisa não têm um controle de vendas. Apesar disso, foi possível observar que mesmo se tratando de uma investigação somente com empresas de vestuário, cada uma possui suas particularidades o que influencia sobremaneira do volume de vendas de cada uma. Dessa forma, os empreendedores pesquisados possuem perspectivas e hábitos distintos, não havendo a possibilidade de indicar qual a melhor ou a pior maneira de empreender pelo Instagram ou de pontuar uma resposta precisa e válida para todos os empreendedores informais digitais sobre como ocorre esses empreendimentos por meio do Instagram no Nordeste. Além disso, a grande capacidade de adaptação permite que o social commerce no Instagram possa ser utilizado por várias pessoas com características distintas. Todavia, o s-commerce é algo recente, não sendo possível afirmar se a realidade encontrada nesta pesquisa irá prevalecer com o passar dos anos.

  • FLAVIA KARLA GONÇALVES SANTOS
  • Parcerias Interorganizacionais em iniciativas de Bancos Comunitários sob a ótica da Inovação Social
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 06/08/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os debates sobre a inovação social vêm ganhando destaque nos últimos anos, principalmente por causa do aumento dos problemas socioambientais e o descaso do governo e das empresas no atendimento das necessidades sociais. Portanto, essas inovações sociais tendem a ser construídas por meio de parcerias existentes entre os atores (empreendedores sociais, organizações, governo, movimentos sociais, comunidade). Como exemplo de parcerias de inovação social podemos citar: os bancos populares, clubes de troca, cooperativas sociais e sociedades cooperativas de interesse público. As parcerias intersetoriais são verificadas como uma das causas da sustentabilidade das iniciativas sociais, porém essas relações são de extrema complexidade, enfrentando assim muitos desafios, como autonomia, confiança, legislação brasileira, entre outros. Diante disso, esta pesquisa tem como objetivo compreender como ocorre a dinâmica das parcerias em iniciativas de Bancos Comunitários de Desenvolvimento (BCDs) dentro da ótica da inovação social. Foi feito um estudo de casos múltiplos em noves BCDs do Nordeste: Lagoa de Dentro (PB), Santa Luzia (BA), Olhos D’água (AL), Ilhamar (BA), Jardim Botânico (PB), Pureza (RN), Cocais (PI), Solidário do Gostoso (RN) e Rede Opala (PI). Com foco na abordagem qualitativa, a pesquisa foi de cunho exploratório e descritivo, onde foi utilizado como estratégia para análise dos dados a triangulação de dados (entrevistas e documentos) e a análise de conteúdo. A partir da análise de dados essa pesquisa verificou que os BCDs do Nordeste pesquisados foram implantados por meio da incitação das incubadoras solidárias da Universidade Federal da Bahia e da Universidade Federal da Paraíba. As entidades envolvidas na comunidade executam o processo de criação por meio de um conselho gestor, firmando parcerias das mais diversas: associações, grupos, assentamentos, entidades públicas e entidades privadas. Todos esses mencionados são os atores que dão sustentabilidade aos bancos comunitários, tornando-se parceiros. E ficou evidenciado que toda parceria é válida, dentre as mais diversas formas, pois o banco comunitário não é autossustentável. Sendo assim, existe um esforço inicial e contínuo na busca de parcerias, e esse contato é feito por meio de apresentações públicas e por “boca a boca”. Os resultados da pesquisa indicam que apesar dos esforços para aquisição de parceiros, identificou-se que é difícil formar parcerias para criação e manutenção de um banco comunitário de desenvolvimento, mesmo tendo um impacto social para a comunidade. E este panorama decorre da falta de conhecimento da comunidade sobre o que é um banco comunitário, do preconceito com algo novo e a falta de entendimento como a moeda social circula, visto que muitos parceiros só querem retorno financeiro, não compreendendo a dinâmica de um banco comunitário de desenvolvimento. Com isso, percebe-se que a falta de conhecimento, entendimento sobre o assunto de bancos comunitários de desenvolvimento, dificulta a aquisição de parcerias, sendo que a parceria é um fator primordial para que o banco comunitário exista e cresça. Por isso, os bancos comunitários devem ser difundidos e melhor geridos no tocante a publicidade, fazendo com que o seu conceito tenha um maior alcance e assim consigam parcerias.

    Os debates sobre a inovação social vêm ganhando destaque nos últimos anos, principalmente por causa do aumento dos problemas socioambientais e o descaso do governo e das empresas no atendimento das necessidades sociais. Portanto, essas inovações sociais tendem a ser construídas por meio de parcerias existentes entre os atores (empreendedores sociais, organizações, governo, movimentos sociais, comunidade). Como exemplo de parcerias de inovação social podemos citar: os bancos populares, clubes de troca, cooperativas sociais e sociedades cooperativas de interesse público. As parcerias intersetoriais são verificadas como uma das causas da sustentabilidade das iniciativas sociais, porém essas relações são de extrema complexidade, enfrentando assim muitos desafios, como autonomia, confiança, legislação brasileira, entre outros. Diante disso, esta pesquisa tem como objetivo compreender como ocorre a dinâmica das parcerias em iniciativas de Bancos Comunitários de Desenvolvimento (BCDs) dentro da ótica da inovação social. Foi feito um estudo de casos múltiplos em noves BCDs do Nordeste: Lagoa de Dentro (PB), Santa Luzia (BA), Olhos D’água (AL), Ilhamar (BA), Jardim Botânico (PB), Pureza (RN), Cocais (PI), Solidário do Gostoso (RN) e Rede Opala (PI). Com foco na abordagem qualitativa, a pesquisa foi de cunho exploratório e descritivo, onde foi utilizado como estratégia para análise dos dados a triangulação de dados (entrevistas e documentos) e a análise de conteúdo. A partir da análise de dados essa pesquisa verificou que os BCDs do Nordeste pesquisados foram implantados por meio da incitação das incubadoras solidárias da Universidade Federal da Bahia e da Universidade Federal da Paraíba. As entidades envolvidas na comunidade executam o processo de criação por meio de um conselho gestor, firmando parcerias das mais diversas: associações, grupos, assentamentos, entidades públicas e entidades privadas. Todos esses mencionados são os atores que dão sustentabilidade aos bancos comunitários, tornando-se parceiros. E ficou evidenciado que toda parceria é válida, dentre as mais diversas formas, pois o banco comunitário não é autossustentável. Sendo assim, existe um esforço inicial e contínuo na busca de parcerias, e esse contato é feito por meio de apresentações públicas e por “boca a boca”. Os resultados da pesquisa indicam que apesar dos esforços para aquisição de parceiros, identificou-se que é difícil formar parcerias para criação e manutenção de um banco comunitário de desenvolvimento, mesmo tendo um impacto social para a comunidade. E este panorama decorre da falta de conhecimento da comunidade sobre o que é um banco comunitário, do preconceito com algo novo e a falta de entendimento como a moeda social circula, visto que muitos parceiros só querem retorno financeiro, não compreendendo a dinâmica de um banco comunitário de desenvolvimento. Com isso, percebe-se que a falta de conhecimento, entendimento sobre o assunto de bancos comunitários de desenvolvimento, dificulta a aquisição de parcerias, sendo que a parceria é um fator primordial para que o banco comunitário exista e cresça. Por isso, os bancos comunitários devem ser difundidos e melhor geridos no tocante a publicidade, fazendo com que o seu conceito tenha um maior alcance e assim consigam parcerias.

  • SANDRA BARBOSA DOS SANTOS SILVA
  • Inovação Frugal nos Pequenos Negócios: Estudo de Múltiplos Casos à luz dos Princípios da Jugaad
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 25/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A inovação vem sendo apontada, por diversos estudos, como fonte de energia competitiva para os negócios num mercado dinâmico e globalizado. Independente do porte, os pequenos negócios também podem e devem inovar, pois em países como o Brasil, as pequenas empresas representam mais de 90% do total de empresas do país, sendo importante fonte de empregabilidade (SEBRAE, DIEESE, 2015). Ao pesquisar especificamente sobre a inovação frugal, objetiva-se descrever como os pequenos negócios desenvolvem inovação frugal em suas atividades de produção de bens e serviços à luz dos princípios da Jugaad. O estudo é de natureza qualitativa, sob a estratégia de estudo de casos múltiplos. Para coleta das evidências serão realizadas analise documental, entrevistas semiestruturadas e observação direta. E os dados serão analisados por meio de análise individual dos casos e cross-case analysis. Com este estudo pretende-se, aumentar as possibilidades de inovação para as micros e pequenas empresas a partir do conhecimento gerado, bem como contribuir com a geração de material acadêmico que induza ao surgimento de novas pesquisas acerca do tema voltadas para a realidade brasileira.

  • ALEXANDRE DIAS CARDOSO E SILVA
  • A ECONOMIA INFORMAL E O DISCURSO GLOBAL DE ORGANIZAÇÕES SUPRANACIONAIS
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 04/06/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A economia informal representa grande parte do movimento econômico mundial sendo que, segundo alguns estudos como o de Schneider e Williams (2013) e Williams (2015), poderia atingir cerca de 40% de todo o movimento econômico mundial. Considerando o contexto atual e histórico da economia informal, suas múltiplas causalidades e manifestações, fatores que impactam e incrementam a informalidade, a problemática da pesquisa se situa na perspectiva de desvendar os discursos que circunscrevem o campo de estudo definido pela economia informal. Nesse estudo, interessa desvendar as concepções de estruturas discursivas supranacionais e globais (a Organização Mundial do Comércio/OMC, Organização Internacional do Trabalho/OIT e o Banco Mundial) sobre economia informal e como essas se articulam, se contradizem, convergem e divergem em relação ao tema da informalidade. Para tanto, será utilizada a abordagem crítica do discurso na tentativa de desvendar contradições, similaridades e diferenciações que o discurso dessas organizações carregam sobre o tema. A investigação será baseada no instrumental metodológico proporcionado pela Análise Crítica do Discurso - ACD, de matriz inglesa, proposta por Norman Fairclough (2001). Este estudo é de natureza qualitativa, baseado em pesquisa documental sobre publicações, relatórios e manifestos das organizações supranacionais OMC, OIT e Banco Mundial. A análise de dados seguiu a estratégia da ACD de Fairclough (2001) partindo das dimensões e categorias de análise propostas pelo método de ACD. Os resultados da pesquisa sinalizam para questões e interpretações convergentes e divergentes (intertextualidade discursiva) em relação ao fenômeno da informalidade no mundo, bem como indicações e recomendações das agências no sentido de gerenciar causas e consequências da informalidade e suas perspectivas futuras.

  • MAGNO WILLAMS DE MACÊDO FARIAS
  • GESTÃO DE BENS COMUNS E INOVAÇÃO SOCIAL: O CASO DO BANCO COMUNITÁRIO DOS COCAIS
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 11/05/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Diante da exclusão promovida pelo sistema financeiro convencional (bancos públicos e privados) devido aos critérios de seletividade, garantias exigidas e margens de retorno financeiro perseguido por essas instituições, grande parcela da população brasileira não dispõe de acesso aos serviços bancários. São pessoas que vivem em situação de extrema pobreza, principalmente as que moram em comunidades distantes dos centros urbanos das cidades brasileiras. Para essa parcela da população, recentemente, tem surgido alternativas que tentam democratizar o acesso aos recursos financeiros, que passam a ser tratados como bem comum, ou seja, de uso coletivo, especialmente para unidades econômicas de pequena monta, utilizando-se de inovações constituídas por uma multiplicidade de arranjos institucionais e novos mecanismos de governança, como as inovações no campo das finanças solidárias, em especial os Bancos Comunitários de Desenvolvimento (BCDs). A partir desse contexto, o presente estudo buscou compreender a natureza da inovação e os desafios suscitados na gestão dos serviços de finanças solidárias realizados por meio de Bancos Comunitários como modalidade de um bem comum. Para atingimento deste objetivo, foi realizado um estudo de caso único no Banco Comunitário dos Cocais, localizado no município de São João do Arraial, no estado do Piauí. Este estudo tem caráter qualitativo, com abordagem descritiva e exploratória. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, pesquisa documental e observação não-participante e na sequencia analisados por meio de narrativa. O banco dos Cocais foi construído por seus próprios usuários, com a finalidade de resolver o problema da falta de acesso a serviços financeiros no município, em especial para a parte da população excluída do sistema bancário convencional, tendo como mecanismos de acesso a utilidade social destes serviços, em especial o crédito solidário, respeitando as características socioculturais do território de pertencimento de seus usuários, definindo-o como uma inovação social. Foram identificados desafios relacionados: (a) ao processo de construção da iniciativa, a conflitos relacionados a questões politicas do território, desafios em relação à aceitação da moeda social, a limitação do fundo de crédito, e a desmobilização da população em relação à gestão do banco. Tais desafios expressam a complexidade presente na gestão de recursos de uso comum.

  • CAROLINE OLIVEIRA MELO
  • Adoção e implementação das tecnologias da informação e comunicação: um estudo de caso sobre maturidade eletrônica
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 23/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As tecnologias da informação e comunicação (TICs) têm provocado diversas mudançasna sociedade, levando empresas e instituições a buscar novas formas de operacionalizarsuas ações. As instituições de ensino também estão incluídas neste processo, emespecial porque é delas o papel de formar cidadãos e profissionais preparados para lidarcom as novas demandas sociais e organizacionais. Portanto, se faz necessário lançarespecial atenção para os movimentos que buscam inserir as TICs em tais instituições,com destaque para o papel desempenhado pelos gestores, pois é deles aresponsabilidade pelo processo decisório para adoção das TICs, assim como peloplanejamento e execução de ações que visem sua implementação. Diante do exposto,este estudo buscou analisar como ocorre o processo de adoção e implementação dastecnologias da informação e comunicação pelos gestores educacionais do InstitutoFederal de Sergipe, visando a maturidade eletrônica da instituição. Para atingimentodeste objetivo, foi realizado um estudo qualitativo, de abordagem descritiva eexploratória, adotando-se o estudo de caso único como estratégia de pesquisa. Os dadosforam coletados mediante entrevistas semiestruturadas, pesquisa documental eobservações diretas, posteriormente submetidos à técnica de análise de conteúdo. Aanálise dos dados permitiu desvelar os principais elementos que impulsionam a adoçãoe implementação das TICs na instituição, aqueles que impõem seu uso e os que criambarreiras ou dificultam a adoção. Além disso, o processo decisório da instituição foiidentificado, bem como os elementos presentes nas etapas de conhecimento, persuasão,decisão e implementação. Em seguida, tais elementos foram analisados à luz dosconceitos presentes nos modelos de e-maturity, destacando-se aqueles relacionados àinfraestrutura, liderança tecnológica e suporte para uso e disseminação das TICs. Olevantamento e análise de todos estes dados permitiu mapear as principais ações que ainstituição de ensino precisa desenvolver para atingir a e-maturity administrativa.Conclui-se que as três dimensões da e-maturity precisam estar igualmente atendidaspara que a maturidade eletrônica na instituição seja alcançada. No caso da instituiçãopesquisada, algumas ações já são desenvolvidas, outras ainda precisam ser planejadas eexecutadas para o alcance da maturidade total.

  • LEA CRISTINA SILVA BOMFIM
  • A CONSTRUÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO POR EMPREENDEDORAS: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM EMPRESAS DE ALTO CRESCIMENTO
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 22/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O empreendedorismo é reconhecido como um instrumento de desenvolvimento e crescimento econômico, principalmente em economias emergentes como a brasileira, onde as empreendedoras já representam maioria dos empreendimentos iniciais (GEM, 2016), mas por outro lado a literatura do empreendedorismo feminino vem suscitando, com base em estudos predominantemente quantitativos, que empresas de mulheres têm um crescimento inferior em comparação a seus homólogos masculinos, sendo ainda escassos estudos que examinem o crescimento a partir de suas estratégias e diferenças qualitativas. Assim, esta pesquisa buscou analisar as estratégias de crescimento construídas por empreendedoras em empresas que apresentaram período de alto crescimento e, com isso, ampliar a compreensão do fenômeno. Para atingir esse objetivo foi construído um modelo analítico com base no referencial teórico visando nortear a análise em três dimensões: indivíduo, empresa e ambiente. O estudo é de natureza qualitativa, a estratégia de pesquisa foi o estudo de casos múltiplos, as evidências foram coletadas por meio de entrevistas semiestruturadas com as proprietárias, documentos e observação direta. A análise se procedeu por meio da técnica denominada cross-case analysis, utilizada para examinar semelhanças e diferenças entre os casos. Como principais resultados, destacam-se: na dimensão indivíduo, a intensidade empreendedora não relacionada ao tempo em horas, mas sim à eficiência do uso desse tempo alcançada por um alto grau de profissionalismo na gestão, autoconhecimento e inteligência emocional; na dimensão empresa, as empreendedoras mais orientadas para a estratégia promoveram formas mais peculiares de combinar os recursos; na dimensão ambiente, o monitoramento constante promoveu inovações para a empresa e, principalmente, para o mercado, sublinhando-se ainda, que as formas de análise de uma potencial oportunidade de crescimento foram predominantemente intuitivas e fatores subjetivos como risco de afetar a reputação, senso de legado, emoção e espiritualidade influenciaram na decisão por explorar as oportunidades de crescimento no entorno da firma. Por fim, em uma perspectiva não econômica, o crescimento empresarial, para elas, não se dissocia do crescimento pessoal, da qualidade de vida dos trabalhadores e do bem-estar social.

  • JOENISON BATISTA DA SILVA
  • A Relação Entre os Modelos Mentais dos Empreendedores e o Desempenho Organizacional de Startups do Nordeste Brasileiro
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 21/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A forma como o cenário econômico está estruturado, pode ser considerado fator central na investigação dos aspectos relacionados ao desempenho organizacional. Entretanto, os aspectos internos à organização podem também ser fatores influenciadores do desempenho, como por exemplo, os modelos mentais dos empreendedores. Os modelos mentais representam a estruturação perceptiva dos gestores acerca das decisões a serem tomadas no âmbito organizacional e que podem acabar refletindo no sucesso ou fracasso empresarial. Diante disso, essa pesquisa teve como objetivo principal verificar a relação entre os modelos mentais e o desempenho organizacional de startups do nordeste brasileiro, com base no modelo de De Toni et al., (2014). Essa investigação tornou-se relevante, tendo em vista a alta taxa de mortalidade das startups brasileiras, chegando a cerca de 25% em seu primeiro ano de atuação e 50% antes de completar 4 anos no mercado (ARRUDA et al., 2012). A metodologia adotada na pesquisa foi de caráter qualiquantitativa (abordagem mista), sendo dividida em duas etapas. A primeira etapa foi constituída de entrevistas semiestruturadas com 5 (cinco) empreendedores/gestores de startups do Nordeste brasileiro, visando analisar a percepção destes indivíduos no tocante às dimensões investigadas. Já na segunda etapa foi realizada uma survey com 42 gestores de startups do Nordeste brasileiro, sendo adotado um questionário do tipo Likert de 5 (cinco) pontos, relacionando o fator desempenho organizacional às dimensões formadoras dos modelos mentais propostas por De Toni et al., (2014), sendo elas: Conhecimentos, Habilidades Emocionais, Mente Linear, Relacionamentos, Missão/Estratégia, Criatividade/Inovação e Vocação. Na etapa qualitativa constatou-se uma forte ligação entre a percepção dos gestores/empreendedores entrevistados e as dimensões formadoras dos modelos mentais como direcionadoras do desempenho. Dentre as 7 (sete) dimensões analisadas, observou-se que as dimensões criatividade/inovação e vocação demandaram de maior entusiasmo nas verbalizações dos entrevistados, demonstrando que a busca constante por inovar e a satisfação em gerir seu próprio empreendimento são fatores essenciais na busca pelo melhor desempenho. Ao final da análise qualitativa, foi possível elaborar um modelo adaptado do original proposto por De Toni et al., (2014), trazendo nesse modelo adaptado subcategorias que compõem as respectivas dimensões, as quais foram captadas por meio das conversas com os entrevistados. Em um segundo momento, já na etapa quantitativa, foram realizados testes de estatística descritiva visando identificar estatisticamente uma relação entre os modelos mentais e o aspecto desempenho organizacional, considerando o nível de concordância dos respondentes. Os resultados demonstraram que todas as dimensões investigadas possuem altas taxas de concordância por parte dos respondentes no que concerne à sua ligação com o desempenho das startups. Chegou-se à constatação de que as dimensões Vocação (média: 4,70) e Criatividade/Inovação (média: 4,47) representaram um maior nível de concordância pertinente à sua ligação com o fator desempenho organizacional. Com isso, nota-se que houve uma coerência entre os resultados obtidos nas duas etapas da pesquisa. Dentre todas as dimensões investigadas, a dimensão Habilidades Emocionais foi a que demonstrou a menor concordância por parte dos respondentes, atingindo uma média geral de 3,97. Entretanto, mesmo sendo a dimensão que obteve a menor média, seu índice ainda indica uma boa concordância quanto à sua ligação ao desempenho organizacional. Esta pesquisa trouxe contribuições para o desenvolvimento de estudos que interliguem as áreas da administração e da psicologia. Além disso, trouxe uma ampliação no tocante às investigações relacionadas aos modelos mentais de gestores/empreendedores de startups e sua relação com o fator desempenho organizacional.

  • ADRIANNE GARCIA CORRÊA SILVA
  • A REFLEXIVIDADE E A APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE SENSEMAKING DE PRÁTICAS ESTRATÉGICAS: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM EMPRESAS JUNIORES DE SERGIPE
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 20/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • No mundo contemporâneo marcado por sistemas sociais, os praticantes da estratégia não são meros espectadores em suas práticas, mas são indivíduos reflexivos que têm capacidade de mudar os ingredientes da sua práxis. Por meio da reflexão, os praticantes são capazes de adaptar as práticas existentes, sendo inclusive capazes de inserir outros praticantes e outras práticas nesse ambiente. Trata-se de um processo dinâmico e que envolve a constante reflexão daquele que constrói as práticas no cotidiano organizacional. Para que haja reflexão, é necessária uma real experiência com o objeto em questão.Essa experiência ocorre de forma contínua, pois a interação entre o ser humano e as condições ambientais estão envolvidas nesse processo de vida. Assim, a experiência é um processo inerente a vida do ser humano e que desencadeia em respostas que são encontradas a partir dessa experiência de interação com determinado objeto. Refletir faz parte do processo de aprendizagem do ser humano, que está em constante contato com diversos ambientes e vivencia experiências ricas em informações. O ato de refletir e aprender guarda semelhanças com a criação de sentidos e novos significados. Com a intenção de contribuir com as perspectivas da reflexividade e da aprendizagem, este estudo visou entender como ocorrem esses processos na construção de sentido (sensemaking) nas práticas estratégicas de empresas juniores vinculadas à Universidade Federal de Sergipe. A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo descritiva e exploratória. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, focus group e observação não-participante. Em seguida, esses dados foram triangulados e analisados por meio da análise de narrativa. A narrativa busca compreender o fenômeno investigado por meio de estórias que são narradas em um determinado contexto social.

  • RONALTY OLIVEIRA ROCHA
  • Estratégias de Inovação para Startups de Tecnologia da Informação: Uma Análise na Região Nordeste do Brasil
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 20/02/2018
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A globalização e o avanço no uso de ferramentas de tecnologia da informação, associados a um maior nível de exigência dos clientes fez surgir uma maior competitividade entre as organizações em todos os cantos do mundo. Nesse contexto de competitividade ganha relevância as práticas de inovação, pelas quais as organizações inserem no mercado empresarial novos produtos, processos e formas de gestão com o intuito de otimizar processos produtivos, atrair, reter e fidelizar clientes. Contudo, não basta apenas que as organizações reconheçam a importância da inovação para o sucesso e sobrevivência de seus negócios, é preciso também que estejam atentas e aptas a seleção e implementação das melhores estratégias de inovação. Neste cenário, em que inovação e organizações empresariais parecem andar juntas, algumas modalidades de negócios se destacam por seu potencial para implementação de inovações, como é o caso das startups. As startups são empresas de base tecnológica, com amplo potencial de crescimento e desenvolvimento de inovações pela inserção de novos produtos e serviços em negócios replicáveis. Em conformidade com o contexto apresentado essa dissertação tem como objetivo identificar as principais estratégias para inovação utilizadas por startups de tecnologia da informação da região Nordeste do Brasil. Através de um estudo descritivo, explicativo e exploratório, de abordagem quantiqualitativa, essa pesquisa pretendeu, especificamente, conferir qual a tipologia de inovação mais adotada por startups; relatar como são executados processos de inovação; analisar o grau de inovação em startups segundo a metodologia do radar da inovação (SAWHNEY; WOLCOTT; ARRONIZ, 2006; BACHMANN; DESTEFANI, 2008); associar grau de inovação e estratégias de inovação nas startups pesquisadas e; analisar comparativamente as similaridades e distinções, no que se refere à estratégias para inovação, em startups de tecnologia da informação da região Nordeste. A coleta de dados foi realizada pelo uso do formulário do radar da inovação, com algumas adaptações, para a etapa quantitativa, e pelo uso de um roteiro de entrevista semiestruturado para a etapa qualitativa. Ainda na etapa quantitativa a análise dos dados consistiu em avaliações de estatísticas descritivas, identificação de médias e do desvio padrão dos dados coletados. Na etapa qualitativa os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo. Na etapa quantitativa a análise dos resultados indicou a predominância de inovações em processos como prática sistêmica nas startups consultadas, assim como a predominância de startups com poucas e ocasionais práticas de inovação em produtos. No tocante as estratégias avultou-se a proeminência de parcerias com clientes e outras organizações como principais práticas de fomento a inovação, a internacionalização foi a estratégia menos verificada. Quanto ao grau de inovação das startups de tecnologia da informação, apenas seis empresas foram consideradas inovadoras sistêmicas, a maior parte delas localizadas no estado do Rio Grande do Norte. De modo geral verificou-se que as startups consultadas estão inseridas no grupo de inovadoras ocasionais, segundo a metodologia do radar da inovação. As principais evidências colhidas na etapa qualitativa indicaram o papel do cliente como principal agente externo influenciador do processo de inovação, nessa etapa constatou-se que as startups implementam parcerias informais com clientes, e formais e informais com outras organizações intuindo obter maior reconhecimento de clientes e superação de deficiências internas. Além disso, na etapa qualitativa constatou-se expressivas diferenças na forma em que são implementadas inovações de marketing e inovação organizacional.

2017
Descrição
  • ELISA AKEMI NAGATANI
  • O CENÁRIO ATUAL DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO À LUZ DA ABORDAGEM DESIGN SCIENCE
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 21/12/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Trata-se de pesquisa sobre a ciência do artificial, denominada Design Science por Simon (1996), que analisou o cenário atual da pós-graduação brasileira quanto ao incentivo e a valorização do mestrado profissional em administração. O objetivo foi investigar a aplicabilidade da abordagem Design Science na estruturação dos trabalhos de conclusão do Mestrado Profissional em Administração, observando o comportamento das suas diretrizes sobrepostas à estrutura dos trabalhos de conclusão e estabelecendo um paralelo entre elas e as perspectivas de fortalecimento do Mestrado Profissional. A pesquisa documental caracteriza-se como um estudo exploratório, de natureza qualitativa, com método indutivo e pretendeu ser uma pesquisa básica para trabalhos futuros que poderão ampliar o escopo de análise na didática dos programas dos Mestrados Profissionais em Administração, considerando que este estudo se restringiu a analisar os trabalhos de conclusão dos cursos. Aken e Romme (2009) afirmaram que, dada a sua característica prática, no que depender da inserção de artefatos, a área de Administração possui grande potencial para aplicação da abordagem Design Science, o que pôde ser confirmado na variedade de 25 tipos diferentes de artefatos encontrados nas 71 pesquisas analisadas, porém também é fato a peculiaridade da característica imaterial dos mesmos observado por Freitas Júnior et al. (2015), verificado em 100% deles. Concluiu-se que, embora pesquisas em Administração utilizem métodos diversos como estudo de caso, pesquisa survey, pesquisa-ação, ou pesquisa bibliográfica, dentre outros, para estudar um fenômeno, podem ser analisados sob a abordagem Design Science, conforme afirmaram Dresch, Lacerda e Miguel (2015), considerando que, ao estudarem um problema e desenvolverem uma solução para a mesma por meio de um artefato, vão ao encontro do paradigma epistemológico Design Science, cujos propósitos científicos são projetar e prescrever soluções para a melhoria da condição humana. Assim, trabalhos que visam a fornecer à sociedade soluções pragmáticas e utilitárias por meio do conhecimento científico, cujo elo é a universidade, por um lado, contribuiria para a consolidação do método Design Science, ainda pouco explorado na área da Administração, pelo outro, contribuiria para fortalecer e consolidar a identidade do Mestrado Profissional em Administração, curso de pós-graduação stricto sensu instituído pela CAPES que visa a atender a demanda do mercado e da sociedade com formação voltada para a prática do setor produtivo.


  • GABRIEL BARRETO DE MELO
  • GOVERNANÇA CORPORATIVA E DESEMPENHO DAS AÇÕES DE EMPRESAS APÓS IPO NO BRASIL ENTRE 2009 E 2014
  • Orientador : MOISES ARAUJO ALMEIDA
  • Data: 24/05/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Governança corporativa vem sendo uma temática bastante estudada na literatura acadêmica em Finanças no Brasil nos últimos anos. Mecanismos de prevenção de conflitos entre os acionistas, formas de proteção dos interesses dos acionistas minoritários, transparência nas ocorrências empresárias, estrutura de propriedade e controle, são pontos em destaque nas pesquisas mais recentes. No entanto, existe um espaço importante de estudo quando o contexto a ser analisado é a abertura de capital de empresas no Brasil, já que se trata de uma transição de estrutura societária na qual os empreendedores passam a acessar uma nova fronteira de financiamento para expansão empresarial, ao mesmo tempo em que surgem obrigações para com o mercado de capitais centralizadas em mecanismos de governança corporativa. Dentro deste contexto, o principal objetivo da presente pesquisa foi analisar como o desempenho das ações de novos ingressantes no mercado (IPOs) se relaciona às dimensões de governança corporativa no período de um ano após a respectiva abertura de capital. A pesquisa concentrou-se no período de 2009 a 2014, ciclo de IPOs que ocorreu num contexto pós-crise internacional. A amostra total compõe-se de 42 empresas e os dados foram extraídos de prospectos definitivos de emissão primária de ações, bem como de bases online de cotações das ações. Em seguida foram realizadas análises entre as variáveis em estudo utilizando as técnicas correlação e de regressão linear múltipla com algoritmo stepwise backward, sendo que a variável desempenho das ações teve como benchmark o Ibovespa. O estudo chega à conclusão de que, para a amostra investigada, o tamanho do conselho de administração e a participação de conselheiros independentes apresentaram relações inversamente proporcionais e significantes com a variável retorno anormal, representante da dimensão desempenho acionário.

  • MARIA ALVINA DE ARAÚJO GOMES
  • GOVERNANÇA, GESTÃO DE RISCOS E CONTROLES INTEGRADOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE (IFS): POSSIBILIDADES E LIMITES DE COMPLIANCE
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 19/05/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Organizações públicas ou privadas são criadas com objetivos a realizar, que, sujeitos a eventos e/ou circunstâncias do ambiente interno ou externo, podem comprometer os resultados pretendidos. No setor público, escassez de recursos ou sua inadequada utilização e aumento de demandas são algumas das condições que justificam a necessidade de sistemas de controle interno adequadamente estruturados e atuantes. Em nível federal, tem-se intensificado a presença do Estado por meio de instâncias de controle atuando na regulamentação, institucionalização e fortalecimento de estruturas de controle em órgãos e entidades jurisdicionados, no propósito de zelar pela boa governança e gestão no setor público. Busca-se assim, instituir e incentivar boas práticas na atuação das lideranças organizacionais, na definição das estratégias e nos instrumentos de controle adotados nas instituições e órgãos, que os conduzam a promover seu objetivo primordial: o atendimento ao interesse público. Neste cenário, o controle é meio e fim em si mesmo. É mecanismo que pressupõe existir como sistema de controle interno e, quiçá, compliance. Os órgãos fiscalizadores têm demonstrado a importância e relevância daquele com base nas práticas de governança, gestão de riscos e controles internos que o sustentam. Corroboradas por estudos organizacionais estas práticas devem permear toda a organização, com base em estruturas específicas, que, integradas, permitam à organização sistematizar boas práticas, definindo instâncias, papéis e responsabilidades essenciais, de forma que seu sistema de controle interno traduza a conformidade organizacional. Nesse contexto, essa pesquisa teve por objetivo compreender a sistematização de boas práticas no Instituto Federal de Sergipe por meio da institucionalização e atuação de instâncias de governança e de gestão que o integram. A pesquisa caracterizou-se como estudo de caso único com enfoque incorporado, em face dos subsistemas e níveis de análise. Utilizou-se de uma abordagem qualitativa, de caráter exploratório-descritiva. Adotou-se como técnicas de coleta de dados entrevistas semiestruturadas e para corroborá-las, a observação direta e a análise documental, buscando a triangulação dos dados. Os resultados evidenciam a forte influência da regulação externa na institucionalização do sistema de controle interno. Demonstram ainda que a implantação e a regulamentação de estruturas de governança e de gestão têm assegurado boas práticas organizacionais, contudo limitadas a algumas atuações e instâncias. Constatou-se também iniciativas inovadoras em implementação que demandam a revisão de práticas atuais e a adoção de ferramentas e estruturas próprias para viabilizar a efetividade do sistema de controle do órgão.

  • ROBSON LUIZ DE MELO SOUZA
  • PROPOSTA DE UMA ABORDAGEM TEÓRICA E METODOLÓGICA PARA ANALISAR O PROCESSO DE INOVAÇÃO E SUA MOTIVAÇÃO
  • Orientador : MARCO ANTONIO PEREIRA QUEROL
  • Data: 10/05/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Inovação é um diferencial competitivo à medida que busca proporcionar de forma efetiva redução de custos das operações, otimização do tempo na execução das atividades produtivas e melhoria das condições de trabalho. Compreender como se da o processo de inovação e as motivações por trás das mesmas é crucial para poder estimula-las. Na literatura, existem teorias que analisam os motivos que deram origem a inovação, e também há teorias que analisam como se realizou o processo de inovação, permitindo compreender mais especificamente as ações que levaram a inovação. No entanto há uma carência de teorias e metodologias que analisem simultaneamente: o processo e a motivação da criação de inovação. Visando suprir essa deficiência, propõe-se neste estudo um modelo teórico-metodológico que combina o modelo de Sistema de Atividade, desenvolvido por Engeström (2014), que apresenta o conceito de contradições como força motriz ao desenvolvimento de uma inovação; o modelo de gestão de inovação proposto por Tidd, Bessant e Pavitt (2008), que tenta explicar as etapas no processo de inovação; e a tipologia elaborada pelo OCDE (2005), que classifica a inovação segundo suas características. Para ilustrar o modelo proposto, selecionou-se um estudo de caso de uma inovação desenvolvida em um projeto de implantação desenvolvido no Setor de Mineração, realizado no ano de 2013, onde ocorreu o processo de inovação no âmbito das atividades logísticas, contexto no qual a gestão da inovação vem se desenvolvendo de forma sistemática. Selecionou-se esse setor por possuir grande importância econômica e social para o país, da mesma forma, como processo, a Logística Empresarial contribui significativamente para a obtenção de maior competitividade junto às organizações. Esta pesquisa tem como objetivo propor um aparato teórico e metodológico para compreender o processo de inovação e a motivação de sua criação. Especificamente, formular proposições sobre as contradições históricas no e entre sistemas de atividade que levaram a criação da inovação; descrever as ações que compõe o processo de criação da inovação; e apontar que tipo de inovação pode ser identificado no caso analisado. Para tanto, coletou-se dados para reconstruir o contexto que antecedeu a construção da inovação, assim como, o processo de inovação. Os dados foram coletados por meio de observação, entrevista semiestruturada e pesquisa documental, os quais foram analisados por meio das análises histórica, do distúrbio e de conteúdo. Os resultados da pesquisa apontam que os distúrbios e perturbações identificados em decorrência de contradições entre os elementos do sistema de atividade, motivaram a criação de uma inovação, cujo processo de criação percorreu etapas distintas, a qual pode ser classificada tanto como inovação de processo, quanto inovação organizacional. A pesquisa identificou que quando aplicadas de forma combinada na análise do processo de inovação, as teorias aqui destacadas se complementam, possibilitando a análise de forma concomitante os motivos, as etapas percorridas no decorrer do processo e a classificação da inovação em função ao fim que se destina. A pesquisa concluiu que é possível propor um aparato teórico e metodológico para analisar o processo de inovação e a motivação de sua criação.

  • CRISTIANE FEITOZA DANTAS
  • "FORMULAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE SERGIPE."
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 20/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As organizações constroem e desconstroem suas atividades com o intuito de estabelecer a sua permanência no mercado. Isto é um ciclo contínuo, e é analisado no campo da estratégia organizacional que estuda a mudança e a sustentabilidade organizacional. Compreende-se que não é fácil adaptar-se às mudanças organizacionais, visto que é necessário muito empenho e dedicação para compreender o ambiente e então poder tomar decisões estratégicas adequadas aos objetivos organizacionais. O modo como as posições estratégicas de uma organização são influenciadas por seus processos de decisão e seus sistemas administrativos retrata o processo estratégico. Estudar a decisão estratégica proporciona um desafio em encontrar teorias e metodologias apropriadas para harmonizar as questões mais voluntaristas da decisão estratégica singular e os limites apontados pelo ambiente no qual a organização se encontra. Diante disso, o objetivo deste estudo foi investigar o processo de formulação e implementação das estratégias do programa de assistência estudantil de uma instituição pública de Sergipe. A base teórica abrangeu os seguintes assuntos: processo estratégico, formulação e implementação das estratégias e um breve delineamento sobre assistência estudantil. A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo exploratório-descritiva. A estratégia de pesquisa utilizada foi o estudo de caso único. Com o intuito de maximizar o aprendizado, o caso foi escolhido de forma intencional e por acessibilidade. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, documentos e observação não-participante e foram analisados por meio da análise de conteúdo. Quanto aos resultados obtidos, constatou-se a existência de estratégias tanto deliberadas como emergentes, evidenciou-se a harmonia entre o exploration e o exploitation com a imaginação disciplinada. Percebeu-se que os implementadores executam bem as estratégias planejadas pelos formuladores, porém verificou-se que não há um controle efetivo da implementação das estratégias por parte dos formuladores. Constatou-se também a ausência de feedback estratégico e de resistência no processo de implementação estratégica.

  • XENIA L AMOUR CAMPOS OLIVEIRA
  • Inovação aberta na indústria de semicondutores: uma análise com as design houses brasileiras.
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 12/04/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo investigar quais as práticas de inovação aberta são adotadas pelas design houses brasileiras no desenvolvimento conjunto de projetos de circuitos integrados, com base no modelo adaptado de Chesbrough (2012) e Gassmann e Enkel (2004). Para isso, a metodologia adotada foi de caráter quanti-qualitativa, e a pesquisa foi dividida em duas etapas, na primeira delas uma survey foi realizada, com aplicação de questionários com as design houses brasileiras vinculadas ao programa CI-Brasil e especialistas da área de microeletrônica, além de análise documental, seguida pela realização de entrevistas semiestruturadas com alguns dos participantes da primeira etapa. Para analisar os dados quantitativos foram utilizadas técnicas de estatística descritiva, e os testes do qui-quadrado e binomial para testar as hipóteses de pesquisa, quanto aos dados qualitativos, a técnica de análise de conteúdo foi empregada. Os resultados mostraram que as design houses estudadas implementam algumas práticas de inovação aberta no desenvolvimento de projetos de circuitos integrados, com o intuito de auxiliar no desenvolvimento de novos produtos, acessar novos conhecimentos e competências, além de atrair recursos financeiros, sendo as práticas referentes ao processo de entrada as mais frequentemente adotadas. Os resultados encontrados também apontaram que as design houses e os especialistas da área procuram controlar e proteger a propriedade intelectual por meio do registro de patentes, no entanto, a maioria dos respondentes afirma que essa proteção deve ocorrer caso a inovação desenvolvida seja economicamente viável, além disso, os parceiros externos e suas contribuições para os projetos de inovação das empresas foram ressaltados como importantes tanto pelas design housesquanto pelos especialistas da área. Cabe também ressaltar o papel importante exercido pelo governo para promover a consolidação da indústria, por meio de ações governamentais e fomento à estruturação de políticas públicas.

  • EDSON COSTA FILHO
  • GOVERNO ELETRÔNICO E DEMOCRACIA DIGITAL: ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO CIDADÃ ON-LINE NOS MUNICÍPIOS SERGIPANOS
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 22/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com o advento das tecnologias da informação e comunicação, em especial da Internet, um novo espaço público tem se configurado e, com ele, novas possibilidades políticas têm surgido. Diversos autores têm exaltado as potencialidades democráticas da Internet, sobretudo quando se observa algumas de suas características, tais como baixo custo, rápida disseminação da informação e amplo alcance, o que a transforma numa poderosa ferramenta de mobilização e organização da atuação da sociedade civil nas questões políticas. Nessa perspectiva, a internet se configura como uma esfera pública ampliada, o locus onde se debatem as questões de interesse da coletividade. Imerso nesse contexto, este estudo buscou identificar, analisar e mensurar a participação cidadã on-line nos municípios sergipanos. Especificamente, esta pesquisa objetivou conhecer as formas de participação on-line dos usuários de internet em Sergipe; identificar a percepção desses usuários sobre a relação entre internet e participação política; identificar os mecanismos que propiciam a participação cidadã nos sites institucionais de prefeituras e câmaras de vereadores dos municípios sergipanos, bem como avaliá-los por meio de um índice elaborado para esse fim, aqui denominado de Índice de Participação Cidadã On-line; e, por fim, identificar formas de participação on-line em iniciativas da sociedade civil. Este estudo caracteriza-se como quali-quantitativo, a partir de uma abordagem exploratório-descritiva. Primeiramente, aplicou-se um questionário on-line a 285 respondentes residentes no Estado de Sergipe, com questões fechadas e abertas, buscando conhecer suas práticas e percepções em relação à participação política on-line. Em seguida, realizou-se uma pesquisa documental nos sites institucionais de prefeituras e câmaras de vereadores dos municípios sergipanos, utilizando-se de um formulário estruturado, a fim de identificar e mensurar os mecanismos participativos. Na sequência, utilizando-se dos canais on-line disponíveis, foram solicitadas informações às prefeituras dos 10 municípios mais populosos do Estado. Por fim, verificou-se a participação dos cidadãos sergipanos no site Reclame Aqui Serviços Públicos e a resposta das administrações municipais às demandas apresentadas. Os resultados mostraram que o envolvimento dos cidadãos nos debates virtuais é baixo, justificado, na maioria dos casos, pela falta de respeito e por condutas hostis, o que inibe a participação e inviabiliza a tomada de decisões de forma coletiva. Na avaliação dos sites institucionais, tanto as prefeituras municipais quanto as câmaras de vereadores apresentaram, em média, baixo índice de participação, denotando que as práticas democráticas nos sites governamentais dos municípios sergipanos ainda é incipiente. Ademais, percebeu-se também que o poder público, quando demandados pelos cidadãos através dos canais disponibilizados, apresenta uma baixa responsividade, dedicando pouca atenção às demandas da sociedade. Revelou-se, portanto, que as administrações municipais ainda não apresentam, de modo suficiente e adequado, canais on-line que propiciem uma maior participação cidadã. Por outro lado, mesmo não sendo generalizável, o estudo evidenciou que os cidadãos também apresentam baixo envolvimento nessas práticas, e quando o fazem, não demonstram possuir a maturidade necessária para discutir respeitosamente as questões de interesse público. Desse modo, tanto por parte do poder público quanto da sociedade civil sergipana, possivelmente a democracia digital ainda seja um valor a ser perseguido.

  • ADRIANE ALMEIDA DO SACRAMENTO
  • O processo de terceirização da tecnologia da informação e a gestão dos contratos: estudo de casos múltiplos no setor público.
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 17/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • É notório o impacto que a Tecnologia da Informação (TI) trouxe para as
    organizações, gerando mudanças na condução dos negócios e no desempenho
    organizacional. Para tanto, as organizações têm utilizado como estratégia a terceirização
    da área de TI, em função de um melhor aproveitamento dos benefícios que a TI pode
    trazer para elevar a competitividade e aprimorar a produção, resultando na prestação de
    serviços com melhor qualidade. Entretanto, o processo de terceirização de TI envolve
    ações complexas que necessitam de especial atenção, em relação aos demais serviços
    que são objeto de terceirização, considerando a importância capital da TI e sua
    participação em todas as etapas do negócio das organizações. Em tal panorama, a
    Administração Pública figura entre os principais contratantes dos serviços de
    terceirização de TI, sendo imperiosa a constatação de que a mesma é dotada de
    especificidades que tornam o processo de terceirização diferenciado e, até mesmo, mais
    complexo do que nas empresas privadas. Sustentando essa percepção, o estudo buscou
    analisar o processo de terceirização de TI e a gestão dos contratos em órgãos públicos
    no estado de Sergipe, segundo a percepção dos gestores operacionais. Para atingir o
    objetivo proposto foi realizada uma pesquisa qualitativa mediante estratégia de estudo
    de casos múltiplos, em que foram analisados três órgãos públicos do Estado de Sergipe,
    cada qual representando uma esfera do poder, legislativo, executivo e judiciário. Para
    coleta de dados, foi utilizado um roteiro de entrevistas semiestruturado, aplicado tanto
    aos gestores responsáveis pela área de TI quanto a servidores que estavam diretamente
    ligados ao processo de terceirização da área nos órgãos. Adicionalmente e visando a
    garantir a credibilidade do estudo, empregaram-se as técnicas de análise documental e
    de observação direta. Realizou-se, então, a descrição individual dos casos e,
    posteriormente, a análise comparativa entre eles, a partir da qual se podem identificar
    várias atividades e serviços de TI terceirizados nos órgãos pesquisados, tanto atividades
    estratégicas como operacionais, motivados, principalmente pela falta de técnicos
    especializados e qualificados para a área de TI. Dessa forma, diferentemente das
    organizações privadas, constatou-se que os órgãos públicos não trazem a redução de
    custos e os aspectos econômicos como os principais motivadores para a terceirização de
    TI. Apesar de algumas desvantagens, os entrevistados consideraram o processo de
    Terceirização de TI vantajoso, permitindo uma maior eficiência no desenvolvimento das
    atividades do setor. Os resultados mostram ainda que a dependência do fornecedor é o
    principal fator de risco considerado, por isso, existe uma preocupação em minimizá-los
    por meio de ações de contingências, que permitam a continuidade das atividades caso
    ocorra um rompimento do contrato. Essas ações envolvem não só a elaboração de
    editais de contratação bem definidos e específicos, como também o acompanhamento
    direto das equipes internas nas atividades desempenhadas.

  • CIBELE LOPES SOUTO MAIOR CABANNE
  • ECONOMIA COLABORATIVA EM TURISMO: ESTUDO COMPARATIVO DE MODELOS DE NEGÓCIO ENTRE EMPRESAS TRADICIONAIS E DE TURISMO COLABORATIVO
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 15/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Economia Colaborativa, um novo e emergente sistema socioeconômico
    fundamentado na tecnologia que trouxe à tona, dentre outros, inovadores modelos de
    acesso temporário e de não-propriedade, tem sido descrita como a maior mudança no
    cenário dos negócios desde o advento da internet. Ela viabiliza o compartilhamento par
    a par de bens, serviços e até dinheiro, em uma escala e velocidade inimagináveis uma
    década atrás. O setor mais afetado por essa transformação é o de turismo, onde a
    Economia Colaborativa mais cresce. Nessa área, composta tradicionalmente por hotéis,
    pousadas, táxis e operadores de viagens, o Turismo Colaborativo tem conquistado um
    número progressivo de pessoas, fazendo com que indivíduos comuns compartilhem com
    os turistas o que eles possuem (casas, carros, etc.) ou o que eles fazem e vivenciam,
    como refeições e excursões (JUUL, 2015), através de plataformas com ou sem fins
    lucrativos que estão alcançando o mundo e perturbando as grandes empresas
    tradicionais do setor (ZERVAS; PROSERPIO; BYERS, 2013). Nesta atual realidade
    econômica, a maior empresa de hospitalidade do mundo não possui nenhum quarto ou
    hotel e, da mesma forma, a maior empresa de transporte não possui um único veículo.
    Essas empresas: Airbnb e Uber, são apenas dois exemplos dessa mudança que está
    transformando a vida, economia e forma de fazer negócios em todo o globo
    (OWYANG; SAMUEL, 2015). No Brasil, o Turismo Colaborativo se tornou ainda mais
    atrativo graças às condições desfavoráveis da economia, significando uma fonte
    alternativa de renda para aqueles que desejarem alugar seus ativos ociosos para os
    turistas ou ainda uma redução de custos para aqueles que viajam. Imerso nesse contexto,
    o objetivo do presente estudo é analisar comparativamente os modelos de negócio de
    empresas monetizadas de Turismo Colaborativo e de turismo tradicional de mesmo
    ramo, com base nos componentes do Business Model Canvas, de Osterwalder e Pigneur
    (2011). Para isso, foi adotado o estudo de casos múltiplos como estratégia de pesquisa,
    envolvendo a realização de entrevistas semiestruturadas com três gestores de cada uma
    das duas categorias de empresa. Visando a corroboração dos achados, efetuou-se uma
    triangulação com análise documental e, como critério de confiabilidade adicional,
    utilizou-se o software de análise de dados qualitativos Atlas.ti. A análise dos seis casos
    abrangeu a análise de conteúdo no âmbito intracaso e análise comparativa (cross-case
    analysis) para contrastá-los. Tal investigação evidenciou que o Turismo Colaborativo
    diversifica ainda mais os modelos de negócio no setor de turismo. Portando-se como
    marketplaces de serviços, as plataformas tanto apresentam novas experiências de
    imersão ao turista, quanto ampliam a personalização de serviços já existentes. Dessa
    forma, tendo em vista que tais características surgiram como resposta a um novo perfil
    de viajante (DREDGE; GYIMÓTHY, 2015; FORNO; GARIBALDI, 2015), o Turismo
    Colaborativo pode significar uma transformação tão importante para o turismo quanto o
    e-commerce foi para o comércio, coexistindo, complementando e modificando as
    empresas tradicionais do setor.

  • GUSTAVO PASSOS FORTES
  • REDES SOCIAIS EMPREENDEDORAS NA INOVAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA: ESTUDO COM OS CASOS DE EMPRESAS DE SUCESSO DO PROGRAMA AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO-ALI
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 10/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Inseridas em um contexto cada vez mais competitivo, as empresas de micro e pequeno porte dependem de ações de inovação para garantir sua competitividade e, consequentemente a sobrevivência. Nesse sentido, as pequenas empresas são reflexo do empreendedor que é o responsavel pelas decisões, relacionamentos e por articular os recursos para favorecer a inovação. Os empreendedores passam a ser vistos como agentes imersos em suas relações sociais, compostas por uma rede ampla de diversos tipos de atores. Na inovação na pequena empresa, o empreendedor deve articular sua rede sociais de diferentes níveis e tipos, para que seja possível conceber a inovação. Porém, apesar da importância das redes sociais empreendedoras para a construção da inovação na pequena empresa, o tema ainda é pouco explorado em estudos empíricos. O objetivo geral deste estudo é verificar como as redes sociais dos empreendedores favorecem a implementação de inovações de empresas de sucesso participantes do Programa Agentes Locais de Inovação. Para alcançar tal objetivo, foi proposto um modelo conceitual com a integração das seguintes categorias analíticas: Ações e tipos de inovação; os tipos de laços sociais utilizados pelos empreendedores e os diferentes recursos acessados nos relacionamentos sociais Buscando atender os objetivos este estudo se caracteriza como qualitativo, buscando entender os fenômenos a partir da perspectiva do empreendedor. Foi utilizado o método de estudo de casos múltiplos, que permite obter uma maior compreensão do contexto do fenômeno estudado, assim como seus processos e comparações. Foram selecionados seis casos de empresas que atendiam aos critérios de sucesso do programa ALI participantes nos anos de 2013 a 2015. Foram coletadas evidências de entrevistas semiestruturadas com nove empreendedores e cinco agentes lcoais de inovação. Os resultados apontam que as inovações implementadas pelas empresas analisadas tem semelhanças devido à padronização da intervenção do Programa ALI e percebeu-se ainda uma tendência em inovar utilizando novas tecnologias, principalmente utilizando subsídios do SEBRAE Tec. No tocante às inovações de processos observou-se a adoção de sistemas de gestão e reformulação dos procedimentos internos. Em alguns casos essas alterações vieram em função do aumento da estrutura física e layout, adoção de novas ferramentas de gestão e até mesmo a aplicação de projetos de eficiência energética. Verificou-se ainda a importância de dois tipos de redes sociais: as redes pessoais, na figura dos conjugues, filhos e irmãos dos empreendedores, fornecendo recursos sociais e humanos; e as redes de negócios, como os agentes locais de inovação do SEBRAE, colaboradores, fornecedores, clientes, consultores, instrutores entre outros que fornecem em diferentes medidas recursos físicos, tecnológicos, financeiros, sociais, humanos e organizacionais.

  • SIMONE FREITAS ARAUJO LIMA
  • OS ELEMENTOS DETERMINANTES DA ORIENTAÇÃO EMPREENDEDORA NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 10/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As transformações evidenciadas no setor público ao longo dos anos demonstram o aumento das expectativas de modernização e esse processo tem sido relacionado às noções comportamentais e gerenciais, imbuídas de conceitos e práticas que eram próprias e, até então, restritas à esfera das organizações empresariais. Uma das perspectivas para alcançar o comportamento empreendedor é a orientação empreendedora (OE), a qual permite analisar tal elemento relacionando-o com o ambiente. Trata-se de particular padrão de comportamento que perpassa todos os níveis da organização refletindo uma filosofia estratégica de atuação. Surge como importante construto no âmbito do empreendedorismo, pois possibilita por meio de processos, práticas e atividades o desenvolvimento organizacional baseado nas tomadas de decisões estratégicas, na implantação do comportamento empreendedor no ambiente corporativo e, consequentemente, na promoção de cultura orientada ao empreendedorismo. Entretanto, é necessário considerar as particularidades inerentes às organizações públicas a exemplo das universidades, as quais são desafiadas a remodelar o papel de produtoras do conhecimento, fazendo deste um meio para seu crescimento econômico. Este estudo teve como objetivo geral analisar os elementos determinantes da orientação empreendedora nas universidades públicas da Região Nordeste do Brasil por meio da utilização de uma inovadora escala desenvolvida pelos autores Todorovic, McNaughton e Guild (2011) e conhecida como ENTRE-U. A população-alvo compreende os docentes dos programas/núcleos de pós-graduação das engenharias e ciência da computação. Especificamente verificou-se a representatividade das dimensões mobilização da pesquisa, não-convencionalidade, colaboração com o setor produtivo e política universitária da OE nessas universidades, evidenciou as práticas indicadoras de OE, segundo as dimensões e indicou o nível de influência entre essas dimensões nas universidades públicas federais dessa região. Foi utilizada a metodologia quantitativa e o método de pesquisa survey. Os dados foram analisados com uso de análise fatorial exploratória e análise fatorial confirmatória, por meio da técnica de modelagem ou análise de equações estruturais para confirmação do modelo teórico e comparação com o identificado nesta pesquisa. Dentre os principais resultados obtidos observou-se que a dimensão que melhor representou a OE foi mobilização da pesquisa e que as práticas evidenciadas por esta dimensão têm como principal foco o envolvimento do aluno para a participação em pesquisa aplicada. As dimensões, apesar de suas características individuais, se influenciam mutuamente e positivamente a OE, de modo que deve ser dada devida atenção para a gestão das práticas de cada uma delas quando se tem em mente o resultado global. O modelo proposto por esta pesquisa apresenta bons resultados quando comparado ao modelo teórico estudado, apesar de não atingir o nível ideal de ajustamento. As análises fatoriais apresentam, entre si, resultados semelhantes e estes resultados também se assemelham aos evidenciados pelos criadores da escala, podendo evidenciar a escala como um instrumento de válido de pesquisa da OE nas universidades públicas.

  • CARLA CRISTINE SILVA LOPES
  • MODOS DE APRENDIZAGEM EMPREENDEDORA PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS DE MPE´s DO SETOR DE SERVIÇOS
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 10/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A aprendizagem empreendedora é um fenômeno que merece atenção, principalmente quando está associada ao entendimento de como os empreendedores aprendem a desenvolver ações inovadoras, uma vez que a inovação é basilar para o desenvolvimento e sobrevivência empresarial. Dentre os modos de aprendizagem empreendedora têm-se a aprendizagem experiencial, que remete à transformação da experiência prévia em conhecimento; a aprendizagem por networks, que se refere à interação em redes de relacionamentos; a aprendizagem formal, que ocorre por intermédio de mecanismos educacionais; e a vicarious learning, que é indireta, por meio da observação das ações e comportamentos dos outros. No conjunto das pequenas empresas, as do setor de serviços se apresentam como significativas para a economia brasileira, haja vista que o setor é responsável por quase metade dos empregos formais no país. Desse modo, o objetivo do presente trabalho consiste em identificar como os diferentes modos de aprendizagem são adotados pelos empreendedores de pequenos negócios do setor de serviços em suas ações de inovação, verificando-se especificamente as aprendizagens experiencial, por networks, formal e vicarious. Para atender aos objetivos indicados foi proposto um modelo conceitual, baseado na literatura, que expressa os quatro diferentes modos de aprendizagem empreendedora utilizados para a inovação empreendedora. A estratégia de pesquisa adotada foi o estudo de casos múltiplos e foram realizadas para a coleta de evidências entrevistas semi-estruturadas com dez empreendedores de oito pequenos negócios do setor serviços. Além disso, foram utilizadas análise documental para corroborar os dados coletados e também observações diretas a fim de identificar as inovações realizadas nos empreendimentos estudados. Para a análise dos dados utilizou-se a análise de conteúdo e para analisar comparativamente os casos foi utilizada a técnica de cross-case analysis. A partir da análise dos dados verificou-se que a experiência pessoal dos empreendedores foi a principal fonte para que adotassem ações inovativas. Já a interação do empreendedor com os diversos atores pertencentes a rede de relacionamentos, a participação em cursos e a observação indireta de empresas de outros setores, também foram importantes meios para a adoção de inovações nessas empresas. Assim, os resultados da pesquisa demonstraram que os empreendedores dos casos analisados aprenderam a inovar mediante a aprendizagem experiencial, por networks, formal e vicarious e que o acúmulo de conhecimento proporcionado por esses modos de aprendizagens resultou na implementação de variadas ações inovadoras.

  • POLIANA FERNANDES MENDES FIGUEIREDO
  • OS IMPACTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO VERDE (TI VERDE) NA GESTÃO SOCIOAMBIENTAL IMPLANTADA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS FEDERAIS, SOB A ÓTICA DA AGENDA AMBIENTAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (A3P): ESTUDO DE MULTICASOS EM SERGIPE
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 08/02/2017
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Por conta de uma crescente tensão entre sociedade, governo e organizações, tendo como pano de fundo as legislações ambientais, há um clamor para que empresas busquem a sustentabilidade em suas gestões. Isso se dá com a adoção de práticas que tornem mais conscientes os seus padrões de consumo, de produção ou de prestação de serviços. A tecnologia da informação verde (TI Verde), objeto de estudo desta pesquisa, é tida como uma tentativa viável de solução para os problemas decorrentes do uso inconsciente dos recursos tecnológicos, desde a fabricação de equipamentos sem preocupação com o tipo de matéria-prima a ser utilizada, até o seu descarte inadequado e prejudicial ao meio ambiente. A Agenda Ambiental da Administração Pública (A3P) surge como objeto secundário de estudo desta investigação por ser considerada referência de gestão pública socioambiental e por ter sido adotada como parâmetro de análise dos impactos da TI Verde em tal gestão, nas instituições públicas federais em Sergipe. Assim, esta pesquisa caracteriza-se como qualitativa, com uma abordagem exploratório-descritiva. A implementação da coleta de dados se deu por meio de um estudo de múltiplos casos, através das técnicas da observação direta e da entrevista, tendo como instrumentos o script de observação e o roteiro semiestruturado para as entrevistas. Adotou-se a análise de conteúdo para o tratamento dos dados, com o intuito de explorar sua realidade de modo mais fidedigno. Esta pesquisa perseguiu a compreensão dos impactos da TI Verde na gestão socioambiental implantada nas instituições públicas federais estudadas. Dentre as ações por elas implantadas, muitas estão categorizadas como práticas de TI Verde. Ademais, estas trazem benefícios financeiros e ambientais para as instituições e estão razoavelmente disseminadas no cotidiano dos colaboradores, tornando assim, o fenômeno presente, e de modo significativo, na gestão pública voltada aos aspectos da sustentabilidade socioambiental.

2016
Descrição
  • GUIDIONALDO PINTO LIRIO JUNIOR
  • ESTRATÉGIA COMO PRÁTICA SOCIAL E COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: ENTENDENDO A AÇÃO ESTRATÉGICA DOS EMPREENDEDORES EM EMPRESAS DE SERVIÇOS DE PEQUENO PORTE DE ARACAJU/SE
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 13/12/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O empreendedor tem uma capacidade considerável para mudar a direção de uma organização e a estratégia é um elemento determinante para o sucesso dessas mudanças. Os empreendedores são identificados por um conjunto de comportamentos, desde a criação da organização e ao longo de seu processo de desenvolvimento. Assim, para se conhecer as práticas estratégicas dos empreendedores, é preciso ir mais além do que essencialmente estudar seus traços, características e personalidades. É preciso focar no que estes indivíduos fazem para permitir que as organizações passem e continuem a existir, advindas das práticas estratégicas dos empreendedores. Diante disso, objetiva-se no presente estudo analisar, com base nas perspectivas da Estratégia como Prática e do Comportamento Empreendedor, como ocorrem as ações estratégicas dos empreendedores (praticantes) em duas empresas de pequeno porte do setor de serviços de consultoria na cidade de Aracaju-SE. A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo exploratório-descritiva. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com os empreendedores das empresas pesquisadas, com a adição de outras evidências de pesquisa como a observação direta informal e dados secundários. Em seguida, realizou-se a análise de dados de forma concomitante ao processo de coleta de dados. Após a análise de cada caso separadamente, comparou-se ambos os casos com o objetivo de identificar as semelhanças ou diferenças existentes. Nos casos pesquisados, observou-se uma forte relação entre as características e competências empreendedoras que influenciam o comportamento empreendedor sobre as práticas estratégicas das empresas. O estudo rompe com a visão teórica que considera o empreendedor um ser isolado, que pratica a estratégia deliberadamente e intencionalmente longe do seu contexto social.

  • GRACILENE MARIA SILVA DOS SANTOS COSTA
  • Adoção de modelos inovadores no ensino superior na perspectiva da teoria da dependencia de recursos
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 23/05/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A temática da educação é sempre bastante debatida, o que se explica pelo fato de que é consenso que a educação, especialmente a educação superior, precisa acompanhar, permanentemente, as transformações da sociedade. As metodologias tradicionais há muito são alvo de críticas profundas tendo em vista que nelas o aluno assume o papel de mero expectador e assimilador do conhecimento transmitido. A partir dessas críticas e de movimentos como o da Escola Nova, as Metodologias Ativas foram criadas e trazem uma perspectiva inovadora para a educação. A sua principal premissa é ensinar o aluno a “aprender a aprender” e trazer o aluno ao centro do processo de ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, o aluno passa a ser responsável pelo seu aprendizado, deve ser dotado de autonomia e é incentivado pelo professor, cujo papel agora é de mediador do conhecimento, a desenvolver senso crítico, além de ter a oportunidade de obter habilidades através de métodos que envolvam teoria e prática de forma integrada, e lidar com o desafio de vivenciar problemas da vida real com os quais poderá ter contato após sua formação. No entanto, a adoção de metodologias ativas implica em grandes mudanças na gestão de universidades, especialmente do ponto de vista da gestão dos recursos inerentes à viabilização de tais metodologias. Diante desse problema, essa pesquisa se caracteriza como um estudo de caso cuja pretensão foi identificar as práticas e os desafios na gestão de um campus universitário que adota integralmente as metodologias ativas. Para explorar essa problemática na organização objeto da análise, o Campus Lagarto da Universidade Federal de Sergipe-UFS, foi utilizada a Teoria da Dependência de Recursos como referencial analítico. Tratando-se de pesquisa qualitativa, forma realizadas entrevistas em profundidade com gestores do referido campus e da Universidade Federal de Sergipe. Além disso, forma utilizadas as técnicas de coleta de dados baseadas na observação participante, pesquisa documental e, para avaliação e interpretação dos resultados obtidos, foi utilizada a análise de discurso, tendo em vista a busca de uma compreensão contextualizada da problemática proposta pela pesquisa.

  • BRUNO DOS SANTOS LOCHETTA MASSONI
  • Financiamento para Empreendedores Tecnológicos: Estudo de Casos Múltiplos no Estado de Sergipe
  • Orientador : MOISES ARAUJO ALMEIDA
  • Data: 26/04/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os empreendedores tecnológicos exercem um papel fundamental no desenvolvimento econômico, auxiliando no crescimento de setores e impulsionando o produto interno do país. O surgimento e a perpetuação das empresas de base tecnológica (EBT) pode ser favorecido pela captação de recursos financeiros adequados, seja no mercado financeiro tradicional, seja através de instituições de fomento para o fortalecimento da pesquisa e desenvolvimento, ou ainda através de novas formas de captação destes recursos. A dificuldade para a captação de recursos financeiros pelas empresas de base tecnológica está amparada no desequilíbrio que existe entre quem precisa de capital e quem está disposto a fornecer esses recursos. Por se tratar de inovação, o grau de incertezas nas EBT é maior se comparado às outras organizações, tanto por conta de viabilidade técnica de seus projetos quanto da demanda e da aceitação mercadológica com o produto final desse projeto. Esse desequilíbrio existe por que o cenário de incertezas gerado pelas características do empreendedorismo tecnológico conflitam com as características dos credores tradicionais que são profundamente avessos à riscos. Empresas de base tecnológica se deparam com dificuldades de acesso a uma série de pré-requisitos na concessão de crédito em instituições tradicionais, como por exemplo, garantias de operação, tempo de vida da organização, prazos e taxas de juros nos financiamentos. Essas empresas geralmente não têm um histórico muito longo, mas têm perspectivas de um futuro que pode ser muito promissor. Diante da importância das empresas de base tecnológica para o desenvolvimento econômico, assim como diante das dificuldades destas empresas financiarem suas atividades, o objetivo deste trabalho é investigar como os empreendedores tecnológicos do Estado de Sergipe captam recursos necessários para financiar suas atividades. Para tal, foram realizadas seis entrevistas com os gestores de empresas sergipanas de base tecnológica. Este estudo se caracteriza como de natureza qualitativa, no qual a estratégia de pesquisa exploratória utilizou para a coleta os dados um roteiro de entrevistas semiestruturado. A partir da análise dos dados foi possível verificar que as EBT de Sergipe pouco utilizam as fontes tradicionais de crédito, e, entre as fontes alternativas, a de subvenção é a mais utilizada para desenvolver projetos de inovação. Investidores anjos são desejados mas não utilizados, seja por não haver interessados ou pela discordância com as propostas recebidas. Crowdfunding e capital de risco não fazem parte das perspectivas das empresas pesquisadas, seja por desconhecimento quanto a sua possibilidade de uso ou pela projeção de utilizar em um futuro distante.

  • EDSON LUIZ GEAMBASTIANI BARBOSA
  • Ações de Gestão do Conhecimento e as Consequências para a Detenção de Capital Intelectual no Agronegócio
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 22/03/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Para ampliar a capacidade competitiva das empresas e buscar o alcance de diversos objetivos, surgem as ferramentas da gestão do conhecimento (GC), que, em tese, geram troca de conhecimentos e de benefícios para seus militantes. Neste contexto, a exploração do capital intelectual busca um diferencial competitivo dentro das organizações, em que o mercado exige um crescimento sustentável e uma estrutura similar a da concorrência para se manter bem nos negócios. Influenciada pelo contexto exposto, esta investigação fez uma análise das consequências das ações de gestão do conhecimento para a detenção de capital intelectual em empresas. Com o método qualitativo, a investigação adotou a estratégia de pesquisa de campo, que foi realizada em empresas do ramo do agronegócio, situadas na região nordeste da Bahia. A coleta de dados foi realizada através do uso de roteiro de entrevistas semiestruturadas, aplicado aos proprietários e gestores das empresas. Para avaliação e interpretação dos dados, foi utilizada a técnica de análise de conteúdo, contextualizada com a problemática proposta pela pesquisa. Os resultados encontrados demonstram que as ações de GC fazem com que as empresas cresçam e se desenvolvam de forma sustentável. Estas ações influem diretamente nos resultados, e segundo o que verificou-se nas organizações pesquisadas, o capital intelectual impacta diretamente no desempenho operacional destas empresas, agregando um ganho de tempo e qualidade nas operações exercidas por estas entidades.

  • CARLOS CESAR SANTOS
  • ASPECTOS DETERMINANTES AO FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES PESSOAIS EM AMBIENTES INTELIGENTES
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 25/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Na ultima década a internet tornou-se uma ferramenta presente no cotidiano das pessoas e das organizações e por vez indispensável ao bom funcionamento dos negócios. Com o crescente incremento das infraestruturas de redes e popularização em massa da rede de alta velocidade, emerge um avanço relacionado à utilização da internet tornando-a uma plataforma global para deixar máquinas e objetos inteligentes capazes de comunicarem-se de forma autônoma. Esta possibilidade permite que conteúdos e serviços estejam em torno das pessoas, sempre disponíveis, facilitando a comunicação e abrindo o caminho para novas aplicações, possibilitando novas formas de trabalho, de interação e de entretenimento, fazendo com que um novo padrão de vida e de trabalho seja desenvolvido. Este novo padrão torna-se possível através dos avanços das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC’s até uma nova concepção definida como Internet of Things - IoT. Entretanto, com uma variada coleta de dados e informações, para variados fins, no cotidiano das pessoas e das organizações, a coleta autônoma dos dados e das informações torna a privacidade um dos principais desafios em relação à IoT. Neste contexto, esta pesquisa objetiva investigar os aspectos que determinam a ação das pessoas ao fornecerem informações pessoais em ambientes inteligentes. Essa pesquisa caracteriza-se como positivista, de natureza quali-quanti, do tipo exploratória e descritiva, sua implementação acontecerá por meio da estratégia de pesquisa de campo, tendo como instrumento de coleta de dados um questionário autoaplicável, que será disponibilizado para respondentes em território brasileiro. Pretende-se adotar para análise dos dados coletados duas linhas de análise distintas, uma linha quantitativa baseada em técnicas estatísticas para as respostas objetivas, em que pretendesse descrever e sumarizar os dados encontrados. E uma linha de análise qualitativa baseada em técnicas de análise de conteúdo para explorar as respostas subjetivas fornecidas pelos respondentes. Espera-se ao final da pesquisa aprimorar o entendimento a respeito dos aspectos que determinam a ação das pessoas em ambientes inteligentes, a fim de fornecer contribuições à teoria que se volta ao tema e a adoção desse tipo de tecnologia por organizações públicas e privadas, assim como o aperfeiçoamento dessas tecnologias por parte de desenvolvedores e fornecedores de serviços por esta possibilitados.

  • ADSON DA ROCHA PITA ALBUQUERQUE
  • EMPREENDEDORISMO E OPORTUNIDADES EMPREENDEDORAS SUSTENTÁVEIS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM EMPRESAS DE PEQUENO PORTE EM SERGIPE
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 11/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O empreendedorismo envolve o estudoda descoberta de oportunidades e, portanto, écentral para a criação de novas empresas.O empreendedorismo sustentável é um campo ainda incipiente e, embora emergente, poucos estudos foram realizados. Este estudo pode ser justificado teoricamente, pois analisa esses dois temas, empreendedorismo sustentável e oportunidades empreendedoras, que embora estejam intrinsicamente associados, são ainda pouco explorados de forma conjunta em estudos teórico-empíricos. O objetivo deste estudo foi analisar o processo de identificação e exploração de oportunidades empreendedoras sustentáveis ambientais pelos empreendedores em empresas de pequeno porte. Especificamente buscou descrever as fontes de oportunidades sustentáveis ambientais identificadas pelos empreendedores em empresas de pequeno porte; verificar como ocorreu a identificação de oportunidades sustentáveis ambientais e identificar como ocorreu a exploração de oportunidades sustentáveis ambientais pelos empreendedores nessas empresas. Com base na literatura, foi construído um modelo conceitual com a finalidade de ajudar na compreensão do processo empreendedor sustentável ambiental, formado de três fases: reconhecimento de fontes, identificação e exploração de oportunidades. Utilizou-se como método de pesquisa o estudo de casos múltiplos, que foi realizado em quatro empresas sergipanas de pequeno porte. Foram utilizadas como fontes de evidências entrevistas semiestruturada com seis empreendedores, além de pesquisa documental e observação. Este estudo adotou a análise narrativa para mostrar como os empreendedores compreendem a sua experiência e como a narração desta experiência lhes dá condições de interpretar sua atuação na descoberta e exploração de oportunidades sustentáveis ambientais. As demais evidências coletadas por documentos e observação foram utilizadas para triangulação de dados. Os resultados apontaram que a fonte de oportunidade mais comum é a externalidade negativa e que o conhecimento prévio tem forte influência na identificação da oportunidade empreendedora sustentável ambiental, porém algumas oportunidades identificadas pelos empreendedores no início são econômicas ou sociais e não ambientais.

  • THIAGO ROOZEVELT DE SOUZA
  • A TRADUÇÃO DE PRÁTICAS ESTRATÉGICAS POR SEUS PRATICANTES: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM CONSULTORIAS SERGIPANAS
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 04/02/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A tradução de práticas estratégicas da organização pelos praticantes ocorre a partir do momento que uma ideia de origem externa é interpretada pelos agentes de uma organização e aplicada em um contexto diferente daquele que foi originado. Entendendo que é possível a convergência de uma abordagem microrrelacional da estratégia (Estratégia como Prática Social) com uma abordagem estratégica macrocontextual (Teoria Institucional), o presente trabalho tem como objetivo compreender como ocorre a tradução de práticas estratégicas pelos praticantes, a partir do estudo de caso em três consultorias do estado de Sergipe. A pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo descritiva e exploratória. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas com os informantes-chave das organizações pesquisadas, além da análise documental e observação não-participante. Em seguida, esses dados foram triangulados com o intuito de conferir mais robustez à análise, realizada por meio de uma análise de conteúdo. Os resultados apontam que em duas empresas pesquisadas, a tradução ocorre por transmissão e também por corrente, devido ao uso de tecnologias extraídas diretamente do fornecedor, mas que também passam pelo crivo de outras empresas, enquanto na terceira empresa pesquisada, a tradução é mediada por outros atores e organizações, a partir da atuação de uma pessoa específica.

  • REGINA APARECIDA ALVES FEITOZA
  • O Impacto da Gestão de Parques Tecnológicos no Desenvolvimento Regional: Um estudo de caso na região nordeste do Brasil
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 07/01/2016
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo aborda como a gestão de parques tecnológicos impacta no desenvolvimento regional e teve como objeto os parques tecnológicos em operação da região nordeste do Brasil. Para esse fim, apresentam-se elementos encontrados na literatura que caracterizam parques tecnológicos, mostram diversos modelos de gestão de parques, bem como, o papel dos stakeholders e quais os estímulos e promoções advindos dos parques que influenciam no desenvolvimento regional, os quais, posteriormente, foram confrontados com estudos de caso de parques objetos desta pesquisa. Foram analisados quais os modelos de gestão de cada parque pesquisado, assim como as estratégias de gestão que condicionam o processo de desenvolvimento da região de locação dos parques, bem como, de que forma os atores envolvidos com os parques contribuem para o desenvolvimento da região, seja esse desenvolvimento financeiro, social e/ou intelectual. Quanto aos aspectos metodológicos, a abordagem da pesquisa é classificada como descritiva e quanto ao método se apresenta como qualitativa. Em relação à dimensão tempo, a pesquisa é de corte transversal. Quanto à estratégia, foi adotado o estudo de caso. Para a coleta de dados foram utilizadas as técnicas de pesquisa documental e entrevista em profundidade. Como resultados, foi revelado que três dos quatros parques pesquisados possuem um mesmo modelo de gestão, apenas apresentando diferenças pontuais em suas estruturas. Apenas um dos parques apresenta uma estrutura bastante diferenciada, no entanto, apresenta os mesmos objetivos dos demais. Dessa forma todos os parques possuem estratégias próximas para dinamização da economia local. Assim como, o relacionamento com os diversos stakeholders que aparecem com atuação comum aos parques pesquisados. De tudo, pontua-se que a gestão de um parque, influencia no desenvolvimento da região, pois, são a partir de suas estratégias que são delineados os aspectos que promovem o desenvolvimento local.

2015
Descrição
  • GISLANE SANTOS SILVA
  • APRENDIZAGEM INTERORGANIZACIONAL EM REDE: O CASO DA REDE DE COOPERATIVAS CATABAHIA
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 13/03/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As redes de empresas surgiram como uma nova configuração organizacional com a finalidade de ampliar a capacidade competitiva dos integrantes e alternativa para alcançar seus objetivos. A cooperação entre as empresas participantes das redes geram benefícios através da troca de informações e de conhecimentos. A análise das estratégias de aprendizagem utilizadas pelas organizações pode resultar na melhor compreensão das formas como acontece a aprendizagem nas redes de cooperação. Este estudo buscou analisar como as cooperativas de catadores de material reciclável integrantes da Rede Catabahia aprendem, verificar as estratégias de aprendizagem interorganizacional adotadas, os tipos de conhecimento aprendidos e os benefícios relativos à aprendizagem. A estratégia de pesquisa adotada foi estudo de casos único e as unidades de análise foram nove cooperativas integrantes da Rede Catabahia. Para a coleta de dados, foi utilizado roteiro de entrevista semiestruturado, aplicado aos representantes e técnicos das cooperativas. De forma adicional foram utilizadas as técnicas de análise documental e de observação direta. A partir da análise dos dados foi possível verificar que as cooperativas ingressam na rede como forma de se formalizarem e obter benefícios. Quanto às estratégias de aprendizagem, verificou-se que as cooperativas adotam comportamento colaborativo – estratégias de compromisso, colaboração e acomodação. Em relação aos tipos de conhecimento, observa-se que os catadores possuem um conhecimento tácito anterior às cooperativas e recebem cursos de capacitação e treinamentos dos técnicos da rede – conhecimento explícito. Os principais benefícios percebidos foram: participação em editais e projetos de financiamento, aquisição de maquinários e equipamentos, e acesso a novos compradores.

  • ALINE SANTOS DE ALMEIDA
  • Adoção de Tecnologias da Informação e Comunicação em Indústrias Criativas: Estudo de Casos Múltiplos em Empresas de Micro e Pequeno Porte
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 13/03/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O advento de novas tecnologias da informação e comunicação (TICs) alterou profundamente a maneira como as pessoas criam, trabalham e consomem bens e serviços culturais, gerando impacto sobre as chamadas indústrias criativas, um grupo heterogêneo de indústrias composto essencialmente por empresas de micro, pequeno e médio porte e situado em uma rede mais ampla, denominada Economia Criativa. Estas empresas possuem o conhecimento aliado à criatividade como matéria-prima, englobam diversas atividades econômicas e arriscam mais que as grandes empresas em novos talentos e projetos. Neste sentido, a presente pesquisa pretendeu analisar como ocorre o processo de adoção de TICs em empresas da indústria criativa. A fim de atingir o proposto, o método de pesquisa adotado foi o de estudo de casos múltiplos e foram analisados dez casos de empresas sergipanas pertencentes a indústria criativa que adotaram TICs em seus negócios. Como fonte de evidência, um roteiro de entrevista semiestruturado foi aplicado tanto com responsáveis pela adoção quanto com funcionários que utilizam tecnologias em suas atividades rotineiras. Complementarmente, empregaram-se as técnicas de observação direta e de análise documental, de modo a garantir credibilidade ao estudo. Após descrição individual, procedeu-se a análise comparativa dos casos a partir da qual foi possível verificar que os negócios analisados pertencem aos grupos de Artes e Criações Funcionais, conforme classificação da UNCTAD (2010). Os negócios analisados são formados por equipes pequenas, com hierarquias flexíveis, divisão de tarefas e foco em relações interpessoais, e não dedicam parte de seus orçamentos para a aquisição ou contratação de TICs. Basicamente, a utilização de recursos tecnológicos se deu desde o surgimento das empresas, motivada por aspectos como aumento na produtividade e maior alcance para divulgação. A busca de informações que precede a adoção das TICs se dá por diversas fontes, como internet, amigos e empresas do mesmo segmento. As hierarquias menos rígidas contribuem para que as equipes participem do processo de decisão, em especial quando a adoção pode impactar em seu dia a dia. É dada preferência por ferramentas simples, gratuitas ou de baixo custo e, embora demande certa adaptação, a implementação frequentemente se dá de forma fácil. Não é comum que as empresas invistam em treinamentos ou contratação de consultorias, e aspectos como experiência, facilidade de uso e fácil acesso a informações contribuem para uma melhor utilização das TICs. O uso de ferramentas de comunicação favorece a integração com os clientes, cujo papel é ampliado, gerando impactos os impactos nos processos de produção, consumo e distribuição destas empresas. De modo geral, os entrevistados relatam que, ainda que existam obstáculos, os resultados obtidos após a adoção são positivos. Conclui-se que, as TICs, quando utilizadas em toda sua potencialidade, podem possibilitar o aprimoramento de processos e o fortalecimento da imagem dos empreendimentos criativos, bem como aumento de produtividade e qualidade de seus produtos e serviços.

  • JANAYNNA DE MOURA FERRAZ
  • EXTERNALIZAÇÃO NA CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL: CASO DAS AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 27/02/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A gestão do conhecimento torna-se primordial para a sobrevivência das organizações contemporâneas ora empenhadas em convergir os saberes da coletividade para um propósito comum ao grupo. A literatura consagrada menciona que dentre as faces da gestão do conhecimento, destaca-se a teoria de criação do conhecimento empresarial, apresentada em forma de espiral num processo que culmina em quatro modos possíveis de conversão de saberes. Embora seja declarada a relevância da criação do conhecimento na atualidade, percebe-se que pouco se atina de como ela ocorre na prática. Desse modo, esta pesquisa teve como objetivo geral investigar o papel da externalização, que é uma modalidade de conversão de conhecimento, face sua relevância no processo da criação do conhecimento organizacional e para isso investigará as agências de publicidades, organizações classificadas como de serviço intensivo em conhecimento. A estratégia de pesquisa foi um estudo de caso único, com seis mini-casos (agências de publicidade) e duas unidades de análise: gestores e colaboradores. A abordagem foi descritivo-exploratória e a investigação transcorreu numa sequência de duas fases. A primeira fase teve natureza quantitativa e qualitativa, numa abordagem descritiva. Os dados foram coletados por meio de um questionário online respondido pelos colaboradores das agências de publicidade de Sergipe e paralelamente por meio de um e-focus group com os proprietários/gestores dessas organizações. A segunda fase, qualitativa e exploratória, utilizou os dados da coleta da primeira fase adicionados ao seu relatório descritivo resultante, investigando novas perspectivas do problema através do cruzamento das evidências com a teoria de criação do conhecimento. Os dados foram tratados com estatística descritiva simples e com análise de conteúdo cuja classificação foi categorizada em termos. Dentre os principais resultados encontrados, destaca-se que a externalização, além do se preconiza a teoria, não tem apenas papel relevante, muito além, seu papel é decisivo, de modo que se acredita que a ausência de externalização implica na inexistência da gestão do conhecimento na prática organizacional. Espera-se que essa pesquisa possa contribuir com o entendimento da gestão do conhecimento, oferecendo novos horizontes para a teoria e para a prática nas organizações.

  • SUELI DANTAS BACELAR
  • A Influencia dos valores Organizacionais na implementação de um modelo de melhoria de processo de software
  • Orientador : VERUSCHKA VIEIRA FRANCA
  • Data: 09/02/2015
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O mercado de Tecnologia da Informação está em ritmo crescente. Tem aumentado a quantidade de empresas e o volume de aquisições e contratações na área. Com a concorrência crescente, as organizações precisam melhorar sua presença no mercado e principalmente, buscar aumento de eficiência e eficácia por meio da implementação de melhoria de processo de software. Para que essa iniciativa traga resultados, um dos principais fatores é que os benefícios provenientes dessa implementação estejam alinhados como os valores organizacionais. Diante do exposto, este estudo pretende verificar quais os benefícios conquistados pelas organizações com a implementação da Melhoria de Processo de Software Brasileiro - MPS.BR; identificar quais os valores organizacionais estão presentes nessas organizações e verificar a existência de relações entre os benefícios alcançados pela implementação de modelos de processo de software e os valores organizacionais. O levantamento de dados foi realizado por meio de aplicação de questionários em organizações que possuem o Modelo de Processo de Software Brasileiro – MPS.BR implementado. Participaram da pesquisa 9 organizações, foram respondidos 47 questionários. Entre os benefícios pesquisados, “processos mais claros” e “processos com mais qualidade” foram os mais percebidos e “redução no tempo de desenvolvimento” e “redução no custo de desenvolvimento”, os menos verificados pelos empregados. Depois de realizadas análises estatísticas, foi possível reduzir para 4 fatores os 18 benefícios estudados, identificando as categorias qualidade, controle, processo e equipe. Dos 10 valores organizacionais estudados, os mais constatados foram “trabalho em equipe” e “responsabilidade” e os menos observados foram “estratégia” e “informação”. As análises estatísticas para verificar as correlações entre os benefícios e os valores organizacionais, evidenciaram que os valores organizacionais comprometimento e supervisão se correlacionam de forma impactante nos benefícios, sugerindo que as organizações de desenvolvimento de software que desejam alcançar os benefícios com a implementação do MPS.BR devem focar seus esforços em fortalecer a supervisão em sua organização e desenvolver o comprometimento em sua equipe.

2014
Descrição
  • MAÍSLE ALVES MORAES DE SOUZA
  • ACEITAÇÃO E USO DE TECNOLOGIA: FATORES QUE INFLUENCIAM SERVIDORES PÚBLICOS DE UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO A UTILIZAREM UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO
  • Orientador : JEFFERSON DAVID ARAUJO SALES
  • Data: 30/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A adoção de sistemas de informação (SI) por organizações públicas trata-se atualmente de uma necessidade de reestruturação de suas atividades gerenciais. A partir desta adoção, existe uma expectativa de que os usuários de SI utilizem de forma satisfatória os benefícios para as suas atividades de trabalho. Porém, existe uma lacuna no setor público relacionada à resistência às mudanças e ao uso de recursos de tecnologia de informação (TI). Assim, entender os fatores que influenciam seus usuários a aceitarem ou utilizarem esta nova tecnologia representa um relevante propósito de pesquisa, tanto para a academia quanto para a gestão pública. Desta forma, o objetivo principal desta dissertação é investigar fatores de aceitação e uso de tecnologia que influenciam servidores públicos de uma Instituição Federal de Ensino (IFE), em particular os da Universidade Federal de Sergipe (UFS), a utilizarem um sistema de informação. Estudos têm demonstrado a existência de diversos fatores que influenciam a aceitação e o uso de tecnologia e, considerando o intuito desta pesquisa, o modelo UTAUT (Teoria Unificada de Aceitação e Uso de Tecnologia), desenvolvido originalmente por Venkatesh et al. (2003), foi aplicado. Tratou-se de pesquisa com procedimentos do método quantitativo, epistemologicamente positivista, com abordagem dedutiva e propósito exploratório e descritivo. Realizou-se um levantamento bibliográfico de temas sobre sistemas de informação, tecnologia da informação nas organizações, o contexto do serviço público e aceitação e uso de tecnologia. A pesquisa de campo utilizou-se do método survey, sendo a coleta de dados realizada por meio de questionário aplicado a servidores públicos ativos da UFS, que é uma das pelo menos 20 IFE que adotaram um mesmo SI. As hipóteses iniciais desta pesquisa defenderam que a aceitação e o uso do SI em questão é influenciada por quatro fatores: Expectativa de Desempenho, Expectativa de Esforço, Influência Social e Condições Facilitadoras. Acrescentaram-se as variáveis moderadoras: gênero, idade, experiência e voluntariedade. A amostra foi de 373 respondentes. O tratamento e a análise dos dados foram realizados por meio de análise descritiva, análise fatorial confirmatória, o teste t e a Análise de Variância (ANOVA). Conclui-se que os fatores Expectativa de desempenho, Expectativa de esforço e Influência social servem para mensurar o comportamento de uso dos servidores da UFS, mas a influência de todos eles só ocorreu de forma positiva para dois dos três subsistemas estudados: o Sistema Integrado de Gestão de Patrimônio, Administração e Contratos (SIPAC) e o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH). O Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) apenas foi influenciado positivamente pela Expectativa de desempenho. Foram considerados moderadores apenas a idade e a voluntariedade de uso para o construto Influência social; e a experiência para a Expectativa de esforço. Outros resultados foram apontados para contribuições acadêmicas e gerenciais.
  • RONY KLAY VIANA DE FREITAS
  • INOVAÇÃO ABERTA NO GOVERNO MINEIRO: TRAJETÓRIA, PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS.
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 25/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Com o crescente sucesso de práticas de inovação aberta em organizações privadas,conforme indicado por Chesbrough (2003) e como essa ideia e prática se expande,há uma necessidade de revisitar o que este "termo” realmente significa nasorganizações e levantar a questão abordada especificamente no trabalho que é a decompreender como esses princípios estão sendo incorporados pelas organizaçõesdo setor público. A partir dessa proposta de estreitamento da relação entre ogoverno e a sociedade, o estudo investigou como a inovação aberta é utilizada noprojeto movimento minas, buscando especificamente compreender as bases domodelo de inovação aberta proposto, sua trajetória, as experiências, a percepçãodos atores envolvidos no processo, os desafios e as perspectivas futuras. Para isso,foi desenvolvida uma pesquisa de cunho qualitativo, com utilização de entrevistasem profundidade, pesquisa documental e observação participante. O percursometodológico adotado permitiu que os diversos atores envolvidos no processoanalisassem e avaliassem, por meio de suas percepções, a política de inovaçãoaberta adotada pelo governo mineiro. Como resultados obtidos, verificou-se que abusca do diálogo é uma das principais bases do processo de inovação aberta noGoverno. Além disso, verificou-se que no governo o conceito de inovação aberta nãotem uma definição tão clara e precisa quanto no setor privado. Uma das possíveisexplicações é que na administração pública deve existir um compromisso de retornodas ideias apresentadas pelos cidadãos aos governos, o que não existe na iniciativaprivada. Constatou-se, ainda, que o Movimento Minas é mais uma tentativa dogoverno para trazer o cidadão para o centro das decisões políticas. Por mais queefetivamente, a partir dos dados do estudo, ainda não se possa conceituar ainovação aberta no governo, verificou-se a tentativa do governo em apropriar oconhecimento social para utilização no processo de inovação pública.

  • JALBERTO DÓRIA DA SILVA
  • PROCESSO DECISÓRIO E ESTRATÉGIA: UM ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS EM EMPRESAS DE SERVIÇOS INTENSIVOS EM CONHECIMENTO (SICs) NA CIDADE DE ARACAJU-SE
  • Orientador : LUDMILLA MEYER MONTENEGRO
  • Data: 23/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O processo decisório é um elemento inerente ao cotidiano das pessoas e das empresas, sua relevância para administração é tanta, que para alguns autores tomar decisão é sinônimo de administrar. No âmbito estratégico, essas decisões são tomadas pelos gestores principais da organização e estão relacionadas com a execução de atividades de caráter crítico. Este trabalho utilizou a concepção de estratégia como prática social na análise da tomada de decisões. Por essa abordagem, a estratégia é definida como o modo pelo qual os gestores e demais envolvidos de uma organização interagem e operam durante todo processo de formulação e de implementação da estratégia, com foco nas práticas sociais do dia a dia (AVILA et al., 2009). Nesse estudo, o pano de fundo considerado na investigação do processo decisório de caráter estratégico são as organizações de serviços intensivas em conhecimento (SICs), caracterizadas por Miles et al. (1995) como empresas que dependem fortemente de conhecimentos profissionais, são fontes primárias de informação e conhecimento, usam seu conhecimento para a produção de serviços de intermediação de processos de produção de seus clientes, possuem grande importância competitiva e são as principais fornecedoras de outras empresas. Dessa forma, definiu-se como objetivo de pesquisa a análise de como o processo decisório de cunho estratégico se realiza nas SICs da cidade de Aracaju-SE. Para alcançar tal finalidade, propôs-se uma abordagem metodológica de cunho qualitativo, na qual a estratégia de pesquisa de casos múltiplos foi adotada com o propósito de descrever e, ao mesmo tempo, explorar o fenômeno em questão. Não obstante, buscou-se a triangulação dos dados mediante sua coleta em fontes primárias, realização de entrevistas e observação, e em fontes secundárias, análise de documentos. Nos casos pesquisados, observou-se que as empresas foram constituídas em sociedade, além de contarem com equipes bastante enxutas e com alto nível de qualificação. Destaca-se que as metas e os objetivos estratégicos da organização são bem definidos e disseminados entre seus pares. Os membros participam ativamente das reuniões, mas os assuntos mais cruciais são concentrados nos sócios e em alguns funcionários-chave. Essas ações impactam diretamente na tomada de decisão, pois são tomadas conjuntamente em frequentes reuniões com a participação de toda equipe e, em alguns casos, com clientes e fornecedores. Como consequência, presume-se a preponderante influência de fatores externos, como clientes, fornecedores, concorrência e tecnologia no processo decisório dessas empresas. Observa-se ainda forte utilização de métodos de análise, como diagramas e técnicas, para apoiar a tomada de decisão. Tais ponderações sobre como a decisão estratégica é tomada nessas organizações refletem a noção de estratégia como prática social na medida em que mostram a relação dos três conceitos da teoria, a saber: os Praticantes da estratégia; as Práticas sociais, simbólicas e materiais por meio das quais a estratégia é realizada e a Práxis, fluxo de atividade na qual a estratégia é desenvolvida.


  • WAGNER AMARAL E SILVA
  • ALINHAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E AS RELAÇÕES DE PODER: ESTUDO DE CASOS EM EMPRESAS SEDIADAS EM SERGIPE
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 21/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Tecnologia da Informação (TI), inicialmente utilizada como um componente de usoexclusivo para o processamento de dados, é reconhecida atualmente pela suaimportância estratégica, o que torna as organizações dependentes da TI naefetivação da estratégia e na execução de suas atividades. Nesse contexto, asempresas têm procurado integrar a estratégia da TI à estratégia da organização nointuito de promover o alinhamento estratégico (AE). A propósito, os estudos emestratégia ficaram limitados às concepções das teorias positivistas, que ignoramaspectos importantes como poder, autoridade e política. São factíveis, então, novasformas de observação dessa problemática, o que acarreta, a reboque, mudançasnas perspectivas de análise. Reconhecendo-se que empresas são construçõessociais e históricas envolvidas dinamicamente por contradições entre interessesindividuais e objetivos organizacionais, percebe-se que as relações de poder podemser estudadas no contexto do AE. Nessa direção, conjectura-se como desafioedificar um debate entre o alinhamento estratégico da TI e as relações de poder.Para isso, propõe-se explorar como as relações de poder permeiam o alinhamentoestratégico entre as áreas de negócio e de TI sob diferentes perspectivas nocontexto de três empresas públicas sediadas em Sergipe. Para tanto, realizou-se umestudo qualitativo com a estratégia de pesquisa de estudo de casos múltiplos pormeio da realização de entrevistas e da análise documental. Os dados coletadosforam avaliados com o uso de análise de conteúdo. Como resultado, percebeu-seque a dependência da TI indica efeitos relacionados a ganhos e perdas de poder nocontexto organizacional. Encontrou-se indícios de concentração de poder no quetange a tomada de decisão da área de TI. Além disso, notou-se que existe umconflito de interesses entre os diversos atores envolvidos na estratégia da TI emrazão da existência de mecanismos institucionalizados para promover o controle daestratégia da TI. No entanto, identificou-se que a percepção quanto ao AE é positivadentro e fora da área de TI, principalmente em razão do desenvolvimento dehabilidades políticas pelos gestores da TI e da criação de discursos que promovem acrescente ampliação do uso da TI.

  • VITOR HUGO DA SILVA VAZ
  • O PAPEL DA GOVERNANÇA COMO FATOR DE CONSOLIDAÇÃO DA REDE BIODIESEL - SERGIPE: A Visão das Instituições Parceiras
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 10/07/2014
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Sabe-se que no Brasil a regulamentação para a produção de biodiesel deu-se pela Lei 11097 de 2005, que introduziu o Programa Nacional de Produção e uso de Biodiesel (PNPB) e estabeleceu as condições para a produção e comercialização deste biocombustível, como uma fonte alternativa para a produção de energia renovável. O governo brasileiro incentivou a criação de Redes Biodiesel em todo o país, incluindo o Estado de Sergipe. Em Sergipe, foi criada a Rede Biodiesel-Sergipe proveniente das articulações de várias instituições públicas e privadas. Esta rede precisou se organizar e definir papéis para seus integrantes, estabelecer regras para formar uma estrutura de governança para funcionar. A governança é um tema que tem sido estudado, em grande parte, pelos pesquisadores organizacionais. Neste contexto, um dos estudos realizados sobre os tipos de governança é o de redes de empresas que buscam compreender os mecanismos institucionais pelos quais os relacionamentos interorganizacionais são iniciados, negociados, desenhados, coordenados, monitorados, adaptados e terminados. Neste viés, esta pesquisa buscou, por meio de um estudo de caso único na Rede Biodiesel de Sergipe, analisar como o papel da governança contribuiu para a consolidação do Programa de Biodiesel no Estado e quais os benefícios gerados às empresas participantes da rede em questão. Os principais resultados apontam que a capacidade da instituição governante para lidar com as outras organizações participantes da rede, a capacidade de atuação na organização da produção agrícola e a existência de instituições com representação política na rede, foram determinantes para a escolha da empresa que exerceria a governança, assim mesmo foi definida a governança como sendo do tipo colaborativa. Com relação aos benefícios gerados para as participantes da rede foram citadas a redução dos custos, a eliminação de empresas desinteressadas, regularidade no processo de produção, melhora na gestão do negócio, aumento nas vendas, além de evitar conflitos entre os membros.

2013
Descrição
  • MICHELL ANGELO SANTOS LIMA
  • FLEXIBILIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: A PERCEPÇÃO DE GERENTES DE PROJETO EM ARACAJU-SE
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 31/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Os gerentes de projetos de desenvolvimento de software precisam cada vez mais lidar comfatores como a competição, demanda por qualidade, menores ciclos de vida de produtos emudanças tecnológicas constantes no mercado. Dessa forma, percebeu-se que a flexibilidade éuma questão crítica para projetos de desenvolvimento de software, uma vez que é necessárioaprimorar a capacidade de respostas às mudanças de mercado, de forma que haja poucosretrabalhos, custos minimizados, agilidade de resposta e capacidade de inovação. Com opropósito de contribuir para tal discussão, esta dissertação investiga como as características deflexibilidade são percebidas por gerentes de projetos no desenvolvimento de software. Oarcabouço teórico sobre os processos de desenvolvimento de software, tais como osfundamentados em Cockburn (2001), Abrahamsson et al. (2003), Vinekar (2006) e Laudon eLaudon (2010) serviram como base para este estudo. A metodologia teve caráter descritivo equalitativo e adotou-se a estratégia de pesquisa estudo de casos múltiplos, na qual os casosforam caracterizados pelos processos de desenvolvimento de software e, como fonte deevidências, escolheram-se os gestores de projetos de software que atuam em Aracaju, porconsiderar que estes profissionais possuem uma visão mais abrangente do processo dedesenvolvimento de tais sistemas. Como resultados obtidos, ao tratar de flexibilidade comrelação ao cliente, todos os entrevistados declararam que a participação do cliente no processode desenvolvimento é importante para o bom desempenho do projeto, pois possibilitaantecipar possíveis mudanças. No tocante à flexibilidade no grupo de trabalho, quatro doscinco gerentes entrevistados ressaltaram que os membros da equipe não reagem bem àsmudanças no projeto, e que existe um esforço na maioria dos projetos em negociar com ocliente possíveis alterações de custos e prazos. No que concerne à flexibilidade dos processosde desenvolvimento, os cinco entrevistados concordaram sobre as vantagens de uma boadefinição dos processos dentro da organização. Contudo, todos os processos são passíveis deadaptação para atingir os resultados necessários. Os resultados encontrados nessa pesquisademonstram, portanto, que os gerentes de projetos, apesar de focarem nos aspectos técnicosdo processo de desenvolvimento de software, associam o nível de sucesso do projeto a outrosfatores, tais como a flexibilidade com relação ao cliente, nos grupos de trabalho e no processode desenvolvimento.

  • FERNANDO ANTONIO GUIMARÃES TENÓRIO
  • REDES DE LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-CONSUMO: Um estudo de caso na indústria do plástico de Alagoas
  • Orientador : DEBORA ELEONORA PEREIRA DA SILVA
  • Data: 26/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A indústria do plástico representa a segunda maior fatia do PIB industrial Alagoano, possuindo 58 indústrias e gerando 2.298 empregos. Contudo, o descarte de produtos plásticos no ambiente provoca sérios danos ambientais, como a poluição dos rios e contaminação do solo. O governo brasileiro, buscando resolver o problema gerado pela poluição decorrente do descarte de produtos no ambiente, institui na Política Nacional dos Resíduos Sólidos que, até 2014, sejam implantados sistemas de logística reversa nos setores industriais brasileiros. Na indústria do plástico, a logística reversa ocorre através do canal reverso de reciclagem, composto pelas etapas de coleta e retorno dos produtos ao ciclo produtivo, que podem ser executadas por mais de uma empresa. Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo compreender como a etapa de retorno ao ciclo produtivo de embalagens plásticas, em Alagoas, é gerenciada. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, de natureza descritiva, com característica exploratória, por meio de um estudo de caso, realizado na indústria do plástico de Alagoas. A pesquisa encontrou um processo, composto por um conjunto de atividades executadas de forma sequencial, por meio de três empresas, estruturadas em rede interorganizacional; evidenciada por meio de características como: uma forte interdependência de recursos físicos e financeiros, proximidade geográfica, e ambiente predominantemente informal entre os proprietários. A gestão do processo apresenta-se de forma auto organizada, em que, nenhuma das três empresas se compromete pelo gerenciamento do processo como um todo, pois cada uma possui estratégias individuais de negócio. Por fim, constatou-se que, mesmo tendo uma gestão independente, os proprietários dessas empresas buscam compartilhar informações entre eles, com o intuito de melhorar as atividades do processo; aumentando a qualidade e a produtividade e, consequentemente, tornando o canal reverso de reciclagem economicamente viável.

  • GLESSIA SILVA DE LIMA
  • INOVAÇÃO ABERTA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS EM EMPRESAS SERGIPANAS
  • Orientador : ANTONIO LUIS ROCHA DACORSO
  • Data: 22/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O modelo de inovação aberta traz consigo um novo paradigma pautado na busca por conhecimento externo para acelerar ou facilitar o processo de inovação, de modo que seus preceitos podem ser empregados como via de desenvolvimento para micro e pequenas empresas que desejem melhor atuar no mercado por meio de inovações. Nessa perspectiva, este estudo buscou compreender como as micro e pequenas empresas utilizam o modelo de inovação aberta em seu processo de inovação. Assim, a partir do confronto entre o uso que se faz do conhecimento externo dentro do processo de inovação das empresas selecionadas, pretendeu-se avançar na teoria de inovação aberta e evidenciar algumas peculiaridades dessa aplicação no contexto das micro e pequenas empresas. Para isso foram analisados o processo de inovação, as fontes de conhecimento externo acessadas e a utilização das fontes de conhecimento externo nas estratégias de inovação das micro e pequenas empresas. A estratégia de pesquisa foi um estudo de múltiplos casos em sete empresas com práticas de inovação e como fontes de evidências foram empregadas a entrevista semi-estruturada, análise documental e análise por registros. Como resultados obtidos, seis empresas utilizam as fontes de conhecimento externo em seu processo de inovação, por meio das quais conseguiram vencer os obstáculos ou desafios que as fizeram buscar o modelo de inovação aberta como modelo de negócio, além de apresentarem algumas peculiaridades em sua utilização. Os achados encontrados nessa pesquisa demonstraram, portanto, que as micro e pequenas empresas não só utilizam o conhecimento externo em suas estratégias de inovação, como conseguem formar um processo de inovação efetivo por meio dessas fontes, com inovações significativas para o mercado e elevação do desempenho organizacional.

  • ADEMIR MACÊDO NASCIMENTO
  • MUITO MAIS DO QUE CONTATO COM OS AMIGOS: Fatores que estimulam as pessoas a continuar utilizando uma rede social virtual
  • Orientador : MARIA CONCEICAO MELO SILVA LUFT
  • Data: 18/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da importância dos sistemas de informação (SI), percebe-se na literatura uma alta taxa de insucesso em seus projetos. Por esta razão, uma grande quantidade de estudos sobre a aceitação de SI vem sendo desenvolvida nas últimas décadas. No entanto, Limayem, Hirt e Cheung (2003) ressaltam que a adoção de um sistema de informação é apenas o primeiro passo para o seu sucesso, pois caso não se atendam as necessidades de seus usuários, o SI pode ser descontinuado, independente de uma adoção bem sucedida anteriormente. Nesta direção, Bhattacherjee (2001) desenvolveu um estudo seminal de continuidade de uso de sistemas de informação, no qual vários outros autores se basearam, dentre eles Shi et al. (2010), que criaram um modelo para avaliar a intenção de continuidade de uso em uma rede social virtual, ou social network site (SNS). O modelo proposto destaca apenas o uso pessoal das SNS, sem avaliar a importância do relacionamento com organizações, sejam elas públicas ou privadas, e sem avaliar a influência de familiares, amigos e da mídia de massa na intenção de continuidade de uso. A partir deste fato, este estudo tem como objetivo expandir o modelo de continuidade de uso de uma rede social virtual de Shi et al. (2010) acrescentando o construto “relacionamento com organizações”, proposto pelo autor deste trabalho, e os construtos “influência interpessoal” e “influência externa” propostos por Roca, Chiu e Martínez (2006). Para tal, foi realizado um survey através de um questionário online junto a 4078 usuários ativos do Facebook®. Após a coleta destes dados foi utilizada a análise fatorial para verificar se alguma das novas variáveis propostas neste estudo se adequava aos construtos já validados por Shi et al. (2010) assim como verificar os novos construtos formados, o que resultou na adaptação de três dos quatro construtos já validados e na geração de quatro novos construtos voltados ao relacionamento com organizações. A seguir, foi realizada a modelagem de caminhos através da técnica dos mínimos quadrados parciais para verificar quais os construtos que mais influenciam a intenção de continuidade de uso. Dentre os fatores ligados ao “relacionamento com organizações” no Facebook®, destacou-se o “relacionamento indireto com empresas”, no qual os usuários pesquisam atualizações de seus pares para conhecer melhor uma empresa no Facebook®. Já dentre as formas de influência na intenção de continuidade de uso, as mídias de massa superaram a influência interpessoal de familiares, amigos e colegas. Ademais, este estudo teve como principal contribuição, a validação de construtos relacionados ao relacionamento com organizações, podendo tais construtos serem utilizados como base para pesquisa em redes sociais virtuais de nicho ou serem aplicados com amostras específicas de usuários.
  • CASSIO ROBERTO CONCEIÇÃO DE MENEZES
  • GERAÇÃO E DIFUSÃO DE CONHECIMENTO: UMA ANÁLISE DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DE ITABAIANINHA/ SE
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 18/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A capacidade de geração, difusão e utilização de novos conhecimentos consolida-se como um processo que transcende a esfera da firma individual, apontando para a existência de uma atmosfera na qual o caráter grupal e coletivo das organizações entra em evidência. Assim sendo, é possível afirmar que a geração e difusão de conhecimento ocorrem não apenas no nível organizacional como também no nível dos arranjos produtivos locais. Seguindo essa linha de raciocínio, o estudo buscou analisar o processo de geração e difusão de conhecimento no âmbito do APL de Confecções de Itabaianinha/SE, tomando como base o modelo teórico de Vilela Junior (2010). Para tanto, foi realizado um trabalho qualitativo e o método de pesquisa utilizado foi o estudo de caso único incorporado. O estudo realizado foi classificado como caso único, dada a análise intensiva ter sido empreendida em apenas um APL, e incorporado porque envolveu dezessete subunidades de análise, incluindo quinze empresas do polo de confecção, uma associação de classe e uma instituição de apoio. Os principais resultados confirmam o modelo adotado no estudo, indicando que o processo de geração de conhecimento ocorre de três maneiras: através das ações coletivas, através das ações conjuntas, e através da governança. Do ponto de vista das ações coletivas, a oferta de cursos e treinamentos contribuiu significativamente para a geração de novos conhecimentos, qualificou a mão de obra e ampliou a força de trabalho para o atendimento das necessidades das empresas do polo. As ações conjuntas indicam que o compartilhamento de serviço se configura como uma das práticas cooperativas mais comuns realizadas entre as empresas do APL de Itabaianinha. Por sua vez, a atuação da governança do arranjo estudado sugere apoiar as ações de capacitações que suprem a falta de mão de obra qualificada, diminuindo o gap existente entre a atividade produtiva e as necessidades das empresas. Por fim, o processo de difusão de conhecimento admite a existência de relações informais, significativa rotatividade de pessoal e o surgimento de novos negócios a partir de empresas constituídas.

  • IONE MARIA SANTOS DE ARAUJO
  • GESTÃO EXECUTIVA FEMININA: INOVAÇÕES E PERMANÊNCIAS
  • Orientador : FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
  • Data: 17/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem o objetivo de analisar as inovações e permanências existentes na gestão executiva feminina em relação às categorias de processo de tomada de decisão, modelo de liderança, comunicação pessoal e relacionamento interpessoal. Com o crescimento da presença feminina no universo do trabalho, as mulheres começaram a ocupar cargos cada vez mais altos nas organizações, originando um questionamento acerca das inovações e permanências decorrentes do modo de gerir das executivas. Será que as mulheres dispõem de novos padrões e modelos de gerenciamento ou seguem padrões característicos da gestão masculina? Para atingir os objetivos propostos optou-se pela realização de pesquisa com inspiração fenomenológica, considerando a interpretação que cada indivíduo pesquisado apresenta da realidade vivida na gestão das organizações da qual fazem parte. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, utilizando como método o estudo de caso, baseado em mulheres que ocupam cargos de alta gestão em empresas sergipanas. As informações coletadas foram analisadas utilizando-se a técnica da análise de discurso. A partir dos dados obtidos pode-se observar que as executivas percebem claramente diferenças entre o modo de gestão masculina e feminina no que diz respeito às categorias analisadas. Para as entrevistadas, em relação às categorias eleitas, as mulheres possuem características mais flexíveis e humanitárias, enquanto os homens são considerados mais inflexíveis, objetivos e em alguns casos, mais severos. Pode-se concluir que as mulheres executivas consideram que a sua gestão utiliza características inovadoras no que diz respeito às categorias analisadas. Quanto às permanências de características da gestão masculina, apenas um número mínimo de entrevistadas apontou utilizar alguma particularidade do gerenciamento masculino, mas não como orientação e sim com a finalidade de mesclar os dois modos de gestão em situações específicas.

  • FABIANA ALMEIDA SERRA
  • RUMO AO EXTERIOR: A TRAJETÓRIA INTERNACIONAL DOS PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS DE SERGIPE
  • Orientador : JENNY DANTAS BARBOSA
  • Data: 05/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo principal analisar a atuação das PMEs de Sergipe no mercado externo. Para tal, utilizou-se técnicas de caráter exploratório e descritivo, de análise qualitativa, e de estudo de múltiplos casos, conduzidos em cinco empresas de pequeno e médio porte de Sergipe, por meio de entrevistas com os principais responsáveis pelo setor de exportação nessas empresas. A análise dos casos procedeu-se de forma individual e comparativa em que se pôde constatar as diferentes motivações e os principais fatores que influenciaram a entrada das PMEs no mercado externo, as estratégias de internacionalização mais atuantes, o desenvolvimento do processo de internacionalização nas empresas e a presença dos fatores impulsionadores e inibidores nesse processo. O resultado da análise dos casos permitiu concluir que, dentre outras, as motivações para internacionalização dos gestores são: explorar novos mercados, aproveitar oportunidade de negócio fora do país, reduzir a dependência do mercado interno, adquirir competências internacionais, e buscar competitividade. Fatores como o tamanho do mercado, a experiência profissional e a rede de contatos tiveram mais influência na entrada dessas empresas no exterior que a identificação com a cultura do país, o idioma e a proximidade física. As estratégias competitivas mais adotadas pelas empresas para obtenção de espaço internacional para seus produtos foram do tipo diferenciação e enfoque. A escolha estratégica do país ou países teve como principal referência o potencial do mercado importador para venda dos produtos e a formação de parceria. As estratégias de entrada no mercado externo mais utilizadas foram as exportações diretas e exportações indiretas, realizadas por meio de agentes e representantes externos. O conhecimento do mercado externo para exportação dos produtos foi obtido através de informações e experiência com outros exportadores, agentes ou representantes comerciais no exterior, e participação em feiras nacionais e internacionais. Os fatores como transporte, infraestrutura, política cambial e protecionista, diferenças nacionais e culturais inibem o processo de internacionalização, enquanto que as oportunidades de adquirir e desenvolver novas tecnologias, o desejo de atender as necessidades de consumidores estrangeiros, entre outros, impulsionam o processo. Por fim, conclui-se que há predisposição das empresas sergipanas em seguir o modelo de Uppsala no seu processo de internacionalização. As PMEs não obedecem ao conceito de menor distância geográfica e psíquica, exportam para países distantes e diferentes em termos de cultura, costumes, religião e idioma em relação ao Brasil.

  • AUDÁLIO FERNANDES DOS REIS
  • IMPACTO DO USO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ACOMPANHAMENTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS
  • Orientador : ANTONIO LUIS ROCHA DACORSO
  • Data: 03/07/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A representatividade dos cinco mil quinhentos e setenta municípios brasileiros como ente jurídico, econômico e social, no contexto da administração pública, tem enorme relevância, principalmente, quanto à alocação e aplicação de recursos públicos. A prestação de contas feita pela administração pública à sociedade é um dever constitucional dos que utilizam, arrecadam, guardam, gerenciam ou administram dinheiro, bens e valores públicos. A competência para realizar o controle institucional externo das atividades da administração pública é do Poder Legislativo nas esferas de governo federal, estadual e municipal, auxiliado pelos Tribunais de Contas. Esta pesquisa buscou, por meio de um estudo de caso único, descritivo, aliado à revisão da literatura sobre evolução das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) nas organizações, internet e governo eletrônico, tribunal de contas e prestação de contas, analisar o impacto das TICs no processo de acompanhamento da prestação de contas públicas municipais no Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia. Como resultado, observou-se que o uso das TICs tornou possível a utilização de critérios mais rigorosos nesse monitoramento por parte do Tribunal de Contas, o que aumentou a confiabilidade no processo e conferiu mais agilidade na prestação de contas como um todo. A conclusão desse estudo culminou com a identificação de impactos no processo, cujas características principais foram: o envio das informações diretamente das prefeituras ao Tribunal de Contas através da internet, com redução de erros e eliminação das redundâncias, tornou o processo mais célere e melhorou a orientação na aplicação das normas legais; permitiu o cruzamento de dados e a comparação de gastos com objetivos similares entre municípios semelhantes; reduziu o trânsito de documentação física entre prefeituras e tribunal; e, possibilitou maior reconhecimento da atuação do Tribunal de Contas pela sociedade.

  • JEFFERSON REIS GUIMARÃES ANDRADE
  • COOPERAÇÃO INTERORGANIZACIONAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: Um estudo no setor de bebidas do Estado de Sergipe
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 20/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A participação das pequenas e médias empresas (PME‟s) brasileiras no mercado internacional é muito pequena. Dados oficiais apontam que estas organizações contribuem com aproximadamente 5% para o valor total das exportações do país (MDIC, 2012). Os fatores que limitam a internacionalização destas empresas estão associados à própria natureza da firma, as quais geralmente, em virtude do seu porte, apresentam restrições financeiras, técnicas e operacionais, além de ausência de conhecimentos, experiência e informações sobre como atuar no mercado internacional. Todavia, observa-se que estes fatores podem ser neutralizados através da adoção de estratégias cooperativas entre organizações, partindo do pressuposto de que, por meio da cooperação interorganizacional, é possível desenvolver atividades em conjunto que possibilitam as PME‟s superar os problemas que impedem a sua internacionalização. Seguindo esta linha de raciocínio, a presente pesquisa buscou analisar se as pequenas e médias empresas exportadoras do setor de bebidas do Estado de Sergipe desenvolvem relações de cooperação interorganizacional como forma de viabilizar o seu processo de internacionalização. A escolha do setor de bebidas como campo de pesquisa decorre do fato de que este segmento possui a maior participação na pauta de exportações sergipanas e contempla a atuação de PME‟s nas operações de comércio internacional. Para alcançar o objetivo da pesquisa foi adotado o método estudo de casos múltiplos, envolvendo todas as PME‟s exportadoras do setor em destaque, representadas por três indústrias localizadas na região centro-sul do Estado de Sergipe. O processo de coleta de dados ocorreu mediante entrevista semiestruturada, aplicada pessoalmente aos gestores das empresas. Os dados coletados foram avaliados qualitativamente por meio da análise de conteúdo. Em síntese, os resultados da pesquisa evidenciaram que, no setor de bebidas do Estado de Sergipe, as PME‟s possuem relacionamentos interorganizacionais com diversos atores (clientes, fornecedores, empresas do mesmo setor, bancos, despachantes, empresas de logística internacional), os quais se configuram como arranjos cooperativos próprios da organização, possibilitando obter os elementos necessários para que estas empresas possam atuar no mercado internacional, com a ressalva de que sem estes relacionamentos, ou seja, atuando de forma isolada, as referidas organizações não contemplariam todos os recursos precisos para o processo de internacionalização.

  • MARCOS RABÊLO SANTOS
  • TOMADA DE DECISÃO: UM ESTUDO SOBRE A ABORDAGEM DE DECISÃO NA EMPRESA DE PEQUENO PORTE
  • Orientador : ANTONIO LUIS ROCHA DACORSO
  • Data: 19/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A literatura a respeito do processo de tomada de decisão retrata o predomínio das abordagens clássicas, ou seja, prescritiva/normativa de um lado e a descritiva de outro. A abordagem prescritiva é baseada em passos sistemáticos, fundamentada na racionalidade ilimitada, cuja boa decisão depende da qualidade do processo, enquanto a descritiva sustenta que o comportamento das pessoas não obedece a racionalidade ilimitada e que o mundo real não está de acordo com as premissas do modelo prescritivo. Todavia, mais recentemente, uma nova perspectiva tem surgido, segundo a qual é necessário um equilíbrio/integração entre o pensamento deliberado, consciente, e o instintivo, o que aponta para a existência de um continuum e não para uma dicotomia entre as abordagens clássicas. A perspectiva de integração entre as abordagens clássicas motivou o presente estudo e culminou na seguinte questão de pesquisa: Qual abordagem, prescritiva ou descritiva, a empresa de pequeno porte (EPP) utiliza para tomar decisões de caráter estratégico? Para responder ao problema de pesquisa foi realizada uma survey com 45 empresas de pequeno porte associadas à Associação Comercial e Empresarial de Sergipe - ACESE. Os resultados proporcionaram algumas considerações, quais sejam, a utilização de uma abordagem integrada na tomada de decisão por parte das empresas pesquisadas, uma leve tendência prescritiva/normativa ao longo do continnum entre as abordagens clássicas, uma visão predominante de que o importante é o resultado da decisão e não o processo, uma forte atitude de mitigação de riscos, dentre outras.

  • MARALYSA CORREIA DE SOUZA CAVALCANTI
  • EMPREENDEDORISMO SUSTENTÁVEL: MOTIVAÇÕES E AÇOES IMPLEMENTADAS POR EMPREENDEDORES EM EMPRESAS SERGIPANAS
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 13/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O empreendedorismo sustentável é considerado uma área de pesquisa acadêmica interdisciplinar e de publicações recentes. A possibilidade de escassez de insumos imprescindíveis ao funcionamento dos mercados, fez com que alguns empreendedores aliassem as práticas ambientais e sociais à necessidade de alcançar vantagem competitiva, possibilitando o surgimento de empresas com preocupações socioambientais. Diante disso, o objetivo desse estudo foi analisar as motivações e ações sustentáveis implementadas pelos empreendedores sergipanos, tomando por base as dimensões da sustentabilidade. Especificamente, buscou identificar as características das empresas sustentáveis sergipanas, delinear o perfil do empreendedor sustentável sergipano, verificar as motivações que levam o empreendedor a adotar práticas de sustentabilidade, identificar as ações implementadas nessas empresas, por esses empreendedores, nas dimensões econômica, social e ambiental e verificar as dificuldades enfrentadas pelos empreendedores ao adotar práticas sustentáveis. O levantamento da literatura abarcou a sustentabilidade empresarial, o empreendedorismo, a descoberta de oportunidades e o empreendedorismo sustentável propriamente dito, permitindo abordar as características das dimensões da sustentabilidade a partir de modelos e possibilitando a criação de um modelo conceitual para o estudo. Sob as bases da fenomenologia e do interpretativismo, essa pesquisa, de natureza exploratória e descritiva, desenvolve-se utilizando a estratégia de múltiplos casos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com os empreendedores, com a utilização da análise de documentos e com a observação direta não participante. Foram escolhidos seis negócios situados na Grande Aracaju, com características de sustentabilidade como o nome, produtos e processos produtivos. Os resultados mostraram que o perfil dos empreendedores sustentáveis é semelhante e que as motivações para que esses empreendedores abrissem seus próprios negócios confundem-se com as motivações para adotar e praticar ações sustentáveis. Em todos os casos analisados são praticadas e desenvolvidas ações em todas as dimensões da sustentabilidade: econômica, social e ambiental, tendo como principal intento a redução de custos e o alcance da vantagem competitiva.

  • PATRÍCIA MELO SACRAMENTO
  • INOVAÇÃO E APRENDIZAGEM EMPREENDEDORA: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS EM EMPRESAS TURÍTICAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE DA CIDADE DE ARACAJU
  • Orientador : RIVANDA MEIRA TEIXEIRA
  • Data: 13/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Para que as inovações sejam introduzidas com sucesso em uma empresa é fundamental que haja um processo contínuo de aprendizagem e geração de conhecimento, sendo que nas pequenas e médias empresas esse processo de aprendizagem está centrado na figura do empreendedor. Nas empresas de serviço, particularmente as que pertencem ao segmento turístico, a adoção de inovações é uma condição essencial para sobrevivência, pois além da sazonalidade que caracteriza os serviços turísticos, o segmento enfrenta um ambiente altamente instável, com clientes que buscam cada vez mais serviços diferenciados. Diante disto, o presente trabalho buscou identificar os tipos de inovação adotados pelas empresas turísticas de pequeno e médio porte da cidade de Aracaju e analisar como os empreendedores aprendem a inovar. Para alcançar esse objetivo, foi construído um modelo conceitual baseado na tipologia de inovação adotada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE, 2005), no conceito de aprendizagem interorganizacional de Larsson et al. (1998), na tipologia de aprendizagem adotada por Conlon (2004) e nas dimensões dos modelos de aprendizagem de Nonaka e Takeuchi (1997), Rae e Carswell (2000) e Politis (2005). A estratégia de pesquisa adotada foi a de estudo de casos múltiplos e foram analisados oito casos de hotéis/pousadas e agências de viagem de pequeno e médio porte localizados na cidade de Aracaju. Para coletar os dados, foi utilizado um roteiro de entrevista semiestruturado, aplicado pessoalmente aos proprietários dos hotéis/pousadas e agências de viagem. De forma adicional, visando garantir a qualidade do estudo, foram também utilizadas as técnicas de análise documental e de observação direta. A partir da análise dos dados foi possível verificar que as empresas pesquisadas estão buscando inovar de diversas formas, e as inovações implementadas incluem os quatro tipos de inovação definidos pela OCDE (2005): inovações de serviço, processo, organizacionais e de marketing. No que se refere a influência da aprendizagem empreendedora para introdução destas inovações, verificou-se que os empreendedores passam por um processo contínuo de aprendizagem para inovar, e este aprendizado ocorre tanto individualmente, como a partir dos relacionamentos estabelecidos com outros indivíduos (aprendizagem grupal) ou instituições (aprendizado interorganizacional), sendo aaprendizagem individual, que ocorre através da observação e das experiências práticas do empreendedor, destacada como uma das principais formas de aprendizado para inovação.

  • ÉDER DANILO BEZERRA DOS SANTOS
  • OS SPIN-OFFS ESTUDANTIS, SUAS DIFICULDADES E A ATUAÇÃO DA UNIVERSIDADE: ESTUDO DE MÚLTIPLOS CASOS NO ESTADO DE SERGIPE
  • Data: 12/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O spin-off universitário é uma expressão de como o conhecimento originado na universidadepode ter uma aplicação prática com benefícios para a sociedade. No entanto, a literatura sobrespin-offs universitários tem dado um enfoque maior aos spin-offs acadêmicos, criados porpesquisadores, ou trazido abordagens generalistas que não levam em consideração ascaracterísticas particulares dos spin-offs estudantis, criados por estudantes de graduação, demodo que ainda se sabe pouco sobre esse tipo de spin-off e sobre qual papel a universidadetem na criação de empresas por esses estudantes. Mais recentemente, têm-se demonstrado queos estudantes recém-graduados superam professores e pesquisadores em número de empresascriadas, e são duas vezes mais propensos a criarem novas empresas do que membros do corpodocente das universidades. Assim, esta pesquisa buscou analisar, com base no modelo defases de Ndonzuau, Pirnay e Surlemont (2002), o processo de criação de spin-offs estudantisde base tecnológica, e compreender como as universidades apoiam essas empresas em seusmomentos de dificuldade. Adotou-se o estudo de casos múltiplos como estratégia de pesquisa,tendo como unidades de análise seis empresas criadas por estudantes de duas universidades doEstado de Sergipe que passaram pelo processo de incubação. Como fontes de evidências,foram utilizadas informações obtidas por meio de entrevistas semiestruturadas com osestudantes empreendedores e com gestores universitários ligados às suas respectivasuniversidades e incubadoras e ao parque tecnológico do estado, além de dados secundáriosobtidos nas empresas e na Internet. Como principais resultados, destacam-se que osestudantes empreendedores identificam ideias para negócios por meio de atividades práticastais como estágios realizados ainda na condição de alunos, e têm como principais dificuldadesas questões relacionadas à pouca idade, experiência, e recursos, e que a universidade comoorganização-mãe esteve presente em todas as fases do processo de criação dessas empresas,apesar de existir espaço para mais interação, especialmente quando as empresas nascentes setornam independentes.

  • RÚBIA OLIVEIRA CORRÊA
  • INSTITUCIONALIZAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE LEGITIMAÇÃO DA MEDICINA ALTERNATIVA E COMPLEMENTAR
  • Orientador : JENNY DANTAS BARBOSA
  • Data: 07/06/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo aborda o Institucionalismo Organizacional e tem como objeto os micronegócios aracajuanos de saúde alternativa e complementar. Analisou-se a institucionalizaçãosob a ótica dos seus empreendedores, assim como as estratégias de legitimação quecondicionam o processo. Quanto aos aspectos metodológicos, o estudo é classificado comoexploratório, descritivo, qualitativo; em relação à dimensão tempo, a pesquisa é de cortetransversal. Na coleta de dados aplicaram-se entrevistas com roteiros semiestruturados aosempreendedores. Conforme modelo de Tolbert e Zucker (1999), utilizado no estudo, ainstitucionalização organizacional ocorre mediante três fases: habitualização (préinstitucionalização),objetivação (semi-institucionalização) e sedimentação (totalinstitucionalização). Como resultados, revelaram-se problemas na condução do processo deinstitucionalização das empresas, o que pode comprometer a sobrevivência dessas pelospróximos anos. Destaca-se ainda que, na maioria dos casos investigados, a fase dehabitualização foi concretizada. Quanto à fase de objetivação, acredita-se que as empresasinquiridas realmente vivenciam essa etapa, porém, de forma pouco racional. O estágio desedimentação institucional, por sua vez, foi comprometido por grupos de opositoresresistentes e pelas pendências no processo formal de institucionalização do setor estudado. Detudo, pontua-se que todas as empresas pesquisadas podem ser enquadradas no estágio semiinstitucional.Algumas delas, paralelamente, ainda permanecem no pré-institucional.Constataram-se também interferências positivas das estratégias de legitimação no processo deinstitucionalização das empresas analisadas, uma vez que tais estratégias permearam todas asfases do processo de institucionalização conforme sugere o modelo utilizado na pesquisa.

  • ABIMAEL MAGNO DO OURO FILHO
  • ANÁLISE DOS FATORES CONDICIONANTES DA DESARTICULAÇÃO NA COOPERAÇÃO EM UM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL: O CASO DE TOBIAS BARRETO/SE.
  • Orientador : MARIA ELENA LEON OLAVE
  • Data: 11/04/2013
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A hipercompetitividade tem obrigado cada vez mais as empresas à buscar meios de sobrevivência. Neste ambiente as micro, pequenas e medias empresas (MPE´s) devido as suas limitações tem buscado como solução se organizarem em formato de redes, como o APLs (Arranjo Produtivo Local). Para que o arranjo produtivo local funcione deve existir cooperação e interação entre os atores locais participantes do arranjo. Entretanto poucos estudos focam nos fatores que dificultam ou acabam com a cooperação. Sendo assim o objetivo deste estudo é: Analisar os fatores que influenciam na desarticulação de acordo com os atores do APL de confecções em Tobias Barreto/ SE. A pesquisa utilizou o método quantitativo, em uma população de 418, foram coletados 224 questionários. Para a analise dos dados foi utilizados a estatística descritiva, teste de Mann-Whitney, para teste de hipóteses, e a regressão logística univariada. O resultado demonstra que na relação entre os atores do APL, os problemas advindo das quantidades de participantes, falta de confiança, conflitos e o aparecimento de comportamento oportunista são fatores que contribuem para na desarticulação. Já em relação a governança do APL a falta de coordenação adequada por parte do gestor da rede e os custos de monitoramento e controle do para com o mesmo, se apresentam de como prejudicial para a continuidade da rede. Em relação aos fatores externos, as adversidades que o APL pode viver em decorrência das alterações macroeconômicas, e a escassez de externalidades também se apresentaram como sendo influenciam de forma negativa a articulação do APL.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r16381-d9174a643d