A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFS

2022
Descrição
  • EDCLEY VASCONCELOS LEITE SERRA
  • Cultura Popular e Educação Estética: um estudo sobre o Pastoril.
  • Orientador : CHRISTINE ARNDT DE SANTANA
  • Data: 29/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A cultura popular do Pastoril é o elemento da pesquisa que foi analisado e estudado para o desenvolvimento investigativo e a compreensão teórico-analítica sobre a possibilidade desta manifestação efetuar uma educação estética, a partir da qual se faz também necessário delimitar sob um olhar conceitual fundamentado no pensamento de Diderot. Para realizar os desdobramentos da pesquisa, formulou-se os seguintes objetivos: objetivo geral – demonstrar a Cultura Popular, especificamente o Pastoril, como educação estética – objetivos específicos – apresentar a especificidade do conceito de Cultura Popular, distinguindo a Cultura Popular das outras e apresentar os âmbitos da Cultura Popular; identificar o caráter, as características e os elementos estéticos-educativos no Pastoril e no Pastoril de Santo Antônio enquanto Cultura Popular, que possibilita uma educação estética; compreender a concepção de cultura, educação e educação estética em Diderot relacionadas a uma possível concepção de educação estética no Pastoril. A metodologia se constitui a partir da leitura analítica das referências necessárias para a fundamentação teórica e das entrevistas semiestruturadas com três componentes do Pastoril de Santo Antônio e com cinco espectadores deste Pastoril do município de Ilha das Flores – SE para, como exemplo, explanar sobre a manifestação do Pastoril no Estado de Sergipe e verificar se a hipótese levantada se confirma. No capítulo um, discorre-se acerca das noções de cultura; a relação entre a cultura dominante e a cultura dominada, as quais também se tornam alvos de apropriação e de troca de elementos para a cultura de massa; o mecanismo da cultura de massa em seu processo de média social, como também, a classificação e definição de cultura de massa e cultura de massas; as diferentes definições de cultura popular; e a percepção referente ao sentido de intercruzamento ou hibridização entre as diferentes/semelhantes culturas. No capítulo dois, inicia-se com uma breve história do Pastoril; aborda-se sobre o Pastoril sagrado e profano; detalha-se a caracterização dessa manifestação em relação a seu sentido estético-educativo; apresenta-se a cultura popular e educação estética do Pastoril de Santo Antônio de Ilha das Flores-SE; discorre-se sobre o Pastoril e sua importância, na contemporaneidade, para a realidade comum de um povo. No capítulo três, apresenta-se o entendimento de cultura em Diderot; discorre-se o conhecimento constitutivo de educação; sintetiza-se sobre a compreensão de educação estética; argumenta-se de forma comparativa e consensual a concepção de educação estética diderotiana e a concepção de educação estética pastoreira. Com isso, percebe-se que é possível que o Pastoril seja capaz de desenvolver o bom gosto a partir das qualidades intelectuais e sensoriais dos brincantes e dos espectadores para, consequentemente, contribuir com a formação de uma comunidade ou sociedade ética e possivelmente em harmonia.

  • VILMA MARIA SANTOS REBOUÇAS
  • A IMAGEM DA MULHER NEGRA NAS XILOGRAVURAS DA ARTISTA SERGIPANA JACIRA MOURA.
  • Orientador : MARJORIE GARRIDO SEVERO
  • Data: 23/08/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetiva analisar as características plásticas e os significados que podemos ler nas imagens de mulheres negras das xilogravuras da artista sergipana Jacira Moura. Apresentamos um estudo a partir de uma amostra de três xilogravuras do acervo da artista. Abordamos um conciso estudo das imagens de mulheres negras nas artes visuais, o estado da arte sobre a imagética da mulher negra e as imagens de mulheres negras em xilogravuras brasileiras e suas características plásticas. Buscamos nas xilogravuras signos da “cultura popular negra” que identifiquem experiências sensíveis das mulheres negras. Entendemos que as obras aqui estudadas refletem os costumes de cada período, onde a mulher negra ficou relegada ao pano de fundo, cumprindo funções estereotipadas de escravizada e trabalhadora doméstica ou tendo o seu corpo sexualizado. O ponto de virada foi por volta da década de 1980, quando algumas mulheres negras começaram a ter mais espaço no meio artístico para fazerem uma auto- representação, descrevendo a si mesmas pelo seu próprio ponto de vista. A metodologia de análise das imagens se fundamenta na semiótica proposta por Algirdas Greimas (1984), teoria da significação e na abordagem da semiótica visual, Pietroforte (2020). O estudo sobre a poética e a temática das xilogravuras de Jacira Moura também é realizado para assim analisarmos as xilogravuras intituladas Majestade, Esperança e O descanso. Na xilogravura Majestade a partir da análise do quadrado semiótico e das categorias plásticas eidética, topológica e cromática identificamos sentido e relações semissimbólicas entre mulher negra rainha versus mulher negra popular. Em Esperança identificamos sentido e relações semissimbólicas entre escravidão versus liberdade. Na xilogravura O descanso percebemos relações semissibólicas entre descanso versus trabalho. Consideramos que as três xilogravuras analisadas, enfatizam a etnia, a cultura e o trabalho nas imagens de mulheres negras e que a artista Jacira Moura aborda a imagem dessas mulheres nas suas xilogravuras com dignidade, procurando ressaltar nossa cultura ancestral.

  • MARIA TAIRES DOS SANTOS
  • ENTRE JOSEFAS, REZAS E RODAS: A PRÁXIS DO CUIDADO EM SAÚDE E O EMPODERAMENTO DA MULHER QUILOMBOLA
  • Orientador : ROBERTO DOS SANTOS LACERDA
  • Data: 17/05/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As mulheres quilombolas possuem um importante papel na manutenção das tradições culturais dos seus territórios. Em Sergipe, Dona Zefa da Guia e Dona Josefa do Sítio Alto são as guardiãs dos saberes tradicionais de cuidados em saúde, reconhecidas também pelo importante papel que desempenham na organização política, social e cultural das suas comunidades. Entre rezas, danças, cantigas, plantas medicinais, realização de partos, conservação de sementes crioulas, e outras práticas e saberes sedimentados em valores civilizatórios afro-brasileiros, entre eles a ancestralidade, elas têm promovido um importante processo de empoderamento individual e coletivo das suas comunidades. Saberes e práticas que sobrevivem mesmo em meio à hegemonia do paradigma biomédico, o qual obedece fortemente a lógica imposta pelo sistema econômico capitalista de produção. O presente trabalho tem como objetivo analisar como os saberes tradicionais de cuidado em saúde empoderam a mulher quilombola. Através do método de pesquisa em história oral de vida, abordagem qualitativa e análise de dados a partir da antropologia interpretativa, realizamos a pesquisa com Dona Zefa da Guia e Dona Josefa do Sítio Alto. Concluímos que os saberes e práticas tradicionais de cuidado em saúde são conhecimentos concebidos e articulados pelas Josefas e constituem-se como meios de reafirmação da identidade cultural da Serra da Guia e do Sítio Alto. Eles estabelecem condições de resistência política e cultural para a promoção da cura, do bem-estar e saúde do povo dessas comunidades. Esses saberes e práticas do cuidado em saúde consistem de ação e reflexão sistematizada, a qual denominamos de práxis do cuidado em saúde quilombola, e se mostra capaz de fomentar processos coletivos de organização. A práxis do cuidado em saúde quilombola de Dona Zefa da Guia e Dona Josefa do Sítio Alto está fundamentada na ancestralidade, espiritualidade, na relação harmoniosa com o meio ambiente, na força transformadora do amor, e que em conjunto, de maneira articulada, se define como ferramenta fundamental para a conscientização crítica no processo de empoderamento de ambas, bem como das suas respectivas comunidades.

  • LUAN VINÍCIUS CARVALHO DE ALMEIDA
  • “VEM VER, GENTE, ESSE SAMBA COMO ɔ: CAMINHOS, OLHARES E ESCUTAS ACERCA DO SAMBA DE ABOIO DO POVOADO AGUADA-SERGIPE.
  • Orientador : FERNANDO JOSÉ FERREIRA AGUIAR
  • Data: 28/04/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O foco desse trabalho é o Samba de Aboio Santa Bárbara, do Povoado Aguada, do município de Carmópolis-SE. O samba é uma festa em homenagem a Santa Bárbara/Iansã e a libertação dos escravizados. O samba ocorre apenas uma vez ao ano, no final da Semana Santa e possui uma origem Nagô, o que é percebido no banho de pedras que representam a Santa. Vários banhos são feitos nessas pedras, como por exemplo, o banho com mel e dendê, banho de ervas e banho com sangue de animais machos. Após os banhos, o Samba de Aboio acontece em frente à casa da Santa, localizada no Povoado Aguada. Tendo a etnopesquisa como suporte metodológico (MACEDO, 2015), a pesquisa de campo realizada entre os anos de 2016 e 2019 foi de fundamental relevância para a elaboração deste trabalho, que contou com a consulta ao acervo de entrevistas, observação de quase todas as etapas da festa, conversas formais e informais com brincantes do Samba. A pluralidade de vozes de pessoas que sambam nessa festa compõe o corpo desse trabalho. Essa pesquisa traz como base os conceitos e as reflexões sobre o Samba de Aboio e ancestralidade (CALDERARO, SANTOS, SILVA, 2007; ASSIS, 2018; MARTINS, 2021), tambores e musicalidade (ROCHA, 2020; SANTANA, 2020); famílias negras (GONZALEZ; COLLINS; OYEWUMI) e povos Nagôs (SODRÉ; 1998, 2017; AMARAL, 2012). Através dos caminhos trilhados no território, as escutas das vozes das pessoas do Samba de Aboio e os olhares que lancei sobre a festa, apresente como resultados da pesquisa, um conglomerado de reflexões que discorre sobre diversas questões pautadas na questão da festa e das culturas populares afrodiaspóricas.

  • ADRIANA GOMES LIMA
  • O JOGO TRADICIONAL COMO UMA FORMA DE ENTENDIMENTO DO SUJEITO SOCIAL: ESTABELECENDO RELAÇÕES PARA MANUTENÇÃO DO AFETO
  • Orientador : RAPHAELA SCHIASSI HERNANDES
  • Data: 26/04/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Na sociedade contemporânea o brincar possivelmente tem sido deslocado para espaço/tempo mais restrito, alcançando o jogo da hiperconexão tecnológica. Essa realidade, talvez, venha influenciando na formação humana, alimentando novas formas de relações sociais. O objetivo desta pesquisa é investigar as brincadeiras tradicionais em um recorte histórico, problematizando as relações construídas nos encontros do jogo em espaço/tempo livre da infância a partir de dois grupos: docentes (nascidos entre as décadas de 1960 e 1980) e discentes (nascidos entre os anos de 1990 e 2000), e, entender como estes dois grupos de sujeitos de momentos históricos distintos compreendem as brincadeiras para sua formação humana mediante a memória afetiva individual que será estimulada por meio da troca com a memória coletiva. A metodologia é de natureza qualitativa do tipo descritiva. Para a técnica de coleta de dados, construímos a partir de um tripé de amparo: 1 – Atenção e integração; 2 – Aproximação entre sujeitos e 3 – Abertura e disposição ao outro. Estes, por sua vez, sustentam os três instrumentos de coleta de dados utilizados, sendo o GRUPO FOCAL que abre espaço para compreensão social dos sujeitos envolvidos sobre o tema em questão, colocando-os a dialogarem por perspectivas de gerações distintas através da CONVERSA, possibilitando a AUTONARRATIVA. Como técnica de análise de dados utilizou-se da ANÁLISE TEMATICA de modo a organizar os resultados e discussões por tópicos, se utilizando das falas expostas à medida que iam acessando suas memórias e colocando as suas histórias do brincar uns aos outros, desta forma, as lembranças foram sendo estimuladas na possibilidade de criar um ambiente comum de troca sociocultural. Percebeu-se que há um processo transitório geracional, no que diz respeito às formas e lugares do brincar nesses últimos 60 anos, mas que hoje o brincar vem sofrendo maior intervenção de agentes externos que intervém e acabam por desloca-lo para um espaço/tempo ainda mais restrito de relações. Nesta imersão atual consideramos que esse brincar vem gerando outros movimentos na formação humana, devido ao processo acelerado de transformação tecnológica que vem dominando o espaço/tempo do jogo e, por certo, agindo na construção de relações superficiais, por não ter o tempo de parada, de escuta e nem de troca, consequentemente, um dos grandes problemas a ser enfrentado no futuro quanto à formação do sujeito.

  • JOELMA FERREIRA DA SILVA
  • O COTIDIANO E O REFLEXO DAS TRADIÇÕES CULTURAIS PRESENTES NOS CORPOS NEGROS DAS FILHAS DE OXUM
  • Orientador : LUANA FORONI ANDRADE
  • Data: 17/03/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O cotidiano de mulheres negras iniciadas na religião do candomblé é permeado por sentidos que descendem de uma história específica brasileira e que exprimem significados culturais na sociedade. Para refletir o contexto social contemporâneo a partir das perspectivas dessas mulheres, nesta pesquisa tive como foco conhecer o cotidiano e o reflexo das tradições e dos elementos culturais presentes nos corpos negros das filhas de Oxum, realizando uma produção artística em dança contemporânea inspirada nas narrativas e relação corpo-território destas mulheres. Sendo de abordagem qualitativa, a metodologia da pesquisa utiliza-se da História Oral, por meio de entrevistas semiestruturadas realizadas individualmente e em grupo focal, bem como o uso do diário de campo. Para a criação artística, o Bailarino-Pesquisador-Intérprete (BPI) foi o método escolhido para a realização da pesquisa em dança. Elaborado por Graziela Rodrigues, este modo de estudo é fundamentado na sua relação com a cultura brasileira. Esta pesquisa toma como base os conceitos de Cotidiano (HELLER, 2004), Ancestralidade (OLIVEIRA, 2005, 2016), Corpo-Território (MIRANDA, 2020), Gênero (OYĚWÙMÍ, 2004; 2021), Cultura Popular (HALL, 2013) e Empoderamento (BERTH, 2019). Cada etapa metodológica desta pesquisa está documentada através de fotos, áudios e vídeos, em que foram recolhidas informações para o desenvolvimento deste projeto. Os resultados da pesquisa trazem a presença dos elementos culturais que permeiam o cotidiano das mulheres negras filhas de Oxum, com discussões acerca do elo ancestral destas mulheres com seus corpos negros femininos na promoção dos seus processos de empoderamento, que inspirou a dramaturgia da obra, um solo em dança contemporânea.

  • RICARDO SANTANA SANTOS
  • CATADORAS DE MANGABA E (RE)CRIAÇÃO DE IDENTIDADES: PERMANÊNCIAS E RUPTURAS DA TRADIÇÃO NO POVOADO RIBULEIRINHA – ESTÂNCIA/SE
  • Orientador : CHRISTIAN JEAN MARIE BOUDOU
  • Data: 22/02/2022
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As transformações nas identidades engendradas pelo processo de
    globalização tem sido alvo de investigação no campo das culturas populares
    nas últimas décadas. Esta pesquisa se debruça sobre as identidades da mulher
    na tradição das catadoras de mangaba do povoado Ribuleirinha, localizado no
    município de Estância, no Estado de Sergipe. Tem como objetivo refletir sobre
    as relações entre a profissionalização do trabalho das mulheres catadoras de
    mangaba e seus processos de agenciamento e (re)configuração de
    identidades. Desta forma procurei (i) identificar os contextos de criação da
    associação das catadoras de mangaba; (ii) refletir sobre as estratégias de
    resistência e a construção de redes de solidariedade entre essas mulheres, no
    seu território, e fora dele e (iii) analisar a articulação entre o protagonismo
    feminino e a dinâmica do processo de (re)definição da identidade de gênero.
    Portanto esta pesquisa contribui com a compreensão de como o processo de
    profissionalização destas mulheres, estimulado pela criação da associação

    interagiu com a dinâmica de (re)construção e afirmação das suas identidades.
    Partindo de uma concepção de Culturas Populares que se origina dos estudos
    culturais britânicos, sobretudo com as contribuições dos intelectuais Stuart Hall,
    Thompson e Williams. Analisando as tradições em uma perspectiva que
    dialoga com Hobsawm E Ranger (2012), pensando as identidades apoiado nas
    contribuições de Santos (1993), como também de Casttels (1999 e 2000), e,
    recorrendo as categorias de raça, classe e gênero numa perspectiva co-
    constitutiva e interseccional que opera junto a reprodução das hierarquias e
    desigualdades sociais, a partir das contribuições de Davis (2016), Lugones
    (2008) e Hirata (2014). Realizou-se um estudo de caso utilizando como
    instrumentos de coleta de dados entrevistas semiestruturadas e observações
    diretas. Também foi utilizado como procedimento de análise dos dados as
    técnicas sistematizadas por Bardin (2009) que correspondem à análise de
    conteúdo. Evidenciou-se que o associativismo e a profissionalização que ele
    desencadeou marcam uma transformação na tradição da coleta de mangabas
    no povoado Ribuleirinha o que repercutiu no processo de reafirmação
    identitária das mulheres do grupo no sentido da resistência, conforme analisa
    Castells (1999).

2021
Descrição
  • MAYCOL DOUGLAS LIMA DA SILVA
  • MINHA CASA É UM QUILOMBO E O TERNO DE MOÇAMBIQUE É O MEU BATALHÃO
  • Orientador : DENIO SANTOS AZEVEDO
  • Data: 13/09/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O Moçambique é uma expressão Afro-religiosa que se apresenta em forma de dança e devoção na celebração da Congada. O objetivo deste trabalho é caracterizar a sede do Terno de Moçambique Zumbi dos Palmares enquanto Quilombo, a partir do olhar e da autonomia dos seus próprios membros, dentre eles eu, construindo uma narrativa histórica partindo da minha experiência enquanto acadêmico, Moçambiqueiro, Africano em Diáspora e negro em construção política e social. Busca-se ainda realizar uma revisão bibliográfica da categoria Quilombo, bem como da Congada e do Moçambique. É pretensão desse trabalho analisar as relações étnico-raciais, tendo como pano de fundo a cidade de Uberaba, em Minas Gerais. Pretende-se inventariar os elementos constituintes; objetos estéticos e sagrados, rituais, instrumentos, personagens e entidades do Terno e identificar os processos de mudança do Terno ao longo de sua trajetória. Por fim, almeja-se elencar possíveis ineditismos do terno de Moçambique Zumbi dos Palmares em comparação com outros ternos de Moçambique de Uberaba. Como primeiros resultados podemos constatar que espaços como a sede do Terno de Moçambique Zumbi dos Palmares é também lócus onde se reconstroem e se mantém a filosofia e organização social nascida dos sabres Bantos Transmigrados para o Brasil.

  • ADINOIA DA CONCEIÇÃO LIMA
  • Cultura Popular, Cidade e Turismo: um estudo sobre o Largo da Gente Sergipana (Aracaju/SE)
  • Orientador : ROSANA EDUARDO DA SILVA LEAL
  • Data: 28/08/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo buscou analisar a relação entre cultura popular, cidade e turismo, considerando o papel do Largo da Gente Sergipana enquanto equipamento público urbano; representação simbólico-identitária do estado e atrativo turístico-cultural da capital sergipana. Trata-se de um nova construção urbana presente no Centro Histórico de Aracaju, que absorve distintos usos e práticas citadinas, integrando também a paisagem turística da cidade. Nesse sentido, a pesquisa buscou ainda: a) refletir sobre o processo de criação e curadoria, inauguração e repercussão do Largo da Gente Sergipana, considerando-o enquanto representação simbólico-identitária do estado; b) compreender o papel do Largo como espaço público urbano, que está integrado às novas dinâmicas culturais e turísticas do Centro Histórico de Aracaju, a partir da inauguração e buscou ainda: a) refletir sobre o processo de criação e curadoria, inauguração e repercussão do Largo da Gente Sergipana, considerando-o enquanto representação simbólico-identitária do estado; b) compreender o papel do Largo como espaço público urbano, que está integrado às novas dinâmicas culturais e turísticas do Centro Histórico de Aracaju, a partir da inauguração e buscou ainda: a) refletir sobre o processo de criação e curadoria, inauguração e repercussão do Largo da Gente Sergipana, considerando-o enquanto representação simbólico-identitária do estado; b) compreender o papel do Largo como espaço público urbano, que está integrado às novas dinâmicas culturais e turísticas do Centro Histórico de Aracaju, a partir da inauguração e revitalização de equipamentos culturais; c) investigar o Largo enquanto atrativo turístico-urbano, considerando sua relação com o Museu da Gente Sergipana e sua presença na paisagem turística da cidade de Aracaju. O estudo foi conduzido por meio do arcabouço teórico da Antropologia Urbana, tendo como base os pressupostos metodológicos da pesquisa qualitativa, por meio do método etnográfico e netnográfico, fazendo uso da pesquisa bibliográfica, documental e de campo. A investigação está imersa em um processo indutivo de pesquisa, utilizando-se da observação participante e não participante, entrevista semi-estruturada, uso de diário/caderno de campo, grupos focais, bem como registro fotográfico. Diante dos resultados, o estudo apontou que o Largo da Gente Sergipana desempenha importante papel na paisagem turística da cidade de Aracaju, contribuindo para a divulgação dos elementos simbólico-identitários do estado, bem como no processo de fortalecimento da capital enquanto destino turístico-cultural, por meio da associação da cultura popular com a capital sergipana. O Largo da Gente Sergipana foi construído, estrategicamente, no centro histórico da cidade, estando próximo a outros equipamentos culturais da capital sergipana, seguindo uma tendência mercadológica dentro de um circuito urbano com características turísticas e culturais. Nesse contexto, o referido espaço absorve práticas que intensificam a interação com a cidade, possibilitando estabelecer vivências citadinas pautadas na cultura popular do estado. O Largo funciona como extensão do Museu Gente Sergipana, englobando diversos usos e práticas, bem como absorvendo funcionalidades turísticas, culturais, artísticas, lúdicas, educativas e patrimoniais.

  • WEXYZA FERREIRA DE LIMA MORAES
  • “Bulindo no samba”: Nice do cavalo marinho e a representatividade feminina no brinquedo da Zona da Mata Norte de Pernambuco
  • Orientador : MAICYRA TELES LEAO E SILVA
  • Data: 29/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa investiga a representatividade feminina no brinquedo do Cavalo Marinho,especificamente, a partir da atuação da Mestra Nice do Cavalo Marinho, enquantomulher negra, mãe, brincante, educadora e gestora do Espaço Tradições Culturais, nobairro periférico do novo condado na cidade de Condado-PE. A pesquisa partiu de umaabordagem imersiva, ou seja, de uma aproximação direta e afetiva com a protagonistada investigação e procurou resguardar as formas de constituição do conhecimento dobrinquedo, percebidas no trabalho de campo que durou 3 meses, na cidade de Condado-PE. Ainda, pautou-se em referências bibliográficas e videográficas, acadêmicas eartísticas, que facilitaram o acesso a dados históricos, estruturais e também conceituaisacerca do folguedo. O Cavalo Marinho, por sua vez, envolve dança, música, poesia,louvação, canto, máscaras, gestos, além de peculiaridades quanto à capacidade deimprovisação das (os) brincantes. É a partir da observação do momento da sambada, ouseja, do momento de apresentação pública do brinquedo, e das relações entre as (os)brincantes do Cavalo Marinho que a pesquisa investiga como os discursos hegemônicosde uma sociedade patriarcal refletem-se no brinquedo, reforçando hierarquias de gêneropré-estabelecidas. Assim, a partir da atuação da Mestra Nice - que, além de “bulir” naestrutura tradicional por reivindicar a herança da função do Mestre, também desenvolveações educativas de formação de novos brincantes, a pesquisa ecoa questões emergentesda contemporaneidade na cultura popular e apresenta conflitos geracionais,especialmente relacionadas à representação do feminino no folguedo. Do ponto de vistade sua fundamentação teórica, a pesquisa se afina com autoras (es) que buscam adesconstrução de paradigmas coloniais no pensamento ( RUFINO&SIMÕES, 2018,2019, 2020; HOOKS, 2014, 2019) bem como criticam reincidências patriarcais(PACHECO, 2019; CARNEIRO, 2011; FEDERICI, 2017, 2019) e complexifica aperspectiva de fixação da tradição na Cultura Popular (DE CARVALHO, 2010).

  • PATRICIA BRUNET CARVALHO DE ANDRADE
  • DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE A CENA TEATRAL DO GRUPO IMBUAÇA E A CULTURA POPULAR: UM ESTUDO A PARTIR DOS ESPETÁCULOS “TEATRO CHAMADO CORDEL” (1978), “A FARSA DOS OPOSTOS” (1992) E “O AUTO DA BARCA DO INFERNO” (1997)
  • Orientador : LOURDISNETE SILVA BENEVIDES
  • Data: 16/07/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação aborda a presença da cultura popular na produção artística doGrupo Teatral Imbuaça, através de uma análise sobre suas intersecções estéticas com ênfasenos espetáculos: Teatro Chamado Cordel (1977), A Farsa dos Opostos (1992), e o Auto daBarca do Inferno (1997). A mobilização para esta escrita surgiu da necessidade de pesquisar ahistória do teatro sergipano, em especial o teatro de rua, devido ao meu lugar de fala enquantoatriz, professora de teatro e pesquisadora. A relevância da pesquisa se encontra na trajetóriateatral do grupo Imbuaça, considerando a difusão de um teatro popular e como o grupointerfere na sociedade, impulsionando um fazer artístico democrático, incentivando aformação de novos atores sergipanos no desenvolvimento de uma pesquisa de linguagem e,sobretudo, na formação de plateia. Como problemática, indagamos quais são as referênciasculturais e artísticas que influenciaram a trajetória do Grupo Teatral Imbuaça no processo deformação de um teatro popular, considerando sua intercepção entre os anos de 1977 e 1997 nocenário teatral brasileiro. Quanto ao objetivo geral, averiguamos os atravessamentos dacultura popular na carpintaria teatral dos espetáculos citados, e os objetivos específicos,buscamos compreender o Teatro de Rua e seus entrelaçamentos constituídos a partir da tríade:cultura popular, memória e história. Analisamos os referidos espetáculos a partir do seucontexto, do processo de montagem e da apropriação e ressignificação dos elementospopulares para a cena e, por fim, elencamos grupos que foram influenciados diretamente pelaestética do grupo ou surgiram por meio de oficinas teatrais realizadas pelo Imbuaça. Comoaporte teórico, a investigação elegeu, entre outros autores, Bakhtin (1999), Peter Burke(2010), Storey (2015) Cuche (2002), Nestor Canclini (2016), J. Guinsburg (2006); Para afundamentação metodológica o estudo se amparou principalmente em Delgado (2006) eHaguette (2007), atendendo ao método etnográfico e os procedimentos metodológicos atravésde entrevistas orais, análises de imagens e vídeos para a sustentação desta escrita.

  • LUIZ CÉSAR BARBOSA DA SILVA
  • “O MONSTRO DO SERTÃO”: A IMAGEM DO NORDESTE (DES)CONSTRUÍDA NA XILOGRAVURA DE J. BORGES
  • Orientador : MARJORIE GARRIDO SEVERO
  • Data: 21/05/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação, concentrada na linha de pesquisa “Artes populares: processos analíticos, pedagógicos e criativos”, aborda a (des)construção da imagem do Nordeste na xilogravura “O Monstro do Sertão”, de J. Borges. Recorrendo a temas emergentes como a seca e a política, o artista incorpora em sua obra assuntos relevantes para compreendermos a formação dessa imagem estereotipada. Assim, realizamos um recorte temporal do período em que a gravura foi produzida, fomentando uma discussão sobre os conceitos de Nordeste, subalternidade, lugar de fala e decolonialidade, conceitos esses que nos encaminharam a problematizar aspectos culturais, sociais, políticos e econômicos dessa região. A pesquisa teve como objetivo geral compreender se a xilogravura “O Monstro do Sertão” (des)constrói uma subalternidade de imagem do Nordeste. Na tentativa de responder à questão: “essa imagem constitui ou não uma subalternidade?”, recorremos à metodologia de enfoque pós-Estruturalista de Burke (2017), em que as imagens são tidas como evidência histórica. Dessa forma, concebemos a imagem como testemunha ocular, que tem seus próprios códigos culturais e formas de interpretação da realidade, com pautas políticas, sociais, econômicas, culturais e artísticas. Em consonância com esse método, além do estudo da imagem, utilizamos como instrumentos a entrevista semiestrutura e a pesquisa bibliográfica e documental. Dividimos a pesquisa em três seções - O contador de causos: do cordel à xilogravura, versamos a trajetória de J. Borges, sua origem e produção artística visual; entrecruzamentos teóricos: elaboramos um estudo dos vários conceitos que se entrecruzaram em nossa discussão epistemológica e; a imagem do Nordeste a partir do “Monstro do Sertão”: geramos um debate sobre aspectos como história, política, geografia, economia e cultura do Nordeste a partir da gravura e do cordel “O Monstro do Sertão”. Destacamos a contribuição desta pesquisa com reflexões emergentes, ampliando estudos voltados para grupos que historicamente foram silenciados ou apagados. Acrescentamos que esta dissertação é uma provocação para se construir e desconstruir como sujeitos e protagonistas de nossa própria história. Na formação inicial da imagem do Nordeste, a preocupação estava voltada para os anseios da elite dominante, que desenvolveu mecanismos de dominação para se manter na estrutura do poder. Contrapondo-se a esse sentido, evocamos os sentidos que a xilogravura de J. Borges, “O Monstro do Sertão”, constrói e descontrói. O estudo revelou que o ser ameaçador estava, na verdade, camuflando às verdadeiras ameaças: as ações da humanidade sobre o meio e a corrupção. Concluímos também que uma sociedade mais justa e humanizada só será possível por meio da diversidade de sujeitos, arte, cultura e pensamentos, valorizando as contribuições que cada pessoa oferece à sociedade.

  • JANALICE MATIAS DE MELO
  • O SAMBA DE COCO NO CONTEXTO PEDAGÓGICO DA COMUNIDADE QUILOMBOLA DO ATOLEIRO NO MUNICÍPIO DE CAETÉS – PE
  • Orientador : ANA MARIA DE SAO JOSE
  • Data: 13/05/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação se propõe a estudar o samba de coco da comunidadequilombola de atoleiros do município de Caetés – PE. O coco é uma dança dematrizes africanas que predomina em comunidades quilombolas desde operíodo colonial, esse aspecto constitui parte da história do negro no Brasil,sendo uma importante manifestação popular. Este trabalho parte inicialmentede estudos históricos que tentam explicar a trajetória da construção identitáriado negro, assim como a formação das comunidades quilombolas, e asmanifestações populares como o samba de coco e utilizá-lo como instrumentopedagógico no contexto escolar. O presente estudo objetiva analisar o sambade coco em um contexto pedagógico na comunidade quilombola, buscandocompreender como os elementos que constituem o coco podem contribuir paraa construção da identidade dos sujeitos que residem e fazem parte dessamanifestação popular. A justificativa deste trabalho se pauta na sua importânciapara o campo das Culturas Populares e na valorização das manifestaçõesculturais presentes em comunidades quilombolas, e através disso reconhecer osamba de coco enquanto elemento formador da identidade Quilombola doAtoleiro, em consonância com a escola e com sua capacidade de ser um canalde auxílio para a propagação de estudos das manifestações populares. Apesquisa foi desenvolvida a partir de um estudo de caso de abordagemqualitativa na comunidade Quilombola do Atoleiro, no município de Caetés-PE.Para isso foram realizadas entrevistas com dez membros da comunidade, que,direta ou indiretamente, se relacionam com o samba de coco. As entrevistasocorreram por meio dos processos metodológicos de observação e entrevistassemiestruturadas. A partir deste estudo, compreendemos que essamanifestação popular pode funcionar como um importante instrumento dereconhecimento e fortalecimento da identidade de uma comunidade levandoem conta a importância da instituição escolar para a manutenção dasmanifestações culturais e de seu valor histórico e social.

  • LUANA ALMEIDA DE JESUS
  • “OH ZÉ, O SAMBA DE ABOIO É AQUI” UM ESTUDO ETNOGRÁFICO SOBRE O ALIMENTO TRADICIONAL, MEMÓRIAS E IDENTIDADES NO SAMBA DE ABOIO DO POVOADO AGUADA - CARMÓPOLIS/SE
  • Orientador : DENIO SANTOS AZEVEDO
  • Data: 06/05/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O comportamento relativo do alimento liga-se diretamente ao sentido de nós mesmos as nossas identidades e memórias. O alimento tradicional pode ser compreendido como um aspecto que permite uma observação abrangente e uma possível compreensão da alteridade. Nessa perspectiva interessa analisar as práticas e discursos que estão presentes na área da alimentação relacionando-as com questões de identidades e memórias. Existe um diálogo entre o alimento tradicional, identidades ememória no cotidiano, que podem ser entendidos e analisados nos mais diversos grupos de manifestações culturais presentes no Estado de Sergipe, dentre eles, o Samba de Aboio localizado no Povoado Aguada em Carmópolis/SE, objeto dessa pesquisa. A presentedissertação tem como objetivo geral analisar a memória e o sentido de pertencimento que o alimento tradicional,servido no Samba de Aboio, Povoado Aguada-Carmópolis/SE, possui nos atores sociais que participam desta prática cultural. Para tal se fez necessário contextualizar historicamente o Samba de Aboio, entendendo suas simbologias e dinamicidades ocorridas ao longo dos anos. Estabelecer uma análise dessa celebração visando entender a partir das narrativas, as aproximações e os distanciamentos entre religião e alimento tradicional dessa prática cultural. Por fim, identificar as formas e lugares que estão sendo utilizados para a transmissão dossaberes/fazeres desse alimento tradicional para novas gerações. Diante de tais objetivos surge uma questão norteadora central. Quais as memórias e o sentido de pertencimento que os alimentos tradicionais servidos no Samba de Aboio no Povoado Aguada-Carmópolis/SE possui a partir da percepção dos atores sociais que participam desta prática cultural? Aliando o método às técnicas, foram utilizados nessa dissertação, as pesquisas de campo, bibliográfica, documental, exploratória e descritiva, tendo como abordagem qualitativa e o método de pesquisa o etnográfico. As técnicas de pesquisa foram aobservação direta, entrevistas, fotografias, filmagens e o caderno de campo. A relação das identidades e memórias, junto com o ato de preparar e servir o alimento tradicionaldurante o Samba, é de suma importância para toda a celebração, desde as doações dos animais dos devotos, o modo de preparo das carnes que vem sendo mantido e os saberes e fazeres que são passados de geração a geração pela família Mota de Assis, sem ser modificado ou alterado ao longo dos anos.

  • NILTON ALEX FERNANDES RIBEIRO
  • A FESTA DO CARRO DE BOI NO PROCESSO FORMATIVO AUDIOVISUAL COM OS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II, EM CÌCERO DANTAS-BA
  • Orientador : NEILA DOURADO GONCALVES MACIEL
  • Data: 25/01/2021
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A Festa do carro de boi é uma das festas mais tradicionais na cidade de Cícero Dantas – BA, essa manifestação da cultura popular transforma o labutar em festas para as pessoas que trabalham duro na vida sofrida do campo. A partir de um estudo pautado numa perspectiva qualitativa, usando a escola, como elemento principal do processo formativo audiovisual por meio da festa do carro de boi. Essa dissertação tem como objetivo compreender a inserção da produção audiovisual, como recurso pedagógico para o estudo da manifestação de cultura popular: a festa do carro de boi em Cícero Dantas – BA. Justifica-se o estudo pautando-se na importância do mesmo para o campo de estudo das Culturas Populares e para a valorização das manifestações culturais presentes no município, principalmente para a festividade do carro de boi, pois faz parte do cotidiano dos alunos, já que muitos deles têm em suas famílias alguém que participa da festa, ou que possui o carro de boi, ou até mesmo os fabricam. Essa manifestação faz parte da vida cotidiana de muitos que moram nas cidades circunvizinhas. Visando a compreensão sobre temas que trazem à tona a inquietação acerca do uso de recursos tecnológicos como ferramentas que auxiliem o processo de ensino-aprendizagem. A formação por meio do processo formativo audiovisual visa fortalecer as práticas culturais no ambiente escolar e fortalecer as manifestações de culturas populares.

2020
Descrição
  • ROGÉRIO SANTOS ALVES
  • OS CAVALEIROS DA TRISTE FIGURA: UMA EXPERIÊNCIA DECOLONIAL A PARTIR DE UM PROCESSO ARTÍSTICO DE CRIAÇÃO CÊNICA COM O GRUPO TEATRAL BOCA DE CENA DE ARACAJU-SE
  • Orientador : FERNANDO JOSÉ FERREIRA AGUIAR
  • Data: 17/11/2020
  • Dissertação
  • Visualizar Dissertação/Tese   Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetiva analisar os elementos das culturas populares ao evidenciar questões políticas e estéticas assim como repensar as presenças dentro do espetáculo teatral “Os Cavaleiros da Triste Figura”, realizado pelo grupo teatral sergipano Boca de Cena, e que teve como inspiração o romance de Miguel de Cervantes, Dom Quixote de La Mancha. Para tanto, recorrerei à trajetória do espetáculo em estudo, como forma de analisar e situar o emprego do conceito de culturas populares na perspectiva pós-colonial trabalhada por Homi Bhabha (Entre-lugar), Nestor Garcia Cancline (Culturas Híbridas), Boaventura de Souza Santos (Foco de Resistência), Stuart Hall (Identidade na Modernidade). Nesse sentido, uso os registros produzidos pelo próprio grupo teatral, bem como todas as evidências empíricas produzidas durante a construção do espetáculo até o seu contato com o público, os depoimentos e as experiências relatadas pelos envolvidos no projeto cênico. Para atingir os objetivos propostos, uso como metodologia de trabalho a pesquisa exploratória, utilizo consultas bibliográficas e documentais e associo-as às informações visuais e análises do acervo: fotografias, entrevistas e vídeos do processo de montagem do espetáculo. Além disso, aplico o método da “observação participante”, como aborda Márcio Luiz Marietto (2014), e da escrevivência trabalhado por Conceição Evaristo (2006), sem perder de vista o conceito de “lugar de fala” de Djamila Ribeiro (2017), além do uso da “análise do conteúdo” na perspectiva de Bardin (2009) como forma de situar e entender a presença e usos das culturas populares em uma perspectiva de hibridismo cultural na construção e realização do espetáculo. Palavras-chave: Bugio. Grupo Teatral Boca de Cena. Os Cavaleiros da Triste Figura. Culturas populares. Decolonialidade. RESUMO Esta pesquisa objetiva analisar os elementos das culturas populares ao evidenciar questões políticas e estéticas assim como repensar as presenças dentro do espetáculo teatral “Os Cavaleiros da Triste Figura”, realizado pelo grupo teatral sergipano Boca de Cena, e que teve como inspiração o romance de Miguel de Cervantes, Dom Quixote de La Mancha. Para tanto, recorrerei à trajetória do espetáculo em estudo, como forma de analisar e situar o emprego do conceito de culturas populares na perspectiva pós-colonial trabalhada por Homi Bhabha (Entre-lugar), Nestor Garcia Cancline (Culturas Híbridas), Boaventura de Souza Santos (Foco de Resistência), Stuart Hall (Identidade na Modernidade). Nesse sentido, uso os registros produzidos pelo próprio grupo teatral, bem como todas as evidências empíricas produzidas durante a construção do espetáculo até o seu contato com o público, os depoimentos e as experiências relatadas pelos envolvidos no projeto cênico. Para atingir os objetivos propostos, uso como metodologia de trabalho a pesquisa exploratória, utilizo consultas bibliográficas e documentais e associo-as às informações visuais e análises do acervo: fotografias, entrevistas e vídeos do processo de montagem do espetáculo. Além disso, aplico o método da “observação participante”, como aborda Márcio Luiz Marietto (2014), e da escrevivência trabalhado por Conceição Evaristo (2006), sem perder de vista o conceito de “lugar de fala” de Djamila Ribeiro (2017), além do uso da “análise do conteúdo” na perspectiva de Bardin (2009) como forma de situar e entender a presença e usos das culturas populares em uma perspectiva de hibridismo cultural na construção e realização do espetáculo.

  • ANGELITA QUEIROZ
  • A FESTA DA RETOMADA: Uma Celebração Identitária de ser XOKÓ na Ilha de São Pedro – Porto da Folha/ SE
  • Orientador : FERNANDO JOSÉ FERREIRA AGUIAR
  • Data: 17/09/2020
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação é vinculada ao Programa de Pós-GraduaçãoInterdisciplinar em Culturas Populares (PPGCULT) - Mestrado da Universidade Federalde Sergipe (UFS), tendo como título: A Festa da Retomada: uma Celebração Identitáriade ser Xokó na Ilha de São Pedro - Porto da Folha/SE. A pesquisa teve como propósitonorteador a investigação dos elementos constituintes da cerimônia da retomada, queconfiguraram um ambiente de análise sobre a autoafirmação identitária dos Xokó. Osdesígnios subsequentes foram: refletir sobre as relações, as possíveis modificações e aorganicidade da Festa da Retomada, bem como as demais características relevantes dacomunidade que serviram de sustentáculo e de ambiência de análise. Diante da pesquisadocumental e bibliográfica examinamos terminologias que conjecturamos relevantespara obter uma compreensão maior dos povos originários. O trabalho de campodesenvolvido na 40ª Festa da Retomada, proporcionou o uso do método da pesquisaqualitativa com uma análise interpretativa, e elencamos como elementos componentesda cerimônia: o Ouricuri, a Dança do Toré e a Celebração na Igreja. Tais elementosformaram assim, uma triangulação de autoafirmação, e unindo-se às materialidadesindígenas de produções cerâmicas, plumas e palhas formaram mais um triângulo queacoplamos aos três componentes e criamos o Tripé Identitário Xokó. Entendemos queesse tripé revigora a Comunidade Indígena Xokó, tendo como notoriedade acomemoração dos 40 anos da retomada, a consolidação de uma luta política pelos seusdireitos de reconquista da terra; o fortalecimento da preservação da natureza; arecuperação de seus costumes mediante a história oral de seus anciãos; e a significaçãode demais elementos da cultura tradicional indígena presentes na vida diária dacomunidade.

2019
Descrição
  • ALINE SERZEDELLO NEVES VILACA
  • Linhas de força: Dançares 'gengibreiros" reterritorializados pela afrocentricidade
  • Orientador : ALEXANDRA GOUVEA DUMAS
  • Data: 05/10/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação apresentada em formato experimental de ensaio acadêmico-literário, carrega o título da composição coreográfica que conduziu as investigações, memórias e reflexões da presente pesquisa e relato de experiência que propôs (re)conhecer e problematizar os detalhes metodológicos, poéticos e teóricos que balizaram o trabalho de ensino, pesquisa, extensão e criação artística inspirados nas manifestações populares afrodiaspóricas e indígenas realizados pelo Grupo Gengibre (ÁVILA, 2018) entre 2005 e 2012 na Universidade Federal de Viçosa-UFV/MG. Quatro capítulos somados à introdução e considerações finais foram construídos entrelaçando poemas, músicas, fotografias, lembranças, citações artísticas e teóricas concomitante ao processo de revisitar as metodologias do Grupo a partir da leitura da Afrocentricidade (ASANTE, 1989) como paradigma, sob uma cosmopercepção (OYEWUMI, 2004) feminina africano-diaspórica, de forma crítico-analítica afroperspectivista (NOGUERA, 2015). Sistematizando conceitual e artisticamente os dançares gengibreiros inspirados em “corpo e ancestralidade” (SANTOS, Inaicyra, 2006) que possibilitaram a criação de “Linha de Força” (2009) e otencializaram outros produtos e ambientes artístico-acadêmicos de ensinagem como o Grupo Mandi‟o (UFGD), Projeto de Extensão Aldeia Mangue (UFS), e disciplinas do curso de Licenciatura em Dança da UFS como: Africanias, Africanidades e Extensão e Dança. Revendo o passado para realçar os caminhos de ensinagem e composição de personagens, pontuando o fazer ficcional das Artes Cênicas Negras como espaço de ativismo, denúncia, reivindicação e enunciação de pedagogias antirracistas em combate ao epistemicídio.
  • JONATHAN RODRIGUES SILVA
  • SAMBAS DE PAREIA PELOS SABERES DO CORPO QUE SAMBA.
  • Orientador : ALEXANDRA GOUVEA DUMAS
  • Data: 31/08/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O foco de observação dessa dissertação é o Samba de Pareia vindo da comunidade quilombola Mussuca, localizada no município de Laranjeiras, Sergipe. O samba é feito essencialmente por mulheres, com participação de homens concentrada na execução musical, especialmente no tambor. Demais instrumentos como ganzá e cuíca são tocados pelas mulheres que cantam e se reúnem para celebrar o nascimento de uma criança na comunidade. A dança acontece numa roda, com variações coreográficas em pares. Atualmente, o Samba de Pareia também se apresenta como espetáculo em eventos culturais que acontecem fora da comunidade. Através de uma abordagem metodológica concentrada na experiência, realizei a pesquisa de campo tornando-me residente da Mussuca. O contato com o fenômeno pesquisado se deu com o convívio diário com as mulheres do samba, incluindo observações, conversas informais, entrevistas e compartilhamento do cotidiano incluindo o trabalho da pesca e as festas do samba. As vozes das integrantes, através da minha captação, escolha e escrita, compõem parte significativa do texto dissertativo. As reflexões acerca das artes da cena e das culturas populares e do Samba de Pareia, além de estarem assentadas na realidade por mim vividas na Mussuca, dialogam com estudos teóricos localizados no campo da decolonização, das questões sócio-históricas e étnico raciais. A realidade percebida e analisada se ampliou com o conhecimento que tive da realidade cotidiana das mulheres que fazem o Samba de Pareia, proporcionando um maior aprofundamento e compreensão não só dos corpos que sambam, mas que trabalham, existem e resistem.

  • JEAN COSTA SOUZA
  • "O culto à tradição de nossa gente": a fabricação do folclore sergipano em exposições museológicas (1948-1976)
  • Orientador : CLOVIS CARVALHO BRITTO
  • Data: 31/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • O estudo, busca analisar as estratégias de fabricação e promoção doFolclore Sergipano a partir de alguns aspectos da trajetória de Intelectuais como JoséAugusto Garcez, Felte Bezerra e Bráulio do Nascimento, tendo como recorte aconfiguração de exposições museológicas no período de 1948 a 1976. Para tanto,reconstrói aspectos da trajetória dos intelectuais no campo de produção d Folclore emSergipe, as estratégias relacionais mobilizadas pelos agentes no tocante suas posiçõesno campo de produção do folclore nacional/local, e dos impactos promovidos após dasubcomissão sergipana de folclore. Nesse quesito, o mergulho nessas discussões setorna um modo de explicitar as trajetória dos agentes responsáveis pelafabricação/consagração do folclore nordestino e sergipano. Os museus e suasexpografias consistem em ações de vigilância comemorativa ao passo que práticasmobilizadas por agentes contribuem para a criação e constantes recriações do folcloresergipano. O intuito é inventariar as estratégias de fabricação do folclore sergipanotendo como estudo de caso a criação de três museus de folclore pensados e elaboradospor um rede de intelectuais folcloristas em Aracaju, Sergipe Partindo de um referencialteórico-metodológico formulado pelo sociólogo Francês Pierre Bourdieu (2002,1992), otrabalho partiu dos conceitos relacionais de campo, habitus e capital, onde a economiada trocas simbólicas e a noção de trajetória se faz nesse necessário para umdesvelamento das relações inter-relacionais dos agentes quanto a produção da crençanos campos de poder.

  • JÉSSIKA SILVA ALVES
  • Olhares sobre a festa popular de Frei Damião: construção da memória e identidades em Canafístula/AL
  • Orientador : DENIO SANTOS AZEVEDO
  • Data: 30/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • As festas populares retratam a materialização de relações socioculturais estabelecidas ao longo dos anos. Estas são complexas e estabelecem relações de poder, rememorações, símbolos indentitários, esquecimentos, disputas, dentre outros. A pesquisa em questão traz reflexões sobre a Festa em homenagem a Frei Damião, que ocorre há mais de 35 anos no Distrito de Canafístula. O mesmo é pertencente ao Município de Palmeira dos Índios no Estado de Alagoas. Esse estudo se propõe a discutir as culturas populares como processo dinâmico e transformador das sociedades contemporâneas. O objetivo central da pesquisa é analisar como a Festa é utilizada como recurso indentitário que demarca a diferença entre os habitantes de Canafístula e os habitantes de Palmeira dos Índios. A análise de cunho fenomenológico, pautada na abordagem qualitativa, privilegiou fontes documentais observadas a partir da análise de conteúdo. As entrevistas e questionários, aplicados durante o processo etnográfico, com observações direta e participativa, auxiliaram no entendimento sobre o cotidiano da festa. A memória dos entrevistados, fiéis, moradores e organizadores será utilizada para contextualizar historicamente a festa e entender a sua dinâmica. Identificamos que a festa é dinâmica e provoca diferentes usos do território, é produtora de memórias e com forte ligação no processo de identidade do Distrito em questão, além de ser vista e transmitida de diferentes formas e interesses.

  • FLÁVIA SANTANA SANTOS
  • DESTECENDO BORDAS: ACERCAMENTOS DO POPULAR NAS PERFORMANCES BRASILEIRAS DE BERNA REALE E MAICYRA LEÃO
  • Orientador : MAICYRA TELES LEAO E SILVA
  • Data: 29/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho busca compreender de que maneira as transformações e os impactos provocados pelo complexo processo de globalização altera as formas de pertencimento ao local e em que medida as negociações, recriações e resistências das culturas locais as tendências homogeneizantes desse processo são articuladas na produção de arte contemporânea, particularmente, na linguagem da performance arte. Partindo de uma produção artística culturalmente híbrida, em que a interpenetração e coexistência de culturas estrangeiras proporcionou mesclagens culturais que resultam em novos processos e produtos de ordens simbólicas e do rompimento com as rígidas classificações hierárquicas entre cultura popular, massiva e erudita, procura-se, nesta pesquisa, analisar evidências do provável transcurso em que se percebe as manifestações das classes populares ressignificadas nos trabalhos performáticos das artistas Maicyra Leão e Berna Reale. Acerca deste fenômeno de hibridização cultural, o pensamento de Néstor García Canclini, de Stuart Hall e de Homi Bhabha são os principais referenciais que servem como base para a discussão desta temática. Busca-se compreender, ainda, a noção de Culturas Populares baseado nas modificações que o termo ganhou nas últimas décadas e os significados oriundos de sua utilização na contemporaneidade, observando as transformações e consequências de sua definição imposta pela nova ordem mundial. A mudança ocorrida no campo artístico brasileiro a partir da segunda metade do século XX, no qual se promoveu uma relação mais estreita com a realidade histórica e social do país, aproximando arte e vida, é abordado nesta pesquisa como um atributo que proporciona acercamentos ao universo das Culturas Populares pela arte. Os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa foram substancialmente: levantamento e revisão bibliográfica - dos estudos científicos realizados no Brasil na temática -, análise crítica dos trabalhos artísticos selecionados e entrevista com as artistas.

  • JEAMERSON DOS SANTOS
  • REFLEXÕES E PERSPECTIVAS IDENTITÁRIAS A PARTIR DA OBRA DE JOSÉ ZUMBA
  • Orientador : NEILA DOURADO GONCALVES MACIEL
  • Data: 25/07/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa pretende contribuir para compreensão das relações identitárias, culturais eraciais brasileiras, partindo de análises de algumas obras do artista plástico alagoano JoséZumba, utilizando como método de leitura de imagens a Iconologia de Erwin Panofsky,dialogando com autores dos campos da História, Sociologia, Antropologia, entre outros. Otrabalho encontra-se estruturado em três seções: o primeiro aborda pontos da biografia doartista; o segundo capítulo, a relação da religião de matriz africana e o movimento negro; e noterceiro capitulo, apresento a diversidade temática das pinturas do artista, relacionando-ascom as memórias e a visibilidade “afro alagoana”. Apresento como conclusão a possibilidadede leituras e ampliação da interpretação e conhecimento sobre o artista José Zumba e seustrabalhos

  • TAYARA BARRETO DE SOUZA CELESTINO
  • Encantos da passagem: ressonâncias da fabricação de Arthur Bispo do Rosário no universo das culturas populares em Japaratuba/SE.
  • Orientador : CLOVIS CARVALHO BRITTO
  • Data: 26/04/2019
  • Dissertação
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação Encantos da passagem: ressonâncias da fabricação de Arthur Bispo do Rosário no universo das culturas populares em Japaratuba/SE compreendeu as ressonâncias da fabricação da memória de Arthur Bispo do Rosário no universo das culturas populares da cidade de Japaratuba, Sergipe; apresentou os espaços que mantêm referências diretas a esta memória na cidade; descreveu as estratégias mobilizadas em prol da monumentalização do artista no universo das culturas populares; revisou a literatura a respeito da trajetória de vida, criação artística e inserção de Bispo no cenário da arte nacional e; compreendeu a forma como se deram as ressonâncias da fabricação de Bispo em meio ao universo das culturas populares, discutindo sobre questões que favorecem a visibilidade de grupos populares locais ou que, em outros momentos, impõem obstáculos à patrimonialização de suas próprias culturas, saberes e fazeres. Partindo dos lugares de memória, Espaço Cultural Arthur Bispo do Rosário (monumento), Memorial Histórico de Japaratuba e Casa da Juventude Arthur Bispo do Rosário, foi possível identificar sujeitos, jovens, adultos e idosos, homens e mulheres, que têm suas vidas ligadas ao universo das culturas populares. Foi conduzido trabalho etnográfico, seguindo a cronologia das festas, descrevendo os episódios conforme a sucessão dos dias, prezando pelo rigor na contextualização das descrições, que, posteriormente foram integradas com conteúdos analíticos, deixando-se separados descrição de análise, e descrevendo-se apenas o que foi vivido com intensidade pela pesquisadora, eliminando-se repetições de descrição. Durante a fase de etnografia, foram mantidos novos diálogos informais com brincantes e populares, numa abordagem direta a respeito de suas percepções e obtidos relatos com gravações de falas públicas, veiculadas em dois palcos, durante três semanas seguidas. A fim de captar obstáculos de patrimonialização das culturas destes sujeitos, foram analisados os relatos e resíduos de relatos, correspondendo às falas públicas de participantes das festas e às letras das cantigas do cacumbi que estavam na base das apresentações dos grupos. Por fim, foram apontados caminhos de superação dos obstáculos às patrimonializações, entendidos como outras ressonâncias de Arthur Bispo do Rosário possíveis de serem alcançadas em Japaratuba.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e