UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: DAIANE MARQUES PEREIRA
26/07/2012 16:43


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DAIANE MARQUES PEREIRA
DATA: 27/07/2012
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 01 da posgrap centrom de vivencia
TÍTULO:

EFEITO RESIDUAL DE ASSOCIAÇÕES ENTRE ÓLEOS ESSENCIAIS E TEMEFÓS SOBRE LARVAS DE Aedes aegypti LINN (DIPTERA: CULICIDAE) EM LABORATÓRIO


PALAVRAS-CHAVES:

Dengue, temefós e óleo essencial de Citrus Sinensis,impacto ambiental,vetor Aedes aegypti.



PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Até o momento, a única abordagem eficaz para minimizar a incidência da dengue é controlar a população do vetor Aedes aegypti, através do uso de organosfosforados como, por exemplo, o temefós. Porém, o uso frequente e em doses cada vez maiores destes produtos, além de causar impacto ambiental, têm selecionado populações resistentes do mosquito. O controle de larvas com inseticidas residuais por um prolongado período também tem grande importância na interrupção da transmissão do vírus da dengue. Assim, o uso de óleos essenciais e a combinação de larvicidas, juntamente com mecanismos de liberação controlada de fármacos podem ser estratégias utilizadas para controlar este fenômeno. Trabalhos anteriores comprovaram que as interações sinergísticas entre o temefós e óleos essenciais aumentaram a toxicidade contra as larvas de Ae. Aegypti, contribuindo para a diminuição do mecanismo de resistência a inseticidas adquiridos pelos mosquitos ao longo dos anos. Com isso, o objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia das associações entre temefós e óleo essencial de Citrus Sinensis e entre temefós e óleo essencial de Sizigium Aromaticum, homogeneizadas em hidrogel e impregnadas em suportes cerâmicos, sobre larvas de Ae. aegypti da linhagem Rockefeller. Foi realizada uma investigação experimental, em laboratório, entre março e junho de 2011 e no período entre outubro de 2011 e janeiro de 2012. A aplicação foi feita em um total de 40 béqueres de 1000 mL. A mortalidade foi observada após 48h de exposição. Em ambos os experimentos, os resultados do experimento sem troca de água apresentaram mortalidade larval estável acima de 90% até o dia 75. Com a renovação de 80% da água, a mortalidade de larvas expostas à mistura entre temefós e óleo essencial de Citrus Sinensis caiu para abaixo de 90% após 35 dias, enquanto que nos béqueres tratados com a associação entre temefós e o óleo essencial de S. aromaticum, este valor manteve-se até 40 dias de observação.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1686032 - ANA AMELIA MOREIRA LIRA
Externo ao Programa - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS
Presidente - 1337195 - SOCRATES CABRAL DE HOLANDA CAVALCANTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69