UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CAMILA BENETTI
11/07/2012 09:29


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA BENETTI
DATA: 17/07/2012
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do centro de Vivência
TÍTULO:

         VALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTICOLINESTERÁSICA DE
TERPENOS COMO FERRAMENTAS POTENCIAIS PARA O TRATAMENTO
DOS SINTOMAS COGNITIVOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER


PALAVRAS-CHAVES:

Inibidores da colinesterase, terpeno, Doença de Alzheimer,
pulegona


PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A doença de Alzheimer (DA) é caracterizada pela redução progressiva da memória
associada à redução da neurotransmissão colinérgica central. Os fármacos mais
utilizados para o combate dos sintomas cognitivos da DA são os inibidores das enzimas
acetilcolinesterase (AChE) e butirilcolinesterase (BuChE), que aumentam a meia-vida
da acetilcolina (ACh) intensificando a neurotransmissão colinérgica. Com o progredir
da DA, a atividade da AChE é reduzida enquanto a atividade da BuChE aumenta. Por
este motivo, inibidores seletivos para BuChE ou com ação sobre as duas enzimas
apresentam tempo de efetividade do tratamento maior que inibidores da AChE. A
maioria dos fármacos em uso para o tratamento dos sintomas cognitivos da DA atuam
sobre a AChE sendo necessário o desenvolvimento de fármacos inibidores da BuChE.
Diante do potencial dos terpenos enquanto inibidores das colinesterases e,
conseqüentemente, no tratamento da DA, o presente trabalho teve como objetivos: i)
realizar a avaliação sistemática e completa in vitro da atividade anticolinesterásica de
terpenos enquanto inibidores da BuChE; ii) com base na melhor potência (IC50) e
inibição máxima (Emáx) selecionar o composto para investigar o nível de inibição da
colinesterase no cérebro de ratos e o modo de inibição da BuChE por ele mediada. Os
terpenos avaliados foram α-pineno, β-pineno, 1,8 cineol, β-cariofileno, d-limoneno e
pulegona. A atividade enzimática foi mensurada pelo método de Ellman. Neostigmina
foi utilizada como controle positivo. A investigação do mecanismo de ação e cálculo
dos parâmetros cinéticos foi determinada pelo ajuste das curvas a equação de Michaelis-
Menten e a sua linearização pelos plots de Lineweaver-Burk e Dixon. A classificação da
potência como inibidor BuChE foi pulegona >α-pineno>1,8cineol>D-limoneno>β-
pineno=β-cariofileno. A pulegona também inibiu AChE de forma concentração-
dependente (IC50 AChE: 7,90 [6,14 – 10,17] mM; IC50 BuChE: 0,06 [0,05 – 0,08] mM).
sedno 131 vezes seletiva para BuChE. Os parâmetros cinéticos análisados (Km e Vmáx)
indicaram um modo misto de inibição. No hipocampo de ratos, a pulegona inibiu a
colinesterase total 43,52% (p<0,001) e 24,71% (p<0,05), para as doses 0,5 e 5 mg/kg,
respectivamente. Em conclusão, a pulegona apresentou ação dual porém seletiva para
BuChE in vitro e inibe as ChEs no cérebro de rato.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1698148 - ENILTON APARECIDO CAMARGO
Presidente - 2379377 - ROSILENE MORETTI MARCAL
Interno - 1337195 - SOCRATES CABRAL DE HOLANDA CAVALCANTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69