UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: AYSLAN JORGE SANTOS DE ARAUJO
30/05/2012 10:39


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AYSLAN JORGE SANTOS DE ARAUJO
DATA: 14/06/2012
HORA: 08:30
LOCAL: Nas Dependências do CCBS na Universidade Federal de Sergipe
TÍTULO:

EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO RESISTIDO NA REATIVIDADE E MORFOLOGIA VASCULAR DE RATOS HIPERTENSOS INDUZIDOS POR L-NAME


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Treinamento resistido; hipertensão arterial; vasodilatação,
morfologia


PÁGINAS: 10
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Medicina Preventiva
RESUMO:

RESUMO
A hipertensão arterial (HA) é uma síndrome multifatorial, crônica, causada tanto por fatores
congênitos ou adquiridos, como a inatividade física. Avaliar os efeitos do treinamento físico resistido
(TR) sobre pressão arterial, reatividade vascular e morfologia da artéria mesentérica superior de
ratos hipertensos. Ratos Wistar machos (200-250 g) foram divididos em 3 grupos: normotenso
sedentário (NS), hipertenso sedentário (HS) e hipertenso treinado (HT). HA foi induzida pela
administração de L-NAME (40 mg/kg) na água de beber por 4 semanas. Após o TR, a pressão arterial,
reatividade vascular para nitroprussiato de sódio e fenilefrina (FEN) foram avaliados. Além disso,
foram realizadas análises histológica e estereológica dos segmentos arteriais. O TR inibiu o aumento
da PAM, PAS e PAD. Foi observada uma redução significativa (p<0,01) na potência da FEN do grupo
HT quando comparado com o HS (5,34±0,12 vs 6,01±0,11). A análise histológica dos segmentos
arteriais evidenciou aspecto normal para as túnicas íntima, média e adventícia em todos os grupos.
Não houve diferença significativa nas áreas do lúmen, da túnica média e total das artérias dos grupos
HS e HT em relação ao NS. A razão parede/lúmen arterial do grupo HT não apresentou diferença
significativa em relação ao HS (p <0,05), mas esta foi diferente do NS. Desta forma, pode-se concluir
que o TR foi capaz de controlar a pressão arterial. Este controle parece envolver a regulação de
mecanismo vasoconstritor e a manutenção do diâmetro luminal de ratos hipertensos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2190308 - MARCIO ROBERTO VIANA DOS SANTOS
Externo ao Programa - 1691080 - MARLUCIA BASTOS AIRES
Externo ao Programa - 1849740 - ROGERIO BRANDAO WICHI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5