UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 01 de Dezembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JEFERSON DA SILVA SANTOS
19/09/2022 15:12


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JEFERSON DA SILVA SANTOS
DATA: 23/09/2022
HORA: 09:00
LOCAL: online
TÍTULO: Carreadores lipídicos nanoestruturados como sistema de liberação pulmonar para ivermectina: uma estratégia ao tratamento da COVID-19
PALAVRAS-CHAVES: Nanocarreadores, nanomedicina, coronavírus, liberação pulmonar, reposicionamento, drug delivery
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A COVID-19, causada pelo SARS-CoV-2, se espalhou-se rapidamente pelo mundo causando sérias implicações socioeconômicas e de saúde pública. Diante disto, através do reposicionamento de fármacos, a ivermectina, agente antiparasitário, está sendo investigada como potencial candidata ao tratamento antiviral da COVID-19, por ter apresentado redução da carga viral do SARS-CoV-2, em estudo in vitro. É importante ressaltar que a administração oral é a única licenciada para o uso da ivermectina em humanos, entretanto a ivermectina (fármaco lipofílico) apresenta absorção incompleta com comprometimento da biodisponibilidade. Neste sentido, a abordagem de formulações inovadoras para administração deste fármaco, pode determinar a dose clínica eficaz em pacientes com COVID-19. Diante do exposto, os Carreadores Lipídicos Nanoestruturados (CLNs) foram desenvolvidos como sistema de liberação para a ivermectina para administração por via pulmonar. Os CLNs foram preparados pelo método de microemulsão à quente e revestidos com polímero catiônico. Os CLNs foram caracterizados através da avaliação do tamanho médio de partícula, índice de polidispersão, potencial zeta, calorimetria exploratória diferencial (DSC), difratometria de raio-x (DRX) e espectrofotometria no infravermelho por transformada de Fourier (FTIR) Através da avaliação da influência do ácido oleico na matriz lipídica foi possível confirmar sua atuação como parte da estrutura dos CLNs, foi observado através das análises de DSC e DRX que as matrizes lipídicas se tornaram menos estruturadas ao adicionar esse lipídeo líquido. A superfície homogênea, o formato esférico e o tamanho nanométrico dos CLNs foram observados por Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) e por Microscopia eletrônica de Transmissão (MET), corroborando com os valores de tamanho obtidos por análise de espalhamento de luz dinâmico (107,9 e 108,2 nm). A adição de polímero catiônico aos CLNs influenciou no tamanho médio de partícula (112,21 e 152,3 nm) e gerou um potencial zeta positivo, revestimento catiônico (+37,81 e +39,46), para os carreadores inertes e para os contendo o fármaco, respectivamente. Análise confirmada através por MET. Os CLNs apresentaram estreita distribuição de tamanho (adequadas para administração pulmonar) e alta eficiência de encapsulação (>99%). Desse modo, os resultados parciais indicam que os CLNs revestidos com polímero catiônico podem ser sistemas eficientes, sugerido como protótipo para a administração de compostos ativos pouco solúveis em água no tratamento da COVID-19.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Interno - 1686032 - ANA AMELIA MOREIRA LIRA
Externo à Instituição - JACQUELINE RESENDE DE AZEVEDO
Interno - 2030649 - MAIRIM RUSSO SERAFINI
Presidente - 2337777 - ROGERIA DE SOUZA NUNES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18156-ca4d4a6fac