UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 08 de Dezembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: ROSIANE DOS SANTOS
12/08/2022 16:47


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROSIANE DOS SANTOS
DATA: 15/08/2022
HORA: 08:00
LOCAL: Mini Auditório do CCET
TÍTULO: PRODUÇÃO DE ETANOL DE SEGUNDA GERAÇÃO A PARTIR DA BIOMASSA LIGNOCELULÓSICA DE ENGAÇO DE COQUEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Engaço de coqueiro; resíduo agroindustrial; pré-tratamento hidrotérmico; bioetanol.
PÁGINAS: 102
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Processos Industriais de Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Processos Bioquímicos
RESUMO:

Uma das principais premissas para o desenvolvimento econômico do Brasil é, incontestavelmente, a renovação e ampliação de sua matriz energética. Para tal, o país tem desenvolvido políticas estratégicas que visam reduzir a emissão de carbono decorrente da dependência por combustíveis fósseis e aumentar a produção de biocombustíveis, investindo em fontes de origem renováveis. Nesse cenário, os resíduos agroindustriais destacam-se como matérias-primas promissoras, tendo em vista seu alto valor energético e a relevante participação da produção agrícola brasileira no Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Nesse contexto, a produção de coco verde possui grande importância, devido ao volume de resíduos gerados de seu consumo, considerando que o Brasil é o 5º maior produtor mundial dessa cultura. O engaço/cacho de coqueiro, material volumoso e de difícil degradação, assim como as cascas do coco não estão incluídos em nenhuma política permanente de reaproveitamento e descarte seguro. E, embora, não sejam encontrados, atualmente, em bases de pesquisas, trabalhos referentes à sua biomassa como fonte para a produção de energia, o engaço de coqueiro, apresenta em sua composição química, compostos celulósicos que o torna promissor como matéria-prima para usinas e biorrefinarias. Sendo assim, a utilização da biomassa, produzida a partir do engaço de coqueiro para produção de etanol de segunda geração, pode contribuir para aumentar a oferta de etanol no mercado interno e externo, uma vez que, a produção desse biocombustível no Brasil depende quase que exclusivamente do cultivo de cana-de-açúcar e milho, culturas que também são utilizadas na produção de alimentos. Além dessa contribuição, o aproveitamento desse resíduo será de grande valia econômica e social, tendo em vista ser um dos principais passivos ambientais do país, principalmente da região Nordeste. Desta forma, o presente estudo tem por objetivo avaliar a eficiência do pré-tratamento hidrotérmico da biomassa produzida a partir do engaço de coqueiro, seguido de hidrólise enzimática e fermentação em etapas separadas (SHF), como melhor estratégia para a produção de etanol de segunda geração. Foram avaliados três diferentes tempos durante o pré-tratamento hidrotérmico (30, 60 e 90) minutos, utilizando autoclave como método de deslignificação da biomassa de engaço de coqueiro. Todos os resultados obtidos ratificam o potencial da biomassa de engaço de coqueiro para produzir açúcares fermentáveis em concentração ideal para a produção de etanol de segunda geração com rendimento comparável à biomassa de bagaço de cana-de açúcar. Os melhores resultados de concentração de ART’s 11,51 g/L, glicose 3,40 g/L e teor de etanol 7,5 ºGL, foram obtidos das amostras derivadas da biomassa pré-tratada hidrotermicamente por 60 minutos. Enquanto as biomassas pré tratadas por 30 e 90 minutos produziram ART's nas concentrações máximas (2,3 e 12,59) g/L e, etanol em teor de (2,5 e 6,3) ºGL respectivamente. O tempo total de processo, o custo da matéria prima e o rendimento final de produção indicam que é viável economicamente investir na tecnologia de produção de biocombustível utilizando a biomassa lignocelulósica proveniente do engaço do coqueiro como alternativa à mitigação dos problemas gerados por esse tipo de resíduo ao meio ambiente e cofres públicos, como também incrementar a oferta de etanol na produção brasileira.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Interno - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Externo ao Programa - 3146747 - MARIA TEREZINHA SANTOS LEITE NETA
Externo ao Programa - 2523631 - ELIANA MIDORI SUSSUCHI
Externo à Instituição - LUIZ FERNANDO ROMANHOLO FERREIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18160-36a7f68df5