UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 27 de Janeiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: TICIANO RODRIGO ALMEIDA OLIVEIRA
16/04/2022 12:36


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TICIANO RODRIGO ALMEIDA OLIVEIRA
DATA: 29/04/2022
HORA: 14:00
LOCAL: PRODEMA - Auditório
TÍTULO: HIDROTERRITÓRIOS DA PESCA ARTESANAL NO BAIXO SÃO FRANCISCO: PROBLEMÁTICAS (IN) SUSTENTÁVEIS SOB A ÓTICA DAS COMUNIDADES PESCADORAS ARTESANAIS EM ILHA DAS FLORES/SE
PALAVRAS-CHAVES: cartografia social; identidade; pesca artesanal; rizoma.
PÁGINAS: 185
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Os conflitos territoriais são aqueles que envolvem questões sociais, como uma disputa de poder pelo direito ao uso de um determinado espaço. Na região do Baixo rio São Francisco, as disputas territoriais entre as comunidades tradicionais e grandes empreendimentos, obras governamentais ou latifundiários são comuns. Estas disputas resultam em graves danos ambientais e mudanças severas ao meio ambiente, a exemplo da implantação de barragens de usinas hidroelétricas ao longo do curso do rio, os projetos de irrigação e monocultura e as atividades pecuárias, como a carcinicultura. A partir da organização social frente a estes conflitos, as comunidades r-existem nos seus hidroterritórios de vida e mantém suas formas tradicionais de produção. Esta pesquisa de tese foi realizada no quilombo pesqueiro do Bongue, situado em Ilha das Flores-SE, e teve como objetivos específicos: entender os processos de construção, afirmação e reconhecimento dos hidroterritórios na comunidade; Identificar os conflitos territoriais presentes no hidroterritório estudado; Identificar os sistemas de produção da pesca e suas particularidades; Analisar comparativamente a sustentabilidade da atividade pesqueira presentes nos hidroterritórios, considerando sua pluriatividade e ancestralidade, a partir da ótica dos territórios multissistêmicos e suas redes de articulações rizomáticas; sugerir a aplicabilidade de políticas públicas relacionadas ao setor. Partindo da hipótese que “Diante dos diversos cenários de reestruturação produtiva que vêm se delineando há alguns anos no baixo São Francisco, as comunidades pescadoras artesanais, a partir de suas relações identitárias, por meio da luta dos remanescentes quilombolas, procuram superar as ameaças aos seus modos de vida, mantendo-se firmes na estrutura socioespacial, e atuando na apropriação e gerenciamento dos recursos naturais, com vistas à manutenção dos territórios, o que reafirma a sua identidade enquanto grupo social e comunidade tradicional.” O levantamento dos dados se deu através da confecção de etnomapas, com base na cartografia social, de questionários semiestruturados e conversas gravadas. Levantaram-se na pesquisa, os principais problemas socioambientais relatados pela comunidade, sendo estes: assoreamento do rio; aumento da população de macrófitas aquáticas; despejo de efluentes no leito do rio; irrigação; aquicultura e salinidade da água. Estes fatores interferem diretamente na atividade pesqueira, sendo esta a principal fonte de renda da comunidade. A análise da sustentabilidade da atividade pesqueira demonstra que esta flutua entre baixa, quando trata da captura de pescados, e aumenta quando ela se agrega às políticas públicas atreladas ao setor. Os fatores sociais e políticos são fundamentais para a continuidade da atividade, aliados à governança e investimentos públicos para manutenção da qualidade das águas e proliferação das populações de peixes na região. A relação entre os processos de territorialização, desterritorialização e reterritorialização é de caráter rizomático, pois considera a interação entre os indivíduos com o meio físico, com a sociedade e consigo mesmo. Conclui-se que a afirmação da identidade (enquanto comunidades tradicionais quilombolas e pescadoras artesanais) se relaciona diretamente às tradições socioculturais e ao labor das pescarias. Esta identidade é realimentada pela articulação política, representatividade institucional e capacidade de governança e aplicabilidade de políticas públicas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1807439 - JAILTON DE JESUS COSTA
Interno - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Externo ao Programa - 2027131 - ROSANA DE OLIVEIRA SANTOS BATISTA
Externo ao Programa - 2844611 - ANÉZIA MARIA FONSÊCA BARBOSA
Externo à Instituição - JUAN MANUEL DIEZ TETAMANTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18277-8067e35817