UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 01 de Dezembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: ISLA ALCÂNTARA GOMES
03/02/2022 07:45


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ISLA ALCÂNTARA GOMES
DATA: 23/02/2022
HORA: 08:30
LOCAL: Online
TÍTULO: Uso de Fluoxetina Como Potencial Agente Repigmentante e Imunomodulador: Relato de Caso e Desenvolvimento de Formulação Semissólida
PALAVRAS-CHAVES: Vitiligo; Fluoxetina; Pectina; Gel.
PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

O Vitiligo é um distúrbio pigmentar sistêmico e adquirido, crônico, caracterizado pela aparência de máculas acromáticas na pele e mucosas, devido à falta de melanócitos na região afetada. Sua prevalência mundial está estimada entre 0,5–2 % da população, afetando indistintamente ambos os sexos. Como outras doenças autoimunes, a patogênese do vitiligo é obscura e ambas as hipóteses multifatorial e poligênica são amplamente discutidas. A dificuldade encontrada na compreensão total do mecanismo patogênico do vitiligo leva a uma persistente limitação nas modalidades terapêuticas que contam com corticoides e imunomoduladores inibidores da calcineurina tópicos como tratamento de primeira linha. Estudos in vitro e in vivo demostraram que fluoxetina atua aumentando a melanogênese e reduzindo o perfil inflamatório de doenças autoimunes. O perfil repigmentador e imunomodulador da fluoxetina foi investigado através de ensaio piloto com uma paciente de vitiligo não-segmentar. Durante seis meses a paciente foi orientada a tomar fluoxetina (oral) 20 mg uma vez ao dia e sua evolução clínica, macroscópica e a níveis séricos foi acompanhada nos tempos 0, 90 e 180 dias. Parâmetros biomecânicos da pele e níveis séricos de IL-8, IL-10, IL-17, IL-33 e sTREM-1 foram observados. A fluoxetina demonstrou bom potencial repigmentador, com redução de cerca de 40% das lesões do tempo inicial, além de demonstrar perfil imunomodulador, reduzindo níveis de IL-17, IL-33 e sTREM- 1. O desenvolvimento de uma formulação semissólida de gel de pectina contendo fluoxetina a 3% e 5% foi iniciado visando o uso tópico da fluoxetina em pacientes com vitiligo. O gel demonstrou boas características organolépticas e boa permeabilidade na pele, sem, no entanto, demonstrar potencial transdérmico, conservando assim sua característica tópica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Interno - 1334092 - FRANCILENE AMARAL DA SILVA
Externo à Instituição - ISABELLA BARROS ALMEIDA
Externo à Instituição - LUIZA ABRAHÃO FRANK
Externo à Instituição - MARÍLIA DOS SANTOS BEZERRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18156-ca4d4a6fac