UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 31 de Janeiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: RODRIGUS OLIVEIRA FEITOSA
17/01/2022 11:06


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RODRIGUS OLIVEIRA FEITOSA
DATA: 22/02/2022
HORA: 14:30
LOCAL: Presencial no PRODEMA_UFS e/ou Sala Virtual - Google Meet
TÍTULO: GEOINFORMÁTICA APLICADA NA ESTIMATIVA DO POTENCIAL FOTOVOLTAICO DO SEMIÁRIDO SERGIPANO
PALAVRAS-CHAVES: energia renovável. fotovoltaica. geotecnologia. semiárido.
PÁGINAS: 148
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O desenvolvimento da sociedade sempre demandou uma crescente necessidade de energia, e nos tempos modernos a preocupação ambiental agrega à essa demanda a exigência do uso de fontes mais limpas e renováveis. A energia provida pelo sol e pelos ventos são as alternativas mais viáveis à nível mundial, o que incentivou o aumento das pesquisas científicas. O Brasil possui grande disponibilidade de recursos renováveis, principalmente o sol. Estudos mostraram que o potencial energético solar brasileiro, especialmente na região semiárida, supera o potencial médio de toda a Europa. Apesar disso a energia solar representava até 2019 somente 1,1% da geração elétrica no Brasil. Outra constatação dos estudos sobre o potencial solar do semiárido brasileiro é que essa região também possui os maiores índices de pobreza do país. Apesar disso, não foram encontrados estudos relacionando o potencial energético solar do semiárido brasileiro e seus impactos socioeconômicos localmente. Para a análise do potencial solar em uma região, é necessária a aplicação de tecnologias caras e que, devido à extensão do semiárido, seriam financeiramente proibitivas. Porém algumas metodologias aplicadas sobre produtos de sensoriamento remoto podem reduzir esse problema de forma bastante viável, como já observado em trabalhos desenvolvidos em outros países. Levantamos a hipótese de que fosse possível aplicar recursos da geoinformática para estimar o potencial de geração de energia solar no semiárido sergipano, e com isso produzir dados e informações úteis para analisar os impactos ambientais, energéticos e socioeconômicos na região mais pobre do Brasil. Assim, definimos como objetivo geral, analisar o potencial de geração de energia elétrica fotovoltaica no semiárido sergipano utilizando recursos da geoinformática. Destarte, realizamos a determinação dos parâmetros para modelagem da radiação solar por um SIG; desenvolvemos um algoritmo em linguagem computacional para automatizar a modelagem; modelamos a radiação solar; analisamos os locais ideais para instalação de centrais fotovoltaicas; calculamos o potencial de geração elétrica das centrais fotovoltaicas; e, por fim, avaliamos os impactos da entrada da fonte solar de energia elétrica no semiárido sergipano. A metodologia aplicada utilizou principalmente imagens de satélites de alta resolução e o módulo de análise solar r.sun do SIG GRASS. A análise dos locais ideais foi baseada num método do processo de análise hierárquica e na análise de sobreposição ponderada. Os resultados mostram que o potencial do semiárido sergipano é superior aos dados obtidos em outro estudo realizado a nível nacional e que isso poderia representar um grande impacto à população local. Observamos que o uso de produtos de sensoriamento remoto com melhor resolução e um estudo à nível regional ou local produz resultados muito mais acurados, bem como o uso de dados históricos tem suma importância para analisar as variações temporais da radiação solar e das alterações no terreno. O potencial FV apurado é bastante alto, e o impacto energético para Sergipe seria muito significativo. O impacto ambiental seria considerável caso a energia FV gerada seja suficiente para evitar o acionamento das termoelétricas. E o impacto social existiria significativamente somente com a implementação de uma cadeia produtiva da energia FV.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Interno - 4178490 - INAJA FRANCISCO DE SOUSA
Externo ao Programa - 1533419 - ANDRE QUINTAO DE ALMEIDA
Externo à Instituição - MARCOS ANTONIO TAVARES LIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18285-05ee143cb2