UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 16 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: LUIZ CÉSAR BARBOSA DA SILVA
15/04/2021 14:35


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZ CÉSAR BARBOSA DA SILVA
DATA: 21/05/2021
HORA: 15:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO: “O MONSTRO DO SERTÃO”: A IMAGEM DO NORDESTE (DES)CONSTRUÍDA NA XILOGRAVURA DE J. BORGES
PALAVRAS-CHAVES: Nordeste. Xilogravuras de J. Borges. Subalternidade. Decolonialidade.
PÁGINAS: 139
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Artes
SUBÁREA: Artes Plásticas
ESPECIALIDADE: Gravura
RESUMO:

Esta dissertação, concentrada na linha de pesquisa “Artes populares: processos analíticos, pedagógicos e criativos”, aborda a (des)construção da imagem do Nordeste na xilogravura “O Monstro do Sertão”, de J. Borges. Recorrendo a temas emergentes como a seca e a política, o artista incorpora em sua obra assuntos relevantes para compreendermos a formação dessa imagem estereotipada. Assim, realizamos um recorte temporal do período em que a gravura foi produzida, fomentando uma discussão sobre os conceitos de Nordeste, subalternidade, lugar de fala e decolonialidade, conceitos esses que nos encaminharam a problematizar aspectos culturais, sociais, políticos e econômicos dessa região. A pesquisa teve como objetivo geral compreender se a xilogravura “O Monstro do Sertão” (des)constrói uma subalternidade de imagem do Nordeste. Na tentativa de responder à questão: “essa imagem constitui ou não uma subalternidade?”, recorremos à metodologia de enfoque pós-Estruturalista de Burke (2017), em que as imagens são tidas como evidência histórica. Dessa forma, concebemos a imagem como testemunha ocular, que tem seus próprios códigos culturais e formas de interpretação da realidade, com pautas políticas, sociais, econômicas, culturais e artísticas. Em consonância com esse método, além do estudo da imagem, utilizamos como instrumentos a entrevista semiestrutura e a pesquisa bibliográfica e documental. Dividimos a pesquisa em três seções - O contador de causos: do cordel à xilogravura, versamos a trajetória de J. Borges, sua origem e produção artística visual; entrecruzamentos teóricos: elaboramos um estudo dos vários conceitos que se entrecruzaram em nossa discussão epistemológica e; a imagem do Nordeste a partir do “Monstro do Sertão”: geramos um debate sobre aspectos como história, política, geografia, economia e cultura do Nordeste a partir da gravura e do cordel “O Monstro do Sertão”. Destacamos a contribuição desta pesquisa com reflexões emergentes, ampliando estudos voltados para grupos que historicamente foram silenciados ou apagados. Acrescentamos que esta dissertação é uma provocação para se construir e desconstruir como sujeitos e protagonistas de nossa própria história. Na formação inicial da imagem do Nordeste, a preocupação estava voltada para os anseios da elite dominante, que desenvolveu mecanismos de dominação para se manter na estrutura do poder. Contrapondo-se a esse sentido, evocamos os sentidos que a xilogravura de J. Borges, “O Monstro do Sertão”, constrói e descontrói. O estudo revelou que o ser ameaçador estava, na verdade, camuflando às verdadeiras ameaças: as ações da humanidade sobre o meio e a corrupção. Concluímos também que uma sociedade mais justa e humanizada só será possível por meio da diversidade de sujeitos, arte, cultura e pensamentos, valorizando as contribuições que cada pessoa oferece à sociedade.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1820310 - GERMANA GONCALVES DE ARAUJO
Externo à Instituição - MARIA DAS VITÓRIAS NEGREIROS DO AMARAL
Presidente - 2313427 - MARJORIE GARRIDO SEVERO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b