UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 18 de Junho de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: SANDRA SANTOS DE JESUS
06/04/2021 09:46


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SANDRA SANTOS DE JESUS
DATA: 06/04/2021
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/yzm-iasr-cyj
TÍTULO: O FECHAMENTO DAS ESCOLAS DO CAMPO DE CRISTINÁPOLIS-SE: O OLHAR DOS SUJEITOS QUE NELE VIVEM
PALAVRAS-CHAVES: Fechamento de Escolas. Educação do Campo. Decolonialidade. Territórios Educativos.
PÁGINAS: 123
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

Essa pesquisa objetiva compreender o processo de fechamento de escolas do campo no município de Cristinápolis-SE, na perspectiva decolonial, a partir da percepção dos camponeses. Como eixo de análise, elencou-se para este estudo, a relação Colonialidade/Educação, objetivando investigar a relação existente entre Colonialidade e práticas de favorecimento às políticas educacionais neoliberais direcionadas às populações do campo. O contexto da pesquisa situa-se no âmbito da Educação do Campo, em específico sobre o processo de fechamento de escolas do campo, entendido como território constituído por sujeitos que compreendem o campo como lugar de vida e trabalho. Nessa investigação, campo é concebido como território historicamente marcado pelo urbanocentrismo, e o processo de colonialidade/modernidade como um marcador que compôs as bases que estruturaram os modos de subalternização dos povos, a partir da colonização da América. Intencionamos trazer para este estudo, as marcas oriundas das forças colonizadoras do processo de modernidade/colonialidade, evidenciando os modos pelos quais este processo deslegitimou e subalternizou aqueles que foram sujeitados ao processo da colonialidade/modernidade, processo que acarretou, na formação educacional brasileira, na consolidação da colonialidade do poder, do saber, do ser e da natureza. Intencionamos ainda, trazer para o estudo, reflexões sobre os elementos que constituíram as reformas educacionais (e empresariais) no Brasil, numa perspectiva histórica. A presente pesquisa será desenvolvida numa abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso. Como instrumentos para coleta de dados, utilizaremos análise de documentos e entrevistas semiestruturadas. Nos levantamentos exploratórios e literaturas referentes às temáticas abordadas em relação ao objeto desta pesquisa, observou-se que há um movimento em nível estadual para que ocorram fechamentos de escolas do campo. No recorte territorial elencado para esta pesquisa, comunidades rurais do município de Cristinápolis - SE, este movimento intensificou-se em 2019, culminando com a desativação de escolas localizadas na zona rural do município. Escolas do campo que atuavam na formação de camponeses comprometidos com práticas sociais e políticas relacionadas à concepção do campo como espaço de produção da vida. Logo, compreende-se que o fenômeno em análise poderá, ou não, a partir da percepção dos impactados com o fechamento das escolas, reafirmar a presença de diferentes perspectivas sobre a educação ofertada ao camponês na contemporaneidade. Deste modo, espera-se que com os resultados obtidos neste estudo, possamos contribuir com o debate sobre a educação do campo, tanto no município de Cristinápolis -SE, quanto em outros municípios do Brasil nos quais existam problemáticas semelhantes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1698052 - MARIZETE LUCINI
Interno - 2624229 - LIVIA DE REZENDE CARDOSO
Externo à Instituição - LEYLA MENEZES DE SANTANA
Externo à Instituição - MARIA APARECIDA BERGAMASCHI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r19279-bcba364a3c