UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 01 de Dezembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: FERNANDA VALENÇA FEITOSA
18/02/2021 12:40


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FERNANDA VALENÇA FEITOSA
DATA: 19/02/2021
HORA: 14:30
LOCAL: Online
TÍTULO: IDENTIFICAÇÃO DOS DESFECHOS FARMACOECONÔMICOS DA CONCILIAÇÃO DE MEDICAMENTOS LIDERADO POR FARMACÊUTICOS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
PALAVRAS-CHAVES: conciliação de medicamentos; farmacêutico clínico; farmacoeconomia; economia em saúde; custo-utilidade; custo-efetividade; custo-benefício.
PÁGINAS: 79
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Introdução. Quando a conciliação de medicamentos é realizada por farmacêuticos um maior número de erros de medicação são identificados. A ocorrência destes no hospital é frequente e comprometem a segurança do paciente e os custos de hospitalização. Assim, a conciliação de medicamentos surge como possível solução para evitar erros de medicação e contribui diretamente na redução de custos e aumento da qualidade do tratamento. Objetivo. Identificar na literatura científica estudos que avaliaram desfechos farmacoeconômicos associados ao serviço de conciliação de medicamentos liderados por farmacêuticos em pacientes hospitalizados. Método. Uma busca sistemática foi realizada nas bases de dados: The Cochrane Library, LILACS, PubMed, EMBASE e Web of Science. Os descritores utilizados foram definidos pela denominação MeSH: “Inpatient”, “Hospital”; “Medication Reconciliation”; “Cost-Benefit Analysis”, “Economics, Pharmaceutical”. Foram analisados os estudos de intervenção, publicados até outubro de 2019, os quais realizaram a análise farmacoeconômica da conciliação de medicamentos liderada por farmacêuticos. Dois revisores avaliaram, de forma independente, os títulos, resumos e textos completos de acordo com os critérios de elegibilidade, realizaram a extração de dados e avaliaram a qualidade metodológica dos estudos. Resultados. Foram encontrados 1225 artigos na busca inicial, dos quais seis preencheram os critérios de inclusão. Destes, a maior parte abordou desfechos farmacoeconômicos na otimização dos custos com reinternação, com a identificação do potencial de uma discrepância causar um evento adverso e qualidade de vida. Todos os estudos incluídos realizaram a conciliação de medicamentos na admissão dos pacientes no hospital, mas alguns também avaliaram na alta e na transição entre alas. Foram incluídos quatro estudos com a perspectiva declarada como do hospital, dois com o serviço de saúde e um na perspectiva social. Dos tipos de estudo farmacoeconômico realizados, três realizaram apenas análises de custo-benefício, dois realizaram tanto a análise de custo-efetividade quanto de custo-utilidade e um realizou apenas a análise de custo efetividade. Cinco estudos apresentaram os custos de mão de obra, o custo médio por paciente em dois estudos avaliados em euro foi de €36,34, em outro, o gasto por paciente foi de U$14,20. Ao investir €39 e €1000 no tempo do farmacêutico clínico seria possível economizar €340 e €2480, respectivamente. Em relação às reinternações, na admissão houve um ganho de 0,004 QALYs e economia de € 273/paciente e na alta houve economia de € 66/paciente e 0,0001 QALYs ganhos. Em outro, houve economia anual de U$783.450 em pacientes de alto-risco. Em um estudo não houve diferença significativa entre os grupos controle (0,17) e intervenção (0,15) em relação ao QALY. Em outro, as readmissões foram significativas apenas em pacientes sem insuficiência cardíaca que gerou economia de €950 por pessoa. A maioria dos estudos realizaram análise de sensibilidade nos dados econômicos encontrados. A maioria dos estudos obteve boa qualidade metodológica. No geral, conciliação de medicamentos foi considerada custo efetiva. Conclusão. A conciliação de medicamentos liderada pelo farmacêutico proporciona economia de custos e melhora os resultados em saúde dos pacientes. Mais pesquisas são necessárias, pois alguns desfechos esperados não foram encontrados, pode ser decorrente do número de estudos examinando o assunto que ainda é baixo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 949.166.594-49 - ALFREDO DIAS DE OLIVEIRA FILHO
Externo à Instituição - RODRIGO DOS SANTOS DINIZ
Interno - 1694328 - WELLINGTON BARROS DA SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18156-ca4d4a6fac