UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSÉ MARCOS MELO DOS SANTOS
11/02/2021 10:22


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSÉ MARCOS MELO DOS SANTOS
DATA: 10/03/2021
HORA: 14:00
LOCAL: On-line
TÍTULO: A reposição de hormônios gonadais modula respostas comportamentais do tipo empatia em ratas expostas a coespecíficas com diferentes condições nociceptivas.
PALAVRAS-CHAVES: Fêmeas, Reposição Hormonal, Empatia, Dor, Nocicepção
PÁGINAS: 97
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

A empatia pode ser definida como a capacidade de se colocar no lugar do outro sem necessariamente precisar passar pela situação. Ao longo dos anos a literatura tem demonstrado a possibilidade de utilizar a dor como um estímulo evocativo de comportamentos empáticos em roedores. Estudos apontam que os mesmos são capazes de reconhecer a dor em coespecífico e direcionar comportamentos em direção a ele. Não obstante estudos sugerem que as questões relacionadas a dimorfismo e os hormônios gonadais femininos podem mediar o desempenhar desse tipo de comportamento assim como modular a resposta nociceptiva. O objetivo principal do trabalho em questão é avaliar a influência da reposição dos hormônios gonadais (Óleo, E2, P4, E2+P4) no contato social de ratas expostas a coabitantes com diferentes condições nociceptivas. Foram utilizadas 165 ratas Wistar com 2 a 3 meses de idade. O projeto foi dividido em três protocolos experimentais. O experimento I teve como objetivo a avaliação da influência da reposição hormonal (Óleo, E2, P4, E2+P4) no repertório comportamental das ratas residentes (RES) durante o contato com as ratas chamadas animais estimulo Controle (CTRL), Salina (SAL) e Formalina (FORM). O experimento II tinha como objetivo analisar os comportamentos dos animais estímulos durante a exposição as ratas residentes e por fim o experimento III tinha como objetivo avaliar o efeito do contato social com animais com diferentes condições nociceptivas, no comportamento álgico das ratas residentes na placa quente. No experimento I e II, as ratas eram submetidas a 30 minutos de contato para registro videográfico e posterior análise. No experimento III após o contato com os diferentes grupos de animais estímulos, as residentes tinham suas medidas nociceptivas aferidas na placa quente (hotplate) nos tempos 0, 15 e 30. Os resultados apontam a que os hormônios sexuais femininos modulam o desempenhar de comportamentos considerados empáticos em ratas, assim como também se observa que o estímulo doloroso (a presença do animal estímulo) tem influência direta no comportamento desempenhado por parte da residente, sendo as diferenças estatísticas encontradas principalmente no que tange aos animais expostos ao grupo formalina. Os comportamentos desempenhados pelas residentes em relação as fêmeas formalinas variaram principalmente entre o comportamento de lambida/cuidado e que foi desempenhado nos primeiros cinco minutos e o comportamento de ficar perto/consolação desempenhado a partir dos 15 minutos, mostrando uma relação entre as respostas a dor neurogênica/aguda e a dor inflamatória. Em se tratando dos efeitos do contato/social e dos comportamentos empáticos/altruístas emitidos pela residente e a influência dos mesmos no seu limiar nociceptivo, os resultados apontaram que todos os animais tiveram uma diminuição no limiar nociceptivo quando comparados com os parâmetros basais, entretanto, deve-se destacar que os animais residentes que tiveram contato com os animais formalina, isto é, os que desempenharam mais comportamentos pró-sociais, apresentaram um limiar nociceptivo superior quando comparados com os animais que tiveram contato com os outros grupos controle e salina nos tempos 0 e 15 minutos p< 0,0001***. Não obstante, observa-se um perfil modulador dos hormônios gonadais, através da estimação por intervalos, foi possível constatar que as reposições hormonais com E2, P4 e E2+P4 contribuíram para o aumento do tempo e da frequência do acontecimento de comportamentos empáticos (cuidado/consolação). Em se tratando dos aspectos nociceptivos, os hormônios gonadais se mostraram antinociceptivos quando comparados com o grupo Óleo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1698148 - ENILTON APARECIDO CAMARGO
Externo à Instituição - Javier Leonardo Rico Rodríguez
Externo ao Programa - 1316604 - LUIS FELIPE SOUZA DA SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9