UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 13 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: MATHEUS LINIKER DE JESUS SANTOS
29/12/2020 15:36


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MATHEUS LINIKER DE JESUS SANTOS
DATA: 28/01/2021
HORA: 09:00
LOCAL: On-line
TÍTULO: Perfil eletrofisiológico das ondas cerebrais de mulheres com fibromialgia: estudo transversal caso controle
PALAVRAS-CHAVES: Fibromialgia, Dor crônica, Neuroplasticidade, EEG, Potencial relacionado a eventos P300.
PÁGINAS: 78
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

A fibromialgia (FM) é uma síndrome reumática caracterizada por dor crônica musculoesquelética difusa associada a distúrbios psicossomáticos, tendo a hiperexcitabilidade de circuitos neurais (sensibilização central) como principal hipótese fisiopatológica. A eletroencefalografia é uma técnica de medição direta da atividade neural através de oscilações elétricas, capaz de detectar disfunções cerebrais, inclusive aquelas relacionadas a dor. No entanto, poucos estudos investigam esses mecanismos em FM. Deste modo, o objetivo do estudo foi investigar o perfil eletrofisiológico das ondas cerebrais em mulheres com diagnóstico de fibromialgia. O estudo observacional transversal caso-controle avaliou 40 voluntárias, alocadas em dois grupos: grupo fibromialgia e grupo controle. Após avaliado o cumprimento dos critérios de inclusão e exclusão para os grupos e respondidos os questionários socioeconômicos e clínicos, as voluntárias foram avaliadas através de Eletroencefalograma e Potencial Relacionado a Evento no componente auditivo P300. A análise eletrofisiológica apontou em fibromiálgicas uma maior amplitude relativa das ondas alpha (8-12Hz) nos quadrantes anteriores cerebrais, direito e esquerdo (p ≤ 0,05), e menores amplitudes das ondas beta 3 (24-30Hz) no quadrante anterior direito (p ≤ 0,05). Ao analisar os eletrodos individualmente, foram observadas maiores amplitudes alpha nos eletrodos F7, F4, F8 e T4 (p ≤ 0,05), beta 1 (12-18Hz) em Fp2, F3, Fz, F4, F8, Cz, C4, Pz, P4 e T6 (p ≤ 0,05), e menores amplitudes beta 3 e gama (>30Hz) no eletrodo da região frontal F4 (p ≤ 0,05). As amplitudes P300 se mostraram reduzidas nos eletrodos Fz, Cz e Pz (p ≤ 0,001) em fibromiálgicas quando comparadas com mulheres saudáveis. Houve também em FM um aumento da latência do pico P200 (p ≤ 0,05) e vale N200 (p ≤ 0,01) na região parietal Pz. Alterações na atividade cerebral para ondas de alta frequência como alpha e beta já foram relatadas pela literatura no envolvimento em diversas patologias dolorosas e parece que assim também acontece para a FM. Os potenciais P300 reduzidos nas regiões frontais, centrais e parietais, e as latências aumentadas na região parietal podem refletir no caráter cognitivo disfuncional experienciado pelas portadoras da síndrome. A predileção pelo hemisfério direito e região anterior cerebral evidenciada neste trabalho talvez represente uma modificação do referencial alostático produzido pela cronicidade da sensação dolorosa produzida através das alterações nociplásticas maladaptativas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JOSE GARCIA VIVAS MIRANDA
Externo à Instituição - LARISSA RESENDE OLIVEIRA
Presidente - 2225863 - MURILO MARCHIORO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b