UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALAN BRUNO SILVA VASCONCELOS
17/11/2020 14:25


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALAN BRUNO SILVA VASCONCELOS
DATA: 15/12/2020
HORA: 14:00
LOCAL: On-line
TÍTULO: EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL SOBRE OS FENÓTIPOS DE LINFÓCITOS T DE MEMÓRIA, INFLAMMAGING E FUNCIONALIDADE DE IDOSAS FISICAMENTE INDEPENDENTES
PALAVRAS-CHAVES: Envelhecimento; Aptidão Física; Autonomia Funcional; Imunossenescência; Exercício Físico.
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

O envelhecimento é um processo natural que, mesmo na ausência de doenças complexas, está associado a inúmeras alterações que podem incluir a redução da massa muscular, potência, força e funcionalidade. Além disso, a imunossenescência pode ter efeito direto sobre células imunes, sobretudo os linfócitos T, alterando sua maturação, função, capacidade de resposta e modificando a composição de células de memória. O aumento no percentual de células de memória efetora altamente diferenciadas (TEMRA) em senis pode contribuir para manutenção de um estado inflamatório de baixo grau, caracterizado pelo aumento das concentrações plasmáticas de citocinas, como TNF-α e IL-6. A prática regular de exercício parece ser uma maneira eficaz de atenuar esses processos. Assim, o treinamento funcional se destaca por englobar diversas capacidades físicas numa única sessão e ser específico para as necessidades do praticante. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos do treinamento funcional sobre aptidão funcional, composição corporal e indicadores de imunossenescência em idosas. Para tal, foram realizados dois ensaios clínicos com durações de 26 (Ensaio 1) e 20 (Ensaio 2) semanas. No primeiro foram realizadas 24 semanas de treinamento, enquanto no segundo foram reservadas 16 semanas para o programa de exercícios. Dessa forma, 43 (Ensaio 1) ou 108 (Ensaio 2) idosas foram aleatoriamente alocadas para o grupo treinamento funcional (TF), treinamento tradicional (TC) ou para o grupo controle (GC). O primeiro estudo investigou o efeito do treinamento sobre a potência muscular, força isométrica máxima (Hand Grip), habilidade de salto e a concentração plasmática de citocinas. No ensaio dois foram avaliados os efeitos do TF sobre a composição corporal, funcionalidade e linfócitos T de memória. Foi observada uma redução no tempo necessário para executar os testes funcionais de vestir e tirar a camisa (TF: -19,71%; TC: -14,69%), gallon-jug shelf-transfer (TF: -24,58%; TC: -17,93%), levantar e caminhar (TF: -18,39%; TC: -15,43%), sentar e levantar em 5 repetições (TF: -26,38%; TC: -23,12) e caminhada de 10 metros (TF: -13,05; TC: -12,83), além de um aumento na altura do salto (TF: 29,97%; TC: 20,00%). Adicionalmente, houve uma redução no percentual de gordura corporal (TF: -5,42%; TC: -4,20%) e um aumento na massa muscular (TF: +3,79%; TC: 2,84%). As idosas dos grupos TF e TT demonstraram aumento significativo na potência muscular no supino (TF: +12,37%; TT: +15.84%) e no agachamento (TT: +10,43%; TF: +7,16%). O TF e o TT reduziram as concentrações plasmáticas de TNF-α (TF: p=0,0001; TT: p=0,0410), porém somente o grupo TF reduziu IL-6 (p=0,0072). Em relação a frequência de linfócitos T de memória, ambos os protocolos de treinamento reduziram o percentual de células T CD4 (TF: p=0,0455; TT: p=0,0036) e CD8 (TF: p<0,0013; TT: p=0,0051) TEMRA. Ao passo que tanto TF quanto TT aumentaram o percentual dos linfócitos T CD4 (TF: p=0,0104; TT: p=0,0167) e CD8 (TF: p<0,0001; TT: p=0,0001) de memória central (TMC). Porém, em relação aos linfócitos T de memória efetora (TME), TF e TT aumentaram os percentuais apenas das células T CD8 (TF: p<0,0001; TT: p=0,0041). Dessa forma, conclui-se que treinamento funcional parece ser uma alternativa eficaz para a melhora da funcionalidade e composição corporal, além promover redução de células T CD4 e CD8 TEMRA, proporcionalmente aumentar a frequência de linfócitos TMC e TME em mulheres idosas fisicamente independentes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Interno - 2869587 - PATRICIA RODRIGUES MARQUES DE SOUZA
Externo ao Programa - 1996873 - RICARDO AURELIO CARVALHO SAMPAIO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9