UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MONICA CHRISTINE ALVES CABRAL CARDOSO
05/11/2020 11:44


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MONICA CHRISTINE ALVES CABRAL CARDOSO
DATA: 23/11/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Sala Virtual
TÍTULO: PERFIL DE MORTALIDADE DAS LEUCEMIAS MIEOIDE E LINFOIDE NO BRASIL, 2000 A 2018.
PALAVRAS-CHAVES: Leucemia, Epidemiologia, Estudo de Séries Temporais
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

Leucemias são neoplasias malignas hematológicas decorrentes da proliferação anormal de células hematopoiéticas da linhagem mieloide ou linfoide. Esta doença acomete 3% da população mundial diagnosticada com câncer. A leucemia possui um perfil epidemiológico bastante complexo, acometendo crianças, adultos e jovens, de ambos os sexos e todas as raças. A etiologia da doença ainda não é bem definida, sendo identificados alguns fatores de risco. As taxas de sobrevivência e mortalidade são dependentes de cada tipo de leucemia, idade, raça e do sexo do indivíduo. Mundialmente observa-se um crescimento ou estabilização na taxa de incidência e um decréscimo na taxa de mortalidade. Porém, não existem trabalhos comparativos entre as taxas de prevalência de mortalidades no Brasil em todas as faixas etárias. Desta forma, este estudo teve por objetivo avaliar o percentual de variação anual da mortalidade por leucemias dos tipos mieloide e linfoide nos Estados brasileiros e relacionar a prevalência das leucemias mieloides e linfoides com a quantidade de estabelecimentos que oferecem atendimento nas atenções primária, secundária e terciária no SUS para o tratamento do câncer e com o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM). Metodologia: os dados foram obtidos através do Instituo Nacional do Câncer no período de 2000 a 2018 para mortalidade das leucemias mieloide e linfoide nos Estados do Brasil. Os dados foram submetidos à análise descritiva e à regressão de PraisWinsten, para calcular a variação percentual anual das taxas (VPA). Foram ainda realizadas analise de correlação entre as variáveis taxa de mortalidade por 100.000 habitantes por sexo, percentual de cobertura da Atenção Básica (AB) em saúde, hospitais credenciados no SUS para atendimento de câncer, número de habitantes e taxa de habitantes por hospital credenciado. Resultados: Foi observado que existe uma tendência de aumento da mortalidade por leucemia mieloide e linfoide no Brasil nos anos de 2000 a 2018, com maior prevalência no sexo masculino. As leucemias linfoide teve o pior VPA em Rondônia (6,40) e pior taxa de mortalidade por 100 mil habitantes em Santa Catarina (1,29), para o sexo masculino e para o sexo feminino apresentou o pior VPA na Bahia (5,23) e a pior taxa de mortalidade por 100 mil habitantes no Rio Grande do Sul (1,18). Para as leucemias mieloides foi constatado no sexo masculino o maior VPA no Acre (8,66) e a pior taxa de mortalidade por 100 mil habitantes no rio Grade do Sul (2,03) e no sexo feminino constatou que o Estado do Piauí apresentou maior VPA (6,9503) e o Estado do Rio de Janeiro apresentou a pior taxa de mortalidade por 100 mil habitantes (1,82). Ao se correlacionar a taxa bruta leucemia mieloide em 2018 com taxa da população padrão mundial, taxa da população padrão do Brasil, percentual de cobertura da AB (%AB), número de hospitais do SUS credenciados para o atendimento de casos de oncologia, número de habitantes e taxa de hospitais públicos credenciados por 100.000 habitantes, verifica-se correlação estatisticamente significativa para taxa bruta em homens e taxa bruta em mulheres (p=0.012), taxa bruta homens e taxa bruta população mundial e população Brasil (para homens, p<0.0001). A taxa bruta para mulheres teve correlação estatisticamente significativa para taxa bruta população mundial e população Brasil (para mulheres, p<0.0001). Para a leucemia linfoide verifica-se correlação estatisticamente significativa para taxa bruta em homens e taxa bruta população mundial e população Brasil (para homens, p<0.0001). Houve correlação estatisticamente significativa para taxa bruta homens e IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal). A taxa bruta para mulheres teve correlação estatisticamente significativa para taxa bruta população mundial e população Brasil (para mulheres, p<0.0001). Conclusão: Verificou-se um aumento das taxas de mortalidade por leucemias dos tipos mieloide e linfoide no Brasil durante o período de 2000 a 2018, na maioria dos Estados analisados, sendo maior taxa para o sexo masculino. Ao correlacionar com acesso aos serviços de saúde e determinantes sociais verifica-se que o IDHM foi correlacionado a taxa bruta de mortalidade em homens na leucemia linfoide.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - Emílio Prado da Fonseca
Presidente - 2016129 - FLAVIA PARDO SALATA NAHSAN
Externo à Instituição - RICARDO LUIZ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9