UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: KATYUCIA OLIVEIRA CRISPIM DE SOUZA
23/07/2020 10:21


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KATYUCIA OLIVEIRA CRISPIM DE SOUZA
DATA: 07/08/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Ambiente Virtual
TÍTULO: Análise espacial da qualidade da atenção básica e sua relação com a vulnerabilidade social nos municípios do Nordeste do Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Análise espacial; Atenção primária à saúde; Qualidade da assistência à saúde.
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
SUBÁREA: Enfermagem de Saúde Pública
RESUMO:

No Brasil, o Ministério da Saúde começou a priorizar a avaliação sistemática da qualidade e do acesso nos serviços de saúde do SUS, sobretudo da Atenção Básica. A realização de atividades de gestão pública com base em ações de monitoramento e avaliação de processos e resultados se deu por meio do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), contudo, existem vários desafios enfrentados para a qualificação deste nível de atenção. Dentre estes desafios estão os determinantes sociais de saúde relacionados à vulnerabilidade social que incidem no cotidiano de vida dos sujeitos em seus territórios, contribuindo para a promoção ou deterioração dos seus estados de saúde. A pesquisa teve dois objetivos: 1) Analisar espacialmente a qualidade da atenção básica e sua relação com vulnerabilidade social nos municípios do nordeste brasileiro; 2) analisar a distribuição espacial da qualidade da atenção básica por meio das certificações obtidas no terceiro ciclo do PMAQ-AB no município de Aracaju/SE. Métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo com técnicas de análise espacial e uso de dados secundários provenientes do PMAQ-AB realizado na região Nordeste e no município de Aracaju. O universo pesquisado correspondeu as certificações de todas as equipes de atenção básica do Nordeste que participaram do terceiro ciclo do PMAQ-AB. Para representar a vulnerabilidade social dos municípios nordestinos, foi selecionado como variável independente o Índice de Vulnerabilidade Social municipal (IVS) e seus componentes (Capital Humano, Renda e Trabalho e Infraestutura) e para o município de Aracaju foi utilizado o Índice de Vulnerabilidade em Saúde do estudo de Peixoto (2020). Para análise espacial, foram utilizados os índices de Moran global (I) e local (LISA) univariados. O teste de correlação de Spearman e as análises bivariadas I e LISA foram empregadas para examinar a relação entre a qualidade da atenção básica e o IVS no Nordeste. No município de Aracaju, as equipes avaliadas pelo PMAQ-AB em foram analisadas segundo sua localização geográfica nos seus respectivos bairros e resultados das certificações. Para a geração dos mapas foi utilizado a malha cartográfica digital, em formato shapefile, no sistema de projeção geográfica latitude/longitude e do Sistema Geodésico de Referência - SIRGAS 2000 obtidos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os mapas foram gerados nos programas TerraView versão 4.2.0 e QGIS versão 3.4.5. Resultados: O total de equipes de atenção básica que aderiram voluntariamente e participaram do terceiro ciclo do PMAQ-AB foi de 16.215 equipes, distribuídas em 1752 municípios do Nordeste. Observou-se presença de padrões de natureza espacial em relação à qualidade da atenção básica. Municípios com alto desempenho cujos vizinhos também apresentam alto desempenho foram encontrados em quase todos os estados, com exceção do Maranhão e de Sergipe. A análise do Moran Bivariado do IVS e a qualidade da atenção básica apontou presença de outliers espaciais baixo-alto principalmente em municípios dos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Bahia o que corresponde a áreas de baixa vulnerabilidade social com alta qualidade da atenção básica. O Maranhão destaca-se por apresentar baixo desempenho das atividades de atenção básica em um grande número de municípios com alta vulnerabilidade social. No município de Aracaju, todas as 137 equipes de saúde da família foram avaliadas no terceiro ciclo do programa. Elas se distribuem nas 45 unidades básicas de saúde existentes, com uma maior concentração nos bairros de população entre 20 a 30 mil habitantes. Além disso, há uma maior disposição de equipes em áreas de alta vulnerabilidade. A distribuição da qualidade da atenção básica no município de Aracaju mostrou-se heterogênea, com maior concentração de equipes com desempenho regular e ruim em bairros localizados na zona norte e equipes com melhores classificações na região centro-sul da cidade. Conclusão: O estudo revelou presença de relação espacial entre indicadores de vulnerabilidade social e qualidade da Atenção Básica, indicando que quanto menor for a vulnerabilidade social, maiores as chances de qualidade superior. Os critérios de implantação da ESF devem levar em conta fatores como densidade populacional e os determinantes sociais, além da equidade e acessibilidade aos serviços. A relevância dos achados está na possibilidade de contribuir para o direcionamento políticas públicas em prol da prestação de cuidados de alta qualidade e melhoria da equidade dos serviços de saúde do país.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS
Interno - 2029205 - ANDREIA FREIRE DE MENEZES
Externo ao Programa - 1935503 - GLEBSON MOURA SILVA
Externo ao Programa - 1778449 - MARCUS VALERIUS DA SILVA PEIXOTO
Externo à Instituição - CAÍQUE JORDAN NUNES RIBEIRO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307