UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DAMIÃO DA CONCEIÇÃO ARAÚJO
20/07/2020 08:56


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DAMIÃO DA CONCEIÇÃO ARAÚJO
DATA: 23/07/2020
HORA: 14:00
LOCAL: PLATAFORMA VIRTUAL: meet.google.com/mef-ietn-kiz
TÍTULO: “Arboviroses em Sergipe: emergência, distribuição espaço-temporal e iniquidades sociais relacionadas”
PALAVRAS-CHAVES: Arboviroses; Indicadores socioeconômicos; Estudos de séries temporais; Análise espacial
PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: As arbovirores dengue, zika e chikungunya pertencem a um amplo grupo de doenças virais transmitidas pelo mosquito vetor Aedes aegypti, e impacta significativamente o cenário epidemiológico mundial. O Brasil é marcado pela alta ocorrência de epidemias, sobretudo, em algumas regiões como o estado de Sergipe. Para o planejamento de ações de controle recomenda-se o uso do mapeamento das áreas de riscos, uma vez que pode contribuir e reorientar as ações. Objetivo: Avaliar a distribuição espacial e temporal das arboviroses no período de 2000 a 2018 e a associação das iniquidades sociais com as epidemias de dengue do estado de Sergipe, nordeste do Brasil. Casuística e métodos: Trata-se de um estudo ecológico realizado no estado de Sergipe, aprovado pelo comitê de ética e pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Sergipe, sob protocolo nº. 3.324.305. A população foi composta por todos os casos confirmados de dengue, zika e chikungunya durante o período estudado. A coleta de dados referente às arboviroses foi realizada no Sistema de Informação de Notificação de Agravos. Os dados relacionados às condições socioeconômicas foram obtidos do censo demográfico de 2010 e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento de 2010. Os dados foram analisados pelos programas BioEstat 5.4, TerraView 4.2.0, QGis e GeoDa. Resultados: O estado de Sergipe é endêmico para dengue, sendo as maiores epidemias registradas no ano de 2008, 2012 e 2015. Durante o período de 2014 a 2016 o estado apresentou surtos de duas arboviroses emergentes: zika e chikungunya. A análise espacial revelou cenários epidemiológicos das arboviroses com ocorrência dos casos em áreas urbanas e rurais localizadas nas regiões centro-norte-sul do estado. A análise de tendência temporal para dengue demonstrou padrão heterogêneo com aumento e diminuição da incidência ao longo dos anos. A modelagem espacial explicou 40% da influência das desigualdades sociais na incidência da dengue no estado. As principais desigualdades sociais relacionadas à ocorrência da dengue foram o percentual de pessoas que vivem em extrema pobreza e o saneamento inadequado, fatores estes que contribuem para o aumento da incidência da dengue. Conclusão: A tendência temporal apresentou padrão variado no período analisado. Todos os municípios do estado apresentaram variabilidade temporal entre as taxas de incidência para dengue. Contudo, as regiões localizadas na região sudeste e sul foram consideradas de alto risco para a doença. Os indicadores sociais como o percentual de renda dos extremamente pobres as condições inadequadas de saneamento básico explicam a incidência de dengue no estado.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS
Externo ao Programa - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307