UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: PAULA RIBEIRO BUARQUE FEITOSA
14/07/2020 15:02


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PAULA RIBEIRO BUARQUE FEITOSA
DATA: 07/08/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Videoconferência
TÍTULO: OBTENÇÃO DE EXTRATOS DE PARTES DE MORINGA OLEÍFERA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA COMO FONTES DE COMPOSTOS BIOATIVOS
PALAVRAS-CHAVES: moringa oleífera, fermentação em estado sólido, spray drying e compostos bioativos
PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Biologia Geral
RESUMO:

A Fermentação em Estado Sólido (FES) pode ser uma ferramenta eficaz para aumentar os teores de compostosbiotivos em moringa, já que, é uma árvore com várias utilidades nas áreas farmacêutica, de combustíveis, purificaçãode água e principalmente alimentícia. O objetivo do trabalho foi realizar a FES das farinhas de folhas, sementes ejunção de folhas + sementes de moringa com umidade inicial (UI) de 50% ou 70%, para potencializar o potencialbioativo das partes de moringa. Os extratos foram obtidos com água destilada, etanol 40% (E40) e 80% (E80) eacetona 40% (A40) e 80% (A80). Os extratos com teores aumentados de fenólicos totais e flavonoides totais após aFES foram analisados quanto a atividade antioxidante (AA) pelos métodos FRAP, DPPH e ABTS, atividadeantimicrobiana e os compostos bioativos foram identificados e quantificados por CLAE. Após a FES, obteve-se omaior aumento de fenólicos totais (395%) no extrato da farinha de sementes em A40% (UI= 70%), fermentada por168h e de flavonoides totais (781%) no extrato da farinha de folha em A80% (UI=50%), fermentada por 24h. Amaior AA foi obtida no extrato em A80% de folha de moringa não fermentada pelo método ABTS, destacando aacetona como melhor solvente extrator. As bactérias B. subtilis e S. aureus foram as únicas sensíveis aos extratos defolhas e de sementes fermentadas e S. marcescens ao extrato de sementes fermentada. Os extratos de farinhas nãofermentadas não demonstraram potencial antibacteriano, exceto o extrato em água destilada, para S. aureus. Oprocesso fermentativo proporcionou a extração e/ou síntese de doze novos compostos na farinha de folhas demoringa, não identificados na farinha não fermentada, e na farinha de semente fermentada a FES proporcionou asíntese do composto galato de epigalocatequina e aumento das concentrações de catequina, galato de epicatequina;epigalocatequina e galato de etila na farinha. O ácido gálico foi o composto majoritário presente em todos os extratos,sendo valores máximos nos extratos de folhas de 1,090 mg/g seca de material sólido e 3,115 mg/g seca de materialsólido nos extratos de sementes. A FES melhorou o perfil bioativo das farinhas de moringa, comprovando ser ummétodo de extração eficaz para a obtenção de compostos bioativos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALVARO SILVA LIMA
Interno - 2022042 - DANIEL PEREIRA DA SILVA
Interno - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Presidente - 2505573 - LUCIANA CRISTINA LINS DE AQUINO SANTANA
Externo ao Programa - 3146747 - MARIA TEREZINHA SANTOS LEITE NETA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307