UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: AMAURY SOARES DE BRITO
27/02/2020 16:49


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMAURY SOARES DE BRITO
DATA: 26/03/2020
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2 - PPGAGRI
TÍTULO: Variação espaço-temporal das assembleias de besouros (Coleoptera: Scarabaeinae) e vespas solitárias (Hymenoptera) em restinga da Reserva Particular do Patrimônio Natural do caju, Sergipe.
PALAVRAS-CHAVES: Sensibilidade, Habitat, Desmatamento, Vegetação, Diversidade
PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Os besouros da subfamília Scarabaeinae (Coleoptera: Scarabaeidae) e as vespas solitárias (Himenoptera) são considerados bioindicadores de qualidade ambiental além de prestarem relevantes serviços ecossistêmicos. O estudo foi conduzido, na Reserva Particular do Patrimônio Natural do Caju, Itaporanga d’Ajuda, Sergipe e foi avaliado se diferenças entre três tipos de vegetação dentro do ecossistema de restinga, i.e. floresta secundária, vegetação arbustiva e área aberta e as variáveis de clima e tempo influenciam nas estruturas das comunidades destes insetos. Exclusivamente, as coletas de das vespas solitárias foram realizadas apenas na floresta secundária e na área aberta. A diversidade Alpha (ɑ) das vespas solitárias foi 10 espécies e o tipo de vegetação e a sazonalidade influenciam as vespas solitárias, de modo que a maior diversidade ɑ foi encontrada na floresta secundária, as vespas nidificaram durante o período chuvoso. Nos dois tipos de vegetação as vespas fundaram mais ninhos à 3,5 metros de altura do chão. Houve alto valor da diversidade entre os meses de coleta, entre os tipos de vegetação houve um completo aninhamento das comunidades. Em relação a comunidade de besouros escarabaeíneos, a diversidade Gamma (ɣ) foi de 13 espécies, a maior diversidade ɑ foi na vegetação arbustiva,. na área aberta teve a maior abundância e na floresta secundária foram encontrados os maiores índices Shannon e Pielou. As espécies Dichotomius geminatus, D. schiffleri e Canthon nigripennis foram as mais abundantes, sendo que D. schiffleri, C. nigripennis e Uroxys sp., são espécies dependentes de floresta e D. geminatus, C. humerale, Ateuchus semicribratus e Dichotomius nisus preferem áreas abertas. A diversidade βeta entre os meses de coleta foi maior na área aberta, durante a estação seca a diversidade βeta teve maior contribuição do componente turnover, o componente nestedness foi maior durante a estação das chuvas. A sazonalidade não afeta a abundância total e nem a riqueza de espécies, mas influencia algumas populações isoladamente, e durante a estação chuvosa a emergência das espécies ocorre dessincronizada. As espécie ameaçada de extinção Dichotomius schiffleri é restrita a ambientes de mata arbórea dentro do ecossistema de restinga, alguns indivíduos podem ser encontrados em vegetação arbustiva, mas o D. schiffleri é ausente em áreas abertas. A emergência do D. schiffleri é fortemente influenciada pela precipitação, com um pico no início da estação chuvosa e decréscimo ao longo da estação. Os tipos de vegetação e a sazonalidade influenciam na estrutura das comunidades de vespas solitárias e besouros escarabaeídeos, estes insetos têm preferência por hábitat, estação no ano e altura do ninho, para as vespas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 638.148.201-00 - ADENIR VIEIRA TEODORO
Externo à Instituição - ALINE BORBA DOS SANTOS
Externo à Instituição - ELIANA MARIA DOS PASSOS
Externo à Instituição - MARCELO DA COSTA MENDONCA
Externo à Instituição - SHÊNIA SANTOS SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16104-201f40f5e2