UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: SAMARA OLIVEIRA LOPES
27/02/2020 16:25


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SAMARA OLIVEIRA LOPES
DATA: 28/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Miniauditório do CCBS em São Cristóvão
TÍTULO: CARGA DE TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA DOS ENFERMEIROS DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA
PALAVRAS-CHAVES: Carga de trabalho, Estresse ocupacional, Esgotamento psicológico, Qualidade de vida, Enfermeiras e Enfermeiros.
PÁGINAS: 89
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
SUBÁREA: Enfermagem Médico-Cirúrgica
RESUMO:

A Unidade de Terapia Intensiva é um ambiente crítico e complexo, onde é realizada a assistência a pacientes com risco de morte, bem como possui diversos fatores que expõe continuamente os Enfermeiros a uma carga de trabalhado elevada, ao estresse, à Síndrome de Burnout e a danos à qualidade de vida. Objetivo Avaliar a carga de trabalho, a qualidade de vida, o estresse e a Síndrome de Burnout dos enfermeiros de Unidade de Terapia Intensiva. Métodos Estudo observacional, do tipo transversal e análise quantitativa realizado com enfermeiros e prontuários de pacientes internados na Unidade de terapia Intensiva no período de novembro de 2018 a fevereiro de 2019. Para avaliação da carga de trabalho e da gravidade dos pacientes foram aplicados aos prontuários o Nursing Activities Score e o Simplified Acute Physiology Score III, respectivamente. Para avaliar os níveis de estresse, a síndrome de Burnout e a qualidade de vida entre os enfermeiros foram utilizados os questionários da Perceived Stress Scale (PSS 14), o Maslach Burnout Inventory (MBI) e o World Health Organization´s Quality of Life (WHOQOL-Bref), respectivamente. Resultados: Observou-se entre os prontuários de 104 pacientes que a maioria era adulto, do sexo masculino, procedente do pronto socorro e o motivo da internação era clínico, com baixos escores para a carga de trabalho da enfermagem. Embora não tenha havido associação da carga de trabalho com o tipo de internamento, houve correlação importante entre o NAS da admissão e o NAS da alta nos dois tipos de internação, bem como do NAS médio com a gravidade dos pacientes clínicos. Também verificou-se, entre os 24 enfermeiros uma alta percepção do estresse e alterações significativas referentes aos três domínios da Síndrome de Burnout. A qualidade de vida mostrou-se não satisfatória, sendo o domínio meio ambiente o mais afetado. Conclusão: Mesmo com a carga de trabalho descrita como baixa, há um alto risco de adoecimento dos Enfermeiros, bem como uma qualidade de vida ruim.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2865478 - ANDRÉIA CENTENARO VAEZ
Interno - 2394615 - EDUESLEY SANTANA SANTOS
Externo ao Programa - 3120444 - JUSSIELY CUNHA OLIVEIRA
Externo ao Programa - 2771472 - MARIANGELA DA SILVA NUNES
Externo à Instituição - ANA PAULA LEMOS VASCONCELOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307