UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: IGOR SILVA DA HORA
11/02/2020 10:06


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IGOR SILVA DA HORA
DATA: 28/02/2020
HORA: 13:00
LOCAL: Sala de Reuniões do Complexo da Engenharia Florestal
TÍTULO: Memória de hidratação no escuro de sementes: quando o fotoblastismo altera as respostas das sementes à hidratação descontínua para aumentar sua longevidade
PALAVRAS-CHAVES: Ciclos de hidratação e desidratação, Caatinga, viabilidade de semente, memória hídrica.
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

O envelhecimento das sementes inicia logo após a maturação e dispersão das sementes pela planta mãe. Após a dispersão, as sementes são depositadas em bancos de sementes do solo, tornando-se expostas à diferentes fatores abióticos. Em ecossistemas semiáridos como a Caatinga, a luminosidade e ciclos de hidratação e desidratação (ciclos de HD) ocasionados pela irregularidade hídrica podem influenciar diretamente as características fisiológicas da semente como, por exemplo, a longevidade. Assim, objetivou-se avaliar o efeito dos ciclos de HD na longevidade de sementes de Cereus jamacaru DC. subsp. jamacaru (Cactaceae) em bancos de sementes do solo e como a luz pode interferir nessas mudanças fisiológicas promovidas pela hidratação descontínua. Amostras de solo e sementes foram coletadas em áreas de Caatinga. Tais sementes foram submetidas a 0 (controle, onde as sementes não passaram por nenhum ciclo), 1, 2 e 3 ciclos de HD. Os ciclos foram simulados em potes plásticos tampados contendo solo da Caatinga com 20 mL de água. Após os ciclos, as sementes foram colocadas nos bancos de sementes do solo durante os tempos de 0, 3, 6, 9, 12 e 15 meses. As sementes do tratamento luz foram hidratadas sob influência da luz, enquanto as sementes do tratamento escuro passaram por uma hidratação na ausência de luz. Os parâmetros germinativos avaliados foram germinabilidade e T50, além da quantificação de açúcares redutores e proteínas solúveis totais. A normalidade dos resíduos dos dados e a homogeneidade das variâncias foram obtidas através dos testes Shapiro-Wilk e Levene, respectivamente. Os resultados foram analisados através de Análises de Variância Fatorial, com as médias comparadas a posteriori pelo teste de Tukey, no software STATISTICA13.0, com α = 5%. Nas sementes recém-coletadas (tempo 0), os ciclos de HD promoveram um aumento na germinabilidade, enquanto o T50 não foi influenciado, sendo p<0,001 e p=0,094, respectivamente. Os compostos bioquímicos também sofreram influência dos ciclos nas sementes recém-coletadas. Quanto à longevidade, notou-se que a passagem por ciclos aumentou a longevidade das sementes, promovendo um aumento na germinabilidade (p<0,001) e uma diminuição no T50 (p<0,001), mesmo após um longo período de tempo no banco. Quanto a influência da luz na longevidade, percebeu-se que os ciclos de HD realizados no escuro promovem uma maior manutenção da viabilidade das sementes no banco. Desta forma, a longevidade das sementes é melhorada no ambiente com a ocorrência natural de ciclos de HD e, além disso, a ausência de luz durante os ciclos pode aumentar ainda mais a longevidade de sementes pertencentes ao banco.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1881178 - MARCOS VINICIUS MEIADO
Externo ao Programa - 1712587 - ELIZAMAR CIRIACO DA SILVA
Externo à Instituição - KATIA FERNANDA RITO PEREIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9