UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CAÍQUE JORDAN NUNES RIBEIRO
05/02/2020 14:39


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAÍQUE JORDAN NUNES RIBEIRO
DATA: 03/03/2020
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do Conselho Regional de Enfermagem
TÍTULO: Análise dos padrões espaciais, temporais e espaço-temporais da leishmaniose visceral e sua associação com a vulnerabilidade social no nordeste brasileiro.
PALAVRAS-CHAVES: Análise espacial. Epidemiologia. Indicadores de Morbimortalidade. Leishmaniose Visceral. Vulnerabilidade Social.
PÁGINAS: 67
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: a leishmaniose visceral (LV) é uma doença tropical negligenciada potencialmente fatal se não tratada oportunamente, que tem sido associada a iniquidades sociais e condições de vida inadequadas. Apesar de sua ampla transmissão no Brasil, a região nordeste é responsável pelos maiores indicadores de morbimortalidade do país. Essa região é constituída por municípios com alta vulnerabilidade social. Objetivo: analisar os padrões espaciais, temporais e espaço-temporais da LV e sua associação com a vulnerabilidade social nos municípios do nordeste brasileiro. Método: estudo ecológico, de série temporal, com técnicas de análise espacial, utilizando todos os casos confirmados de LV nos 1.794 municípios do nordeste do Brasil, de 2000 a 2017. As taxas de incidência foram padronizadas e suavizadas pelo método bayesiano empírico local. As tendências temporais foram analisadas por regressão linear segmentada. O Índice de Vulnerabilidade Social (IVS) foi utilizado como variável independente e representou uma medida de vulnerabilidade social da região. Para análise espacial, foram utilizados os Índices de Moran Global (I) e Local (LISA) univariados. A estatística de varredura espaço-temporal foi utilizada para identificação de aglomerados espaço-temporais de alto risco para LV. O teste de correlação de Spearman e as análises bivariadas I e LISA foram executados para examinar a associação entre a incidência de LV e IVS. Resultados: um total de 36.498 casos confirmados de LV foram incluídos, dos quais 28,86% foram provenientes do Maranhão. A incidência anual manteve-se estável e variou de 4,84-3,52 casos/100.000 habitantes (APC: -1,22; IC95%: -2,5-0,1). Os casos foram mais prevalentes entre homens (62,71%), crianças e adolescentes (63,27%), não brancos (69,75%), residentes em área urbana (62,58%), com baixa escolaridade (27,01%), que evoluíram para a cura (71,15%). Foram observadas tendências crescentes de novos casos entre homens (APC: 1,4; IC95%: 0,8-2,0) e indivíduos com idade ≥40 anos. Houve expansão territorial da doença entre os anos 2010 a 2017 (APC: 3,6; IC95%: 1,0-6,4), com aumento da proporção de municípios com transmissão, espacialmente nos estados do Maranhão e Ceará. Tendências crescentes foram observadas na incidência bruta da população geral no Ceará (AAPC: 5,5; IC95%: 0,2-10,9), na porcentagem de casos de coinfecção (AAPC: 17,3; IC95%: 11,3-23,7) e letalidade (APC: 3,9; IC95%: 3,0-4,9). A incidência de LV apresentou significativa dependência espacial (I = 0.338; p = 0.001). Aglomerações espaciais e espaço-temporais foram identificadas nas sub-regiões sertão e meio-norte, coincidindo com áreas de alta vulnerabilidade social. Os aglomerados espaciais de alto risco compreenderam 269 municípios. O aglomerado espaço-temporal primário ocorreu no período de 2000 a 2008 e foi composto por 465 municípios de cinco estados (RR = 3,35; p < 0,001). Houve correlação positiva (Rho = 0,078; p < 0,01) e autocorrelação espacial positiva (I = 0,1; p = 0,001) entre a ocorrência de LV e a vulnerabilidade social. Conclusão: LV é um problema persistente na região nordeste brasileira e possui associação com a vulnerabilidade social. A aglomeração espaço-temporal de casos de LV em municípios socialmente vulneráveis ensejam políticas públicas de vigilância e controle intersetoriais que foquem na redução da desigualdade e melhoria das condições de vida da população.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS
Externo à Instituição - CHIRLAINE CRISTINE GONÇALVES
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Presidente - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5