UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: THIAGO XAVIER CHAGAS
04/02/2020 16:09


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THIAGO XAVIER CHAGAS
DATA: 19/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2 - PPGAGRI
TÍTULO: Sinergismo entre cupim xilófago e fungo de podridão branca na biodegradação de tocos de eucalipto
PALAVRAS-CHAVES: Destoca biológica, Organismos xilófagos, fungo de podridão branca, Termitidae, Polyporacea.
PÁGINAS: 67
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

As espécies Eucalyptus estão entre as árvores que se destacam para atender o setor de Papel e Celulose
no Brasil, e ao final de sua colheita a um acúmulo de materiais de difícil degradação, como o toco, que
é retirado através máquinas e implementos florestais. Entretanto, alternativas biológicas, como a
inoculação de fungos de podridão, já são estudadas para auxiliar nesse processo. Outro organismo
xilófago que participa da destoca biológica são os térmitas. Os objetivos desta pesquisa foram
quantificar o número de tocos com térmitas e de térmitas coletados ao longo da biodegradação de tocos
de híbridos de Eucalyptus urophylla x E. grandis, identificar espécies que iniciam esse processo e
avaliar a degradação de corpos de prova de Eucalyptus urograndis com a presença do fungo de podridão
branca Pycnoporus sanguineus e térmitas xilófagos Nasutitermes corniger e Microcerotermes exiguus.
Duas áreas, uma em região seca e outra úmida, foram selecionadas e divididas em sete blocos cada, com
avaliações a cada 90 dias até completar 630 dias. O delineamento experimental foi em blocos
casualizados com sete tratamentos, usando para comparação a ANAVA e posteriormente, aplicada a
Análise de Regressão (p<0,05). No experimento biodegradação por fungo e térmita utilizou-se o teste
de dupla escolha, com três bioesaios. A degradação foi avaliada pela perda de massa dos corpos de
prova com a presença e ausência do fungo e de térmitas, a partir da equação De = Mo – Mf. Os dados
foram analisados pelo programa SISVAR e comparado pela ANAVA e, posteriormente, aplicados o
teste t e Soctt-Knott (P<0,05). Os resultados evidenciara que houve significativa nos parâmetros
analisados e foram identificadas 19 espécies de térmitas, pertencentes a duas famílias, com Amitermes
amifer, Nasutitermes kemneri e Microcerotermes exiguus como dominantes e iniciando, com outras
espécies, o processo de biodegradação. Há uma tendência no aumento do número de tocos com térmitas
e de térmitas coletados em tocos ao longo do processo de biodegradação, sendo que seis e oito espécies
de térmitas iniciam esse processo nas áreas seca e úmida. No ensaio de biodegradação, a presença de
um ou dois organismos xilófagos acelerou a degradação dos corpos de prova de E. urograndis quando comparados aos respectivos controles. Essa diferença significativa também ocorre entre os bioensaios
na presença do fungo com ou sem térmitas ou na ausência do fungo com ou sem térmitas. A interação
térmita e fungo acelera o processo de degradação dos corpos de prova de E. urgrandis, e a espécie N.
corniger é mais eficiente na presença do P. sanguineus.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 638.148.201-00 - ADENIR VIEIRA TEODORO
Externo à Instituição - ELIANA MARIA DOS PASSOS
Presidente - 1352277 - GENESIO TAMARA RIBEIRO
Externo à Instituição - JULIO CESAR MELO PODEROSO
Externo à Instituição - MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS DE OLIVEIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16104-201f40f5e2