UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: MIKAELLA TUANNY BEZERRA CARVALHO
03/02/2020 10:51


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MIKAELLA TUANNY BEZERRA CARVALHO
DATA: 17/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento da Ciências da Computação - Campus São Cristóvão
TÍTULO: “MEMBRANAS BIOATIVAS DE COLÁGENO CONTENDO CRISINA EM LIPOSSOMAS REDUZ A INFLAMAÇÃO E PROMOVE MELHORA NA ANGIOGÊNESE E CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS”
PALAVRAS-CHAVES: Cicatrização de feridas. Colágeno. Crisina. Lipossomas.
PÁGINAS: 107
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

De forma geral as feridas são definidas como uma descontinuidade do revestimento das camadas da pele, acionando uma série de eventos complexos que visam restabelecer a integridade cutânea. A eficácia da terapia farmacológica para o tratamento dessas feridas é variável, assim como seus efeitos colaterais, o que impulsiona a busca por novas modalidades terapêuticas, dentre elas os produtos com base em plantas medicinais e nanotecnologia. A crisina é um flavonoide encontrado em várias espécies de plantas e apresenta propriedades farmacológicas como antioxidantes, anti-inflamatórias, antimicrobianas, antibacterianas e antialérgicas que contribuem para um adequado reparo cicatricial. Desta forma, o trabalho objetivou avaliar os efeitos das membranas bioativas de colágeno contendo crisina nanoencapsulada em lipossomas sobre a cicatrização de feridas cutâneas em modelo animal de ferida cirúrgica aberta. Foram utilizados 72 Ratos (Wistar) e 18 camundongos (Swiss) machos, submetidos a uma excisão cutânea e randomizados nos grupos conforme tratamento: limpo – sem tratamento (LP); controle - membrana de colágeno pura (COL) e membrana de colágeno contendo crisina nanoencapsulada em lipossomas (COL/CRI) – produto já patenteado junto ao INPI BR 10 2019 018341 1. Os protocolos experimentais foram aprovados pelo CEPA/UFS (55/2018). As áreas das feridas foram mensuradas através do paquímetro digital no 3º, 7º, 14º e 21º dia pós-lesão e avaliadas histologicamente (coloração hematoxilina-eosina) quanto à resposta e tipo de infiltrado inflamatório, tecido de granulação, proliferação de fibroblastos, deposição de fibras colágenas e epitelização na área de cicatrização. O efeito anti-inflamatório das membranas contendo CRI foi avaliado quanto ao fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e fator nuclear kappa B (NFB) por Western blot e IL-1β e IL-6 por ELISA. As diferenças entre os grupos foram analisadas por meio do teste ANOVA, uma via, seguido pelo pós- teste de Tukey. Os resultados foram expressos como média ± E.P.M. e considerados significativos quando p<0,05. Na análise da área de redução das feridas, os animais tratados com COL/CRI aumentaram significativamente a redução das feridas no 3º dia quando comparado ao grupo LP (p<0,05) e no 7º dia quando comparado aos grupos LP (p<0,001) e COL (p<0,01). Na análise histomorfológica, COL/CRI aumentou significativamente as taxas de epitelização das feridas residuais no 7º dia quando comparado aos grupos LP (p<0,001) e COL (p<0,01); ao 3º dia pós-lesão o tratamento com COL/CRI induziu um perfil inflamatório subagudo nos animais, diferentemente dos grupos LP e COL que apresentaram uma inflamação aguda; no 7º dia o perfil mostrou-se crônico inespecífico no grupo COL/CRI, enquanto que os grupos LP e COL apresentaram uma inflamação subaguda; no 14º dia a inflamação no grupo COL/CRI foi leve a ausente, enquanto que nos grupos LP e COL foi de leve a moderada. Na avaliação da atividade anti-inflamatória no 7º dia pós-cirúrgico, COL/CRI aumentou significativamente os níveis de VEGF quando comparado ao grupo LP (p<0,01) e COL (p<0,001); atenuou significativamente os níveis do NFB quando comparado ao grupo LP (p<0,05) e os níveis das interleucinas IL-1β e IL-6 (p<0,001) quando comparado ao grupo LP (p<0,001). Conclui-se, assim, que a CRI apresenta ações anti-inflamatórias, angiogênicas e cicatrizantes representando uma alternativa biotecnológica promissora com aplicação clínica para o tratamento de feridas, principalmente as crônicas de difícil cicatrização.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 3573579 - ANDRÉ SALES BARRETO
Presidente - 2891169 - ROSANA DE SOUZA SIQUEIRA BARRETO
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5